Desfavor Convidado: Desmagia Negra – Zodíaco.

desmagia-signos

Desfavor Convidado é a coluna onde os impopulares ganham voz aqui na República Impopular. Se você quiser também ter seu texto publicado por aqui, basta enviar para desfavor@desfavor.com.
O Somir se reserva ao direito de implicar com os textos e não publicá-los. Sally promete interceder por vocês.

Desmagia Negra: Especial Zodíaco.

Desde o início dos tempos o homem olha para o céu, pois é dali que ele tira informações sobre o tempo, o clima e até mesmo sobre o divino. Não é por menos, já que a imensidão que envolve nosso planeta fascina e é motivo de adoração mística ou científica. Ao longo do tempo, o homem foi aprimorando sua relação com o céu, transformando astros, satélites naturais e estrelas em representações simbólicas de deuses, deusas e toda uma mitologia que variava de povo para povo. Desta maneira, não é a toa que muitas religiões consideram que o paraíso simbólico está presente no céu, onde fica a “morada de Deus”.

Para muitas religiões primitivas, o Sol simbolizava essa divindade espacial e logo o homem percebeu que ao longo dos dias ele se mostrava em ângulos diferentes. O homem percebeu também que algumas constelações eram especiais, pois indicavam caminhos e representavam simbologias que eram interpretadas pelos antigos místicos. Sendo assim, no início do estudo do cosmos, a astrologia e a astronomia eram a mesma coisa.

Os primeiros registros sobre o horóscopo apareceram a partir do século 7 a.C., quando várias civilizações antigas acreditavam que os astros podiam influenciar a vida humana . Entretanto, a versão do horóscopo que conhecemos hoje foi uma mistura de influências da astrologia milenar dos babilônios, do conhecimento matemático dos egípcios e da filosofia grega. Tanto que a palavra Zodíaco é de origem grega e significa “círculo de animais”.

Esses estudos primitivos foram coletados pelo filósofo grego Cláudio Ptolomeu, que sistematizou esses conhecimentos. Para manter a tradição desses estudos, ele levou em consideração o equinócio vernal como ponto inicial da trajetória do Sol pelo espaço (Ptolomeu foi um dos filósofos que divulgou o Geocentrismo). Dessa maneira, Áries se tornou a primeira constelação que recebeu a passagem do Sol.

Por uma questão prática e estética, adotou-se o círculo para representar o céu. É nesse circulo que o sol percorre, passando de constelação para constelação/signo. Cada signo corresponde a 30 graus deste trajeto, simplificando propositalmente a representação elíptica da órbita dos planetas. Isso define também o tempo de cada signo durante o dia, sendo que cada um possui um período de duas horas.

Com o passar do tempo, notou-se que um fenômeno “celeste” fazia com que o ponto equinocial de primavera retrocedesse à constelação anterior, neste caso, Peixes. Este fenômeno veio a ser chamado de Precessão Equinocial e enfraqueceu a astrologia, que se mantinha fiel à representação geocêntrica e imutável do Zodíaco. A partir de então, a astrologia se tornaria definitivamente mística, enquanto que a astronomia partiria para o estudo científico do cosmos.

Outro fator importante na astrologia é a passagem dos planetas nas constelações e sua influência nas pessoas. Por isso, os estudiosos atribuíram um planeta a cada signo, cuja influência guardava forte analogia com a identidade de cada signo. Estes planetas vieram a ser chamados “planetas regentes”.

Como na Antiguidade o método mais utilizado para a observação da movimentação planetária era olhar para o céu, apenas cinco planetas eram visíveis: Mercúrio, Marte, Vênus, Júpiter e Saturno. O Sol e a Lua eram chamados luminares e contavam entre os planetas.

REGENTES DOS SIGNOS

MARTE – Áries e Escorpião
VÊNUS – Touro e Libra
MERCÚRIO – Gêmeos e Virgem
JÚPITER – Sagitário e Peixes
SATURNO – Aquário e Capricórnio
LUA – Câncer
SOL – Leão

Para determinar o mapa astral de uma pessoa, primeiro é preciso determinar seu signo solar. Esse signo é aquele onde o Sol está posicionado na data do nascimento da pessoa, desta maneira deve-se determinar seu Ascendente. O signo ascendente é simbolizado pelo nascimento do sol no leste e é determinado pelo horário em que a pessoa nasceu. Sendo assim, uma pessoa que possui signo solar de Escorpião (parte de Outubro e de Novembro), que tenha nascido à meia-noite, o signo que estará a surgir no horizonte leste será o de Leão (levando em consideração que o nascimento do sol será às 6 da manhã). O signo solar escorpião estaria na meia-noite, no meio-dia o signo oposto, Touro, a ascendente em Leão, e no ponto poente do mapa (no pôr do sol) o signo de Aquário. Desta maneira, é possível determinar o mapa astral da pessoa, conhecer sua personalidade e o seu destino.

Além desses detalhes técnicos, o caminhar do sol pelos signos possui uma simbologia oculta que é a própria vida do homem. Por isso, muitas ordens místicas costumam colocar no teto de seus templos representações de estrelas, planetas e constelações. Chamam esse detalhe simbológico de “Abóbada Celeste” e ela serve para nos fazer pensar sobre a jornada solar (no caso da Maçonaria), que assim como o Homem (quando uso essa palavra, é sempre no conceito de Humanidade), nasce no leste (oriente) e vai morrer no oeste (ocidente), em um ciclo eterno.

ORIGEM DOS SIGNOS

ÁRIES – Na mitologia grega, Frixo, filho do rei Atamas, ia ser assassinado pela madrasta quando foi salvo por um carneiro com lã de ouro, enviado por sua mãe. O carneiro foi sacrificado e sua lã enterrada no pomar de Ares, deus da guerra, que deu nome ao signo.

TOURO – Há 4 mil anos, era o primeiro signo do zodíaco. Coincidia com a primavera e marcava o início do ano. A imagem do touro vem de um mito grego em que Zeus, o chefe dos deuses, teria assumido a forma do animal para atrair uma princesa.

GÊMEOS – Os irmãos Castor e Pólux, filhos de Zeus, apaixonaram-se por duas garotas comprometidas e desafiaram os rivais. Castor morreu no combate e Pólux pediu a Zeus que o matasse também. Em memória da amizade dos filhos, o pai colocou a imagem dos gêmeos no céu.

CÂNCER – Em latim, câncer quer dizer caranguejo, animal que aparece em um dos 12 trabalhos de Hércules. Enviado por Hera, a esposa oficial de Zeus, o caranguejo foi morto pelo herói, mas a coragem do bicho lhe valeu uma imagem celeste por toda a eternidade.

LEÃO – Mais uma criatura morta por Hércules. O herói não só estrangulou a besta com as próprias mãos como fez um manto com sua pele. Em homenagem ao grande feito, Zeus desenhou com estrelas a forma do animal no céu
.
VIRGEM – Para os romanos, a constelação representava Virgo, a deusa da justiça. Doente por causa da mania de guerra dos homens, Virgo teria sido o último ser celestial a subir para a morada dos deuses. Minerva, deusa da sabedoria, teria colocado uma imagem no céu em sua homenagem.

LIBRA – Identificada pelos romanos, simboliza a balança usada por Virgo para pesar a alma dos homens em seu caminho para o mundo subterrâneo ou para o céu, determinando prazer ou dor eterna.

ESCORPIÃO – Essa constelação aparece no episódio da morte do gigante Órion. Apolo, deus grego das profecias, ficou enciumado pela amizade de sua irmã Ártemis com o gigante e enviou um escorpião para mordê-lo. Zeus pôs o animal e a estrela Órion no céu como lembrança da história.

SAGITÁRIO – Pela mitologia grega, Chiron era o mais sábio dos centauros, uma criatura meio homem, meio cavalo. Foi morto ao ser atingido acidentalmente por uma flecha de Hércules e foi homenageado por Zeus com uma constelação.

CAPRICÓRNIO – Nas lendas gregas, a cabra que simboliza o signo tem rabo de peixe. É uma representação de Pan, deus da natureza que, para fugir do titã Tifon, jogou-se na água. Pan morreu porque, enquanto se transformava em peixe, estava com metade do corpo para fora da água.

AQUÁRIO – É um dos signos aquáticos dos babilônicos, ao lado de Capricórnio e Peixes. No Oriente Médio, o mês de aquário seria correspondente ao período das chuvas, o que deu origem ao símbolo do signo: um homem virando um jarro de água.

PEIXES – Pela lenda grega, Afrodite, deusa do amor, e seu filho Eros teriam se transformado em peixes para escapar do titã Tifon, que não suportava a água. Atena, deusa grega da sabedoria, criou a constelação para lembrar a fuga.

Assinado: Chester

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (9)

  • Sinceramente essa é uma das partes que mais me tocam no sentido de apreciar muito: adoro estudar história antiga e mitologia! Interessante observar que muitos dos “arquétipos” que se tem por aí na literatura está intimamente ligada às mitologias (sejam gregas, romanas ou egípcias).

  • SAOOOOOOOORIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!

    (ñ resisti hahaha – cavaleiros do zodíaco fizeram eu me interessar por astronomia no lugar de astrologia)

    descobri pq o Afrodite era o cavaleiro de peixes, vejam só…

    meu sol é em touro, meu ascendente em capricórnio mas minha lua é em aquário, pra sambar na cara do meu materialismo. Isso, claro, se eu acreditasse. ;P

  • Cliquei achando que fosse post sobre Cavaleiros :(

    Pra não ser pnc com o autor: Gostei da abordagem histórica, e os textos de Desmagia estão bem melhor escritos ultimamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: