CBM: Mc Bin Laden

Venho escutando as pessoas usando a frase “Tá tranquilo, tá favorável” sem entender de onde vinha esse bordão. Eu era feliz e não sabia. Até que esta semana uma leitora me recomendou o clipe que deu origem a esta expressão. É claro que eu não vou me foder sozinha, vou levar vocês para o buraco junto comigo! Só digo uma coisa: é hora da mãe natureza colocar a função “desver” e “desouvir no ser humano. Isso sim vai ser evolução.


Poucas vezes na minha vida vi alguém tão desagradável e antiestético como o Jabba The Hut Albino que canta essa “música”. Ele responde pela alcunha de Mc Bin Laden, mas esta é a primeira e a última vez que vou chama-lo assim. Esse sujeito me provocou um colapso estético, eu vou apelida-lo das formas mais cruéis que conseguir até o final do texto de hoje.

Para começo de conversa, ele tem uma pança tão grande, mole e branca que se enfiar uma ameixa no umbigo dele, ele parece um manjar. Ele também tem peitos que justificariam o uso de sutiã, ainda por cima com aqueles mamilos escuros tenebrosos. Se normalmente eles parecem Oreos, no caso desse Mamute Flácido parecem dois discos de vinil. Por algum motivo que eu desconheço, provavelmente falta de noção mesmo, o Peixe Bolha (pode googlar, vale a pena, é igualzinho) decidiu passar o clipe todo sem camisa, esfregando na câmera um combo de pança flácida, peito preto e cofrinho. Não, cofrinho não, aquilo é uma caixa forte.

O clipe começa em uma estrada que leva aos cafundós da Zona Oeste do Rio de Janeiro (local habitado por pessoas predominantemente bregas emergentes). Já começa com o que parece ser um ônibus pirata passando. O curioso é que a letra é meio ostentação e essa Beluga Escrota só escolheu cenário pobre. Aparece o “cerumano”, obviamente sem camisa. Mas sem camisa é pouco para esse pessoal da Zona Oeste, ele faz o combo camiseta dobrada no ombro, óculos espelhado e boné. Pessoa oleosa, pessoa com aspecto sujo, daquelas que parece que escova os dentes com pudim!

O Rinoceronte Albino aparece bebendo água de uma garrafinha de água mineral e se babando todo enquanto bebe. Um dos meus olhos lateja, mas eu tenho que ser forte. Até hoje não teve um clipe que eu não pudesse concluir, não vai ser esse Honda Tupiniquim que vai me deter. Mas Gezuiz parece testar minha força, quando, aos 16 segundo de clipe, dão um close no sovaco da Baleia. Um sovaco não depilado em um grau que seria possível fazer dreadlocks. Aquele com pelos tão longos que as gotinhas de suor ficam na ponta dos pelos. Taquicardia. Respiro fundo e olho para esse sovaco de buceta. Percebo o relógio cebolão, certamente Invicta, marca registrada de todos os pagodeiros e jogadores de futebol de alma que moram nessa região.

O Suvaco de Buceta começa a se banhar com a garrafinha de água mineral enquanto segura um charuto. Se o que queria se banhar, tinha que ter chamado um caminhão pipa. Foi quando comecei a prestar atenção na letra. Obviamente não consegui entender, fui pesquisar. Ele diz “faz o sinal da Hang Loose” com uma pronúncia que eu não posso nem começar a explicar. Voltei a abstrair a letra. Infelizmente o clipe também não faz mais sentido: o Mamilo de Vinil anda em direção ao mato e vê uma pessoa sando uma máscara muito tosca de Shrek abaixado. Acredito que estivesse cagando. Tá tranquilo, tá favorável.

Na letra ele exalta como está bem de vida, dizendo que não é apenas playboy que vive ou frequenta Copacabana. Primeiro que Copacabana virou um bairro de puta e traveco, imundo e superlotado, não é nenhum status morar lá. Segundo que ele ostenta Copacabana na música, mas a praia onde ele aparece na cena seguinte não é Copacabana nem fodendo. Vai ver depois de comprar a água mineral para se banhar acabou a verba do clipe e ele não conseguiu R$ 3,40 pegar o 332 para Copacabana, aí teve que gravar nessa praia de merda. Ainda por cima com tempo nublado. Mas tá tranquilo, tá favorável.

A Morsa Albina dança nas areias da praia. Estava vendo a hora que chegariam integrantes do Greenpeace e tentariam empurrá-lo de volta para a água. Aos 53 segundos vemos metade de sua bunda gigante quando ele se vira, e quer saber o que é o pior? Dá até vontade de agradecer por ter tirado essa barriga mole de chopp do meu campo visual! Dois dançarinos mal nutridos (falta de proteína na primeira infância causa estragos para a vida) o acompanham. Manja as tatuagens no peito do sujeito que está à sua esquerda com boné vermelho. Certeza que são foragidos da polícia.

Aos 59 segundos um novo choque. Não basta ter pança enorme e flácida, mamilos de vinil e um cu onde daria para estacionar um fusca, o filho da puta ainda tem um topetinho estilo Cascão, onde a metade da direita é loira e a metade da esquerda é castanha. Tá pouco, manda mais! Ele sorri e podemos ver o que parece ser um aparelho ortodôntico azul. Enquanto isso a sensacional letra rebuscada rola ao fundo: “Tá tranquilo, tá favorável” (repete 237 vezes).

Ele começa a fazer o que parece ser uma tentativa de coreografia para a música dele. Seu deslocamento e agilidade me lembram muito ao Papa João Paulo II em seus últimos meses. Mas calma que piora. Ele aparece com uma garrafa de champanhe bem no meio da praia. Piora mais ainda: reaparece dançando com dois cordões que devem ser mais grossos que o pau dele. Para fechar o combo de “sempre pode piorar”, ele resolve se banhar no champanhe vagabundo que tinha nas mãos.

A desgraça continua. Majin Boo resolve chafurdar no mar e, a 1:56 minutos nos mostra novamente seu cofre. Aos 2:10 vemos ele fumando um charuto com seus colegas foragidos da justiça quando do nada ele dá uma cusparada acintosa. A pessoa acha bacana (ou não acha reprovável) dar uma cusparada no clipe em que está gravando. Você só tinha um trabalho: se comportar de forma decente por quatro minutos que ficarão eternizados, mas não, vai lá e cospe sem constrangimento. Imagina o que não faz quando não tem uma câmera no cornos. Certeza que coça o cu e depois cheira o dedo, CERTEZA.

O Flan Gorduroso com Pernas insiste em tentar fazer uma coreografia, com seus bracinhos de T-Rex. Começo a olhar para o umbigo dele e tenho a impressão de que posso enfiar até meu cotovelo lá dentro. Para limpar esse umbigo esse Oito Humano precisa pegar emprestado um espéculo com um ginecologista. Percebo que agora o Mamute Sem Coordenação está chafurdando em uma água marrom. Cheguei a me perguntar se ele não teria se cagado (sim, uma cagada dele provavelmente contaminaria um oceano). Depois percebi que não, que é o lugar horrível com água barrenta mesmo. Fiquei na torcida para aparecer um jacaré. Se bem que um jacaré conseguiria abocanhar no máximo o dedão do pé dele, e ainda ficaria com colesterol alto. “Vai achando que é só playboy que vive em Copacabana”. Pelo visto sim, já que você está chafurdando nessa água barrenta escrota localizada a mais de 30km de lá.

Aos 3:30 ele insiste em mostrar ostensivamente seu sovado de buceta. Ainda bem que vídeo não tem cheiro. O vídeo termina com esses excrementos pedindo carona. Se precisar de carona na beira da estrada é estar tranquilo e favorável, então, francamente, não quero nem imaginar o que é estar na merda.

O clipe acabou e eu fiquei sentada, olhando para a tela, em um misto de ânsia de vomito e descrença na raça humana. Só me ocorreu uma coisa: entrar em contato de alguma forma com a Al Qaeda para informar que tem um filho da puta denegrindo o nome do Bin Laden, assim, quem sabe, com sorte, se eles estiver bem surtados no dia (e as vezes eles estão), pegam raiva do sujeito e fazem um atentado contra ele.

Deu trabalho, mas com uma ajuda do Somir, eu consegui. Ok, exagerei um pouco na narrativa enviada para o pessoal do Osama, mas é para um bem maior, não é mesmo? Mas isso, se der certo, é assunto para um Des Avisados…

Para dizer que tá tranquilo, para dizer que está favorável ou ainda para torcer para que joguem um Boeing na cabeça desse Estrume Albino: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (81)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: