Des Contos: Café da manhã.

Sete horas e trinta e dois minutos de uma agradável manhã primaveril.

Tenório não fazia o menor esforço para esconder sua insatisfação. Dono de uma tradicional e invejosa compostura, rendia-se ao tamborilar impaciente dos dedos enquanto exercia a função de censor implacável do apetite matinal de sua família. Seus olhares fuzilantes valiam por mil palavras, dada qualquer menção de começar a refeição antes da mesa estar completa.

O pontual desjejum dos Almeida Fonseca era uma tradição que aprendera com seu pai, e que passara de geração em geração nos últimos quatro séculos. Mais do que uma ocasião social, a café da manhã era a derradeira afirmação do poder do patriarca sobre um clã experimentando a decadência dos valores familiares na sociedade moderna.

O silêncio era palpável. Os outros integrantes da mesa trocavam olhares irrequietos, cúmplices no desconforto da expectativa.

LETÍCIA: Papai, se o senhor me permite…

Tenório volta sua atenção à filha, e com um sutil movimento dos dedos indicador e médio em riste, frustra a tentativa da jovem. Resignada, ela volta seu olhar para o prato vazio à sua frente.

Os cinco minutos seguintes preenchem o ambiente com uma tensão que contagia até mesmo a criadagem, postada com disciplina militar na parede atrás da cadeira de Tenório. Um misto de alívio e ansiedade toma de assalto todos os presentes quando passos são finalmente ouvidos ao longo do corredor.

INÁCIO: Bom dia!

TENÓRIO: *olhar de desaprovação*

INÁCIO: Com licença. *sentando-se*

TENÓRIO: Nesta casa, desjejuamos às sete horas e trinta minutos da manhã. O seu atraso será pago com mais uma redução em sua herança. Espero que tenha valido a pena.

INÁCIO: *abaixando a cabeça*

TENÓRIO: Governanta!

Duas empregadas, capitaneadas pela experiente governanta, começam a preencher as xícaras dos presentes com chá, ainda fumegante. Trocando apenas gentilezas logísticas, a família começa a preencher seus pratos e consumir a abundante seleção de quitutes disponível sobre a mesa.

Gioconda, a matriarca e para todos os efeitos, segunda na hierarquia, busca restaurar a normalidade iniciando uma conversa.

GIOCONDA: Letícia, minha querida, se me recordo corretamente, você tem excelentes notícias sobre seu futuro acadêmico para compartilhar conosco.

LETÍCIA: Sim… *olhando para o pai* Eu fui aceita na faculdade.

GIOCONDA: A modéstia corre em suas veias…. Não foi só isso, não?

LETÍCIA: Em primeiro lugar… Numa turma de quarenta.

TENÓRIO: Excelente. Não esperaria menos de uma Almeida Fonseca. *olhando para Inácio*

Até agora silenciosa, Maria termina de sorver delicadamente um gole de sua xícara, faz contato visual com a irmã e sorri de forma irônica.

LETÍCIA: Algo divertido, irmã?

MARIA: É apenas felicidade. Não é todo dia que alguém é aprovado numa faculdade particular.

INÁCIO: Em primeiro lugar, devemos acrescentar.

EDUARDO: E nossa cara irmã disputou quarenta vagas com o que eu aposto serem quarenta indivíduos da mais alta competitividade.

INÁCIO: Notável. *revirando os olhos*

LETÍCIA: Obrigada. Com esse incentivo, talvez eu consiga até terminar meu curso. Isso seria notável, não é mesmo?

INÁCIO: Eu não estava sendo propriamente estimulado pelo método de ensino deles…

TENÓRIO: Gioconda.

GIOCONDA: Crianças, crianças. Vamos aproveitar o café da manhã, certo?

A família continua sua refeição enquanto os irmãos trocam olhares de animosidade.

TENÓRIO: Por favor, você poderia me passar a manteiga?

BATMAN: Claro.

TENÓRIO: Obrigado.

GIOCONDA: Eduardo, você pode confirmar se receberá sua avó no aeroporto esta tarde?

EDUARDO: Eu tenho um compromisso logo após o almoço…

GIOCONDA: Querido, eu fiz o pedido há pelo menos uma semana.

JASPION: E eu aposto que seu compromisso com a rede no quintal pode ser rearranjado sem maiores problemas.

*risos*

EDUARDO: E por que você não vai? Aliás, muita hipocrisia me censurar sendo que você mesmo poderia buscá-la em Portugal com sua nave.

JASPION: E você acha que eu posso modificar meus compromissos com tamanha facilidade? O mundo depende de mim.

LETÍCIA: Francamente, quanta diferença apenas um homem pode fazer?

WOLVERINE: Muita! Se você não ficasse tanto tempo enterrada em livros e vivesse um pouco mais no mundo real, não faria uma pergunta tão idiota.

GIOCONDA: Crianças! Sejamos cordiais uns com os outros.

BATMAN: A família deve ser respeitada antes de tudo! Certo, papai?

MARIA: Isso, lamba as botas dele! Não esquece aquele cantinho…

TENÓRIO: Respeito é algo que vocês poderiam aprender com seu irmão!

INÁCIO: Ele só te bajula para aumentar a parte dele na herança! Aliás, não só ele… Todos vocês só estão interessados no dinheiro!

SININHO: Chega! Eu não aguento mais isso.

TENÓRIO: Não OUSE sair dessa mesa.

*Sininho sai voando, decorando o ambiente com partículas luminosas residuais em sua rota*

TENÓRIO: SININHO! É isso! Vou tirar parte da herança dela também.

INÁCIO: É só isso que você sabe fazer! Controlar a gente com seu dinheiro!

MARIA: Dinheiro não compra felicidade!

WOLVERINE: Ah, que doçura. Alguém tem um balde? Vou precisar de um para vomi…

GIOCONDA: Não seja nojento, mocinho!

LETÍCIA: Vocês falam muito, mas só EU me esforço para fazer as coisas direito. E o que eu ganho em troca? Indiferença!

TENÓRIO: Controle seus hormônios.

LETÍCIA: HORMÔNIOS?

JASPION: Tadinha dela! A filha modelo, sem sal, sem tempero e sem personalidade… Ninguém liga para ela… Por que será?

MARIA: Você acha que é difícil para você, princesinha? Eu sou a mais velha, tenho a formação correta e trabalho de verdade, e só porque eu não tenho um pênis, papai não vai deixar a empresa para mim! ISSO é injusto!

TENÓRIO: Isso não é linguajar apropriado para uma dama!

MARIA: PÊNIS, PÊNIS, PÊNIS!

GIOCONDA: Eu acho que vou desmaiar!

TENÓRIO: Olha só o que a sua irresponsabilidade fez! Sua mãe está passando mal!

EDUARDO: Mamãe sempre finge desmaios quando a gente começa a falar umas verdades.

TIGRE: Grrrrrrr!

EDUARDO: E agora o tigre está irritado! Essa família é uma farsa!

TENÓRIO: Capitão!

CAPITÃO NEMO: Sim, senhor?

TENÓRIO: Nos deixe no porto mais próximo. Se vocês querem agir dessa forma deplorável, não vão mais morar no meu submarino!

BATMAN: Calma, papai. Vamos tentar escutar o espírito do velho índio…

LETÍCIA: Ah não, ela nunca fala nada com nada!

ESPÍRITO DO VELHO ÍNDIO: Rumo certo sabedoria traz.

INÁCIO: Não sabia que você era tão alto, Yoda!

YODA: Alto não ser.

INÁCIO: É modo de falar. E eu estava falando com o espí…

GIOCONDA: Tigre! Não é hora de brincar. Deixa o Eduardo em paz.

WOLVERINE: Deixa comigo! Vem cá, gatinho, vem…

TENÓRIO: Cuidado! Cuidado! Batman, ajuda!

Um grito atravessa as paredes da mansão da família Almeida Fonseca.

GIOCONDA: Meu bem, o que aconteceu?

TENÓRIO: *respirando com dificuldade* Eu tive um pesadelo horrível.

O resto da família começa a adentrar o quarto.

TENÓRIO: E todos vocês estavam lá. Eu… eu percebi uma coisa muito importante. Não estou sendo um bom chefe de família para vocês.

LETÍCIA: Não diga isso, papai.

TENÓRIO: Não, é a verdade. Eu não reconheço o seu valor, minha filha. Você é um garota dedicada e esforçada. Você, Maria… Você é minha filha mais velha e merece ganhar o controle das empresas da família. Inácio e Eduardo, eu sei que exigi demais de vocês, mas a partir de hoje eu vou os deixar livres para seguirem seus caminhos. E como eu poderia esquecer de você, Batman…

Para dizer que eu só estou usando a desculpa de semana transcendental para escrever uma história sem sentido, para dizer que não entendeu a relação com as drogas, ou mesmo para dizer que se identificou muito com os problemas da família (eu também, odeio quando o Tigre fica irritado): somir@desfavor.com

25 desfavores sobre “Des Contos: Café da manhã.

Tantas mudanças na história, a ausência de sentido aparente, e, principalmente a critica debochada me lembraram do Douglas Norton Adams. E, acho que é um dos melhores elogios que já fiz pro blog.
Boa somir

Realmente, um senhor elogio.
Só não digo que vou ficar insuportável depois disso porque… bom… “depois”…

Aquela do Azeite Galo já me deixou incomodado pela polêmica cretina… Se juntar com essa eu posso mandar ver num Publiciotários.

Isso é que é a grande ginástica contemporânea: ter que mascarar as questões da competição no mundo corporativo, das alianças políticas e dos interesses econômicos nas nações e das disputas no mercado de trabalho com uma capa politicamente correta de fair-play e cooperação. A propaganda refletiu o recado que queriam dar de fato: se a Europa não preservar seus interesses, o resto do mundo engolirá o velho continente, do ponto de vista econômico. Enquanto o racismo for encarado como uma questão de moralidade individual, isolada do contexto socio-econômico, ficará apenas essa imbecilidade de usar eufemismos e coelhinhos rosa para o mundo parecer melhor.

A diferença entre Jesus e o cheque sem fundo é que o cheque ainda volta.

Quanto ao Somir estar postando três dias seguidos aqui deve ter razão no lentox, mas não só nele.

A Sally ficar sem internet não é o fato incomum, e sim o de o Somir não furar as postagens. Normalmente o Desfavor ficaria às moscas.
Mas que bom que o Somir tá aprendendo! [joga um biscoito]

Não se esqueça que enquanto Sally não estiver acompanhando de perto, a República é Totalitária, mas não é Populista.

O que não faz sentido é alguém com a alcunha de Capitão Óbvio parafraseando o Felipe Neto. Já vi coisas mais “sem sentido” nessa minha vida, como um artigo onde o Reinaldo Azevedo (Veja?! Eca!) falando de uma suposta perseguição do PT contra o Pe. Paulo Ricardo.

Como a “obra” foi dessa semana, talvez seja uma boa indicação para o Top Des.

Você perde pontos de personagem por não mencionar Raul.

Mas ganha pontos de respeito por não mencionar Raul.

O Tigre seria o do Sucrilhos???

PS: Somir, vc fez alguma coisa no site? Pelo menos nessa B**** de IE está bem mais rápido…

Bom, era um café da manhã…

PS.: Quando a Sally fica sem internet, não temos 800 comentários por dia. Deve ter ficado mais leve por causa disso… Porque eu não mexi em nada.

Sei lá, mas parece que é Tenório da Pantanal, Letícia chata da malhação, Inácio e Eduardo não sei de onde, a Maria barranqueira do Bbb e o resto, nem preciso comentar.

Responder

Não precisa preencher nada além do comentário. Seu e-mail não vai ser publicado.
Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>