Sally Surtada (sugestão da leitora): Diferenças culturais.

O tema de hoje é complicado. Vou escrever, atendedo a pedido, sobre as diferenças regionais/culturais que existem no Brasil. É complicado porque é um assunto muito sério e profundo para fazer humor e também porque estou seriamente tentada a meter o pau em alguns estados. Vou tentar me controlar.

Não conheço o Brasil todo. Mas conheço todas as regiões. Não queria abordar o assunto no tom de tratado antropológico, até porque, não estou qualificada para isso, então, resolvi enfocar as diferenças regionais partindo de uma única experiência em comum, que tive em todos os lugares para onde viajei: encontrar uma lagartixa no quarto. A reação ao meu ataque histérico fala por si só, não vou precisar expressar nenhum juízo de valor nem fazer inimigos. Me limito a narrar o que aconteceu.

Sempre viajei muito, a trabalho e a lazer. E é muito comum que eu encontre algum bicho do qual tenho medo no meu quarto de hotel (não que os hotéis sejam sujos, eu é que tenho medo de quase tudo quanto é bicho). Para não criar um clima chato, vou contar diferentes experiências minhas sem dar nome ao estado, apenas às regiões. E quero deixar claro que todos os hotéis eram não só do mesmo nível como da mesma rede e todos em grandes capitais. Lá vai:

REGIÃO SUDESTE – É noite, estou no quarto do hotel me preparando para deitar e dormir. Vou tomar meu banho, como sempre tomo antes de dormir. No meio do banho, percebo uma movimentação estranha. Sou mípoe, então demorei para perceber o que estava acontecendo. Cheguei perto para olhar, foi quando a vi. Ela me olhava também. Puxei uma toalha e saí berrando para o quarto. Liguei para a recepção:

Sally: “Boa noite, por favor não me ache maluca, mas eu morro de medo de lagartixa e tem uma aqui no meu banheiro, teria como mandar alguém para matar ela para mim?

Hotel: “Perfeitamente, Senhora.”

Dez segundos depois batem na porta. Um funcionário entra, pergunta onde ela está, mata e ainda se desculpa por ter uma lagartixa no hotel. No dia seguinte tinha diversos mimos no meu quarto, como chocolates e outras coisas, como um pedido de “desculpas pelos inconvenientes”.

REGIÃO SUL – Estava desfazendo as malas e quando abro o armário para guardar a roupa, lá está ela. Gritei um “Puta que pariu! Até aqui?”, porque jurava que elas não sobreviviam a baixas temperaturas. Liguei para a recepção e repeti meu discurso:

Sally: “Boa tarde, por favor não me ache maluca, mas eu morro de medo de lagartixa e tem uma aqui dentro do armário, teria como mandar alguém para matar ela para mim?”

Hotel: “A Senhora tem preferência por funcionário homem ou mulher?”

Sally: “Desde que mate, pode mandar até um cachorro” – Será que acharam que eu queria sexo?

Chega um funcionário homem. Saio de perto. Algumas pancadas. Silêncio. O funcionário me aparece com a lagartixa ainda viva nas mãos e pergunta “A Senhora deseja que mate ou que apenas a retire do quarto?”. Porra, desde o começo eu pedi para matar, mas ele me obrigou a dizer mais uma vez. Peço para ele matar e ele esmaga a lagartixa com um jornal. No dia seguinte não se falou mais no assunto.

REGIÃO CENTRO-OESTE – Estou vendo TV, no final do dia, quando ela aparece. Estava escondida atrás do móvel da TV. Pego o telefone e ligo para a recepção:

Sally: “Boa tarde, por favor não me ache maluca, mas eu morro de medo de lagartixa e tem uma aqui no meu banheiro, teria como mandar alguém para matar ela para mim?”

Hotel: “Vou verificar”

Quarenta minutos depois, batem na porta. Acho importante contar que passei os 40 minutos encolhida em um canto do quarto vigiando a lagartixa. Abro a porta. Uma mulher entra e começa a espantar a lagartixa. Eu peço para ela matar. Ela diz que “não precisa, ela já está indo embora” e coloca a lagartixa para fora pela janela.

No dia seguinte, ela estava lá novamente. Por sorte, eu estava indo embora no mesmo dia. Deixei minhas malas na recepção e passei o dia na rua.

REGIÃO NORDESTE – Juro para vocês que o que vou escrever aqui é verdade. É bizarro demais para acreditar, mas juro que foi assim mesmo que aconteceu. Cheguei ao hotel, peguei as chaves do quarto e fui me acomodar. Acho importante contar que de todos os hotéis, esse era o com maior número de estrelas. E o mais caro de todos os eventos aqui narrados. Abro a porta do quarto e fico paralisada de medo: vejo uma lagartixa ANABOLIZADA, gigante e gorda me olhando. Por aquelas bandas, eles a chamam de “Calango”. Visão do inferno. Nem tive como pegar o telefone para ligar para a recepção, porque não tive coragem de passar por cima dela.

Dei meia volta e fui andando até a recepção. Estava apavorada, porque era realmente grande. Cheguei na recepção dando meu faniquito de mulherzinha, que costuma colar bem:

“AAAiiii moçoooo, me ajudaaaa! Tem um bicho enorme e horríveeeel no meu quaaaartooo!!!”

O funcionário arregalou os olhos, abriu um armário e pegou uma peixeira. Naquela hora eu pensei “ACHO que ele vai ficar puto quando souber que é uma lagartixa”. Ele me acompanhou até o quarto, entrou e ficou procurando. Leiam o que se segue imaginando o sotaque do funcionário:

Funcionário: “Óóóóliiii, tô vendo nãããão, acho que já fooooi emboooora”

Sally: “Ali, moço! Ali! do lado da cama, no chão!”

O Funcionário fez cara de espanto e apontou para a lagartixa com cara de interrogação.

Sally: “É moço! É! MATA! MATA!”

O Funcionário inclinou a cabeça para um dos lados e ficou em total inércia contemplativa por diversos minutos. Quando eu estava quase tendo um AVC, ele disse:

“Mato nãããããããoooo”

Sally: “Como não? Porque não?”

Funcionário: “É bicho liiindu di Deeeus”

Sally: “E EU, MOÇO? EU NÃO SOU LINDA DE DEUS NÃO! PELO AMOR DE DEUS, MATA ESSE BICHO”

Funcionário: “Maaaaatooo nãããããão”

Entrei no quarto puta da vida. Eu teria que passar vários dias por lá. Ao contrário do resto do Brasil, a lagartixa de lá era arrogante e insolente, não respondeu a meus pisões e não se afastou nem se escondeu. A dona do quarto era ela. Abri a mala e comecei a jogar coisas nela. Joguei uma bola de meia e ela nem se mexeu, continuou me olhando com cara de desprezo. Podem rir, mas foi só quando atirei uma camisa da Seleção Argentina que ela se afastou.

Comecei a chorar. Na época, peguei o celular e liguei para o Somir, chorando e gritando. Ele não entendeu nada, demorei uns 20 minutos para me fazer entender. Ele disse que era um absurdo, que eles tinham que matar sim. Eu liguei para a recepção e pedi para falar com o gerente do hotel, expliquei o que estava acontecendo e ele disse que mandaria alguém. Mais de uma hora depois, bate uma mulher na porta. Digo a ela que a lagartixa se escondeu porque eu joguei roupas nela, que estava atras do armário e ela disse que quando ela saísse do armário eu deveria chamá-la novamente.

A lagartixa saiu do armário. Eu avisei. A funcionária demorou uma hora e quarenta minutos para aparecer. A lagartixa já tinha se escondido novamente. Ela disse que não poderia fazer nada. Ligo novamente para a recepção e peço para trocar de quarto, explico o motivo. A recepcionista RI sem cerimônias e diz que todos os quartos estão ocupados, fazendo um acréscimo “Óóóóli, se a Senhora tem medo, melhooor que volte pro Rio, porque aqui tem em tudo quanto é lugaaar”.

Ligo chorando para o Somir novamente. Ele me explica que as lagartixas respiram pela pele (respiração cutânea) e que o melhor que eu poderia fazer seria ligar o ar condicionado no máximo, porque isso ressecaria a pele dela e ela teria que sair do quarto para algum lugar mais úmido. E ele também apelidou o calango de Fred.

Ligo o ar na temperatura mais baixa e vou para um shopping. Saindo do quarto, quando passava pelo parque que tinha na entrada do hotel, vi diversos calangos andando normalmente entre as pessoas, alguns até na beira da piscina.

No caminho para o shopping, vi calangos pela rua. Na porta do shopping tinha calangos também. Eu criei uma teoria: lá tem tantas moscas que as lagartixas estão hiper-alimentadas e ficam enormes. Juro para vocês, até mesmo em lugares fechados como shoppings tinha moscas por todos os lados.

Na volta ao hotel (eram dez da noite e o shopping estava fechando) entrei no quarto (gelado, por sinal) e não encontrei o Fred. Mesmo assim, dormi de tênis e toda coberta, para não correr o risco dele encostar em mim. E só dormi porque tomei um anti-histamínico que me deixa com muito sono.

No dia seguinte, ao acordar, encontro o Fred no chão do quarto, como se nada. Aquilo foi demais para mim. Gritei com o Fred: “O que você quer? O QUE VOCÊ QUEEER?” Liguei o ar em uma temperatura anti-Fred e fui tomar o café da manhã. Ao passar pela recepção um funcionário ainda fez piada com a minha cara “E aí? péééérdeu o medo du bichinhuuuu?”. Pensei: “Não, mas ganhei a convicção que do Espírito Santo pra cima eu não viajo mais”.

Voltei para o quarto, liguei para o aeroporto e mudei minha passagem para aquele mesmo dia. Fiz as malas e fui para a recepção, avisei que estava indo. Se recusaram a me devolver os dias pagos. Não faz mal, paguei para ficar longe daquele lugar. Tá valendo. Enquanto esperava o funcionário da recepção chamar um táxi (tudo é em slow motion), passa um casal gays na recepção, um era gringo e o outro nacional. O mesmo funcionário que tinha se recusado a matar a lagartixa me solta o seguinte comentário: “Óóóóóliii! Mas tem é que mataaar um cabra deeeeesses!”. Olhei chocada e respondi “Moço, o Senhor se recusou a matar uma lagartixa mas acha que tem que matar um ser humano?” e ele respondeu “Issssu não é geeenti nãããão!”. Eu, quase beijando minha passagem de volta disse “Quer dizer que o senhor mataria um colega seu?” e ele finalizou “Nãããão! aqui não tem freeescu não!!! Vem tuuudo de Péééérnambuco!”. Entrei no táxi sem nem me despedir.

No aeroporto havia calangos. Do lado de dentro. Antes de ir embora, no melhor estilo Carlota Joaquina, bati um sapato no outro e disse “Desta terra eu não quero nem o pó!”.

REGIÃO NORTE – Estou jantando em um lugar a céu aberto quando se aproxima uma lagartixa. Fico de olho, só esperando o atendente chegar para pedir para que ele mate ou chame alguém para matar. Faço um sinal e ele faz que sim com a cabeça, está acabando de servir uma mesa ao lado e depois vem. Fico de olho nela, essas pragas quando se escondem ninguém acha. Do nada, surge um bicho peludo que eu não sei identificar (talvez por ser míope ou talvez porque lá é cheio de bicho exótico) e COME a lagartixa. O atendente se aproxima e pergunta: “Pois não?” e eu respondo “Uma fatia de torta de chocolate, por favor”.

Welcome to the jungle.

Dedico esta postagem à Camilla, que sugeriu o tema via e-mail.

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Comentários (27)

  • nao tenho nda contra lagartixa.. mas de aranha..afffff
    outro dia eu estava aqui no pc de madrugada.. qdo algo do outro lado do corredor se mexe..UMA ARANHA IMENSA… como ela tava bem de frente com a porta.. de qq lado q eu fosse ela ia pular em mim… chamei meu irmao.. nda.. chamei meu pai..nda..minha mae..nda…(q alias é a mulher maravilha… ela q me salva sempre!!)eu ja tava em cima da cadeira..chorando, nervosa e minha pressão começou a cair… até q a feliz aranha pula no chão e vem em direção ao comodo onde estou.. nao sei de onde tirei forças pra sair daqui e correr pro meu quarto.. fiquei olhando embaixo da porta o resto da noite..no outro dia meu cachorro achou ela (mas ele tb tem medo)e minha mae matou… de barata eu tenho medo.. mas tenho um veneninho exxxperto no quarto ja hauhuaha

    (nao sou carioca..mas namoro um.. e adoro encher o saco dele escrevendo assim)

  • Pior ainda é quando o Sr meu marido, criatura com quem decidi compartilhar a casa e a vida, se nega a matar uma lagartixa por ela ser “útil, pois come aranhas”.
    Podia comer até rato que eu não ia passar a respeitar esse bicho tosco.

    Te entendo 100%!

  • Nojo! Nojo! Nojo! Eu não mato a chineladas ou pauladas porque fica aquela coisa se mexendo. Esvazio um tubo de inseticida em cima delas. Não quero nem saber se comem mosquitos. Pra eles inseticida também, vela de citronela, benzedura, o que for.
    Beijos.

  • Anônimo, eu sou a primeira a dizer que axe É UMA MERDA de música. Sei disso e gosto mesmo assim. Não venero, não acho bom e muito menos tento convencer alguém de que é bom.

    E não me acho cool, me acho LOSER e faço piada com isso. Todas as minhas postagens (leia o Sally Surtada) são contando episódios vexatórios onde passo vergonha e me porto de forma ridícula. Eu sou tudo menos cool…

    Falo mal de todo mundo, inclusive e principalmente de mim mesma.

    beijinhos no seu coração

  • meu deus! você extermina lagartixas, venera axé, fala muito mal de quem nem sabe que vc existe e ainda acha que é super cool e azedinha. Hmpf! onomatopéia do desprezo pra vc…

  • tenho fobia do nordeste. não vou nem a pau.

    e realmente, aqui no sul é tudo meio província. tem gente que brinca de ser profissional sem saber o que está fazendo.

    maioria dos seres humanos são arigós.

    o que não me faz preferir as lagartixas de jeito nenhum.

  • Camilla, o povo em Salvador dança axé o dia todo, isso para mim compensaria qualquer contratempo. Sempre que me chamarem, vou FELIZ para Salvador, amo de paixão.

    Nesse lugar onde eu fui NÃO dançam axé e acham coisa de viado (“fresco”). Aliás, TUDO é coisa de viado para eles, vai ver são um bando de gays enrustidos, nunca vi tanto preconceito na minha vida…

    E me trataram MAL diversas vezes sem que eu ao menos abra a boca, só por ser carioca.

  • a cidade do nordesta era salvador ou fortaleza?porque fortaleza tem o dom de falar mal de recife e pernambuco em geral
    e salvador é tudo completamente devagar,camera lenta meesmo
    uma vez numa excursão em que eu e minha família chegamos as 5 da manhã no hotel,os quartos só ficaram prontos as 10horas e porque reclamamos
    até o elevador demorava uns 20 segundos pra fechar a porta

  • então Sally…não sei se ela pulou ou se escorregou,o fato e ki é bem nojento e meio mole.E bem no meu ombro,sacanagem!!…putamerda,só de lembrar dá nooooooojo!

  • Eu gosto do seu estilo de redação, é azedinho, que nem o meu. Acho que você vai fazer um texto bem legal sobre esse tema, bem “dedo na ferida”

    Não aguento mais abrir msn e ver frases tipo “Hoje briguei com fulano porque peguei ele cheirando a calcinha da vizinha” ou ler no about me do Orkut “Ele é meu, eu sou dele, nosso amor nunca vai ter fim” e um mês depois a mesma pessoa tá lá pagando pau para outro… Chega dessa exposição da vida privada, chique é não falar do relacionamento!

  • Amei o tema, se o santo da inspiração não baxar hoje no meu terreiro eu me aprofundarei em algumas pesquisas e mandarei bala…

    aquela % foi um chutasso, eu escrevi faz uns 2 anos acho aquele texto, era muito revoltadinha, (alguns pontos daquele texto me entregavam muito! =P) agora vou ter um embasamento mais específico, científico e real das coisas!

    Obrigada pela sugestão, caiu como uma luva… ;)

    te aviso quando estiver pronto! a propósito, vou ver se escrevo lá pelo menos uma vez por semana… tavaa abandonado porque fim de ano e penúltimo ano de faculdade sobrecarregam até o “último cabelo da piriquita” (como diz minha mãe!)

    =***********

  • Hitsuki, não tinha comentado no seu blog porque a última postagem era do mês de outubro, achei que você nem ia ler!

    Mas agora que sei que você passa por lá, já deixei meu comentário e uma sugestão de tema para você escrever!!!

  • GELA O CU DO FRED \o\

    Morei no tocantis… tinha calango, caranguejeira ( que por sinal matei 3 e uma maior que a outra coloquei em formol no meu quarto, quando minha mãe viu quase enfartou! :DDD meu pai adorou a idéia e me deu uma Rã dentro de um vidro de gel *que lançaram naquela época)

    e lá o pessoal fala coisa linda de Deeeeusss mesmo ahueihouihea só mata quando querem comer… Quando mataram uma rolinha quase morri junto… “Não vai comer a rolinha?” respondi que não… (mas pensei em dar uma resposta engraçada que me comprometeria pelos 2 anos que eu estivesse ali ;X)

    Sally, achei legal você opinar e sugerir temas pra se escrever, você já viu meu profile do orkut e não sei se já leu meu blog, tá meio parado, mas não é por falta de assunto, é por ter muito assunto e eu não saber sobre o que falar!!! :|

    Se você tiver paciência um dia desses passa lá, aceito opiniões críticas e se meu blog estiver um desfavor, me avise viu! Sinceridade é tudo nessa vida! :*

  • Pois é, Isa. O bicho andando com um puta baratão na boca e ainda tem gente que fala que é um “bicho limpinho”!

    Camilla, para tudo! Como assim?

    LAGARTIXA PULA?

  • Uma vez uma lagartixa pulou no meu ombro,neim fikei com mto medo..sempre qndo eu vou “fazer o numero 2”,parece ki elas sentem[o cheiro?heheheheh]
    e ficam em cima de mim…aff

    *lá no meu querido Pará elas se chamam ósga!=D

  • Já tinha lido uma vez a tal história da lagartixa nordestina lá no Sally Surtada, e ri muito (aqui também). Mas se te conforta (acho que não), essas coisas bizarras envolvendo lagartixas não acontecem só com você! ONTEM mesmo eu vi uma lagartixa andando pela parede com uma BARATA na boca (aparentemente morta, pq não se mexia). A cabeça da barata estava dentro da boca dela, e o resto do corpo todo pra fora. E ela andava pela parede meio sem equilíbrio, parecia que ia cair. BIZARRO. E o medo de passar do lado e cair lagartixa e barata morta em cima mim? *trauma
    Ah, teve uma vez que uma resolveu morar no meu quarto! Ficou dias lá (e acabou sendo batizada de Reptilia), até fui pedir conselho na PCP, tamanho meu desespero! hahaha

  • Região Norte: Eu ri! XD
    Eu não tenho nojo nem medo de lagartixas, nem to pra elas… O que eu não suporto são baratas. O meu pavor por baratas é perfeitamente comparável com o seu pavor à lagartixas.

    Mas sabe, as lagartixas comem os filhotes de baratas, então elas são minhas amigas, prefiro 1000x uma lagartixa no meu quarto do que uma barata. LOL

  • hhauhauahuahhauahu

    Largatixa, sem dúvida, é um tremendo desfavor!Ave….tenho pânico, pavor, fobia desse bicho nojento. Ainda bem que você contou, nunca mais vou pro Nordeste!!!Ah e nem pro Norte né….que que foi aquilo!rsrs

    Sally, escrevi um dos temas que você me sugeriu….como é que faço pra te mandar?

    bjsss

  • Paulo, não adianta, ELAS VOLTAM
    Eu não só peço para matar, como ainda peço para ver o CORPO depois de morta, para ter certeza de que morreu mesmo!

    Gente, eu sei que é um bicho bonzinho, mas meu medo é irracional…

    Suellen, é assim mesmo! TUDO é demorado e difícil, não parece que eles estão trabalhando, parece que estão te fazendo um favor!!!

  • Sensacionais esses relatos…lembro de um diálogo dentro de um restaurante no nordeste:

    – Garçon, vocês tem catchup?
    – Temos sim.

    E, depois de responder, o garçon simplesmente foi embora. Vinte minutos depois, consegui chamar a atenção dele para explicitar o pedido…

    (não consigo parar de rir aqui no trabalho ao ver esses relatos…Fred…hahahahah)

    Suellen

  • Avatar

    A Madrasta Má

    Ah!!!!!!!! Sally fiquei triste com você… rsrsrs as lagartixas são tão lindinhas… amo as lagartixas de verdade! Nada é mais legal do que subir facilmente por paredes de vidro ou pelas janelas, chegando ao teto, andar por ele de cabeça para baixo e, com certeza, todas as lagartixas são excelentes acrobatas. Não perde nunca a aderência, porque tem, entre os dedos, fileiras de pequenas lâminas transversais forradas de “pêlos” microscópicos em forma de ganchos. Esses “pêlos” se prendem às mínimas saliências de qualquer superfície e aderem melhor do que ventosas.
    Se, por acaso, alguém corta o rabinho de uma lagartixa, ela simplesmente constrói outro igual no lugar!
    Vive nas casas (alvenaria) e é muito útil, porque se alimenta de insetos daninhos como as traças, mosquitos, aranhas, escorpiões, baratas e etc. Durante o dia ela esconde-se em uma rachadura na parede e tetos ou atrás dos móveis, para fugir do calor. À noite ela sai para sua caçada, passeia pelas paredes, portas e janelas a procura de suas presas. A fêmea põe 1 ou 2 ovos numa casca de árvore ou numa fenda de pedra. Alguns meses depois eles se abrem e nascem as lagartixinhas bebezinhas, rsrs.

    A Hemidactylus mabouia é uma espécie nativa da África.

    Lagartixas fujam da Sally!!!!

    Minha querida brincadeirinhas à parte, Bjinhos da Madrasta que ama o seu blog!!!!!!!!

  • Não tenho tanto medo quanto você desses bichinhos mas é assim mesmo que funciona…
    Só me lembro do seu outro texto contando dessa viagem pro nordeste.
    Beijos Sally!

  • Avatar

    Paulo César Nascimento

    Sally:

    Lagartixas e pererecas são criaturinhas do bem. Respeito sua fobia: capturo e solto no Japão, se for o caso, mas não mato. Tenho inclusive uma técnica ninja para isso, rápida e eficiente, com um saquinho de supermercado. Quem mata/come pernilongos e borrachudos é mais que um amigo: é um irmão.

    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: