Raça racista.

Apesar de criticar as tentativas desastradas e/ou mal intencionadas de combatê-lo, Sally e Somir concordam que racismo é um atraso terrível, ainda mais nos dias atuais. A concordância termina na hora de julgar o racista pela sua raça. Os impopulares tentam deixar a discussão menos cinza.

Tema de hoje: Quem é pior ao ser racista contra negros: os brancos ou os próprios negros?

SOMIR

Juro que entendo o ponto da Sally, mas… não coloquemos o carro na frente dos bois: racismo contra negros ainda é muito pior quando vem dos brancos. No mínimo é um problema mais urgente. Às vezes na sanha de fazer uma análise complexa das coisas esquecemos justamente do básico.

Para começo de conversa, não esperem de mim o discurso estúpido de que negros não podem ser racistas, podem e são. Racismo é um veneno derivado da ignorância para o qual ainda não se tem antídoto suficiente. Todos podemos apresentar ideias e ações baseadas em preconceito racial, inclusive com a própria raça que representamos.

Ou seja: aceito a possibilidade do negro ser racista contra o próprio negro, mas ainda acho um mal menor. O absurdo da auto-sabotagem é um problema mais óbvio e contornável do que o cada vez mais silencioso e efetivo preconceito racial perpetrado por outras raças.

A caça às bruxas que tanto criticamos por aqui está deixando os racistas brancos cada vez mais eficientes, dando munição para uma tensão racial desnecessária que só faz aumentar. A vigilância é tanta que eventualmente negros só poderão ser representados na mídia se forem seres humanos sem nenhum defeito. O olhe lá, o ideal parece ser nem tocar no assunto. Nem é o tema aqui, mas aposto que muitos de vocês já sabem como isso só atrasa qualquer tentativa de integração.

O negro que exibe comportamentos racistas contra a própria raça não tem nada de sutil. Não precisa se esconder, não precisa esperar o momento ideal para destilar seu veneno: baseia-se no ‘direito’ de falar mal de algum grupo ao qual pertence. O que eu acredito ser válido até certo ponto. Claro que é triste que alguém termine tendo uma visão tão distorcidamente negativa sobre si mesmo, mas há de se entender que há muita diferença entre fazer mal para si mesmo e fazer para os outros.

Lidar com o negro racista não vai depender tanto de ler nas entrelinhas, é uma questão de educação e valorização da auto-imagem. O racismo dele pode ser combatido com reforço positivo! A pessoa que se sente bem na própria pele tende a ser mais tolerante com o outro. O racismo vindo do branco normalmente precisa ser combatido com reforço negativo: sanções legais e sociais para seu comportamento errôneo. Até por isso, o racista branco se esconde cada vez mais, sem deixar de ser racista.

Quem é pior: quem faz a merda à plena vista e sofre com as consequências dos próprios atos, ou quem a faz escondido e vitima outros? Que racismo é ruim todos já sabemos, que racismo é pior deveria ser uma medida de qual é pior de ser combatido. E, claro, qual faz mais estragos.

Não dá para tapar o sol com a peneira: brancos estão em posições de poder, principalmente financeiro; e em proporção muito desigual em relação aos negros. Não é nem preconceito, é senso comum e fato estatístico. Você vai encontrar muito mais racistas com capacidade de atrapalhar a vida dos negros entre os brancos.

Negar emprego, afastar de círculos de convivência social, fazer pouco da capacidade, limitar oportunidades… todos resultados terríveis do racismo que em sua maioria são perpetrados por quem já detém o poder de fazê-los. Talvez quando tivermos um mundo mais igualitário possamos considerar a hipótese de tratar racistas negros como piores por algo mais ‘teórico’ como incoerência na percepção de si mesmo.

Atualmente, na prática? Oportunidades de crescimento social e econômico iguais são muito mais importantes. O pior racista é o que pratica o racismo como se define nas leis. O negro que finge que não é negro, ou o que faz ‘piadas de preto’ e se deprecia ainda está flertando com uma área de direitos pessoais (que deveriam ser) inalienáveis.

Eu acho babaquice, mas se quiser inventar um nome diferente para sua cor de pele só para não se chamar de negro, divirta-se! O problema é seu e você tem direito de chafurdar nele. Quer achar sua raça uma merda e concordar com quem te acha inferior só por ter nascido? Se fode aí! Quer ter o bom humor e a inteligência necessárias para entender que essa coisa toda de raça acabou se tornando uma construção social que só gente muito imbecil leva a sério? Parabéns! Quem acredita em liberdade pessoal não pode ficar escolhendo causas. Ou pode ou não pode.

E eu acredito que pode. Pode ser livre, pode ter opinião. O que não pode é deixar ignorância ter o poder de tirar o direito de uma vida digna de outro ser humano. Se são os racistas brancos que atualmente mais impedem o acesso do negro aos seus direitos humanos básicos, eles são os piores, ponto. Temos que ser práticos aqui.

E, porra… olha o histórico! Quem estuda um pouquinho mais sobre escravidão sabe que não foram só os brancos que fizeram mal para os negros (dica: Islã), mas isso não desfaz todos os absurdos cometidos. Eu sei que crime não deveria ser herdável, mas muito da situação desprivilegiada dos negros nos dias de hoje ainda é resultado da escravidão e do preconceito racial. Na escala da história humana, a escravidão acabou ‘ontem’ e começamos a ver racismo como algo ruim há alguns ‘minutos’.

Há de se entender a diferença entre ter uma auto-imagem ignorante e esfregar sal numa ferida recente. Sou contra combater racismo com histeria punitiva e cerceamento de liberdades pessoais, mas um mínimo de bom senso de saber que brancos nascem com vantagens extras e que não estamos nem perto de uma situação de igualdade? Não é pedir demais, não?

Novamente: entendo o que a Sally está dizendo, mas não… ainda não dá para comparar. Quando o branco faz ainda é pior.

Para dizer que eu sou racista por ser contra o racismo, para dizer que vai escolher o lado que te fizer sentir melhor, ou mesmo para dizer que eu odeio minha raça: somir@desfavor.com

SALLY

O que é pior, um branco que tem preconceito contra negros, ou um negro que tem preconceito contra negros? Na minha opinião, é muito pior um negro com preconceito contra negros.

Em qualquer caso, preconceito é uma imbecilidade, uma ignorância. Porém quando vejo um negro com preconceito contra negros vejo, além da imbecilidade do preconceito em si, a grande burrice de não perceber a contradição daquele ato.

Vocês sabem, para mim, a incoerência é uma das coisas mais irritantes do mundo. Incoerência é uma das formas mais vergonhosas de burrice. Quem não conhece a si mesmo e não tem consciência do que é e do que quer dificilmente vai ter capacidade de dizer algo decente.

Jogar pedras em algo que se é representa um grau de incapacidade cognitiva que me assusta. Um preconceituoso é idiota, mas um auto-preconceituoso é, além de um idiota, é um mal resolvido, um recalcado, um sem noção. Opinião equivocada é uma merda, mas não conseguir perceber uma contradição desse tamanho beira à insanidade.

Eu discutiria com um preconceituoso. Eu só discuto quando acho que a pessoa está ao alcance da minha mão. Acho possível mostrar a um preconceituoso que aquele grupo não é inferior apenas por pertencer a aquele grupo. Muitas vezes o preconceito vem de família e é mero resultado de uma falta de reflexão.

Porém, eu não discutiria com um negro que prega o preconceito contra negros. Para mim esse tipo de pessoa já está na categoria “louco de todo gênero” e está fora do alcance da minha mão. Se a pessoa não consegue se dar conta do que ela É, se o fato de ser negro lhe é tão nocivo que na sua cabeça ela NEGA isso para si mesma, eu acho que é caso de psiquiatra e não de conversa.

Além de tudo, no Brasil, o negro preconceituoso é oportunista, um motivo a mais para receber meu voto na categoria de “pior dos preconceituosos”. Durante décadas gente da cor de um carvão se declarou branca em pesquisas do CENSO. Porém, foi só surgirem os benefícios das cotas que esses mesmos auto-preconceituosos começaram a se declarar negros com convicção.

Ou seja, até o auto-preconceito é seletivo, é oscilante de acordo com a conveniência da pessoa. Percebem o drama? É a incoerência (preconceito contra negro sendo negro) da incoerência (nem ao menos sustenta o mesmo discurso preconceituoso). Não tem como respeitar gente assim. Eu fico com o tiozão que ouviu seu pai falando besteiras racistas e as repetiu, eu o acho menos pior, porque ele não é hipócrita, é apenas uma pessoa equivocada.

Um branco talvez não tenha ideia do sofrimento que gera em um negro com preconceito. Provavelmente nem pense em se colocar no lugar do outro. Um negro sabe muito bem o quanto dói o preconceito contra negros. Isso me faz achar bem mais grave o preconceito de negro contra negros. Eles sabem exatamente o mal que estão causando e, ainda assim, perpetram, em um joguinho sádico de passar adiante o que sofreram e jogar pedras em quem “é mais preto do que eu”.

Porque no Brasil tem disso. Para os padrões internacionais 99,9% da população é negra, mas no critério brasileiro só é preto quem tem a pele quase em tom azulado. Como se fosse demérito ser negro! O preconceito do negro contra o negro existe de forma massiva no Brasil e só vem sendo “revertido” por causa do suborno das cotas. Falta de vergonha na cara sem fim!

Da mesma forma que nem todos os que foram criados e doutrinados pelo catolicismo conseguem se livrar das coisinhas absurdas incutidas em suas cabeças, por mais que saibam que racionalmente é algo errado, uma criança que escuta coisas racistas por toda sua vida dentro de casa pode ter dificuldades de tirar esse sentimento dentro de si. Por mais que eu ache racismo um absurdo, eu consigo compreender isso. Mas um fodido pisando em outro fodido é algo que eu não aceito. Quem já sofreu preconceito e o perpetra é um baita filho da puta.

O preconceituoso tem uma visão equivocada de um estranho. O auto-preconceituoso tem uma visão equivocada de si mesmo. Acho mais grave o segundo caso, afinal, é muito mais difícil conhecer um estranho. Além disso, o preconceituoso mantém uma coerência, ainda que equivocada. O auto-preconceituoso é, além de tudo, um hipócrita, pois quando lhe oferecem algum benefício, assume sua negritude com orgulho.

Chega dessa babaquice. Negro com preconceito contra negros é o fim do mundo. É duplamente escroto, é babaca, é duplamente errado. E digo mais: branco leva a culpa de tudo, é vilanizado, mas no Brasil, quem mais tem preconceito contra negros, são os próprios negros. Os mesmos que se vitimizam quando sofrem preconceito de brancos exercerm esse mesmo preconceito contra negros mais fracos do que eles. Não tem coisa pior do que isso!

Para me acusar de racismo e mostrar todo seu analfabetismo funcional, para dizer que pior do que negro só argentino ou ainda para não conseguir esperar até o meio da semana e falar sobre o debate de ontem: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (41)

  • “Acho grave o racismo implantado pelos proprios negros. É fazer papel de babaca. Passar recibo. Suicidio hipocrita”.

    Psicografado por Michael Jackson

  • Pior é o branco racista. Nem só pela idiotice inerente do racismo, mas pelo desempenho bem sucedido na função – eles foram os piores racistas na história (ou os melhores, dependendo do ponto de vista).

    Eu não acho um negro que fala isso de negros seja pior racista. Concordo com o Anônimo que disse por aqui que é compreensível que negros se sintam inferiores – negros SÃO tratados como inferiores pela sociedade. Assim como pobres (normalmente, a mesma coisa).

      • Não entendi. Se a sociedade inferiorizar um grupo definido pela raça implica em racismo? Do meu ponto de vista, sim. Se o fato de ser inferiorizado implica necessariamente em adquirir uma visão racista? Não, mas eu acho que ajuda a entender o porquê dela.

        Pessoas excelentes podem se achar merdas se ouvirem a vida toda que o são. O mesmo processo pode ser usado pra entender esse tipo de reação que negros (e outros grupos inferiorizados) tem. Você já comentou por aqui que trabalhou com pobres e presos, imagino que deve estar familiarizada com o tema na esfera judicial e sabe que nós ainda temos muitas heranças do tempo da escravidão no jeito de pensar da sociedade. São coisas às vezes óbvias, como seleções “randômicas” de vistoria em negros ou olhares tortos em lugares de nível mais alto, às vezes mais sutis, como representação como classe subserviente em produções artísticas, blablabla.

        Eu não acho que justifique um racismo de negros para negros e nem defendo que eles continuem fazendo porque “coitadinhos”, mas acho que oferece uma explicação mais aceitável do que um branco que se acha superior baseado em séculos e séculos de exploração em cima de outras raças.

        • Inferiorização pode ter diversas origens. Por exemplo, ateus, desde sempre são inferiorizados sistematicamente e nem por isso desenvolveram esse complexo imbecil de se sentirem inferiorizados. O que quero dizer é: não é porque a sociedade te inferioriza que você, inevitavelmente, vai se sentir inferior. Ao menos não se tiver cérebro…

          • “O que quero dizer é: não é porque a sociedade te inferioriza que você, inevitavelmente, vai se sentir inferior”.

            Eu concordo com isso, tanto é que não usei o “inevitavelmente”.

            Mas eu não acho que os ateus são inferiorizados pela sociedade, de jeito nenhum. São hostilizados sim, mas inferiorizados? Não. Você não vê um ateu derrubando alguma coisa e um religioso comentando “Tinha de ser ateu” ou “Também, olha a falta de fé ali”.

            • ” Você não vê um ateu derrubando alguma coisa e um religioso comentando “Tinha de ser ateu” ou “Também, olha a falta de fé ali”.”

              Isso eu escuto bastante. Se for da macumba ou se for ateu recebe indiretas e diretas por qualquer coisa. Pegou resfriado? Falta de Deus no coração. Morreu a vó de 90 anos? Castigo por não acreditar nele. Perdeu o emprego? Só podia… também, não tem fé! E por aí vai…

            • O TEMPO TODO

              Tenta adoecer, perder um ente querido, se foder de algum jeito e você vai ouvir que é bem feito, que é culpa sua por ser ateu, que sendo ateu tudo vai dar errado para você, que você não é uma pessoa boa…

    • Avatar

      Shoshona zlutsky

      Roshcrhash,

      que ”nome” interessante, ta aí, gostchei…

      Também acho, especialmente aquele povo de Israel, os brancos mais racistas do mundo, que esterilizam afro-judeus de alto qi.

      ”Racismo” é uma PALAVRA.

      Não pertence ao mundo dos reais. Todas as palavras são assim. Foram úteis para dinamizar a comunicação humana e são terríveis porque são incrivelmente úteis para manipular discursos e impor HEGEMONIA de pensamento, geito simpático para denominar ”OPRESSÃO MENTAL”.

      Graças ao pessoal do bem, o mundo nunca foi tão desigual e pelo andar da carruagem, será ainda mais desigual no futuro. Graças ao hippitontos dos anos 60 e sua cultura ”intelectual”, o período de transição entre ”colonialismo” e ”emancipação” das nações africanas artificiais ceifou a vida de milhões de niegros, muitos deles de inocentes, gente que

      não tinha a nada a ver com o que estava acontecendo.

      Raças se referem especificamente ao aglomerado demográfico-estatístico de similaridades biológicas, que mediante muitas perspectivas, será categorizada de acordo com a ênfase de seleção ou manutenção de fenótipos predominantes.

      Em outras palavras, em uma escala nano-geológica, pode-se produzir raças enfatizadas não apenas em fenótipos fisiológicos, mas também de acordo com tipos de personalidade e inteligência.

      Geralmente, a inconsciência evolutiva tem predominado para todos os grupos humanos, logo, a seleção tem sido mais caótica e menos consistente em resultados, do que se acredita. Em outras palavras, são as circunstâncias ambientais que continuam a manipular a espécie humana e não a própria humanidade que como um grupo de conjuntos geograficamente dispersos# que tem decidido por si próprios qual desígnio transcendental coletivo seguir.

      Sem diretrizes ou planos quinquenais de desenvolvimento bio-social. Apenas ação e reação às intempéries ambientais.

      Racismo além de estar completamente destituído de qualquer simbologia conceitual moral, também, em sua raiz etiológica, não se refere APENAS a um grupo com portador de tal adjetivo, nem a outro, como aquele que sofre a ação.

      Portanto, o racismo se manifesta, mediante uma ótica menos analfabeta e mais evoluída, sob e ou em relação a todos os aspectos biológicos da espécie, tal como a cor do cabelo. Sabe-se que, sem levar em conta, algumas pequenas populações na Austrásia (yup), ter cabelos loiros é uma característica racial e fenotípica da raça branca.
      Qualquer piada que denote PRE CONCEITO com relação à pessoas cuja cor natural do cabelo for loira ou derivada deste tipo de coloração, se configurará em discriminação baseada objetivamente na raça.

      O ponto fundamental de toda esta situação é a dobradinha razão-emoção, fatos-factóides.

      Se torna bastante notório que aqueles que principiam pela razão (ou sabedoria genuína e não do tipo inerte buddhist-style não posso matar pernilongos) e por FATOS, é definitivamente mais mentalmente evoluído do que aqueles histéricos que estão agora a direcionar o discurso público e a manter a decadência programada desta outrora civilização por motivações escusas e conhecidas por alguns ”conspiracionistas esquizofrênicos” comudanuvela.

  • Bem, cresci escutando piadas racistas como se fosse a coisa mais normal do mundo. Inclusive, a pior de todas escutei da boca de uma negra. E não me tornei racista.

    Agora esse negocio de Negros que não veem como Negros é uma coisa tão difícil de se entender, putz.

  • Sally, você não acha que é pedir um pouco demais que as pessoas negras não tenham dificuldade de se ver como ‘inferiores’ depois de tantos séculos sendo tratados como tal?

    E não acha que a ideia de que o preconceito do negro contra o negro é pior porque é ‘burrice’ ou ‘imbecilidade’ não é uma forma de novamente, colocar o branco como superior?

      • Em algum momento, mas só os negros foram desmerecidos (e essa palavra também desmerece todo o histórico, abusados e torturados seria melhor) por tanto tempo.

  • eu me pergunto como podem exigir respeito se eles mesmos não se respeitam ? esses negros preconceituosos só fortalecem o preconceito dos brancos é como se ele validasse a opinião do branco racista ;ser negro e racista é completamente auto destrutivo e burro, geralmente os negros racistas são os que fazem de tudo para “amenizar” sua negritude tipo o neymar que sempre tentou ser loiro do olho azul abusando da agua oxigenada e lentes de contato dentro de campo e inclusive já deu entrevista dizendo que não é negro sinceramente é ridículo e bizarro demais

  • O que eu ja vi de comunidades virtuais anti miscigenação…
    Todos dizendo que a ‘beleza loira’ e a ‘beleza ruiva’ vão acabar em questão de anos.

    • Avatar

      Shoshona zlutsky

      Não é a ”beleza”, é o fenótipo ”apenas”. E estão certos, menos se a população amish substituir os brancos modernos. A taxa de fecundidade destas comunidades germânicas, é ENORME. No mínimo 3 filhos por casal.
      Os judeus ortodoxos também tem muitos loiros e ruivos e são super férteis.
      Mas é fato que as características fenotípicas da raça branca são muito recessivas. Os brancos herdaram muitos traços qualitativos dos neandertais como a pele clara. Esta pele clara, de porcelana, olhos claros e estes narizes aquilinos, que mais parece que foram esculpidos (são muito comuns na Escandinávia), são resultado de milhares de anos de seleção, na época em que os neandertais ainda existiam e também por pura seleção sexual posterior. Os homens nórdicos do passado selecionaram mais loiras de olhos azuis pela beleza mas especialmente porque o cabelo loiro remete à infância e à juventude, à saúde e fertilidade.
      As mulheres são mais claras e mais graciosas em seus perfis faciais em comparação aos homens, em todas as populações humanas.

  • Opa, pensei numa coisa agora: pra vocês, esses eufemismos para “negro” – “de cor”, “moreninho”, “escurinho”, “marrom-bombom”, “afrodescendente”, etc. – viriam de brancos militantes do politicamente correto ou dos próprios negros?

  • Frases racistas:

    “Não somos pessoas preconceituosas, em absoluto. Além de lavadeira e um excelente motorista negro, as duas cozinheiras que tive na vida são pretas telefônicas.” (Carmen Myarink Veiga, socialite).

    “Mexicanos dotados de grande dignidade, força de vontade e capacidade de trabalho estão executando tarefas que nem os pretos querem fazer nos Estados Unidos.” (Vicente Fox, ex-presidente do México).

  • Quando eu era adolescente veio para a minha cidade uma caravana de norte americanos, todos eram brancos e só havia um casal de negros. Todos os brancos conversavam e abraçavam com os brasileiros, principalmente com a coordenadora do evento, uma negra mais preta do que carvão (um amor de pessoa). O casal de negros recusou-se a conversar com ela. Todos ficamos chocados (brasileiros e norte americanos brancos). Nunca esqueci a tristeza nos olhos dela.

  • Interessante observar que o preconceito contra si mesmo é advindo muitas vezes de um estereótipo criado pela própria pessoa antes dela se reconhecer como tal e se diferenciar como tal. É como a Sally mesmo disse no texto, é uma “visão equivocada de si mesmo”.
    Não é só com negros que acontece isso, vejamos no “mundinho gay” o que tem de bixa do tipo “machinho” que não curte as pintosas e afeminadas, etc etc. É preconceito dentro de um próprio grupo dito “marginalizado” e que teoricamente prega ideais de liberdade e diversidade. Quer dizer: preconceito dentro de uma mesma “comunidade” gerado pelo viés dos vários estereótipos criados em relação à “imagem” gay. Vejo que no caso dos negros ocorre processo parecido. E bom, pra isso, acho que a melhor solução seria aplicar a desconstrução lá do Derrida: desconstruir conceitos a partir de dentro para atingir o de fora. Coisa um tanto complexa e difícil já que, para além de alteridade, tange ao íntimo de nossa subjetividade, mas… até certo ponto acho que o esforço é válido.

  • Pior racismo de negros contra negros. Eu tenho uma amiga que e negra e ela e racista pra caramba contra os próprios negros. Ela casou com um portuga branco, as filhas dela são brancas e ela tem um neto loiro. Acho um absurdo ela chamar os outros negros de macacos e viver dizendo que o neto loiro foi um presente de deus.

      • É o que eu mais ouvia dos filhos de uns vizinhos negros que tive:
        “Vou me casar com um branco pra ter filho de cabelo bom/clarear a família/limpar a família”
        Sim, eles falavam LIMPAR.

      • Uma vez publicaram um artigo que citava constatações do IBGE, no sentido de que as mulheres negras eram as que menos se casavam (7% dos casamentos em 2012), as mais propensas a serem mães solteiras e as que, com 50 anos em diante, não arranjariam mais ninguém.

        Segundo esse quadro, a maior propensão à solteirice da mulher negra decorreria do fato de 70% dos pardos preferiam pardos para casar, um índice um pouco inferior ao de brancos escolherem brancos (75%), se não me engano.

        O que mostraria que a raça seria um fator tão determinante quanto o grau de instrução.

      • Verdade. Entre jogadores de futebol, então, nem se fala… E não basta ser apenas branca, tem que ser loira e de olhos azuis, quase uma escandinava/russa/eslava…

        • Você sabia que a palavra “escravo” vem de “eslavo” (slave)? A escravidão não começou com os negros. Provavelmente, todos nós somos descendentes de escravos, a diferença é só cronológica.

          • Não sabia dessa relação etimológica entre escravo/slave/eslavo, J.M. de S.. Muito interessante. E faz sentido… Mas já sabia que a escravidão não havia começado com a sofrida pelos negros. Na Antigüidade, egípcios, gregos, romanos e vikings – só pra citar alguns – também já a praticavam.

            • Tirei esse trecho aqui de um blog. Não sei se ainda está ativo e perdi o link.

              “Você sabia que:

              – Há algumas espécies de formigas, como a Polyergus rufescens, que atacam formigueiros de outras espécies, roubam suas larvas e as criam como obreiras-escravas?
              – Na antiguidade a escravidão era a opção à morte, no caso de prisioneiros de guerra?
              – Também na antiguidade, vender-se como escravo era uma opção para pagar uma dívida?
              – Na América, nas civilizações pré-colombianas, a condição de escravo poderia ser temporária, desde que se fosse capaz de saldar a dívida que gerou a escravidão?
              – A prática da escravidão já era comum na África bem antes da colonização das Américas e que os escravos negros eram vendidos aos brancos por outros negros?
              – A etimologia da palavra “escravo” se refere aos eslavos, povos do leste europeu, em função de terem sido escravizados pelos germanos e bizantinos na Idade Média?
              – No Brasil a criminalização da escravidão e de suas condições análogas só se deu no século XX?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: