Somir entrevista: Carcello Mamelo.

Muda o nome, muda o local, mas continua o desfavor. Sejam bem-vindos ao Somir Entrevista, o primeiro segundo write-show do mundo!
Mas agora eu não entrevisto mais brasileiros… Cansei de ser ignorado e maltratado pelas nossas celebridades. Eu encontrei um lugar onde os famosos são mais prestimosos com aqueles que querem apenas mostrar a verdade para o público.

Esse lugar é a Suíça! Vocês vão perceber como as celebridades de lá são MUITO mais interessantes que as nossas.

E eu já começo com um dos mais bem sucedidos músicos que ninguém conhece, Carcello Mamelo, ex-vocalista da banda Il Fratelli. Oriundo do cantão italiano da nossa querida Suíça, Mamelo experimentou relativo sucesso com sua banda e jogou tudo fora para ser cabeçudo em paz nos seus trabalhos solo.


Nota-se pelas suíças.

Mas chega de apresentações, vamos logo à entrevista:

SOMIR: Antes de qualquer coisa, Carcello, é um prazer ter você aqui.

MAMELO: O que é prazer senão a doce brisa da manhã acariciando o rosto dos apaixonados incorrigíveis? Muito embora eu não me importe.

SOMIR: É… Ok. Pois então… Ao invés de falar do passado, vamos começar pelo presente. Você acaba de lançar um trabalho solo, não?

MAMELO: Sim.

*grilos*

SOMIR: Anh… E você poderia falar mais sobre esse… trabalho?

MAMELO: Se você julga necessário… Eu me sentia muito limitado com a minha ex-banda, eu não podia desenvolver meus talentos como compositor, não podia buscar a essência do que é a música envolvida num contexto policultural que engloba o que se sente e o que se é dentro da sociedade.

E também tinha que respeitar a idade legal de consentimento…

SOMIR: Tentando traduzir para quem se importa com o significado e coerência das frases… Você não podia fazer merda enquanto participava do Il Fratelli?

MAMELO: Você ouviu nosso maior sucesso? Anna Giulia?

SOMIR: Bom ponto. Mas depois vocês se rebelaram contra o modelo fonográfico tradicional e arriscaram fazer um CD diferente, com uma sonoridade inovadora ilustrada por clipes horríveis, não?

MAMELO: Eu sempre fui fã da música popular suíça. Queria trazer um pouco dela para o nosso som, a gravadora não gostou e barrou o disco. Tivemos que procurar outra, que só pediu para nós não dirigirmos ao menos um clipe. Pareceu justo.

SOMIR:

*ouvindo o ponto*

Ok, Carcello, estamos perdendo audiência, tem gente indo até ler o kibeloco de tão chato que está. Vou ter que mudar o rumo desta conversa.

MAMELO: Sinta-se à vontade, não estou aqui para esconder nada.

*bebendo um gole de sua caneca*

SOMIR: Ótimo… Foi amplamente divulgado na mídia suíça há um bom tempo atrás que você teria apanhado do Choronne, vocalista da banda Charles Marroni Jr. É verdade que a briga teria começado pela inveja de Choronne pelo seu enorme nariz?

MAMELO: Aquilo foi uma barbárie. Ele começou a berrar que eu desperdiçava o meu potencial sendo um nerd careta e disse que eu não merecia esse presente dos deuses. Partiu para cima e quebrou meu nariz. Claro que a gente soltou uma versão diferente para a mídia, o que me impressiona é que engoliram que ele LIA alguma coisa!

Ei, eu não queria dizer isso. O que vocês colocaram na minha água?

SOMIR: Não tenho a menor idéia sobre o que você está falando.

MAMELO: Estou ficando com calor…

SOMIR: Calma, calma. Vamos continuar a entrevista. Falando em calor… Essa barba enorme não te incomoda? Eu já vi a Greta Pil ao vivo, então sei como suíças podem ser enormes, mas as suas são monumentais. Você tem algum ritual para cuidar da sua barba?

MAMELO: Essa barba só serve para não me chamarem de Emo. Na verdade é uma barba falsa. Eu posso tirá-la agora para vocês verem.

*tirando a barba*

SOMIR: Gezuiz! Parece que você tem 13 anos de idade com o rosto limpo!

MAMELO: Pois é, isso é uma mão na roda quando eu tenho que entrar na escola da minha namorada para vê-la um pouco. Ninguém sabe, mas todo dia eu fico com ela no recreio. E como ela tem que estar em casa às 21:00 todo dia, sobra pouco tempo para aproveitar.

SOMIR: Já que você mesmo entrou no assunto… Esse foi um dos assuntos preferidos dos programas de fofocas suíços nos últimos tempos. Fotos suas com a prodigiosa cantora teen de músicas para velhos Mallu Magarantz pipocaram em tudo quanto é lugar. Vem cá, Mamelo… Você escolheu a Mallu por que motivo?

MAMELO: Porque a Maísa não me deu bola.

SOMIR: Hmmm…

MAMELO: Além disso, Mallu é muito madura para sua idade, eu acho um absurdo esse preconceito contra nossas diferenças. Mulher para mim é como um bom vinho: Depois que tira a rolha perde metade do valor. E quem disse que o amor tem barreiras?

SOMIR: O estatuto da criança e do adolescente?

MAMELO: NÃO É CRIME, PORRA!

SOMIR: Relaxa, Carcello, se tem grama no campo, tem jogo.

MAMELO: Esse é o meu lema. Inclusive compus uma música baseada nisso. Quer ouvir?

SOMIR: Música só sua? Usando as suas inspirações e a sua visão sobre o que é música?

MAMELO: Sim!

SOMIR: Então não. Sabe como é, eu tenho uma audiência para manter…

MAMELO:

SOMIR: Mas não vamos deixar a peteca cair, queria finalizar a entrevista com um pingue-pongue. Eu faço uma pergunta rápida e você responde a primeira coisa que vier à cabeça, ok?

MAMELO: Ok.

SOMIR: Um livro?

MAMELO: Lolita.

SOMIR: Um filme?

MAMELO: Lagoa Azul.

SOMIR: Um ídolo?

MAMELO: Woody Allen.

SOMIR: Ok, chega. Você é um cara estranho, Mamelo. Não vou ser sentimental, como todo carnaval tem seu fim, chegamos ao fim deste programa. Mas você pode voltar outra vez… Quem sabe?

MAMELO: Adeus você.

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Comentários (11)

  • Em nome de toda a equipe do Somir Entrevista, eu agradeço.

    Gravar na Suíça tem seus custos, mas a aceitação do público compensa.
    (Muito embora eu ainda vá vender camisetas do desfavor…)

    Lembrando que se você tiver alguma sugestão de quem eu deva entrevistar, basta sugerir aqui ou por e-mail.

    querosomir@gmail.com ou somir@desfavor.com

    Prefiro celebridades da terra do queijo e do chocolate, mas se você indicar uma tupiniquim, é bem capaz de eu achar uma correspondente.

  • HAHAHAHA Confesso que eu gostava da música e do Carcello. Mas daí me avisaram que o Carcello não tem pau. Caiu quando ele começou a compor/tocar.

    Coitadinha da Mallu Magarantz…

  • bem a cara do “Carcello Mamelo” responder desse jeito todo poético. HAHAHAHA só acho que ele deveria tirar essa barba falsa de vez.

  • Segunda melhor entrevista DO ANO. A melhor foi a da Sarah Palin num programa de TV americano, mas confesso que ganhou por pouquíssimos pontos…

    Parabéns, Somir!

  • Somir. Eu tenho lido todos teus posts. Sinceramente, nunca imaginei que você pudesse mandar algo tão engraçado e bem escrito como esse texto.

    Você tá de parabéns. Arrepiou. Vo mandar pra todo mundo.

    Há braços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: