Ele disse, ela disse: Na riqueza e na pobreza.

O amor pode vencer todas as barreiras? Quando o assunto é diferenças financeiras entre um casal, Somir e Sally acham que a opinião um do outro não vale nada.

Todo mundo já viu alguma história de príncipe encantado que vem para fazer uma pobre garota feliz para sempre. É o tipo da fábula que povoa a mente das mais diversas pessoas pelo mundo afora.

Mas… você lembra de alguma história onde a princesa encantada vem buscar um pobre rapaz para fazê-lo feliz para sempre?

Se você prestar atenção, quase sempre a personagem rica que ignora todas as dificuldades para ficar junto com a personagem pobre é HOMEM. Essas histórias são ficção, claro, mas mesmo assim, são histórias feitas para agradar o público. Se existia a história do Cinderelo, deve ter sido esquecida com o tempo…

Por que só as histórias onde o homem é magnânimo em relação à situação financeira da mulher que ficam famosas?

Simples: Porque só esse tipo de história consegue apelar para as fantasias de ambos os gêneros. Homens gostam de se sentir feito heróis e mulheres gostam de homens ricos e poderosos. Receita de sucesso.

É fácil perceber como as mulheres valorizam demais a condição financeira do homem com o qual querem ter alguma coisa:

“Fulano é pobre, mas é esforçado e me trata muito bem.”

Ênfase no “mas”. Pobreza precisa ser compensada para uma mulher. Você, leitora, pode até não ter coragem de assumir nos comentários, mas com certeza SEMPRE deve ter usado esse “mas” depois de dizer que um homem é pobre para elogiá-lo. Preconceito é uma coisa muito poderosa, aparece no que falamos e pensamos de forma muito sutil quando é sufocado pelo “politicamente correto”.

Não adianta se enganar: Mulheres consideram a pobreza de um homem um defeito. O que se pode fazer? É algo natural, faz parte do instinto da fêmea procurar um provedor, até mesmo se ela puder se manter sozinha.

A mulher que se apaixona por um homem pobre fica o tempo todo lutando contra sua natureza e achando diversas formas de valorizá-lo em outros campos. Ela se sente mal por ter esse preconceito social GRAVADO no seu DNA e faz o possível para enxergar naquele pobre pretendente o seu príncipe encantado.

“Ele ainda não é rico, mas tem tudo para ser…”

Se você ainda não percebeu por que mulher trata a pobreza de um homem como um defeito DELE, preste atenção em algumas outras manifestações comuns de situações parecidas, como o famoso caso do “quem ama o feio bonito lhe parece”… Quando uma mulher se apaixona por um homem feio, com o tempo ele vai ficando mais bonito, mesmo que só na visão dela.

São defeitos relativos. Beleza depende dos olhos de quem vê, inteligência depende do referencial de quem convive, personalidade depende da adaptação da própria personalidade em comparação.

Mas pobreza… (Que, reafirmo, só é defeito para mulheres.)

Pobreza não é tão relativa assim. Claro que a própria situação financeira influi no referencial sobre quem é rico e quem é pobre, mas não existe o caso de uma mulher se apaixonar por um pobre e começá-lo a achar rico com o tempo.

“Eu comecei a ver a beleza dele com o tempo.”

“Se você prestar atenção, ele entende de muita coisa.”

“Eu sei que ele parece frio, mas a convivência mostrou algo diferente”.

Todas frases comuns, certo? Mas, você nunca ouviu algo assim:

“Tudo bem que ele é pobre, mas com o tempo eu encontrei uma Ferrari na garagem do barraco dele.”

A mulher sempre vai se ressentir da falta de condições financeiras de seu homem. Nunca vai ser uma aceitação completa da PESSOA com quem ela convive. Uma coisa é dizer que pode viver sem queijos e vinhos, outra é viver sem almoço e jantar. Não é da natureza feminina prover para um homem, invariavelmente ela vai ficar frustrada se ele não tomar as rédeas na hora que ela estiver necessitada. E por mais que não seja culpa de nenhuma das partes afeta e muito o amor dessa mulher. O príncipe encantado não apareceu… E agora?

Ah, eu esqueci de falar sobre como os homens pensam:

“Se ela é gostosa, tá ótimo.”

Concluindo: O amor na riqueza é possível para todos. O amor na pobreza é possível para um homem se a mulher for gostosa.

E se você, leitora, já usou um “mas” depois de dizer que um homem era pobre, você já concordou comigo. Simples assim. Claro que todas vão concordar com o que quer que a Sally escrever. Aparentemente as mulheres se sentem muito culpadas por essa característica…

Xingamentos, ofensas e admissões de culpa: somir@desfavor.com


Alguém quer um Plasil? Porque depois de ler o que a Madame aqui de cima escreveu, muita gente deve estar com náuseas. Agora que vocês sabem como é a mente distorcida desta pessoa, podem entender melhor porque não estamos mais juntos. Basta ligar os pontos.

Amor sobrevive à pobreza? Claro. Conheço pessoas pobres casadas por muitos anos mais felizes do que eu na vida afetiva. Aliás, acho que no geral, gente pobre é mesmo mais feliz, são mais simples, menos problemáticos (por falta de capacidade de problematizar, não por mérito) e mais conformados.

Amor de uma pessoa acostumada a boa vida sobrevive à pobreza? Pode ser que sim, pode ser que não. Eu acredito ser POSSÍVEL que sobreviva. Até porque, pobreza não é uma doença terminal, não é uma condição irreversível. Um homem pobre e ambicioso me parece melhor partido que um rico acomodado. Procure-os de volta em dez anos e veja como está cada um.

E não falo por romantismo ou da boca para fora não. Já tive namorados que não tinham nem dinheiro para me levar no cinema. Mas eram batalhadores, esforçados. Uma coisa é um namorado playboy que não te leva no cinema porque porrou o Audi que o Papai deu para ele em um poste e está tendo que pagar o prejuízo, outra muito diferente é o cara que foi morar sozinho com 18 anos e se sustenta desde então, trabalhando 12 horas por dia todos os dias e mal paga as suas contas. O meu era o segundo.

Não sei quanto a vocês, mas eu, quando gosto da pessoa, quero ESTAR COM A PESSOA. O lugar me é indiferente. Pode ser em um restaurante caro ou na casa dele vendo um DVD. Claro que é muito melhor estar em um restaurante caro, mas se isso não foi possível, com certeza não será determinante para o fim do relacionamento. Eu não sou cachorro para ter necessidade de passear e muito menos fico fazendo homem de “amiga” e levando comigo a tira colo para fazer tudo que eu quero. Se eu estiver bem financeiramente e acordar com vontade de comer lagosta, chamarei uma amiga abastada para me acompanhar. Meu homem eu quero para uma coisa só: ser meu homem.

Cada vez que a Madame aqui de cima solta essas pérolas, eu fico me perguntando o que as pessoas vão achar de mim. “Você se importa muito com o que as pessoas pensam, Sally” era o mantra que ele sempre repetia. Pois é. Me importo mesmo. Quem o escuta falar deve pensar que eu sou uma interesseira, mercenária e que fica cobrando presentes caros. Devo parecer uma pessoa muito difícil de agradar e não a babaca que comia macarrão com salsicha, via filme baixado no bit torrente e ia dormir achando que teve o melhor final de semana da vida.

“Mas Sally, geralmente mulher não fica com cara pobre”. Será? Mesmo que seja verdade, não são todas. Não mesmo. Mulher quando gosta é muito mais generosa do que homem. Mulher fica com cara feio e acha ele lindo. Fica com cara pobre e acha várias qualidades nele. O complexo está na cabeça de vocês, homens, que se realizam pelo dinheiro e pelo poder e ficam achando que a cabeça feminina é assim também. Quem aqui não conhece um pobre com uma excelente oratória que pega mulher de montão?

A longo prazo, a pobreza atrapalha qualquer coisa, não só o amor. Atrapalha sua saúde, porque você não come bem, não dorme bem, não vai a bons médicos, por exemplo. Pobreza é uma merda, não nego. Mas daí a dizer que não pode haver amor na pobreza…
Observem bem e vocês vão reparar que geralmente o homem que sobe na vida tem sempre uma mulher bacana e companheira do lado (e depois que ele sobe, costuma dar um pé na bunda desta e trocá-la por outra mais nova e mais bonita). Então, não só o amor sobrevive à pobreza, como ainda é um estímulo para sair dela. Sim, muitas vezes o Zé Ruela não faz por ele mesmo e sim por amor à sua esposa, por querer dar uma vida confortável para ela. É uma forma (tosca) comum dos homens demonstrarem afeto: se matar de trabalhar para poder dar o melhor para suas esposas.

O amor não sobrevive é a gente acomodada. E gente acomodada tem um sentido amplo. Acomodada em qualquer aspecto. Só um acomodado fica com outro acomodado, porque só um acomodado suporta essa inércia contemplativa de ver a vida passar sem fazer nada para melhorar.

As histórias de amor mais honestas que já vi e que já vivi não foram em ambientes de luxo. Até porque, tem gente que realmente não liga para isso. A Madame aí de cima acha que seu jeito de pensar é parâmetro mundial, mas não é. Tem gente que não precisa de muitos bens para ser feliz. Se a felicidade sobrevive à pobreza, quem dirá o amor.

Mulher quando gosta é uma desgraça. Quase nada nos impede de pular de cabeça. Nosso lado racional entra em coma. E se o problema for começar a gostar de um pobre, já adianto que é o que mais se vê: menina rica apaixonada por menino pobre. Nunca impediu ninguém de se apaixonar. Acontece desde que o mundo é mundo. E em alguns casos, dura.

Nem vou usar meu limite de páginas, essa é uma discussão que já nasceu morta. Mesmo a mais esnobe das mulheres (que divulga aos quatro cantos que homem para sair com ela tem que buscá-la de Audi na porta da sua casa) sabe que não está livre de um dia se apaixonar por um pobretão pedestre. Já virou livro, já virou novela, já virou filme (por exemplo, “Um salto para a felicidade”, em inglês “Overboard”). Se fosse tão impossível, não existiria com tanta freqüência no mundo da ficção.

Não se chuta cachorro morto. Vou parar por aqui, porque mesmo antes de começar a escrever, a Madame aí de cima estava mortinho. Só quero que ele me responda se falta de dinheiro já nos impediu de ser feliz nos momentos em que estivemos juntos.
E digo mais: o melhor presente que já recebi de um homem em toda a minha vida, o que mais me fez feliz, custou só um real.

Para convites para comer um cachorro quente na esquina, ir no cinema a pé e dividir um jantar: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Comentários (26)

  • o somir tem razão, homen rico gosta de mulher pobre sim, mas tem que ser bonita e gostosa, pobre e feia os homens nem olham.

  • O único mas permitido pra mim nesta questão é: “mas ele está se esforçando (assim como eu) pra progredir”
    Se quer ser feliz no pagodão da laje filho procura outra.
    As pessoas usam pobreza como desculpa pra tudo, de não estudar até a falta de educação, etc etc. Não tolero mesmo alguém que culpe os outros por seus fracassos e acho o fim o cara não ter dinheiro pra me pagar um sorvete que seja, PRONTOFALEI !

  • Somir,

    Como vc bem disse, um homem não se incomoda de sustentar a mulher que vai ser mãe dos seus filhos desde que ela continue “se cuidando”. Ou seja, uma exigênciazinha a mais não?

    Ou não seria quase a mesma coisa?

    Se o cara gostar desse tipo de vida fazer isso porque não? Apesar de eu achar assombroso um homem dentro de casa apoiaria.

    Mas um fiscal da natureza realmente ninguém merece. E não é por questão de grana não.

    Trabalho dignifica. Mal remunerado ou não.

    ================================

    Miss Kika,

    Pode parecer bizarro, mas a gente nunca sabe por quem vai se apaixonar. Eu acho que só nao conseguiria mesmo um cara totalmente à toa. Tem que fazer algo, nem que seja humanitário, doméstico, sei lá!

    Desde que não seja trabalho religioso, esotérico, perigoso ou afins, afinal, não queri ficar viuva cedo.

    Se a vocação dele for ser do lar porque não? A vida inteira as mulheres não foram sustentadas por homens? A diferença é que eu não reclamaria, trataria com carinho e NUNCA jogaria na cara “eu te sustento”.

    E cuidaria do meu jeito.

    E vamos parar a discussão por aqui né? Afinal, opinião é como budam cada qual com a sua. Homens nunca vão entender a gente nem eles.

    O importante é que com essa diferença as pessoas ainda se encontram e se esforçam em aceitarem as diferenças e serem felizes.

    Pelo menos nós mulheres.

    Ok falo por mim.

  • Mary…

    Um dono do lar???

    Ai Jesus.. rsrs esa foi demais..

    Desse tipo eu to fora..

    Homem tem que ser homem .. tem que ser o macho da casa ( minha opinião ok!).. Dono do lar comigo não rolaria.. rsrsr

    Beijinhos..

    Miss Kika

  • Amei os 2 textos…

    Sally sou sua fã número 0, mas… nesse texto concordei mais com o Somir..rsrs

    O que eu entendi foi que o Somir não disse que é impossível um relacionamento Macho Pobre – Mulher Rica, mas sim que existe o preconceito por parte da mulher… e existe sim!!
    Ninguém quer escolher um cara fudido para se apaixonar – namorar – casar… ( Nascer pobre é destino.. morrer pobre não! rsrs. Ninguém vai dormir a noite pensando “- Ai meu Deus amanhã vai cair um cara fudido na minha horta.. ô se vai..!”

    Mas entendo também qnd Sally diz que um relacionamento pode sim dar certo se o cara for ferrado, meu namorado por exemplo, não é rico e esta longe de estar nadando na bufunfa.. mas é ele que eu amo.. é com ele que eu quero ficar.. o que eu posso fazer??

    Não vou deixar ele pq ele é pobre.. mas se eu pudesse escolher queria que ele fosse rico… Deu para entender??? rsrsrs

    Adoro vcs casal.. acho que esse relacionamento um dia ainda vai sofrer um remember hein?? hein?? rsrs

    Beijos

    Miss kika

  • “O problema é que nem sempres elas vestem 36, acordam maquiadas, tem corpo perfeito e irretocável, usam roupinhas da moda e podem se dar ao luxo de passar 10 horas numa academia e na praia.

    Elas trabalham, cuidam de casa, de filhos, arrumam um tempinho pra se cuidar e tem uma beleza que está além do alcance dos olhos.”

    Ou seja, as que não ligam para o dinheiro são barangas, todas as lindas são mercenárias… ‘tou chocado.

  • Mary,

    Você amaria ter em casa um homem sem dinheiro SE ele assumisse as tarefas de casa e a criação dos filhos da MELHOR forma possível?

    Ok. Um homem pobre precisa exceder as expectativas de uma mulher com louvor caso queira se relacionar com alguém mais abastado.
    Pobreza masculina precisa ser compensada, porque as mulheres enxergam isso como um defeito.

    Você me disse que era absurda a minha afirmação…

    Ou não dá a mínima para a condição financeira do Zé Ruela ou acha importante. Me pareceram contraditórios os seus comentários.

  • Somir, existe uma enooorme diferença entre ser encostado e fazer algo que ganhe pouco.

    Por exemplo: ser professor. Paga merda? PAGA mas é gratificante. Ganharia mais que um cara destes pelo menos umas duas vezes a vida inteira fácil, mas ver um cara ralando, lendo livros e subindo miseravelmente a cada ano mas formando pessoas DECENTES é gratificante.

    Encostado é um cara que não gosta de nada, faz tudo pra não mover uma palha, fica num emprego por insistência. Não tenta achar algo que o satisfaça na vida.

    Trabalho é algo edificador da pessoa mas tem que gostar.

    Quanto a ter um homem que não trabalhasse por algo maior e o sustentar, por amor? Se eu acreditasse? SIM.

    E tenho ate um caso para citar: Um grande amigo, economista, casado, sempre insatisfeito com a profissão mas correndo atrás, casado com uma médica exemplar. Quando ela estava à beira de ter seu bebe, ele perdeu emprego e ela pediu: espera o bebê nascer e fica comigo, não fará falta como a sua ajuda faria. E ele fez.

    Foi o MELHOR pai do mundo para esta criança e as duas que vieram depois. Mudou a vida dele, virou um dono do lar. A esposa viu seu sonho praticamente impossivel de ter uma familia realizado por causa de um homem que combatendo preconceitos,assumiu o controle do lar com amor.

    Anos depois, filhos crescidos, descobriu sua vocação, ser professor universitário. Fez mestrado, dá aula em algumas faculdades, somente de manhã. Ele diz que o salário nem conta, o que vale é a satisfação pessoal.

    Deixa os filhos na escola, busca, cuida deles, cozinha (MARAVILHOSAMENTE BEM) faz compras, administra, faz dever de casa com eles. Vai ans reuniões de pais.

    Um homem desses eu AMARIA ter em casa. Desde que eles pudessem carregar e parir claro. Casaria, pagaria as contas feliz da vida!!

    Se conhecer algum nesse esquema, porte mediano, mais de 1,75m, que se cuide, goste de esportes, inteligente, culto e simpático, pode dar meu email!

  • Nem sempre pensamos assim, Somir. Eu só considero pobreza aceitável se estiver no mesmo nível da minha. Abaixo só se eu tiver a CERTEZA de que a situação é TEMPORÁRIA, e haja da parte dele forte vontade e ATITUDE pra mudar essa condição. Fora isso, jamais…

  • Mary, generalizações costumam deixar pessoas de fora da argumentação mesmo. Mas…

    Generalizando e andando:

    As mulheres ligam sua atração com o sexo oposto usando dinheiro (no sentido de sucesso) como parâmetro.

    O que você diz:

    Que o que te incomoda é homem encostado, que não corre atrás.

    Isso é um parâmetro universal? Existe um certificado de homem encostado? E o cara que é apaixonado por fazer o que faz sem dar a mínima para dinheiro? Ele pode muito bem viver a vida toda quebrado.

    Se por um acaso você não valorizar o que ele decidiu fazer da vida, você pode muito bem achar que um cara que se esforça muito é um encostado sem ambição.

    Generalizando e andando:

    Os homens ligam sua atração com o sexo oposto usando beleza como parâmetro.

    Na maioria dos casos um homem pode viver feliz do lado de uma mulher sem ambições maiores na vida do que ser gostosa e estar de bem com a vida.

    O meu ponto não é dizer que mulheres são todas interesseiras. É sim dizer que ambos os sexos têm suas peculiaridades na hora de atrair e manter um(a) parceiro(a).

    Não é receita de sucesso à toa. Se você for homem, tenha sucesso no que faz. Se você for mulher, seja gostosa.

    Existem exceções.

    Eu, por exemplo, sempre fui conquistado por senso de humor e criatividade. Até por isso ganhei o apelido de barangueiro da Sally.

    Sempre existem exceções.

    Se você caga e anda para a condição financeira do seu parceiro, isso TE faz diferente.

    Mas não derruba a generalização.
    Até mesmo porque uma hora ou outra até mesmo os que se desviam do padrão acabam voltando para ele.

    Se a mulher com a qual eu estiver relaxar demais com a estética, eu perco o interesse não importa a personalidade que ela tenha.

    E você, Mary, se um namorado seu resolvesse largar o emprego para se dedicar a alguma coisa que o faça muito feliz e viver às suas custas? Você toparia?

    Um homem provavelmente aceitaria, caso fosse compensado.

  • Somir, você está erradíssimo e generalizando ao extremo.

    Num mundo onde cada vez mais se vê mulheres chefiando famílias em que HÁ um homem na casa, esse tipo de afirmação é um absurdo.

    Acredito que existem proporcionalmente o mesmo número e mulheres aproveitadoras que homens aproveitadores.

    Sim eles existem, só que disfarçam muito bem para conquistar a confiança, o sentimento e uma boa vida. E tem mulher mais carente que cai, crente que é amada.

    Eu, por exemplo, sempre trabalhei desde que me entendo por gente. Com 17 anos, já na primeira faculdade, sempre fiz trabalhinhos de digitação e tradução para ganhar dinheiro. Depois dei aula particular por anos, trabalhei como assistente até que me formei e exerço minha atuual profissão.

    Quase sempre estive numa posição financeira melhor que todos os meus ex-namorados. Sempre fiz questão de rachar contas, exceto naquelas situações em que o macho PRECISA pagar para se sentir homem, como um primeiro encontro, primeiro motel, aniversário de namoro.

    A grande maioria dos meus primeiros namorados não trabalhava, tinha mesada. Se não tinham dinheiro pra sair, não deixava eles em casa não, pagava o cinema deles, poque não? Muitos não gostavam nem admitiam, mas eu sempre tentei.

    E até hoje não gosto disso. Deixo no início para ser educada, mas depois eu divido faço questão.

    Fui criada por um pai extremamente machista que morre de vergonha porque não sou casada e não tenho filhos e nem sonho com isso tão cedo, a despeito do meu sucesso já em muito ultrapassar suas conquistas em 33 anos de casado, que são muitas, acredite.

    Trabalhar pra mim é um orgulho e não depender de um homem é uma grande vitória e a maior satisfação pessoal da minha vida.

    Eu não busco pessoas pela sua condição financeira. O cara ser pobre ou ganhar menos que eu não é problema algum e nunca foi.

    O que me incomoda sim, é homem encostado, que não corre atrás, que não quer crescer na vida.

    O cara não tem carro? E daí?

    Cansei de voltar acompanhada de ônibus e não acho isso um desfavor.

    Eu mesma poderia ter carro e não tenho por opção, pois moro a cinco minutos a pé do meu primeiro trabalho, 20 minutos a pé do segundo e tenho tudo o que preciso a meu alcance.

    Prefiro guardar meu dinheiro pra viajar ou investir em coisas que me dão muito mais prazer.

    Não sou do tipo de mulher que se compra com presentes e dinheiro.

    Sou do tipo que se conquista com caráter, carinho, respeito e muita sinceridade.

    Admiro quem rala e faço questão de estar do lado de uma pessoa dessas e vê-la crescer comigo.

    Existem muitas por aí Somir, é só você olhar.

    O problema é que nem sempres elas vestem 36, acordam maquiadas, tem corpo perfeito e irretocável, usam roupinhas da moda e podem se dar ao luxo de passar 10 horas numa academia e na praia.

    Elas trabalham, cuidam de casa, de filhos, arrumam um tempinho pra se cuidar e tem uma beleza que está além do alcance dos olhos.

    Que dirá dos olhos preguiçosos de homens acomodados, que querem a bunda perfeita mas não oferecem uma barriguinha compatível…

  • Sou leitora + ou – nova por aqui, mas desta vez admito que concordo em gênero, número e grau com a postagem do Somir. Mulher pobre pega pobre, igual p/ igual, a rica até pega pobre, se for saradão gostoso, mas as de classe média (tipo eu), preferem quem tem mais $$$. Pô, quem dá aos pobres tem que pagar motel!! Furada!

  • Buenas, eu trabalho e tenho meu dinheiro (pouco). Já pensei mil vezes em dar o golpe do baú, mas nunca achei um cara rico, legal e que quisesse me bancar 100% (nem precisa ser bonito, afinal a finalidade é dar o golpe e não viver um conto de fadas*). O ônus não compensa. Decidi que continuaria trabalhando pra me sustentar. Se eu achar um cara (já achei) que queira SE sustentar já tá de bom tamanho, visto o número de mimadinhos espalhados por aí vivendo de mesada.

    Dá pra ser feliz e muito sem dinheiro e um pote de negrinho feito em casa.

    Basta ser criativo.

    *Lógico que os contos de fadas são sobre homens que salvam mulheres, afinal são histórias MEDIEVAIS, onde o normal era vocês serem os donos das fortunas e reinos. A sorte seria da escolhida dos príncipes.

    Hoje em dia, as mulheres que salvam os homens são as pensionistas mucras e véias que desfilam por aí com garotões tatuados.

  • Eu entendi oq o Somir quis dizer com seu texto, não tem nada a ver com as mulheres interesseiras, é outra coisa.

  • O que eu ia dizer, já foi dito.
    Existe de tudo, nenhum dos casos é regra.

    Então vou falar por mim. Eu uso o mas, é uma pena. MAS não é pra descrever e sim para responder. Cansei de ouvir “Você trocou o ricão que te levava de carro pra lá e pra cá por esse que faz esforço pra pagar a sua passagem de ônibus?”

    “Troquei. Ele faz esforço pra pagar a passagem de ônibus MAS se esforça pra melhorar é mais atencioso e respeitoso. E eu prefiro assim.”

    Pobreza não é defeito e não vejo necessidade de compensar isso com nada. É uma situação. E como a Sally disse, Defeito é preguiça.

    Claro que dinheiro ajuda. Ninguém é feliz de barriga vazia. Pergunte pras crianças somalianas se elas são felizes. Mas enquanto a pessoa (destaque para a “pessoa”, indiferente de sexo)está batalhando para melhorar as coisas, está tudo bem. Essa situação um dia passa.

  • O texto do Somir a meu ver disse o que ocorre com a maioria . “O amor na riqueza é possível para todos. O amor na pobreza é possível para um homem se a mulher for gostosa.”
    Da mesma forma que a mulher procura um provedor o homem procura uma mulher que seja gostosa , cada qual com seu cada qual .
    No entanto , o texto da Sally falou uma verdade grande , mulher apaixonada é uma desgraça , e é mesmo ! Prova disso : tem muito mais cara pobre do que mulher feia acompanhado por ai . A mulher feia sofre proporcionalmente ao homem pobre sendo que o homem pobre tem o bônus da mulher se tornar uma ameba quando se apaixona .
    Achei os dois textos corretos apesar das visões diferentes .
    Por fim acho interessante citar uma teoria que a Sally disse em alguns dos seus textos sobre ” estarem colocando hormônio feminino nas águas ” ,digo isso porque tenho notado uma nova faceta no comportamento humano : homens bonitos ( ou somente jovens )que se interessam por mulheres não tão bonitas( não tão novas em alguns casos) e ricas , e estas que por suas vez sabem que atraem esses homens bonitos porque podem ( $ ). Às vezes tenho medo de começar a pensar onde esse mundo vai parar .

  • Avatar

    A Madrasta Má

    Ambos os casos existem, mas quando queremos estar com a pessoa, pelo menos para mim, nada importa, não estou a fim de saber o que ele tem no bolso… concordo com a Sally.

    Mas já tive um relacionamente em que o tempo foi passando e foi ficando difícil, conviver com a pitimba, a rotina nos matou e a falta de grana também… concordo com Somir

    Então, Bjinhos da Madrasta pra vcs dois!!!! Ótima semana!

  • Conheço um caso em que o homem, por mais que fosse o “trabalhador”, nunca iria ganhar o mesmo que a mulher, que no caso trabalhava em um grande banco (para piorar, ele era uns 5 anos mais jovem), não sei se foi isso, mas ele diz que sim, ela o traiu com o chefe e o descartou.

    O homem tem de ser o provedor, já escutei isso até da minha namorada…

    Bem, tem também a vadia que espera que o marido seja responsável por seus “mimos” (Jóias, viagens e etc).

    Mas também tem a mulher legal, simples, comum, trabalhadora, que apenas quer estar com quem gosta e faz de tudo por isso… Eu já passei por essa situação, família rica que me desprezava… sem ter carro para ir ao motel, a gente frequentava um hotel (desses com o “H” parecido com o “M”) perto do metrô, de 50 reais meia-hora.
    Ela continuou comigo até eu ganhar bem, comprar um carro… e o rompimento ocorreu por outros fatores.

    Particularmente, eu só gosto de mulheres com o caráter assim, não me rebaixo, se quer mais do que eu posso oferecer, adeus vadia!

    Concordo que existam os casos citados por ambos, mas nem um dos casos é “regra”, existe de tudo…

    Ps, se o que eu disse ficou confuso, que se dane, tô com pressa.

  • E o baixo número de comentários no texto da maconha???

    Não entendi se é pq ninguem fuma maconha aqui, se é pq todo mundo fuma maconha, ou se nem uma coisa nem outra. ¬¬

  • A idéia do Shrek era justamente sacanear os padrões de fábulas e histórias do tipo.

    Ainda não estou convencido.

    Aliás, estou achando que o baixo número de comentários até agora é resultado do meu texto. Todo mundo concorda, mas não gosta de assumir.

  • Somir: Tem a história do Sherek, a princesa fica com o ogro e acaba virando ogra e morando no pantano……..
    Não é bem assim não, concordo com a Sally, qdo a mulher ama de verdade, qualquer “defeito” vira qualidade.
    Vanessa

  • “… quando gosto da pessoa, quero ESTAR COM A PESSOA. O lugar me é indiferente.”
    Concordo plenamente com isso. Somir, claro que dinheiro está presente no nosso cotidiano e precisamos dele pra viver e mimimimi, mas e daí? Existem exceções, não adianta generalizar e mostrar que não liga para o que as pessoas pensam quando mostra seu lado politicamente incorreto.
    Até eu tenho esse lado, não faço muita coisa pra agradar. É a vida.
    Mas concordo com a Sally. O dinheiro pode ser importante, mas não pode chegar ao ponto de ser a única coisa que te move. Tudo bem, não tô falando pra ter um pensamento mais romântico da vida, mas pára pra pensar quantas horas do seu dia você gasta pensando e lutando por dinheiro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: