Desfavor convidado: Geografia da mulher e do homem.

Antes de qualquer coisa, Sally e Somir gostariam de dizer que acharam este texto um desfavor (no bom sentido) e têm muito orgulho de começar a sessão de convidados com a nossa querida Suellen.

Continuem mandando seus des… textos para a gente: desfavor@gmail.com


Aqui está um texto que escrevi em resposta a uma mensagem que recebe como corrente (“a visão positiva da vida“), em relação à mulher. Nela, as diversas fases da vida da mulher são equiparadas a países e a regiões geográficas. Para ser justo e não correr o risco de ser considerado um desfavor apenas pelas mulheres, complementei com a versão masculina da GEOGRAFIA DO HOMEM, bem como minha ‘versão doentia da vida‘ para as mulheres…

Abraços e sucesso desde sempre ao blog.

A GEOGRAFIA DA MULHER

Visão positiva da vida:
1) – Entre 13 e 17 anos, a mulher é como a Antártida:
Misteriosa e com quase todas as regiões ainda não exploradas.

Visão doentia da vida:
– Entre 13 e 17 anos, a mulher já está como a AntártiCa:
Cada vez mais quente, o que fez sumir praticamente todas as barreiras naturais. Logo, com quase todas as regiões praticamente exploradas, já é faz tempo uma rota comercial para navegações de grande porte…

Visão positiva da vida:
2) – Entre 18 e 25 anos, a mulher é como o Continente Africano:
Uma metade já foi descoberta e a outra metade esconde beleza ainda selvagem e deltas férteis.

Visão doentia da vida:
– Entre 18 e 25 anos, a mulher é como o Continente Africano:
Uma parte já foi bem explorada , outra parte é disputada a tapa por um monte de marginais, de desqualificados e de incompetentes e a parte melhor, com alguma beleza selvagem e deltas férteis, os gringos chegaram primeiro e fizeram a festa.

Visão positiva da vida:
3 )- Entre 26 e 35, a mulher é como a América do Norte:
Moderna, desenvolvida, civilizada e aberta a negociações em troca de muito dinheiro.

Visão doentia da vida:
– Entre 26 e 35, a mulher é como a América do Norte:
Pode ser moderna, desenvolvida, civilizada, mas, no fundo, não dispensa um grande pacote de ajuda financeira…

Visão positiva da vida:
4 )-Entre 36 e 40, é como a Índia:
Muito quente, relaxada e consciente da sua própria beleza.

Visão doentia da vida:
– Entre 36 e 40, é como a Índia:
Muito quente, relaxada, mas cada vez mais castigada pelo meio-ambiente, muito por culpa dela mesma…

Visão positiva da vida:
5) – Entre 41 e 50, a mulher é como a França:
Envelhecida, mas ainda desejável de se visitar.

Visão doentia da vida:
– Entre 41 e 50, a mulher é como a Argentina:
Envelhecida, mas ainda acha que está nos tempos áureos.

Visão positiva da vida:
6) – Entre 51 e 60, é como a Iugoslávia:
perdeu a guerra, é atormentada por fantasmas do passado, mas se empenhando na reconstrução.

Visão doentia da vida:
– Entre 51 e 60, é como a Iugoslávia:
Você fica imaginando como ela era há 30 anos, quando tudo estava ainda no seu lugar.

Visão positiva da vida:
7) – Entre 61 e 70, ela é como a Rússia:
espaçosa, com fronteiras sem patrulha. A camada de neve oculta poucos tesouros.

Visão doentia da vida:
– Entre 61 e 70, ela é como a Canadá:
Grande, espaçosa, com fronteiras sem patrulha. Mesmo próspera e com riquezas, não te atrai, porque você sabe que não vai ter excitação nem desafios.

Visão positiva da vida:
8) – Entre 71 e 80, a mulher é como a Mongólia:
com um passado glorioso de conquistas, mas com poucas esperanças no futuro.

Visão doentia da vida:
– Entre 71 e 80, a mulher é como o Iraque:
A conquista pode ter sido gloriosa, mas com poucas esperanças no futuro, que pode acabar hoje ou daqui a mais uns 20, 30 anos.

Visão positiva da vida:
9) – Depois dos 81, ela é como o Afeganistão:
Todos sabem onde está, mas ninguém quer ir até lá.

Visão doentia da vida:
– Depois dos 81, ela é como o Afeganistão:
Todos sabem onde está, mas ninguém quer ir até lá. Terreno inóspito e muito acidentado.


GEOGRAFIA DO HOMEM

– Entre 13 e 17 anos, o homem é como o Timor Leste:
Sem consciência da sua insignificância, acha que pode ser independente, mas precisa de Deus e o mundo para monitorá-lo.

– Entre 18 e 25 anos, o homem é como o Brasil:
Acha que suas riquezas naturais, aliadas a um avanço material incipiente, são mais do que suficientes para ter um espaço no mundo.

– Entre 26 e 35, o homem é como a China:
Pode apresentar um crescimento econômico impressionante, mas um olhar mais cuidadoso ainda revela sérios contrastes preocupantes como, por exemplo, mostrar um poder aquisitivo comparável ao dos países mais ricos e, ao mesmo tempo, apresentar noções mínimas de higiene.

– Entre 36 e 40, a homem é como a Inglaterra:
Tem seus encantos, vale uma conferida, mas você não quer passar muito tempo lá, até porque você ainda que dá tempo para ver o que o resto do continente tem de atrações antes de optar de vez pelo seu favorito…

– Entre 41 e 50, é homem é como os Estados Unidos:
Muitos já estão estabelecidos, demonstraram sua capacidade, mas acham que isso basta para se manter, mesmo sabendo que precisam, daqui para frente, investir cada vez mais na infra-estrutura se ainda quiserem se mostrar atrativos para o resto do mundo.

– Entre 51 e 60, o homem é como a Suiça:
Tudo funciona ainda perfeitamente, de forma meramente satisfatória, pois não há mais espaço para grandes surpresas. Nem vontade.

– Entre 61 e 70, o homem é como a Suécia:
É o Estado de Bem-Estar social: sustenta pai, mãe, filho, filha, neto, neta, sobrinho, sobrinha, (a família da (o)) amante…mesmo que eles não precisem dessa ajuda ou a mereçam. Mas, mesmo assim, quem pode se afasta daquela chatice toda, em busca de coisas mais interessantes.

– Depois dos 71, o homem é como a União Soviética:
Um dia foi respeitado por sua grandeza, importância, e por ter sido uma grande potência. Hoje nada disso mais está lá… já faz parte da História há muito tempo…

Suellen

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Comentários (11)

  • “Entre 26 e 35, o homem é como a China:
    Pode apresentar um crescimento econômico impressionante, mas um olhar mais cuidadoso ainda revela sérios contrastes preocupantes como, por exemplo, mostrar um poder aquisitivo comparável ao dos países mais ricos e, ao mesmo tempo, apresentar noções mínimas de higiene.”

    Absurdo!

    Se eu tomei banho de manhã, acho um exagero chegar em casa e tomar outro no final do dia, além disso, está acabando a água no planeta…

  • Hilário. ^-^
    Adorei o texto, eu já tinha lido a Geografia da Mulher e achei engraçado, essa adaptação está melhor ainda! Parabéns!

  • A visão positiva é uma delícia, mas como tô na TPM fico cismada com a visão doentia… ser mulher é uma loucuuura.
    Beijos

  • Eu só faria uma troca…

    Dos 13 aos 17 o homem é como a Venezuela: Tem combustível para para dar conta de praticamente todo mundo, mas é controlado por um completo imbecil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: