Desfavor Convidado: Desmagia Negra Parte 8

desmagia_008

Desfavor Convidado é a coluna onde os impopulares ganham voz aqui na República Impopular. Se você quiser também ter seu texto publicado por aqui, basta enviar para desfavor@desfavor.com.
O Somir se reserva ao direito de implicar com os textos e não publicá-los. Sally promete interceder por vocês.

Desmagia Negra Parte 8 : Combatendo o ego.

Olá pessoal, nosso tour pela magia está chegando na reta final, pois tenho mais dois ou três texto previstos para a série. Talvez eu faça mais postagens aleatórias sobre esses assuntos ao longo do tempo, pois há muito material a ser escrito e pouco espaço para isso. Um desses assuntos é a luta contra o ego, que é discutido com frequência entre os magistas.

Na psicanálise, o ego é a parte racional da mente humana, cujo objetivo é direcionar os impulsos do Id para funções mais produtivas. De certa forma, pode-se dizer que o Ego é a parte consciente do ser humano, enquanto que o Id é o lado inconsciente. Porém, a mente humana é mais complexa que isso e há muitos detalhes da personalidade que transitam entre o Id e o Ego. Na magia, o conceito do Ego é semelhante, pois é isso que vai direcionar o trabalho do inconsciente, que por sua vez dará força ao feitiço. Por isso, todo magista deve primeiramente aprender a controlar suas vontades primitivas e ao mesmo tempo evitar alimentar demais o ego, sempre tendo como objetivo a humildade para alcançar os níveis mais altos da existência.

A humildade não é simplesmente ser bom ou ajudar ao próximo sem receber créditos por isso. A humildade é vencer os sentimentos, os preconceitos e os limites do corpo, tornando-se assim uma parte mais atuante da consciência divina e isso não é fácil de ser conquistado. Difícil, mas não impossível. É por esse motivo que humildade está presente em diversas religiões, desde Buda até Jesus, pois é apenas através dela que se consegue contemplar a criação em sua plenitude, sem criticar ou julgar as decisões tomadas pela força criadora do Universo.

A primeira coisa a ser feita é parar de utilizar a palavra eu em qualquer contexto ou conversa. A principal função da palavra eu é dar destaque a alguma qualidade que você tenha e isso vai contra o princípio da humildade. Portanto, faça um teste: encontre amigos ou familiares em algum ambiente que haja também pessoas desconhecidas como um bar, uma balada ou algo do gênero. Primeiro tenha um diálogo com algum familiar e depois com algum desconhecido. Você irá notar que com o desconhecido você usará a palavra eu muito mais vezes, independente do assunto que estejam conversando.

Isso acontece por vários motivos, esses são apenas os principais: 1-) você está se apresentando ao desconhecido, mostrando sua personalidade, seu passado, suas qualidades e defeitos; 2-) inconscientemente você quer mostrar ao desconhecido o quanto você é interessante a ponto de ser conhecido mais a fundo; 3-) para vangloriar seus feitos e fazer com que a auto estima daquela pessoa fique abalada diante de você. Esse é um instinto primitivo de supremacia e acontece com maior avidez se você desejar sexualmente a outra pessoa. Experimente ter essa mesma conversa sem utilizar a palavra eu e verá o quanto é difícil impressionar essa mesma pessoa. Eis alguns exemplos de frases sem a utilização do eu:

– Eu fiz uma postagem no Desfavor.
– Postei um texto no Desfavor.

– Eu sou de tal religião.
– Faço parte de tal religião.

Bem, vocês entenderem a o esquema, agora é praticar. Ao retirar o eu das frases, você continua falando sobre si mesmo, mas sem glorificar seu próprio ego e a impessoalidade é essencial para o caminho da magia. Após isso você tem que vencer seus sentimentos mais impuros, como o ódio, a amargura e o preconceito. Para isso, o caminho mais simples é conviver com o foco de sua raiva, por exemplo, caso você tenha aversão a gays, vire amigo de um, defenda os direitos gays e em caso extremo tenha até mesmo uma relação homossexual, mesma que seja só um beijo. Vença os sentimentos ruins um por um, não precisa ser rápido, pois isso pode demorar anos.

Em seguida você precisa mudar sua religião e começar a acreditar em um deus pagão da sua preferência. Quando cheguei neste estagio, me sugeriram adotar a deusa Maat, que é a deusa egípcia da justiça. Porém, você pode adotar qualquer outro deus pagão, mesmo que ele não tenha existido de verdade, como os deuses do Game of Thrones ou algo do gênero. Mesmo tendo sido aconselhado em escolher Maat, eu fiquei na duvida entre Crom e Thor, que são deuses muito mais legais e fodas. Neste momento, evite dedicar sua fé a anjos, demônios, santos ou quaisquer outras entidades e dedique rituais apenas ao Deus adotado por você. A seguir mude seu cotidiano drasticamente, fazendo diferentes rotas para chegar a um mesmo destino, vendo programas que não via, ouvindo músicas que não gosta, etc. Adote também algum tipo de exercício físico, de preferência algum que estimule também a expansão do espírito. Eu, por exemplo, pratiquei Kung Fu e Tai Chi Chuan. Para os exercícios mentais, resolva palavras cruzadas, sudokus, problemas matemáticos e leia livros feito uma traça de biblioteca.

Vocês consideraram o caminho até aqui difícil? Isso porque não começaram a segunda etapa: o desprendimento. Neste ponto, é preciso se desfazer de bens materiais, principalmente daqueles que se tem mais carinho. Sim, é muito difícil abrir mão das coisas conquistadas com suor e trabalho, mas ninguém disse que o caminho da luz era fácil. Colecionar bens é perda de tempo, pois o materialismo é uma frivolidade e não passa de uma ilusão (uma vibe bem Matrix), pois nada do que é material pode ser levado para o mundo espiritual quando se faz a transição. Caso você não queira abrir mão do conforto que essas coisas te dão, sem problemas, mas tenha a certeza de que tudo o que é material um dia vai se perder.

Lembro a todos que eu não segui o caminho da luz, por isso sou a última pessoa que pode dizer o que vocês devem fazer. Porém, tudo o que foi explicado até aqui me foi passado por pessoas mais humildes e iluminadas, sendo que eu estou apenas repassando o que me foi ensinado. Se vocês vão seguir ou não o caminho, é problema de vocês. Caso alguém tente seguir o caminho da luz e não conseguir, não se preocupe, pois pouquíssimas pessoas conseguem, mas as que conseguem são pessoas muito especiais, mesmo que continuem cheias de defeitos. Por isso eu admiro muito o Chico Xavier, que era uma pessoa que vivia sem nada a não ser sua vontade de seguir o caminho e fazer o bem para o próximo. Teve um texto sobre ele aqui no Desfavor em que a Sally colocou todas as falhas e incoerências deste homem, mas isso não afeta o mérito dele ter seguido um caminho difícil.

Pessoalmente eu conheci apenas um mestre de Kung Fu que me deixou impressionado, ele treinou o Punho de Ferro (ou Palma de Ferro) e para isso ele teve que passar por períodos sem se alimentar, beber ou fazer sexo, sempre com um treino que faria qualquer um pedir água em apenas alguns minutos. Esse treinamento foi feito na China, num lance bem parecido com o mostrado em Kill Bill e durante esse tempo o mestre sofreu grandes perdas pessoais, inclusive sua esposa que depois foi reconquistada. Em compensação o mestre faz coisas que eu só havia visto na televisão, como pedir para vários pessoas tentar levantá-lo sem sucesso ou colocar a mão no fogo sem se queimar. O mestre tinha um espírito forte e uma imensa força de vontade, mas não era humilde e isso é um ponto que devo ressaltar: raramente quem segue o caminho atinge a perfeição, ou seja, até mesmo grandes mestres possuem defeitos e nós meros aprendizes temos todo o direito de cometermos um milhão de erros antes de conseguir algum avanço no caminho da luz.

Pois bem, o desprendimento não precisa ser hardcore e pode ser feito por etapas: primeiro se desfaça das coisas pequenas, de pouco valor. Vá subindo de valor até entregar quase tudo o que tem, sempre escolhendo pessoas desconhecidas ou mais pobres do que você. O desprendimento deve ser feito de coração, sem arrependimentos ou sentimento de culpa, pois o que você esta fazendo é algo muito nobre e será retornado em dobro seja nesse ou em outro mundo. Além disso, o caminho da magia é recheado de testes, também conhecidos como ordálias. As ordálias podem ocorrer antes, durante ou depois de um feitiço ser lançado. Quando ocorrem antes, servem para testar o magista no seu caminho, pois nem sempre se percebe o objetivo deste tipo de teste. Quando ocorrem durante, servem como teste para a força de vontade do magista e acontecem principalmente quando se entra em contato com entidades “demoníacas” (aguardem o próximo texto). As ordálias que ocorrem após o feitiço servem para colocar o magista em seu devido lugar, pois um feitiço sem consequência quebraria a humildade do feiticeiro. Por isso, quando se faz um feitiço ou se utiliza a magia por qualquer motivo, é preciso ter muito cuidado, pois as ordálias sâo equivalentes ao poder utilizado no feitiço. Há maneiras de amenizar essas ordálias e sendo o mais claro possível nos seus desejos é uma delas.

As ordálias também podem ser feitas propositalmente, como é o caso das ordens místicas, que obrigam o adepto a passarem por situações de risco, mesmo que simbólicas. Por exemplo, para ser iniciado ao primeiro grau maçônico, você deve andar vendado com uma corda no pescoço. Ao final do ritual, uma voz pergunta suas intenções no local. É exigido também juramentos de fidelidade e sigilo, com a punição de ser expulso da Ordem. Todas as iniciações místicas possuem ligação com uma morte simbólica, sendo que algumas devem ser feitas de olhos fechados ou no escuro, outras deitadas em um caixão ou sarcófago e outras com risco real de morte (como é feito em algumas tribos indígenas). Para quem tem medo de escuro, fobia de lugares pequenos ou não costuma ter confiança nas pessoas, passe longe de qualquer Ordem iniciática.

As ordálias podem ser iniciadas também por vontade própria da pessoa e são conhecidas também como promessa ou penitência. Nesse caso, ao ter o desejo recebido através da magia, a pessoa se dispõe a sacrificar algo que gosta para compensar o pedido. Funciona mais ou menos como a Lei de AMRA, a diferença é que na Lei você possui um dever moral, já na ordália o compromisso é uma obrigação que deve ser cumprido a qualquer custo. Como vocês vão ver no texto sobre magia negra, o descumprimento da promessa pode ter resultados desastrosos. Por isso meus caros, tomem muito cuidado com o que forem pedir, com o que forem prometer e com qual entidade forem tratar. Independente de qual caminho forem tomar, as entidades espirituais procuram sempre cumprir o que prometem e esperam sempre o mesmo dos meros mortais. Porém, quando se trata com entidades duvidosas, é preciso ter cuidado para não cair no engano e se ferrar depois.

Bom, com esse último aviso, acho que vocês já estão preparados a receberem os conceitos sobre sistemas de magia, que será feito no próximo texto. Já a “magia negra” deixarei para o texto 10 e espero que cada um tenha muita força de vontade para dominar essa arte e não ser dominado por ela. Até lá.

Assinado: Chester

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (20)

  • até aqui tudo tranquilo.
    mas desfazer de seus bens materiais mais queridos…
    minha coleção de perfumes?
    NÃO.
    e fim.

    • houve uma época que queria me encontrar em alguma religiao, precisava ter algum conforto espiritual para compreender algumas coisas que estavam acontecendo na minha vida…..

      fui no catolicismo, fui no espiritismo, fui na umbanda, no candomblé e aproveitei meus contatos como jornalista para entrar na maçonaria e na rosa cruz….. em cada local aprendi um pouco e absorvi o que considerei o mais importante para mim naquele momento…..

      cheguei a pensar que eu tinha alguma missão especial, que devia fazer alguma coisa importante para as outras pessoas, pois eu tinha um dom que devia ser compartilhado em benefício do próximo….

      porém, meu lado racional foi mais forte e resolvi nao fazer nada disso, me desvinculado de todas as religioes e ordens iniciaticas….

      mas como diz o ditado: uma vez na ordem, sempre na ordem e eles sempre mandavam cartas, me ligavam perguntando se não queria voltar, que eu era importante para o crescimento da ordem, etc…..

      quando minha filha nasceu, senti esse abalo espiritual novamente, essa vontade de procurar a espiritualidade e acabei voltando para a loja, reiniciando assim meus estudos místicos….

      porém os estudos foram tomando rumos que eu desconhecia, como o estudo da cabala e da gnose, com detalhes que eu considerava fantasiosos demais para ter alguma validade teológica…..

      hoje em dia tenho minha própria relação com Deus, sem seguir nenhuma religião ou ordem (apesar de continuarem me convidando a voltar) e creio que o caminho é cada um que faz….

      quando iniciei essa série eu tinha uma mentalidade muito rígida sobre a magia, mas ao explicar esses assuntos compreendi-os de uma forma diferente e novas ideias surgiram na minha cabeça….. ideias que talvez um dia se concretizem aqui mesmo no Desfavor, quem sabe…

  • Interessante de novo: confesso que tenho lá certo “medinho” desses rituais que simulam morte E QUE HÁ RISCO REAL DE MORTE… eu ein! Daí eu penso: “tudo isso pra que?” só pra conseguir ser realizado um “pedido” meu? bahh…

    Mais ainda: praticar o “desapego” vai até que ponto? até a pessoa ficar sem nada? sem carro, sem casa, sem celular?

    • com risco real é muito difícil acontecer nas ordens iniciáticas…. na maçonaria há relatos de pessoas terem morrido, mas a maioria foram acidentes causados por pessoas insensatas…..

      já nas tribos indígenas, a morte era quase obrigatória, principalmente quando praticavam o canibalismo….. a morte do oponente era uma celebração a força e a coragem desse inimigo e o ritual de ingeri-lo era na verdade uma homenagem ao guerreiro….

      nos dias de hoje pouquissimas tribos e cultos satanistas ainda praticam rituais com morte real de humanos…. isso representa muito pouco perto do numero de praticantes da magia…..

    • sim, quem segue o caminho precisa se desapegar de tudo….. esse é o exemplo de padres, frades, budistas e todos os que decidiram se libertar do materialismo….
      note que muitos desses religiosos não consegue se libertar totalmente da vida carnal, mas os que conseguem são pessoas sábias que levam uma vida sem se preocupar com as coisas mundanas….
      a única validade de fazer isso é se tornar uma pessoa iluminada, que irá ajudar o próximo sem pedir nada em troca…. veja a história de chico xavier, nhá chica, buda e jesus, assim entenderá melhor qual é esse caminho…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: