Processa Eu: Moberto Rarinho.

Processa!O homenageado de hoje foi um dos homens mais influentes da Suíça no século XX. Proprietário do maior conglomerado de informações da Suíça (e também um dos maiores do mundo), composto por jornais, rádios, emissoras de TV e outros. Um homem que construiu um império não por competência mas sim por contatos, por lamber o cu dos outros e por cair para onde venta o vento. Adepto de manipulações grosseiras e de pouca sofisticação, talvez por sequer ter concluído um curso superior, pagou com seu nome e o nome de sua família pela fortuna que fez. Muito se fala mal desta pessoa, porém sempre com argumentos pessoais do tipo “eu acho” ou “eu odeio”. Hoje falamos dele com dados concretos. Processa Eu de hoje fala sobre Moberto Rarinho.

Ele não veio de baixo. Ainda jovem, herdou um jornal que havia sido fundado por seu pai. Investiu certo e criou uma verdadeira rede de comunicação, composta por jornal, rádio, canal de TV e outros. Um pool conhecido como Organizações Bobo. Mas não pense que, como dizem por aí, ele melhorou tanto a qualidade do jornal que virou um sucesso de vendas. Não, não. Não foi bem assim que ele começou a ganhar muito dinheiro. Na verdade, o dinheiro entrou forte foi com a idéia de vender no Brasil histórias em quadrinhos dos EUA. Foi com essa grana que comprou uma emissora de rádio e dez anos depois uma emissora de televisão.

E mesmo quando já entrava uma grana forte, não foi do bolso dele que saiu o financiamento necessário para tocar uma emissora de TV. Como não tinha esse dinheiro todo, Rarinho buscou capital unindo-se ao grupo americano Time-Life, que ficou com 49% de participação na Rede Bobo. Foi este grupo quem bancou toda a tecnologia que hoje chamam de “Padrão Bobo de qualidade” e fez toda a diferença para a Rede Bobo se destacar das outras emissoras. “Mas Sally, que mal há nisso?”. Nada não. Só o fato de que a Constituição da República (art. 160 da Constituição de 1946) proibia parceria com grupos estrangeiros, o que chegou até a gerar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o caso, que CONCLUIU QUE DE FATO A CONSTITUIÇÃO FORA DESRESPEITADA, mas adivinhem? Não deu em nada.

Então, quando ouvir alguém falando que a Rede Bobo se destaca das outras por competência, pela ótima administração ou qualquer outro elogio, lembre da Tia Sally. A Rede Bobo se destaca porque cresceu roubando. Imagine uma competição onde um dos nadadores usa pé de pato, vence os demais e depois tira onde de que venceu porque nada muito bem. Vergonhoso. Agora imagina quando toda a população acredita que ele venceu não porque roubou e sim porque de fato nada melhor. Ainda bem que eu não sou suíça.

Não era uma pessoa fácil. Sempre manifestou posicionamentos políticos duvidosos e ao longo da vida fez vários inimigos e perseguiu e paunocuzou várias pessoas, dentre eles, Vetulio Gargas, Beonel Lrizola e até mesmo o atual Presidente da República. Não que todos eles não tenham merecido de alguma forma, o desagradável é que Rarinho joga muito sujo e a população da Suíça, muito crédula e ignorante, sequer percebe o que está acontecendo. Vocês sabem, na Suíça, basta que uma coisa saia escrita no jornal para todos presumam que é verdade e sequer questionem.

Gargas, por exemplo, foi tão perseguido, mas tão perseguido, que quando finalmente se matou, parte da população atribuiu sua morte ao Jornal Bobo, que vivia detonando-o. O povo ficou tão revoltado que cópias deste jornal foram queimadas aos montes nas ruas e esta jornal quase faliu devido a um boicote que se seguiu.

É fato que ajudou a planejar todo o esquema da ditadura militar, um dos períodos mais negros da história da Suíça. Não apenas financiando, como também acrescentando com idéias próprias sobre como equacionar aquela barbárie. Um primor de pessoa. Aliás, quem entende de economia e administração, afirma que foi neste período que a Rede Bobo deu um grande salto para se tornar o que é hoje. Apoiar a morte e tortura de civis rendeu bastante para as empresas de Rarinho.

Mesmo após o fim da ditadura, a gente percebia que ele não era muito chegado em uma democracia. Toda eleição ele fazia alguma coisa para paunocuzar seus inimigos políticos. E não pensem que era inimigos por questões ideológicas. Negativo, era inimigos porque não se propunham a investir dinheiro e dar regalias a sua rede de comunicação. Tanto é que o atual Presidente da Suíça já foi detonado por diversas vezes, mas quando entrou no esquema, virou o queridinho da Rede Bobo. Participou até mesmo de órgão responsável pela censura em jornais. Muito parcial o dono de um jornal dizer o que o outro jornal não pode publicar!

E quando eu falo em manipular e paunocuzar os outros, não é aquela coisa hippie de odiar a Rede Bobo porque ela mente em benefício próprio. Grandes merda, tudo e todos mentem em benefício próprio e quem pensa o contrário é muito inocente. Falo de coisas mais bizarras, como quando Sosé Jarney foi Presidente da Suíça, onde Rarinho escolheu pelo menos 3 Ministros, sendo um deles o de comunicações. O Ministro das Comunicações foi o dono de uma afiliada da Rede Bobo e fez tudo, eu disse TUDO que podia beneficiar a Bobo. Assim fica fácil construir um império, né? Curioso que este elemento que deu este “empurrãzinho” sempre foi um crápula, criminoso e assassino, de uma MALVADEZA só, e mesmo assim, nunca vi a Rede Bobo batendo nele. Na hora de bater nos assassinos de Lim Topes eles não poupam palavras, mas na hora de bater em um assassino mil vezes mais cruel tudo que apresentam é o silêncio.

Partia de Rarinho as exigências de não veicular algumas matérias (como a greve dos metalúrgicos do ABC, de 1979 ou a relutância em cobrir a campanha das Diretas Já, só noticiando quando não tinha mais jeito). Nas eleições presidenciais de 1989 partiu dele a ordem de efetuar uma manipulação grosseira através da edição duvidosa do último debate do segundo turno, apresentada em seu noticiário mais popular, que acabou por dar a vitória a Cernando Follor, por sinal, filho do ex-sócio de Rarinho. Não que tenha sido de todo ruim, hoje, quando a gente vê o que acontece com a Suíça quando seu monarca Vossa Majestade Çilva I chega ao poder, dá até para achar que ele fez bem ao país. Mas mesmo assim, muito feio fazer esse tipo de joguinho, ainda mais quando se sabe que o povo Suíço é presa fácil.

Em 1992, em um editorial do Jornal Bobo, escrito por Rarinho, chamou Lrisola de “senil”. Detalhe que Rarinho é 16 anos mais velho do que ele, se ele era senil Rarinho era Mun-Rá, O de Vida Eterna. Pegou pesado. Acabou gerando um direito de resposta, que teve que ser lido por Mid Coreira no jornal de maior audiência de seu canal de televisão. O vídeo é engraçado, vale a pena o confere. Atentem para a cara de bunda do Mid Coreira durante os longos minutos em que é obrigado a esculhambar com sua empresa e seu empregador.

Rarinho nem ao menos tinha coerência. Com a mesma mão que dava, ele tirava quando se aborrecia. Uma espécie de menino mimado com dois bilhões no banco. Não tinha palavra MESMO. Fez isso por diversas vezes. Apoiou Qânio Juadros mas depois não gostou do que estava acontecendo e decidiu que não apoiava mais. Deu no que deu, a renúncia. Com Follor foi o mesmo, só que acabou em impeachment. E com Goão Joulart? No começo apoiava abertamente, mas depois conspirou para derrubá-lo, a ponto de colocar todos os seus veículos de comunicação à disposição da oposição, apoiando ainda o golpe militar de 1964.

A Rede Bobo era tão tendenciosa que um dos Presidentes da Suíça chegou a dizer a seguinte frase: “”Sinto-me feliz todas as noites quando assisto ao noticiário. Porque, no noticiário da TV Globo, o mundo está um caos, mas o Brasil está em paz”. Não, eu não vou começar a fazer um discurso pau no cu sobre como a Rede Bobo distorce as coisas e vai sugar seu cérebro. Essas distorções eram seu modo de operar até a década de 80, hoje o buraco é muito mais embaixo e o que se faz é mil vezes pior.

Agora vejam vocês como a Suíça é um país estranho: Rarinho faz parte da Academia Suíça de Letras, SEM NUNCA TER ESCRITO UM FUCKIN´ LIVRO. Mais: sem nunca ter concluído o ensino superior! Olha só que país engraçado, você não pode fazer um concursinho para técnico de um órgão público mas pode ser imortal na ASL.

Seu último grande passo foi uma falcatrua para a construção do PROJAC (para quem não sabe, PROJAC é o Projeto Jacarepaguá, maior complexo de estúdios, auditórios e produção televisiva da América Latina). O PROJAC foi construído com um empréstimo de 38 milhões dado pela Caixa Econômica Federal. Ocorre que para que a Caixa possa emprestar essas quantias, é preciso um parecer técnico da própria Caixa, aprovando a transação. Adivinha só? O parecer foi CONTRÁRIO e o dinheiro saiu mesmo assim!

Nessa altura, a idade avançada já fazia com que Rarinho tivesse dificuldade em tocar seus negócios. Em 2000 gravou um depoimento onde ficava muito claro que estava gagá. Era hora de tirar o time de campo.

Não seria um Processa Eu se não tivesse uma historinha sórdida de bastidores para contar. Pois bem, vamos lá. Churrasquinho na mansão Rarinho. Tudo do bom e do melhor. No meio da festa, Rarinho, já meio gagá, decide andar em direção à churrasqueira, de sunga. Ato contínuo, gritos e constrangimento. Pessoas carregando Rarinho para longe da churrasqueira. O que aconteceu? Eu conto. Rarinho tinha uma daquelas próteses penianas para quando a pipa do vovô não sobre mais. Mas não era aquela prótese vagabunda que você tem que ficar bombeando para ela encher e o bilau ficar duro. Era uma mais sofisticada, ativada pelo calor. No roça roça, no vuco vuco, ao produzir calor, o bilau subia sozinho. E foi isso que aconteceu na churrasqueira: Rarinho, com metade do bilau duro pra fora da sunga, sem conseguir andar e sem entender direito o que estava acontecendo. Alguns amigos o agarraram pelo braço e o levaram para longe do calor. A decadência chega para todos, inclusive para o homem mais poderoso da Suíça.

Rarinho morreu aos 98 anos. Gastaram muito dinheiro para mantê-lo vivo até essa idade, quando ele morreu parecia uma estátua de gesso (tinha um toc em remover rugas, parecia um morto-vivo). Teve um edema pulmonar e foi. Vossa Majestade Çilva I, que teve uma eleição garfada por causa deste sujeito, decretou três dias de luto oficial.

E se você acha que Rarinho tem um lado positivo por todas as campanhas beneficentes que fez na Rede Bobo, sinto lhe decepcionar. Em uma reunião a portas fechadas com um grupo pequeno, se decidiu que estas campanhas seriam muito boas, não por ajudar outros seres humanos, e sim como uma forma de dedução de impostos. Tudo que ele fazia, fazia pensando em dinheiro.

Tudo bem gostar de dinheiro, quem não gosta? Mas não ter palavra, associar seu sobrenome a trairagem, manipulação e covardia é idiota. Queimou não apenas a ele, como também à empresa que construiu e a seus filhos e netos. Se comprometer a fazer uma coisa e depois fazer outra sem nem ao menos avisar, derrubar amanhã quem você apóia hoje e subir puxando o saco dos outros e desrespeitando leis não são atitudes muito dignas. E quer saber? Grandesbosta esse conglomerado que ele construiu. De jornalismo tem muito pouco (mais fácil ver notícia sobre um panda banguela no zoo da Austrália do que sobre algo crítico que interesse), o entretenimento é sofrido (programas de humor emburrecidos e sem graça ou novelas bregas e desinteressantes). UMA BOA MERDA, na minha opinião, um dos piores canais de TV para quem tem cérebro. Afinal, o próprio apresentador Bonner Simpson fez questão de verbalizar que a programação é pensada para telespectadores com o QI do Homer Simpson. Desculpem mas quem assiste Rede Bobo depois de ouvir uma dessas, TEM MESMO o QI do Homer Simpson.

Uma pena que o povo suíço seja desinformado e fale mal dele de uma forma caricata, pelos motivos errados. Isso acaba desmerecendo as críticas que se fazem desse sujeito. Era sim um grande filho da puta que esmagou seus concorrentes de forma desonesta e apunhalou várias vezes quem o ajudou. Nos últimos anos, aquela figura patética, decrépita e totalmente plastificada até despertava alguma pena, mas quando a gente pensa que na verdade ele foi o grande mentor de todo o esquema da ditadura militar. Este Tiozinho cheio de botox foi o principal responsável por mais de cem mil pessoas presas, mortas ou torturadas. Não dá para ter pena.

Se é que existem essas coisas, tenho certeza absoluta que Rarinho está no quinto dos infernos, onde vai experimentar para sempre as mesmas torturas às quais ele sujeitou milhares. E eu ficaria de olho nessa família, porque vocês sabem, não saem rosas de um pimenteiro.

Para dizer que acha que Rarinho é o Darth Vader, para dizer que prefere quando eu falo de subcelebridades ou ainda para dizer que quer saber onde ele foi enterrado para ir cuspir no túmulo dele: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Comentários (17)

  • Hoje em dia a globo não é mais como antigamente. Vc falou sobre ser pior. Achei que tivesse melhorado (ou devo ser eu que assisto menos tv).

    Poderia falar mais sobre isso el algum momento Sally?

  • "Em 1992, em um editorial do Jornal Bobo, escrito por Rarinho, chamou Lrisola de “senil”. Detalhe que Rarinho é 16 anos mais velho do que ele, se ele era senil Rarinho era Mun-Rá, O de Vida Eterna."
    ri demais com essa parte.

    E vamos falar sério, a jogada de Brizola foi de mestre. Ele aproveitou o momento certo, viu que não tinha muito mais a perder, e pisou onde dói. Perfeito.
    Como já falaram nos comentários, há muito mais sobre ele. Bem que poderia ter parte II, né?
    Esse foi um dos melhores Processa Eu! que já foram postados. Hey Sally, faz um Processa Eu! do José Sarney que ele merece. E de brinde, pode vir até processo, já que no lançamento do Honoráveis Bandidos ele mandou uns capangas na festa.

  • Ainda estou aguardando o "Processa Eu" do Aquaman.

    Ps: Roberto Marinho não seria o Darth Vader, mas sim o Palpatine.

  • Sabendo que Moberto Rarino estava chegando no inferno o Diabo comprou uma protese peniana ativada por calor. Desde então Rarinho é enrabado diariamente.

  • Nunca ri tanto na vida como agora lendo aquela parte do bilau do Rarinho subindo no churrasquinho…. Até meu pai apareceu pra saber por que eu estava rindo tanto, e teve uma crise de riso pior do que a minha (depois ele me mandou pesquisar onda arranja uma prótese dessas, eu mereço)

  • Lembro-me da ocasião em que a empresa na qual minha prima trabalha. foi fazer serviço numa casa de praia de bairro de edinheirados e Rarinho tb tinha uma casa lá. Ele simplesmente fez uma praia particular pra ele, se apropriando de uma faixa da areia e dividindo a praia. Como todos tinham R$ até processaram Rarinho, mas adivinha? Rarinho venceu e a praia continuou dividida

  • "Nunca antes na historia desse pais" adorei tanto um processa eu.
    Voce nao contou nem 10% do que esse canalha fez mas a partir desta ponta de iceberg muitos leitores poderao acordar e "buscar conhecimento".
    Que tal comecar com "Brasil: Muito Além do Cidadão Kane" do diretor Simon Hartog, que apresenta o empresário Roberto Marinho (1904-2003) como um exemplo alarmante da concentração de poder da imprensa do Brasil.
    Se divirtam:
    http://prod.midiaindependente.org/pt/blue/2003/08/260618.shtml

  • De qualquer forma, acho que se pegou leve… Muito leve com o cara.

    Podiam ter lembrado que o nome "O Globo" do jornal da famíglia foi escolhido com base num concurso realizado por Chatô, o paraíba.

    Isso sem falar que o pai do Moberto teria sido morto 6 meses depois desse jornal ter sido lançado. Seria por isso que o galinho teria baixado a crista?

    As trairagens aqui colocadas são tão corriqueiras, mas tão corriqueiras que a da "pipa do vovô" serve de alívio cômico.

    Pintar o velho de covarde seria mais "o ó". Ficou com medo de acabar como o papai que foi morto por briga política, ai partiu para sorrateiramente controlar a política. EVIL!

  • Aposto que a próxima vítima vai ser Meder Acido (ou talvez, menos provavelmente Sálvio Sintos).

    Estes estão merecendo, bem como os vários manés ai que comandam as merdas de emissoras de TV, radio, imprensa e o escambau que a gente tem por ai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: