Flertando com o desastre: Cantadas.

fd-cantadas

A coluna “Flertando com o desastre” desta semana é uma carta aos homens. Provavelmente não aos nossos homens, os Impopulares. Cinco anos de textos diários com quatro páginas filtraram bem nosso público. É dirigida aos homens no geral. E se você, mulher, achar que alguém que você conhece está merecendo ler o que foi escrito, não hesite em mandar esta carta para a pessoa.

Uma pesquisa revelou recentemente que 98% das mulheres já foi assediada em algum momento em locais públicos e que boa parte delas se sente ameaçada, intimidada ou constrangida, a ponto de mudar sua rotina por causa deste assédio. Aberrante que homens se divirtam com algo que causa sofrimento e constrangimento nas mulheres. Mais aberrante ainda que isso ainda seja socialmente tolerado. Patético se divertir abordando uma estranha e enchendo seu saco, simplesmente patético.

Além de ser patético e provavelmente improdutivo, passar uma cantada é infantil, feio, vergonhoso. Um homem que passa uma cantada barata em uma mulher sabe que não tem qualquer chance com ela, não o faz buscando uma conquista. A cantada em si é um prazer para o homem. E quão merda tem que ser um homem para ter prazer em falar meia dúzia de bostas para outra pessoa mais fraca e desconhecida? Quão merda tem que ser esse mesmo homem que sai na porrada se alguém falar da sua mãe ou sua irmã e desrespeitar a mãe ou a irmã de alguém? Muito merda. Muito burro. Muito sem noção do que é socialmente vergonhoso e do que não. Seria como sair com uma cueca por cima das calças achando que está lindo. Inadequação ostentada.

Mas homem faz. E usa os piores argumentos para justificar: “Tem mulher que gosta” ou “Quem mandou usar essa roupa?” ou ainda “Todo mundo faz”. Ahhh… parece que a natureza limita a inteligência mas não limita a burrice. Tem mulher que gosta? Bom, tem homem que gosta de fio terra e nem por isso a gente sai metendo o dedo no cu de desconhecidos no meio da rua. Da mesma forma que tem mulher que gosta, tem mulher que não gosta, você sabe qual é o caso da desconhecida que está abordando? Não, né? E se roupa fosse justificar qualquer tipo de abordagem, metade dos homens brasileiros mereceria levar é MUITA PORRADA, porque quem usa boné, óculos escuros e regata em qualquer lugar que tenha um teto merece apanhar com um gato morto até o gato miar e quem usa tênis sem meia, cabelo moicano, cabelo descolorido e tatuagem com letra de convite de casamento no braço merece apanhar com um pau que contenha um prego na ponta. Por fim, se todo mundo faz, sugiro que tolerem de bom grado quando o fizerem com suas esposas, mães ou irmãs.

Um homem que encontra algum tipo de diversão ou ganho secundário abordando uma estranha e passando uma cantada é um BOSTA INSEGURO e inconveniente, sem capacidade de reflexão e sem empatia. Não tem capacidade de se colocar no lugar do outro, não pensa no outro nem por um segundo. Não difere em muito de um bovino qualquer, porque até chimpanzés são capazes de sentir empatia. O fazem na certeza da impunidade, na certeza da intimidação. Mas isso pode mudar, Amiga Calcinha. Está nas nossas mãos. A minha parte eu faço faz tempo, como os leitores mais antigos devem saber. Tenho um aparelho de choque que apelidei de “O Doutrinador”, usado estrategicamente nessas ocasiões. CHOQUE neles, e se alguém perguntar alguma coisa, foi usado em legítima defesa, pois a pessoa estava te atacando. Bom, bonito e barato. Eu recomendo. Não é caro, vende no Mercado Livre. Pode? Não pode. Mas quando estamos em uma situação de legítima defesa não cometemos crime. Fica a dica.

O pior é que muitos homens de alguma forma tosca conseguem se convencer de que a mulher GOSTA de levar uma cantada, ou ao menos que aquilo não lhe faz mal. Querido Zé Ruela que gosta passar cantada na rua: já que você não consegue se colocar no lugar de uma mulher voluntariamente, a Tia Sally explica o que uma mulher sente quando leva uma cantada. Mas antes um pequeno parênteses explicativo: via de regra mulher não é como homem, que basta ver uma mulher bonita para se sentir atraído. Mulher, via de regra, não prioriza o físico e não se sente atraída de imediato. Mulher, via de regra, não olha para um homem e pensa “quero fazer sexo com ele”. Um homem desconhecido se insinuando É SIM UMA AGRESSÃO, é sim desagradável, é sim repulsivo, não importa quão simpático, bonito ou rico ele seja. Então, para te fazer entender o que uma mulher sente durante uma cantada, vou tentar te colocar em uma situação que seja repulsiva para você.

Dito isto, imagine a seguinte cena: você é hetero e foi abduzido por alienígenas. Você foi levado para um planeta chamado X. No planeta X existem mulheres heteros, homens heteros e homens homossexuais, sendo que os homossexuais são maioria, medem dois metros de altura e são extremamente fortes. Todos os dias você sai da sua casa no planeta X e vai para o seu trabalho sabendo que vai ter que passar por DEZENAS desses homossexuais gigantes e fortes e a maior parte deles vai te passar cantadas grosseiras, constrangedoras e até mesmo meter a mão em você e te apalpar. TODO SANTO DIA. SEMPRE QUE VOCÊ SAI NA RUA. No transporte público, na calçada, por todos os lados. Você sente nojo, mas não pode fazer nada, porque se os irritar, pode piorar a sua situação e se por um acaso um deles partir para cima de você, seja para bater, seja para abusar fisicamente de outra forma, você não vai ter força para se defender. É assim que uma mulher que não gosta de cantadas se sente. E acredite, a maioria não gosta. Nada contra os gays, é um exercício didático apenas.

Não me refiro apenas a pobres donzelas que se chocam com as obscenidades. Mesmo a mais desbocada das mulheres tem o sagrado direito de não querer ouvir esse tipo de coisa, não pelo puritanismo e sim pelo desrespeito. Desrespeito com ela, com seu pai, com seus irmãos, com seu marido, com seu namorado ou com quem a acompanha. Uma cantada não afeta apenas aquela pessoa que a leva, ela agride um grupo de pessoas que orbitam em torno do alvo, estejam elas presentes ou não, pois a cantada pode se refletir na forma de tristeza, mau humor, irritação e outras reações. A pessoa tem o sagrado direito de não querer ser incomodada, de não querer ouvir a opinião de estranhos. Mas não, homem é um bicho babaca e por dez segundos de diversão passa uma cantada. No minuto seguinte ele já esqueceu o que fez e não percebe que pode ter arruinado o dia da pessoa com aquela atitude. Sim, dependendo do dia, uma coisa dessas repercute mal, muito mal. Quem bate esquece, quem apanha não.

O curioso é que quando fiz outro texto falando do quão é inconveniente estranhos que te abordam no meio da rua para encher o saco, todo mundo concordou. Se abordar para coisas menores é inconveniente, abordar para passar uma cantada é o que? Imperdoável, né? Mas a cantada é vista como algo socialmente aceitável, a menos é claro que ela desagrade ao homem. E a cantada que desagrada ao homem é a cantada gay. Essa não é socialmente aceitável, muito pelo contrário: é socialmente aceitável que se enfie porrada no gay que cantou um hetero. Curioso como os homens se portam com dois pesos e duas medidas. O homem que canta a mulher se acha divertido, bem humorado, acha aquilo quase que uma brincadeira inofensiva e acha frescura da mulher se incomodar. Ele acha engraçado. Ele faz e ri com os amigos. Agora vai um gay passar a exata mesma cantada nele, no exato mesmo lugar e observe como o sujeito não vai achar graça nenhuma.

Creio eu que a raiz do problema seja a arrogância masculina. Eles se acham tão lindões e gostosões que a maioria sequer cogita que a sua cantada barata possa causar um desgosto, repulsa, asco ou sofrimento na mulher. Pois causa. Nojo, repulsa, revolta, raiva, desgosto, indignação, impotência, ira, e muitas vezes lágrimas. Não lágrimas de donzela com a honra ofendida, não sejamos hipócritas, mas lágrimas de ódio por não poder revidar graças à inferioridade física somada ao medo do grau de loucura do interlocutor. Cantada de estranhos NÃO É agradável para uma mulher. Buscar diversão em qualquer ato que gere sofrimento de terceiros é sadismo. Negar esse sofrimento é falta de caráter. Se eu que sou mulher estou te dizendo que provoca sofrimento, quem merdas você pensa que é para negar? Pode não gerar sofrimento em todas, mas em muitas gera e como você nunca sabe quem está cantando, o ideal é não fazer.

Pode ser que no dia a mulher nem ligue, não se importe. Mas pode ser que ela se incomode profundamente. Como você não tem bola de cristal e não sabem se ela gosta ou não, se ela está em um dia bom ou não. Logo, o digno é não fazer nunca. Você não sabe se aquela mulher enterrou seu pai naquela semana, se descobriu uma gravidez indesejada ou se recebeu um diagnóstico de alguma doença terrível. Você não sabe se aquela mulher acabou de ser demitida, se está com um filho no hospital ou se está sendo despejada de sua casa porque não conseguiu pagar o aluguel. Ou, você simplesmente não sabe se aquela mulher abomina aquilo em qualquer dia da sua vida. Então, só para registrar, mesmo aquelas que oficialmente não se importam tem dias ruins onde isso vai causar um dano emocional. Não tem que fazer. Ponto final.

Já pensou na tortura que é viver em uma sociedade onde você sabe que vai sair na rua e passar por algo que te faz mal, que te agride, que te irrita profundamente e que fatalmente você não vai poder fazer nada nem para impedir, nem para revidar? Imagina se você tivesse a certeza matemática que cada vez que você pisar na rua um gay vai passar a mão na sua bunda e se você revidar de alguma forma é certo que você vai apanhar. Imagine viver assim, desde seus dez, doze anos de idade, todo santo dia, anos e anos e anos. Imaginou? Agora multiplica isso pelo transtorno de cada vez que um gay te passa uma cantada sua mãe, sua irmã ou sua esposa ainda partirem para cobrir a pessoa de porrada, tendo serias chances de apanhar ou saírem feridas no evento. Realiza você ter que levar mão na bunda de gay e ficar calado para que sua mãe, sua irmã ou sua esposa não sejam arrebentados na porrada reagindo a isso. Agora realiza os mesmos gays que fizeram isso com você rindo e falando que tem certeza de que você gostou ou que é frescura se chatear por isso. Bem vindo à vida de uma mulher brasileira.

Vai continuar assim, até que as mulheres comecem a se defender. Não digo fazer o que eu faço e partir para o embate físico, porque isso implica em um risco considerável e não me parece exigível que a pessoa tenha que passar por ele. A mulher tem que se defender de outras formas, usando a lei, por exemplo. Eu tenho uma política que consiste no seguinte: encostou em, mim eu considero tentativa de estupro, não me importa qual era a intenção. Vou chamar a polícia e vai para uma cela de delegacia com a acusação de estupro. Vai ser liberado depois? Certamente, mas quando isso acontecer, o sujeito vai ter aprendido uma valiosa lição na sua cela sobre como é desagradável quando encostam em você contra a sua vontade. Também podem usar a internet: tire uma foto com seu celular do babaca que fez isso e faça um banco de dados unificado por bairro ou por cidade. Quando um mesmo babaca aparecer diversas vezes, procure informações sobre ele, mande e-mail para sua mãe ou para sua esposa contando o que ele fez: dia, local, hora e conteúdo. Não importa a forma, as mulheres tem que começar a se defender.

Daí sempre vai ter um filho de uma chocadeira que venha aqui dizer que “acha besteira” mulher se incomodar com uma cantada. Quem a pessoa pensa que é para dizer com o que o outro deve ou não se incomodar e quanto? Quem a pessoa pensa que é para invalidar ou desvalorizar o sofrimento de outra pessoa? Honestamente, EU não me incomodo em levar cantadas (não gosto, evidente, mas não me desestabiliza nem me faz mal), mas respeito profundamente todas as mulheres que se sentem incomodadas. O fato de eu não me incomodar não as desmerece em absoluto e não me impede de abraçar a causa, porque eu vejo o dano que isso causa em algumas pessoas.

Então, até que a pessoa tenha uma buceta e passe uma vida toda sendo exposta a isso, NÃO TEM O DIREITO DE ACHAR. Seria o mesmo que dizer que acha que a dor de parto não é tão grande assim ou que menstruação não é um incômodo. Sem útero, sem opinião, antes que eu comece a “achar” que chute no saco não dói, que brochar é coisa de homem frouxo ou que todo homem gosta de uma dedada no cu.

Quem passa uma cantada randômica em uma desconhecida não sabe se isso pode causar um mal a aquela mulher, logo, o que se espera de pessoas com caráter é que evitem o risco desnecessário de causar mal a terceiros quando existe esta opção. Se você não sabia que poderia causar um mal estar enorme na mulher, a ponto de estragar seu dia, levá-la às lágrimas e prejudicar seu desempenho no trabalho, AGORA SABE. O desconhecimento não milita mais a seu favor, logo, é hora de se posicionar. Você vai rever as bostas que anda falando por aí ou vai desvalorizar tudo que foi dito aqui para se permitir ter qualquer dez segundos de diversão às custas de um possível sofrimento de outro ser humano? O caminho mais fácil é desacreditar meus argumentos com frases feitas, auto-perdão ou ataques pessoais dirigidos contra mim.

Fiquem à vontade, podem me chamar de gorda que só escreveu este texto porque não leva cantada e tem inveja, frígida, feia, etc. Podem dizer que no fundo as mulheres gostam, comprovando um analfabetismo funcional galopante. Ou podem virar HOMENS DE VERDADE e parar com essa merda. Se não por respeito ao próximo, por medo. Porque se até hoje deu certo não quer dizer que sempre dará, um dia pode passar uma Sally louca varrida na sua vida e te deixar inconsciente no meio da rua com choque ou te colocar uma cela de delegacia com uma acusação de estupro, só para você sentir na própria pele como dói não poder se defender. Tem gente ruim no mundo, como eu, que paga covardia com covardia. Fiquem espertos, uma hora essas pessoas cruzam com você.

Para atribuir tudo que foi escrito a um problema pessoal meu na tentativa de desmerecer meus argumentos, para perceber como foi escroto nos últimos anos e se retratar em silêncio ou ainda para não levar a sério e persistir até encontrar uma mulher que efetivamente se defenda: sally@desfavor.com

187 desfavores sobre “Flertando com o desastre: Cantadas.

Cantadas desagradaveis são ruíns mesmo, tipo essas de pedreiro. Mas a autora foi longe demais. Primeiro: Mulheres não se sentem atraidas por homens bonitos? Por favor, né? Um Bradd Pit chega numa mulher dizendo que ela é linda e pedindo o número dela, ela vai falar ´´não seu tarado nojento!!!´´ . Tá bom, então… Outra, que comparação infeliz essa com os ´´homosexuais marcianos´´, rs. Vejo muitas mulheres que querendo dar uma idéia do quão insuportaveis são as abordagens masculinas, mencionar homens homosexuais abordando heteros, mas porraa!!! Ninguem gosta de ser abordado por uma pessoa do mesmo sexo, mas com o sexo oposto é diferente, Mulheres sentem tanta ojeriza assim por pau a ponto de sentir o nojo semelhante que um outro homem sente quando é cantado por outro macho?? Ah vai tomar banho!!!

Não necessariamente uma mulher se sinta atraída porque o homem é bonito. Lamento se você não acredita em mim, mas se o Brad Pitt viesse de gracinha eu me afastaria.

Mulher não sente ojeriza por pau, sente ojeriza por desrespeito, imposição de presença. Tanto faz se for de homem ou de mulher.

Sua burrice não te permitiu alcançar o que eu tentei dizer. Deixa passar uns anos, amadurece e volta a ler o texto.

As vezes a cantada tem o simples objetivo de deixar a vida mais leve… um pouquinho de humor não faz mal a ninguém

Se for uma cantada leve, com bom humor, tem o seu valor…

Você não sabe, se mesmo leve, ela não representa uma violência para algumas mulheres. O seu objetivo pode ser deixar a vida mais leve, mas a consequência para aquela mulher pode ser uma humilhação, raiva ou desgosto. Então, que tal não sujeitar alguém a algo unilateral, que você não sabe como a pessoa vai encarar?

Você gostaria de viver em uma sociedade que prega que um fio terra de leve para deixar a vida leve não faz mal a ninguém e é humor?

Esse lance de cantadas desagradaveis é ruim mesmo, mas há coisas que tem que ser ditas ai. Sou um cara de classe média, com curso superior, tenho 24 anos, nem feio nem bonito e me porto bem diante de uma mulher. De vez em quando to no supermcado ou em um shopping e vejo mulheres muito bonitas, sem aliança nem nada, eu penso ´´preciso conhecer essa pessoa´´. Daí puxo assunto, converso normalmente como conversaria com qualquer um, e peço o número depois. Resultado: Quando consigo o número de telefone, escuto só desculpas como ´´ no momento não quero conhcr ninguém, etc…´´ Aposto que se fosse um sósia do cara que faz o Thor jamais seria tão rejeitado, o que diferencia um incoveniente de um ´´homem de atitude´´ é a beleza deste, infelizmente.

No seu caso, você não passa cantadas. Você faz uma abordagem respeitosa, coisa que eu acho mais do que válida. Porém me parece injusto você atribuir todas as recusas que recebe à aparência. Nem sempre se fosse o “cara que fez o Thor” (que na minha opinião parece um viado) a mulher retribuiria. Nem todas as mulheres priorizam o físico. Repense suas escolhas.

Sally, lembra daquela garota que eu disse que parecia VOCÊ?

Pois é… Ela recebeu uma cantada daquelas bem amarelas, como se pode ver nessa imagem.

Pelo pouco que te conheço, aposto que você ficaria emputecida com a cara de pau do cara, até porque foi demais da conta o assédio nesse caso.

Não preciso dizer que ela ficou mal pra caramba, a ponto de me pedir pra tirar satisfação disso.

Realmente, o site faz jus… um desfavor a sociedade. O texto ia bem, até a autora achar que baianos e desagradáveis é um PLEONASMO. Não vou explicar muito não… já se sabe muito bem quem é a BURRA por aqui e que resolve atacar ao invés de debater. Massa isso. Ah, quer saber: MORRE QUE PASSA. Você está gastando oxigênio, um desserviço à humanidade. Passar MAL, porque desejar que passe bem um ser desses é hipocrisia.

Filha, aprende a ler! EU NÃO FALEI EM MOMENTO ALGUM que era pleonasmo, UMA DAS LEITORAS comentou isso.

Assim você só prova a SUA BURRICE. INCAPAZ DE INTERPRETAR UM TEXTO

E não tenho o menor interesse em debater com você, tomara que você se manque e pare de bater ponto aqui, se não além de burra vai provar que não tem amor próprio.

Ler isso me fez lembrar das tirinhas do André Dahmer com sua personagem, a Sara Sofrida, que é uma escrotinha de feia e leva cantada de pedreiros e outros operários do setor de construção pesada no seguinte estilo: “te chupo todinha, cadela” ou “estouro esse seu rabo todinho, magricela”. Um primor de poesia urbana!

Ainda tem o Allan Sieber com aquele clássico cartum em que a cantada é: “vem cá que vou te encher de calabresa”. Foda, hein?

Só passei os olhos pelo texto, não tive estômago pra ler, mas pelos trechos que li, já fiquei com vontade de dar um tiro no infeliz: http://oglobo.globo.com/rio/voce-muito-bonita-10012199
“Meninas, sei que vocês andam aborrecidas com os exageros masculinos, sei que tem muito pilantra por aí que chama desrespeito de elogio, e sei que um dedo oleoso vindo sabe-se lá de onde para pousar em seus belos cabelos é um atentado à civilidade. Mas, meninas, por favor, deixem as cantadas masculinas em paz.”

Acho que o que aconteceu foi uma questão técnica: confundir flerte com cantada. Cantada é SEMPRE desagradável. Porém se um sujeito consulta a mulher sobre a possibilidade de se aproximar e o faz com educação e respeito, é flerte.

Ainda bem que a data da minha postagem foi anterior, se não já ia passar gente aqui me acusando de plágio!

Sally, acredito que – como eu cheguei atrasado aqui devido a mais um fim de semestre tensissimo – todo mundo já comentou algo semelhante então… mas ainda assim acho válido repetir: meus parabéns! Não poderia concordar mais! xD Compartilha-lo-ei por aí no twitter hehe

Só não manda para aquela moça com nome de caneta, os seguidores dela são deploráveis. Me encheram o saco com erros de concordância e argumentos burros no texto sobre lado negro da gravidez. Aliás, ainda enchem.

EXCELENTE!!!!!!!!!!!!!!!

eu queria MUITO que seus textos desse tipo contivessem mensagens subliminares, pra quando o brasileiro médio ler a ideia automaticamente entrar na cabeça dele, de forma que ele comece a se comportar como gente

será q vc não poderia avaliar com o somir essa possibilidade?
grata

aí q ta! mensagem subliminar vai direto pro inconsciente, então o BM não vai ter q entender.
acho q seria um bem pra humanidade.

Acho cantadas uma breguice sem fim, sendo que acho menos pior puxar papo com uma pessoa que desconheço ou que mal conheço do que apelar a tal artifício e isso é uma posição minha anterior ao texto.

Será que os cérebros dos babacas não foram condicionados por programinhas como aquele da Radical Choca e do Em nome do Omar (Processa Eu, Sálvio Sintos… Tô sabendo que aquela do “sequestro” foi uma armação fail da sua muié e da sua fia pra tirarem tutu na parada com o objetivo de enfiarem no cu da igreja) para achar que cantada era sinônimo de expressão de “romantismo”? Argh!

Lembrar que aquela mente briliante por trás do LINCHEM colocam supostas cantadas de pedreiro colocando cantadas retardadas como se fossem as dadas por pedreiros também é outra que foi de dar vergonha.

Ao fim, acho que as cantadas amarelas que os babacas dão só tem uma única serventia que é a de levantar a moral de garotas e mulheres carentes do nível “attention whore”… Sabe aquela gente de baixa autoestima e insegura que não confia no próprio taco. Pois é… São esses os alvos.

Pois é, essas attention whore prestam um desserviço às mulheres aplaudindo esse tipo de conduta. Coisa de mulher que se deixa embarangar com a idade e precisa disso para se sentir desejada.

P A R A B É N S pelo texto, Sally! DEVIDAMENTE COMPARTILHADO!

TODOS deveriam saber – e ENTENDER DE UMA VEZ – que NÃO É ISSO que as mulheres QUEREM!!!

BRAVÍSSIMA a sua postagem!

Não apenas não querem como ainda causa dor, sofrimento, medo e uma série de consequências negativas. Os homens não percebem que isso é um desrespeito inclusive contra a própria classe? Porque que marido fica em paz em casa sabendo que todo santo dia um pessoal tá assediando sua esposa? Depois mulher é que é classe desunida…

Nossa, nem faleeeeee!!! Eu fico pra morrer… Mas a piorrr de todas pra mim é quando passo e eles nem sequer falam, fazem “sssssssssssssssssssssss”… ÓDIOOOO MORTALLL!!! Dá vontade de chegar na voadora… Ah, não pensem q é só brasileiro médio q faz isso não! Chileno médio tmb faz! =S

Certa vez, indo para um estágio ás 6 da madrugada, no pior humor possivel, eis que uma criatura vagabunda dessas que se diz homem veio me encoxar, melhor, com o onibus vazio, quase ninguem! Mas sem me virar pro infeliz eu disse bem alto: se voce me tocar de novo eu vou arrebentar sua cara! Todo mundo se voltou pra o infeliz que pegou a cara dele no chão e saiu no primeiro ponto… Não sei o que se passa na cabeça de um otário desses….sinceramente uma hora vou acabar batendo ou apanhando.

Se toda mulher fizer isso, essa babaquice acaba. Está mais do que na hora da mulherada deixar de ser vítima e começar a se defender!

Excelente texto ! Pau nesses fdp ! Faz tempo que não uso vestido pq traumatizei… Vou comprar um briquedinho desse de choque hahaha

Bom, vou responder sério.

Observando umas discussões no facebook, sobre esse tema, muitas pessoas ficaram chocadas com isso: https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn2/q71/1237151_662406613769852_264033764_n.jpg

Há quem diga “Mas como vou conhecer alguém??? não pode nem chamar de linda??”, não, não pode imbecil. Tu se aproxima, conversa como um ser humano educado, e ainda observa se existe abertura, se sua conversa está agradando ou se está sendo conveniente. (Estou certo, né? Porque comigo sempre foi assim)

Mas o que esperar de uma sociedade composta por uma maioria de imbecis, boçais, gente bem próxima dos nossos antepassados que viviam em cavernas? É gente ignorante, estúpida, machista, que pensa que toda mulher que usa roupa curta ou que denota sua beleza, é vagabunda. Hoje mesmo disse algumas coisas para um sujeito aqui no trabalho, que comentava de uma colega nossa, casada, que usa calça legging (é esse o nome???) e que tem uma bela bunda, de fato. Segundo ele, ela é safada por se vestir assim, que com certeza é só chegar e dar idéia, que vai trair o marido. Olha o nível da mentalidade… A mulher não pode usar uma roupa confortável, não pode sentir calor, como nós homens também sentimos e usamos shorts (ás vezes ridículos), regata (lamentável) ou ficamos sem camisa em churrascos. Dá pra esperar que simplesmente mudem? Eu não espero. Tem de começar a punir de alguma forma, seja com alguma lei…. concordo que em alguns momentos a sociedade anda chata, mas nesse caso, seria válido sim alguma punição, ou pelo menos que lhes fossem aplicado um choque elétrico com essas armas pra defesa pessoal…

Uma vez na balada, uma amiga pediu pra eu fingir que estava com ela como namorado, pra fugir de um cara. Achei um absurdo e fui conversar com o cara e dizer pra deixar ela em paz. Não sou lá muito alto e forte, mas acho que falo de um jeito que as pessoas respeitam ou se assustam… Lamentável precisar fazer isso.

Os caras da sala ao lado da minha ficam assoviando quando passam alguém, parecem cachorros no cio… animais, é uma desgraça mesmo conviver com gente limitada. E isso não tem a ver com grau de instrução, cultura… é outro fator, a ver com a moral, o caráter.

É isso.

Não poderia concordar mais.

Infelizmente as leis ainda são feitas por homens, duvido que isso seja punido pela via legal. Vai ter que ser pelas mãos das próprias mulheres mesmo.

No Rio, quando eu ia à praia sozinha (sim, eu sou estranha, eu prefiro ir sozinha) levava um chinelo masculino comprado especialmente para isso e jogava do lado do meu para que os homens não viessem me encher o saco achando que tinha um namorado meu que iria chegar a qualquer momento. Muito triste viver uma vida toda tendo que tomar esse tipo de providência.

Acho que homens são de fato muito nojentos.

Lembro sempre que no metrô um pervertido estava parado atrás de uma menina de uns 17 anos, de noite, estação vazia… E dava pra ver que estava de pau duro. E ela só afastando.

Olhei feio, mas muito feio e fui caminhando em direção do sujeito. Ele se afastou.

Quando entramos no vagão ele iria sentar ao lado dela… Olhei mais feio ainda e ele … foi para o fundo do vagão.

Nossa, muito cuzão. Assim como todo homem que precisa disso pra encostar em uma mulher…

E uma pergunta…

É assédio ou elogio: NOSSA … COM UM CU DESSES ESTÁ CONVIDADA A CAGAR LÁ EM CASA!!

Obrigado, de nada.

Olha, depois do Processa Eu que escrevi sobre ele, acho improvável. Mas já já vai ter Somir sendo DJ e eu posando pelada em revista.

FECHARAM O FUCKIN´ TRÂNSITO

Perguntei a conhecidos meus de lá o que acharam disso. Resposta: “Tá certo, né Sally! O que vai ser do Chiclete sem o Bel?”

Sem mais.

Seria uma bela limpa na humanidade.

Veja você, a pessoa convive com falta de hospital, falta de médico, ensino sucateado, trânsito infernal, desemprego e uma falta de educação coletiva cavalar e sobrevive. Mas à saída do vocalista do Chiclete com Banana ela não sobrevive. Parabéns, Salvador!

Não venha distorcer uma vez mais: não comparei bandas. Comparei situações.
Ou vc acharia razoavel que qualquer cidade inglesa parasse devido a um possível fim dos Stones?
Comparo as 2 bandas, sim: com relação ao fanatismo que tem gerado durante suas histórias.

Não tem como fazer essa comparação, justamente pela diferença. Uma banda mundialmente admirada, que praticamente inventou um estilo, cujo vocalista foi sex symbol e é mundialmente famoso, campeões de vendas no mundo todo poderia até justificar uma comoção popular. Bel Who Marques não, pelo conjunto da obra medíocre e regional. Ontem vi no Fantástico um baianinho falando que “depois de Jesus Cristo Bel é o homem mais famoso do mundo”. Típico, eles acham que o mundo são ELES, nem desconfiam que o resto do mundo não tem a menor ideia de quem seja Bel Marques.

Bell Who Marques foi a melhor! hahaha… Além de tudo é antipático… Um dia encontrei a banda num hotel em BH e aí, fomos pedir pra tirar uma foto… HAHAHA… Nunca me deu vontade escutar “chicréti”… De tão grosseiro q foi comigo e com minhas amigas…

Sujeito escroto pra caramba, não canta nada, quem levava ele nas costas era o IRMÃO, que cuidava de camuflar essa voz de merda que ele tem. Só porque é conhecido NA BAHIA ele acha que é conhecido no mundo todo. Uma vez esteve no Rio e disse que não sairia para jantar por causa do “assédio dos fãs”. As pessoas que estavam com ele riram e falaram “aqui ninguém te conhece não” e foram jantar. Adivinha? Ninguém se aproximou, ninguém reconheceu, ninguém pediu foto ou autógrafo.

Sem contar que em Londres eles não morrem em fila de hospital, tem transporte público e escolas. Eles podem se dar ao luxo de canalizar suas manifestações para assuntos menos nobres. Já brasileiro gastar sua energia com uma banda me parece uma escolha bizarra e burra.

Tanto tem como fazer a comparação que eu já fiz e vc entenden muito bem o enquadramento dela dela.
Que eu gosto mais do timbre de Jagger é verdade. Mas isso TAMBÉM é subjetivo. Quanto ao mundialmente famoso, toca Chiclete nas praias do Mediterraneo e do México durante todo o verão. Quem viaja vê. E pq assim não seria? Se Maga e Browm fazem sucesso lá fora, pq não Chiclete?

Tocar toca, assim como toca Bonde do Tigrão. Agora manda o Bell Marques passear por lá ao lado do Mick Jagger e me conta QUEM é reconhecido…

Insisto: por uma celebridade mundial eu até entenderia mobilização, pois são poucos os vocalistas mundialmente reconhecidos. Por uma porra regional, onde as pessoas passam fome e morrem por falta de médico, eu acho inaceitável.

Aqui no Chile toca até axé bahia e dança da manivela, mas nunca ouvi chicréti…

Fora da Bahia não toca muito não. Fora meia dúzia de paulistas tipo ALICATE, ninguém conhece direito.

Insisto: não entendo pq parar qualquer cidade por causa do fim de qualquer banda. Independente do talento e/ou abrangencia geografica das celebridades.

Porque eu só acho que se deva ir as ruas por causas que valham à pena, não por notórios desconhecidos que cantam mal

De uns tempos para cá eu não vou Às ruas nem por celebridades que cantam bem. Este país ficou violento demais e eu com problemas locomotores que me impedem de correr caso precise. Além do que sinto que apo´s começar a militar em asse´dio moral, minha vida ficou preciosa para mais gente.

Isso é fato: quando você faz a diferença para outras pessoas, quando você é a voz de outras pessoas (muitas vezes a única voz que elas tem), nasce o dever cívico de se cuidar muito bem, pois se colocar em risco passa a ser egoísmo!

Gente só um off básico, para o bem de nós leitores: é só eu, no meu navegador (chrome) aqui que estou tendo suaves probleminhas com o layout do site? Não diria problemas, mas confesso que to achando desconfortável essa suave “desconfiguração” nos últimos comentários de uma postagem que fica aparecendo uma palavra em cima da outra… no navegador de mais alguem também fica assim ou é só no meu?

Tenho nojo de caras que tem idade para ser meu pai, meu tio, meu avô, gente andando de terno e gravata, que tem família em casa, passar na rua e sussurrar um simples “gostosa” no meu ouvido. Blergh

Pode ser em qualquer idade, é nojento. Mostra que você tem importância zero, a ponto de um babaca se permitir o abuso e a falta de educação de te abordar sem te conhecer e falar algo que nem sabe o impacto que vai causar em você. Um eventual mal estar por dez segundos de diversão de um imbecilóide.

A coisa mais bizarra que aconteceu comigo foi numa vez no ônibus (no RJ), eu sentei na janela e tinha um cara no meu lado, daí na hora de eu saltar pedi licança 2X e o FDP nem se moveu. Fiquei puta, se não me deixa passar por bem vai ser por mal e fui com tudo pra cima do joelho dele, quase derrubei o mané. Com certeza doeu porque ele soltou um miado, mas nem reagiu pra me bater, senão a lei Maria da Penha arrombava o cu dele, tinha outras pessoas no ônibus.
Eu armo o barraco mesmo e não quero nem saber, não paguei academia a toa, eu treino exatamente pra isso, pra poder espancar quem me sacaneia. Eu compro aparelho de choque não é à toa, é pra usar quando for preciso. Se a violência bombasse, eles iriam pensar antes de fazer merda.

Bel, a Lei Maria da Penha não te favoreceria nesse caso, pois o sujeito era um mero desconhecido. Lei Maria da Penha é para quem convive, para quem tem uma relação de confiança e se aproveita disso para agredir a mulher: namorado, marido, chefe, pai…

Sally,

vc é defensora do não falar com estranho em qualquer situação, salvo engano.

O problema é q se o homem for seguir isso vai perder muitas oportunidades. Homem tem que ser ousado, mas com classe.

Acho ridículo cantadas, no entanto, saber chegar junto, condizendo com a situação, pode render bons frutos. Se eu fosse me fechar desse jeito acho q tinha comido 1 ou 2 mulheres na vida. Não acho que a banda toca assim.

Pra mulher é chato mas para homem é um “mal necessário”, afinal na maioria das vezes tem que partir de nós as investidas.

Você há de convir que um homem percebe quando uma mulher está dando abertura para ele falar com ela. Troca de olhares, sorriso, linguagem corporal. Bem diferente de abordar do nada uma pessoa que visivelmente está concentrada em uma tarefa.

Há os graus de aprendizagem. Esse povo que você não gosta, é a galera nível 0 das rotinas de relacionamento social.

E você sabe o que dizem né, pra melhorar o único jeito é prática, prática, prática… hehe

Foi oq eu disse: saber chegar junto, condizendo com a situação.

Infelizmente ou não, em boa parte desse país, se o homem n der as cartas na mesa vai se dar mal. Raríssimas são as vezes que a mulher procura o homem. Nós que temos q cair p cima.

Mas abordar com educação, pedindo consentimento para estabelecer uma conversa não é cantada! Não vejo qualquer problema em fazê-lo.

Muito bom texto, Sally (exceto pela parte do moicano, que fica muito bem em mim).

Nos meus tempos de juventude (muitos anos atrás, que fique claro) eu sempre me senti incomodado nessas situações. Eu lembro de sair na rua com meu pai e ele ficar “me jogando” em cima de meninas, ficando apontando pra elas e dizendo “Vai lá falar com aquela” ou “diz isso aqui pra aquela outra”.

No fim, acho que é só mais um sintoma de quem vive a vida com o único propósito de se reproduzir. É o tipo de gente onde o “sexo” é o principal objetivo na vida. Vivem, trabalham, saem e fazem tudo para obter a recompensa do orgasmo de vez em quando.

É uma situação horrível pras mulheres. E é mais horrível que vocês tenham de sair de casa com um taser pra poder se defender.

Agora, na vida adulta, nem tanto, apesar das marcas que ficam. Mas na transição da infância para a adolescência assusta sim. A menina ainda não tem muita consciência de que é mulher e não tem uma “casca” para lidar com isso. Do nada começa a ser bombardeada por baixarias, homens que mostram o pau no meio da rua, homens que se esfregam, homens que passam a mão na bunda. É um choque, uma sensação de que o mundo é um lugar horrível e perigoso.

Sally, era isso que eu ia comentar.
Agora, mulher feita já, eu xingo mesmo, não deixo ficar por menos, mas quando era pré-adolescente, na verdade criança ainda pois estava formando meus seios, me lembro de estar passando numa rua e um cara falou uma baixaria tão nojenta que eu nem tenho coragem de repetir. Realmente foi como você falou, a gente fica com medo das pessoas.

É uma fase confusa e assustadora. De um dia para o outro você tem que lidar com esses ataques, com essa grosseria, quando muitas vezes ainda brincava de boneca perto de casa. Um estupro de inocência. Isso acaba deixando marcas e deixando mulheres desconfiadas, precavidas. Daí vai homem e diz que tal comportamento é “frescura” nossa. Ele não sabe por tudo que já passamos diariamente, que nos fez nos proteger daquela forma!

Sallyta, por favor nos dê uma orientação a mais. Quando quem lhe apalpa é um ilustre desconhecido, como proceder na hora de ir à delegacia com uma acusação de estupro? Andar com o aparelho de choque é mais garantido?

Se você for a uma delegacia e falar que te apalparam e é estupro, o delegado vai rir da sua cara. Tem que contar uma história um pouco mais convincente. Se não quiser exagerar, pode apenas falar a verdade e ele vai responder por um crime mais leve e não vai ser preso. O ideal é localizar um policial na rua ou ligar para a polícia e pedir que encaminhe uma viatura ao local.

O aparelho de choque funciona como complemento: se você der um choque bem dado, a pessoa desmaia. É o tempo da polícia chegar e levar. Ou de você baixar as calças do cara e enfiar algo na bunda dele, como eu fiz uma vez. Enfiei um sanduíche do Subway no rabo do sujeito e tirei foto. Imagina que bacana a pessoa acordar com um sanduíche do Subway no rabo! Mas só faça isso se não tiver gente vendo, porque também pode ser considerado crime meter um sanduíche no cu dos outros.

Eu também lamentei, mas me pareceu que valeu a relação custo-benefício. Na época eu tinha um álbum no Orkut chamado “Você conhece este babaca?” onde postava as fotos da minha vingança e nas legendas o que a pessoa fez.

Pelo menos na Subway tem oferta hahahahaha! Espero que o sanduíche tenha sido aquele de de porpeta!

Boa Sally, te amo S2

Olha, quando você pega uma pessoa como eu, que não tem nada a perder, que já está puta da vida com tudo mesmo, que tanto faz se matar ou prender, é preciso ter cuidado. Gente assim faz qualquer coisa.

Eu perdi todas as fotos de um período da minha vida. Algo relacionado com a placa mãe do meu computador derreter. Muito triste

Caraca, meu…sanduíche enfiado no rabo! Eu ia morrer sem saber que isso existia.
A pessoa pode até achar engraçado e tals, mas se pensar, isso é triste. Fica tipo uma guerra pelas ruas. As pessoas deveriam se respeitar mais.

Guerra não, é um massacre, porque quase nenhuma mulher se defende, engole a seco o desaforo… Poucas dementes como eu ousam partir para cima.

Deixa a revolta tomar conta de você. Como eu disse, eu sou uma pessoa que não tem nada a perder. Quem não tem nada a perder não costuma ter medo.

Sei como é: ano passado me atraquei com 3 ladrões aqui em Salvador. Foram necessários 3 homens pra tomar a bolsa de uma mulher com menos de 160 cm de altura. Vergonha! Tem hora que a indignação supera a prudencia. O que mais me revoltou foi nenhum deles ter nem um canivete pra encostar em minha cara. E serem fracos, claro. Acho que se eu fosse roubar, seria capaz de roubar sozinha um homenzarrão.

Maria, isso foi uma coisa que passei muito em Salvador: homem tentando me assaltar “na mão grande”, sem nenhuma arma, faca, nada. Apenas por achar que eu sentiria medo. Por muitas vezes fiz um escândalo e parti para cima da pessoa gritando coisas como “MERMÃO, TÁ MALUCO? EU SOU CARIOCA, SE QUISER ME ASSALTAR VOLTA AQUI COM UM FUZIL, CASO CONTRÁRIO VOU TE ENFIAR A PORRADA!” e os homens saíam correndo. Patético.

Sally, acho que ja te mandei um email exatamente sobre esse tema. Que odio me da dos homens, eles, em sua maioria, agem de modo tao egoista, tao egocentrico, “mas como a mulher pode se sentir ofendida com o q eu falei/fiz???” “Ahh, mas foi so um elogio” “ahh, mas vestida desse jeito quer o que, SOU HOMEM”
Se um dia somente eles soubessem como eh desagradavel, como isso atinge as mulheres, ate pq muitas ja sofreram algum tipo de abuso sexual, tenho certeza q nao o fariam, ou pelo menos pensariam duas vezes.
Um dia um amigo me falou que so descobriu como as mulheres se sentem quando teve que pegar um taxi com um cara que era gay e que tava dando em cima dele, o cara nao era uma pessoa ruim nem ia estupra-lo, mas era forte e poderia se quisesse subjuga-lo na hora. Ai sim, quando ele sentiu a real ameaca de ter alguem que pudesse de fato obriga-lo algo, sexualmente falando, que ele entendeu o que as mulheres passam diariamente. Ve se hoje em dia ele aborda alguma mulher de modo agressivo,

Um dia eu no centro do rio to saindo da faculdade e passo num beco, em pleno meio dia. Me passa um cara e fala no meu ouvido:vem chupar meu pau.
Porra, eu tive a presenca deespirito de ignorar e seguir meu caminho, mas serio..quao doente mentalmente tem que ser uma pessoa que acha isso normal???

Sem contar os abusos no transporte publico, encaradas, passadas de mao. Diariamente eu passo por alguma situacao em que sinto MEDO real de ser atacada,e duvido que isso nao aconteca com qualquer mulher do mundo, nao so brasil.

No metrô e no trem do Rio já teve homem se masturbando que mirou esperma na perna de mulher. Sabe, francamente, até quando?

Eles acham que cantada do sexo oposto é agradável, porque eles pensam com cabeça de homem: ELES gostariam de ser cantados por mulheres. Mas mal sabem eles que mulher, via de regra, acha extremamente desagradável ser cantada por um desconhecido.

Mulher já cresce com medo de abuso sexual. Mulher é alvo desde pequena. Mulher é ensinada a ter medo, a se proteger, porque muito homem abusa mesmo. Quando você cresce com essa carga de medo, uma cantada grosseira assusta e desestabiliza.

A quantidade de vezes que leve passada de mão no metro são incontáveis, geralmente faço um escândalo porque os outros homens à volta ficam revoltados e a pessoa tem que descer na próxima estação.
Agora, claro que levando em conta os devidos riscos, eu não fico acuada mais, faço um escândalo pra pessoa se envergonhar.

Eu acho que o problema todo está na educação, principalmente em relação a mães machistas que educam os filhos para ser garanhões, escolher a mulher certa pra ficar, etc. Por que desde novas as meninas são ensinadas a se preservar, proteger, ter medo dos homens, e por que não ensinar os homens a respeitar e ter uma conduta aceitável??

Se eu ganhasse um real por cada vez que passaram a mão na minha bunda no metro do Rio estaria rica. É uma realidade muito triste. Se eu fosse homem pegava minha namorada ou esposa pelo braço e levava para fora do Rio. Não ia conseguir morar em um lugar onde sei que uma galera passa a mão na minha mulher. Não sei como os homens conseguem conviver com isso.

tao fiscalizando sim.foram d centro para a zona sul, mas acho que deveria ter fiscalizacao pesada na praia, por exemplo. esse povo eh porco demais.

“duvido que isso nao aconteca com qualquer mulher do mundo, nao so brasil”.

No Japão, um antro de pervertidos, colocaram delegacias nas principais estações de metrô, com policiais femininas à paisana fiscalizando a mão-boba em todas as linhas. Até porque, por causa da cultura, as mulheres de lá preferem se matar a ter que passar pelo constrangimento de denunciar seu agressor.

“a maioria sequer cogita que a sua cantada barata possa causar um desgosto, repulsa, asco ou sofrimento na mulher. Pois causa”

Aqui no trabalho está repleto de babões de 50, 60 anos, muitas estagiárias de 16, 17 anos, e cantadas a rodo, se bem que convidar a estagiária a passar um fim de semana na casa da praia está longe de ser uma mera cantada. (É, vai pensando que seu pai, aquele sujeito que te levou pequeno(a) um dia no trabalho para conhecer os colegas dele, é um sujeito bacana e respeitador o tempo todo…)

Diante disso, tentamos fazer minha parte junto com alguns colegas. Compramos compasso para algumas dessas estagiárias se defenderem nos elevadores, mantemos um gravador disponível para elas gravarem algumas dessas ‘cantadas’ e nos disponibilizamos para interceder a favor delas. Já fizemos pessoas com cargo de chefia renunciar a seus postos, montando dossiês dessas indiscrições (sigam acreditando que só com o pai dos outros isso acontece…)

Contudo, enquanto algumas agradecem a ajuda, pois são fortes suficientes para se virarem sozinhas e mandarem esses merdas à merda, tem outras meninas aqui que estão em sua primeira experiência profissional, e os poucos reais que ganham são cruciais para a subsistência dela e da família. Nisso, por medo, acabam entubando e recusam qualquer ajuda, por mais que a gente tenha sucesso…Nojo.

De resto, fico pensando em uma variável mais sutil dessa cantada, que vou chamar de ‘flerte’ (sei, coisa de gente velha, acima dos quarenta). Quando o homem casado acha normal interagir com outras mulheres, as mais bonitas é claro, só para avaliar se ainda ‘tem mercado’. Além dos babões, é algo que vejo muito por aqui. Acho que algo nesse sentido já foi postado aqui.

Sim, tem homem que nem quer efetivamente “finalizar” a coisa, só quer flertar por vaidade ou para saber se ainda consegue o que quer. Patético.

O gravador é uma excelente ideia. Hoje em dia quase todo celular tem gravador. Fica a dica para todas as mulheres! Deixa o celular em um cantinho com o gravador ligado!

“Você se sente tão humilhado, tão lixo humano, que não arranja força alguma para responder. Você tem vontade de se esconder e se sente suja. Não quer falar pra ninguém. E no segundo seguinte ele falou que estava indo viajar com a esposa, netos, filhos para a Disney comemorar os 50 anos de casado. Como alguém pode ser tão dissimulado?”

Pois é, ele deve ser amigo dos meus colegas babões.

Sem querer ser enxerido, Sally, qual foi a pior cantada que você já levou? Difícil de acreditar que ainda tem “homem” por aí – as aspas são necessárias – que acham que soltar um “gostosa!” na orelha de uma desconhecida passando faz dele um garanhão…

Pior é quando metem a mão em você. Já levei mata-leão também, do cara me arrastar à força para um canto. Teve outro que quando eu disse educadamente que não tinha interesse nele apagou um cigarro na minha mão. Cantada falada no Rio também é muito grosseira, coisas como “Bunda boa de plantar caralho” ou “com um cuzinho assim você está convidada a cagar lá em casa” ou o clássico “te chupava todinha” seguido de frases mais descritivas.

A pior pra mim foi a de uma carniça (é claro que sempre é alguém incomível – pois os saborosos não precisam disso) ficar duro se esfregando em mim no ônibus. O que levou de cotovelada no bucho devia estar de estomago vazio se não teria vomitado em mim.

Olha, isso tem muito. Sujeito que fica esfregando o pau na nossa bunda, nas nossas costas, como se fosse sem querer, até o pau ficar duro. E ainda continuam! Se você olha para trás ou fala alguma coisa ele pede desculpas como quem esbarrou sem querer e CONTINUA. Mesmo a mulher reclamando, o sujeito continua. Muitas vezes a mulher é obrigada a descer do ônibus ou do metrô ou do trem porque não há escândalo que faça o sujeito parar. Eu dou choque e depois também peço desculpas.

Eu deixei chegar perto de meu ponto de descida e acotovelei pra valer. O sujeito bufou. Foram muitos golpes bem na boca do estomago e o ônibus inteiro virou um circo: riram pra valer !

Sally, também tenho um aparelho de choque (sim, peguei a idéia contigo) e graças a GG nunca precisei usa-lo em eventuais engraçadinhos. Mas tenho uma dúvida: o barulho que faz quando voce pega ele pra dar um choque no sujeito é muito alto? Pois das vezes que acionei ele para ver o barulho me assustei, era estrondoso. Outra coisa: quando voce usou, as pessoas envolta não ficaram te olhando feio? Houve alguma reação violenta, do tipo o cara querer ir pra cima de ti depois que deu o choque e disse “desculpa”? Tenho que confessar que morro de medo de usar, e o cara vim pra cima de mim querendo me agredir depois (antes ignorar uma agressão falada que levar um física)… Outro questionamento: quanto tempo é preciso para que o sujeito chegue a desmaiar, e quanto dura mais o menos esse desmaio? Pela lei, eu posso sofrer alguma consequência por estar portando uma arma de choque?

Isa, o barulho é estrondoso. Mas quando você aciona já era, a pessoa não tem como reagir. O bom é que poucas pessoas sabe o que é, então, quando você saca o aparelho a pessoa não antevê o que vai acontecer. Tem até alguns em formato de batom ou celular, a pessoa nem desconfia que vai levar um choque.

A consequência do choque depende muito da voltagem e da amperagem do seu aparelho. O meu provoca desmaio em poucos segundos e o tempo que a pessoa leva para acordar varia muito. Se puder, tente mirar o choque perto da cabeça, no pescoço, que neguinho cai mais rápido.

Aparelho de choque é muito polêmico no aspecto jurídico. Há quem diga que é proibido, há quem diga que existe uma lacuna na lei. Meu conselho é que só use em situações claras de legítima defesa, pois estando em legítima defesa você pode até dar um tiro em alguém (se essa for a única forma de repelir a agressão) sem ser punida por isso.

Eu nunca sofri nenhuma reação violenta. Esses “valentões” ficam bem transtornados quando alguém reage, ficam atordoados e até mesmo assustados. Acho que presumem que para alguém ser louco de fazer uma coisa dessas tem as costas muito quentes, ou é delegada, ou coisa do tipo. Já teve homem que levou choque e depois até se desculpou.

Credo, Sally… Que coisa repugnante… Assusta imaginar que esse tipo de coisa acontece em qualquer lugar e vinda de qualquer um… E no caso do mata-leão, o “Doutrinador” te ajudou?

Não, eu estava dentro de uma boate, não me deixaram entrar com O Doutrinador. Mas o segurança da boate me ajudou e cobriu o cara de porrada.

No meu caso (bem parecido com o seu) foi um cara X que cobriu o idiota de porrada. Obrigada cara X, espero que vc seja leitor do Desfavor… Isso pq estava na área “vip”, que teoricamente tem menos idiotas por perto.

Numa outra vez eu mesma enfiei um pescotapa no cara. Só que ele me ameaçou com uma faca. O amigo dele que interferiu.

Agora, quando não tem “contato físico”, nem contato próximo, eu não me incomodo. Pode falar a merda que for. No máximo eu vou rir por dentro (tem umas que são TÃO idiotas que ficam hilárias). Mas entendo quem não gosta…

Não cheguei a presenciar casos em que a mulher chora por levar cantada, mesmo as mais grosseiras. Na maioria das vezes, as mulheres que conheci davam é muita risada dos idiotas que achavam que dizer tais babaquices as fariam querer dar pra eles. Agora, um cara que sai passando em mão e apalpando a torto e a direito a qualquer hora e lugar merece mesmo levar uma bicuda no saco com coturno… Ou, como diria Alborghetti: “Tem que deixar pelado e panahar na bunda de remo!”…

É, mas não são todas as mulheres que dão risada não. Muitas se assustam, outras se sentem ameaçadas, algumas ficam quietas mas quando chegam em casa ou no trabalho desabam.

Uma vez ia eu atravessando a Piedade(meu quintal) exercendo meu sagrado direito de juventude de pernas de fora quando um barango veio “elogiar” grosseiramente meu vestido curto. Eu o chamei de assombração, ao que ele retrucou que, com uma roupa daquele tamanho, só poderia mesmo se tratar de “uma ladrona”. Dei sorte e encontrei um trio de policiais do outro lado da praça que, ao escutar o caso, se comoveram e então perseguimos os quatro o agressor. Foi fácil: ele era pouco ágil apesar de jovem. Cercamos o cara e, enquanto eu acusava os 3 policiais interrogavam e ele se cagava. Isso no centro de Salvador em pleno meio dia de sábado. Eta cena linda! Eta dia de vitória ! De lá pra cá ainda bem que envelheci e os curtos já não me caem tão bem.

Toda mulher deveria fazer isso. Eles só vão parar se tiverem medo, porque por educação não há mais esperanças

Eu na verdade tive foi sorte de encontrar a polícia tão rápido. E como sou branca e bem nascida, eles amaram me atender.

Isso em Salvador conta demais. Impressionante como a questão de classe influencia o tratamento da polícia com o cidadão! No Rio a polícia bate e barbariza todo mundo, mas em Salvador se você for branco e bem vestido pode fumar um baseado na frente do policial e dirigir sem carteira.

Eu já me beneficiei de minha aparencia, mas sempre para o bem : para reivindicar direitos, nunca para infrigir as leis.

É um benefício involuntário, eles simplesmente te tratam melhor sem você precisar fazer nada. Fiquei impressionada com isso nos tempos em que morei em Salvador.

De certa forma isso é um preconceito velado. Tenho um amigo que é pm e contou como procederia no caso em que encontrasse eu ou um amigo infringindo a lei (eu sou branco, meu amigo é negro). No meu caso ele disse que anunciaria o flagrante e me conduziria pra delegacia. No caso do meu amigo ele disse que agiria assim:
“Bora vagabundo, encosta” *porrada no vagabundo*
E talvez levasse pra delegacia.
Que fique claro que a forma como ele disse que agiria é baseado no clima organizacional e na cultura do batalhão que ele trabalha, ele mesmo é uma pessoa muito bacana e contou isso em tom de brincadeira. Mas sabe como é, a gente brinca (rir) pra não chorar.

SALLY EU TE AMO CASA COMIGO PFVR (não que eu já não amasse antes).
Lendo os comentários do site onde foi divulgada a pesquisa e de pessoas aleatórias do Facebook, vi que 93% dos homens reclamaram com alegações do tipo “Mas nem chamar de linda ou dar bom dia pode?”, “Como é que vamos conhecer outras pessoas se não chegar nelas?” e coisas do tipo. Primeiro, aparentemente homem se acha MUITO especial e crê que sua mui valorosa opinião tem que ser dada o tempo todo. Segundo, é SÉRIO que essa gente não sabe distinguir paquera num ambiente propício de assédio/encheção de saco pura e simples? ‘Taqueopariu, viu.

Como vai conhecer a pessoa? Se apresentando e perguntando se PODE falar com ela. Se ela consentir, aí conversa feito gente, procura conhecer a mulher, em vez de sair falando cantada. Isso é balela, ninguém passa cantada achando que vai dar em namoro, neguinho sabe que a mulher não vai nem parar. Cantada na rua em desconhecida não é tentativa de aproximação, é diversão do homem tal qual era a caça na época das cavernas!

Adorei o exemplo dos gays, achei muito ilustrativo. Porque S-E-M-P-R-E tem um boçal pra falar “Ah, mas se mulher me cantasse na rua eu ia achar ótimo!”. Eles não entendem que além do inconveniente há o fator ameaça, como que a gente vai saber se aquele cara não vai sair perseguindo a gente e agarrar à força?

Pois é, pensam com cabeça DE HOMEM. Não sabem que para a mulher um desconhecido pode ser tão repulsivo como para eles um gay.

Não sabiam… depois do texto sabem. Espero que divulguem.

Não é diversão, não. É inferiorização do gênero feminino por alguém que tem consciencia da própria inferioridade e precisa diminuir o outro em busca de uma pseudo compensação.

Se comprazem momentaneamente com a inferiorização do outro e logo após estão eterna e novamente infelizes com o próprio sentimento de inferioridade. É como eu disse: é uma PSEUDO compensação. E mesmo esse prazer momentâneo eles só tem até encontrar uma maluca como eu.

As lanternas com taser são boas???

Como eu já havia falado em outro comment, na minha cidade há uma horda de baianos desagradáveis (pleonasmo), e cada vez que se passa em frente a um Carandiru (moradia dessa gente), se escuta horrores. Como não posso puxar um 38 e encher a tiros (sonho!!!), queria muito algo que fosse humilhante, degradante e vergonhoso para eles. Não só eu, a cidade toda.

Não sei responder, mas vou passar a adotar o termo “Carandiru”

Você mora em prédio? Pode jogar água, ovos ou que mais te agradar. Se você tiver coragem, até merda.

Isso não é xenofobia, filha. Vai estudar. DESAGRADÁVEL eu acho quem eu quiser e ela também. BURRINHA, aposto que sei de onde você é…

Responder

Não precisa preencher nada além do comentário. Seu e-mail não vai ser publicado.
Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>