Orgulho afogado.

+Um dos quatro nadadores americanos que teriam sido assaltados no Rio no domingo (14) afirmou à polícia que o crime, na realidade, não aconteceu. O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, disse em entrevista coletiva que os atletas Gunnar Bentz e Jack Conger foram ouvidos pela polícia nesta quinta-feira (18). Um deles – Veloso não soube precisar qual dos dois – confirmou a conclusão da polícia de que não houve assalto, mas uma confusão em um posto de gasolina.

Viu? Era tudo intriga da concorrência. Os gringos babando de inveja! A reação do brasileiro ao caso, até mais do que o caso, é desfavor da semana.

SALLY

Nadadores americanos contam uma história mal contada, polícia investiga e descobre que não foi bem assim. Brasileiro tem orgasmos múltiplos por finalmente, uma vez na vida, ver que americano fez merda sem olhar para o próprio rabo. Vocês devem ter acompanhado a notícia nos jornais.

Os americanos erraram, erraram feio. Voltando de uma festa, completamente bêbados, pararam em um posto de gasolina e vandalizaram o banheiro do local. Feio. Quebraram uma saboneteira e outro itens. Vergonhoso. Mas mais vergonhoso do que isso foi a reação do brasileiro, que pareceu quase que feliz ao ver alguém e outra nacionalidade merdado, inflacionando o feito, posando de ofendidos e utilizando o ocorrido para ofuscar tudo que deu errado nesta Olimpíada.

Conheço o posto de gasolina e, mais importante, conheço como é feita a segurança do posto de gasolina. Pessoas truculentas, armadas, alguns ligados à milícia, como quase todo mundo que faz segurança nessa área. Não acho impossível que segurança uniformizado tenha agido de forma truculenta e extorquido dinheiro dos nadadores, muito menos que eles, bêbados e sem entender o idioma, tenham interpretado isso como um assalto. Não tenho experiência com bebedeira, mas tem gente que confunde panela com privada quando bebe, então, o discernimento não deve ser dos melhores.

Sim, os nadadores mentiram. Sim, os nadadores quebraram uma saboneteira e uma placa de um estabelecimento comercial. Mas a reação do brasileiro foi desproporcional. Um escândalo sem precedentes, todos se sentindo difamados, injustiçados. Que bom seria esse mesmo rigor ao julgar os atos dos políticos locais. O Prefeito Louco disse que os nadadores não tem caráter, como se ele nunca tivesse feito coisa pior do que quebrar uma saboneteira de um banheiro de posto de gasolina. O linchamento gera um prazer quase que sexual nos brasileiros, que merda. O defeito dos outros tira o foco de seus próprios defeitos. Brasileiro mela a cueca de alegria quando consegue apontar erro dos outros. Lamentável.

Assistindo à reportagem onde entrevistaram um infeliz que alega ter feito a “tradução” entre o diálogo dos nadadores com a segurança do posto, senti pena. Um inglês joelsantânico que mais deve ter atrapalhado do que ajudado. Também fiquei sabendo que faltam uns minutinhos no vídeo que mostra o ocorrido, devidamente editado, cortando o momento em que eles pagam para que o segurança os deixem sair de lá (além do que pagaram para cobrir o prejuízo). Reparem que não teve polícia, foram apenas os seguranças do posto, (que certa vez chegaram a dar um tapa na cara de um conhecido meu por muito pouco), partindo para cima dos nadadores.

Vira-latas em delírio. Uma vez na vida, uma acusação contra o Brasil é falsa! Precisam exaltar esse momento o máximo que conseguirem, afinal, é tão raro… tem que fazer render, tem que mostrar ao mundo quão injustiçados foram. Fico me perguntando como estaria a imagem do Brasil se cada gringo escrotizado aqui fizesse render a merda feita pelos brasileiros com o mesmo empenho.

Os nadadores passaram vergonha, foram incorretos e se comportaram mal. Mas… antes de comemorar macacamente, é preciso refletir se tem moral para isso. Você sabe quantos turistas brasileiros são deportados diariamente dos EUA por fazer coisa muito pior do que quebrar uma saboneteira? Furtos, uso de drogas, agressão e comportamentos ainda mais humilhantes deportam centenas de brasileiros dos EUA. Será que dá mesmo para apontar o dedo na cara dos outros e tirar essa onda toda?

Mais: vandalismo é algo recorrente entre o carioca. Ouvi uma pessoa criticando severamente os nadadores, uma pessoa que já roubou placa de trânsito do meio da rua e copo do Outback. Será que carioca tem a retidão moral para criticar isso? Pasmem, ouvi críticas de uma pessoa que fez exatamente a mesma coisa, quebrou um banheiro de uma boate. Foda-se o próprio rabo, o importante é que um americano cometeu um erro e é hora de apontar, de inflacionar, de jogar todos os holofotes nisso, afinal a regra é que aconteça o inverso.

Curto demais os pseudo-religiosos que pregam perdão detonando sem dó os americanos. Tem também os esquerdopatas, que enxergam nos EUA um inimigo, culpando todo um povo pelos atos de seu governo e torcendo pelo mal das pessoas. “Bem feito que americano se fodeu”- comemoram. Uma raivinha que visivelmente é recalque, complexo de vira-lata e que faz com que o Brasil saia dessa história ainda mais sujo do que os americanos.

Ok, nadadores americanos quebraram a saboneteira de um posto de gasolina. Mas… e todas as merdas que brasileiro, sobretudo carioca, fez com gringos nessas Olimpíadas? Será que carioca tem moral para falar alguma coisa? Desde uma piscina verde imunda até a grosseria e hostilidade com que o carioca fez questão de tratar os turistas, o conjunto da obra me faz pensar que não.

Desculpa, mas xenofobia não é, como me acusara aqui, dizer que “carioca é uma raça desgraçada”. Xenofobia é achar bonito quando alguém se fode e torcer para que a pessoa se foda apenas por sua nacionalidade. O brasileiro mais uma vez deu provas de que não sabe se portar nem mesmo quando está certo, de que seu grau de involução e sua falta de civilidade são galopantes. Falta bom senso, falta senso do ridículo e falta autocritica a este povo tosco. Além de maus perdedores, são maus ganhadores.

Quando é filho de brasileiro a fazer uma porra dessas, é apenas um adolescente rebelde e “só” quebrou uma saboneteira. Os pais estariam indignados por seguranças apontando armas, empurrando seu filhinho no chão do posto e ter extorquido dinheiro por “só” ter quebrado uma saboneteira. Diriam que tem muito bandido solto para prender em vez de perseguir um rapaz que “só” quebrou itens de um banheiro. Mas quando é com americano…

Para começar um discurso patriota sem qualquer fundamento, para dar uma opinião cheia de certezas mesmo sem nunca ter pisado no Rio de Janeiro ou ainda para descambar para política sem motivo algum: sally@desfavor.com

SOMIR

Tóquio 2020, algum atleta faz uma merda na rua, fica com medo de vazar e dar dor de cabeça… ele vai dizer que foi assaltado pela polícia? Provavelmente vai preferir dizer que foi atacado por ninjas pra ser mais realista. Mas, estamos falando de Rio 2016. Quando cidadão diz isso, a reação de quem conhece o local é a de acreditar, meio como um fato da vida. O brasileiro reage à notícia meio sem graça, mas no fundo ninguém estava espantado ou chocado com o relatado.

Mas quando a trama se complica e descobrimos que os nadadores americanos poderiam não ter sido assaltados, a atenção se volta totalmente pra isso. Vira objeto do escrutínio de uma nação, a polícia corre para investigar, jornais e mídia em geral montam em cima do assunto como poucas vezes se viu antes. Não era uma notícia saborosa o suficiente até… até não ter tido o crime que se imaginava.

Sally fala por mim sobre o complexo de vira-lata do brasileiro, sobre a alegria mesquinha de poder apontar o dedo para um gringo, ainda mais um americano. Só acho que nessa discussão toda, faltou falarem desse detalhe: quando a história era um atleta olímpico sendo assaltado por supostos policiais, não gerou indignação para mais do que algumas notinhas na imprensa. Mas quando o brasileiro percebe que não foi isso que aconteceu, e sim um caso alguém NÃO sendo assaltado, aí sim tudo ganha uma proporção enorme.

O nosso choque é com a ideia de que eles não foram assaltados? As prioridades estão claramente invertidas aqui. Num país mais seguro e civilizado, o grande drama seria sobre o assalto e seu desmentido apenas as coisas voltando ao normal. Claro que seja onde for as pessoas vão criticar quem mente sobre esse tipo de coisa, mas a proporção da notícia e da reação popular está diretamente ligada a como violência urbana está banalizada no Brasil.

Sim, é positivo expor a história mal contada. Mas também até pelo relato dos locais, a imaginação dos nadadores americanos não precisou ir muito longe não, pra quem não brasileiro, e principalmente carioca, a linha que divide um mal entendido de uma ameaça de morte em troca de dinheiro é bem mais clara. Se uma pessoa armada exige dinheiro de você, como diferenciar de um assalto? Isso também tem que ser considerado: por mais que os americanos tenham feito das suas, provavelmente estamos todos por aqui levando numa boa demais o que aconteceu ali.

E isso também corrobora com a ideia de prioridades invertidas. Se não foi um assalto oficial, foi uma extorsão. O que invalida a denúncia específica dos ianques, mas também não torna tudo numa noite agradável no Rio. É meio como dizer que não foi falta porque o outro jogador ainda está conseguindo andar. Pelo o que eu entendi do caso até agora, sim, os americanos enfeitaram a coisa toda para tirar o foco das merdas que eles mesmos fizeram. Feio, mas… nem de perto tão feio quanto todos nós virmos a notícia do assalto original e entendermos como mero fato da vida.

Então, o senso de orgulho nacional que parece ter se desenvolvido disso não se suporta em bases fortes. Dizer que tecnicamente não foi um assalto e os americanos não estavam rezando na hora que aconteceu não sugere um complô internacional para sujar a imagem do Brasil. Até porque nesse campo temos um superávit considerável nas exportações. Pra cada estrangeiro batendo no Brasil, mandamos mil notícias terríveis para o exterior.

A mentira de Lochte e companhia não muda os fatos sobre a segurança pública brasileira, principalmente não numa das cidades mais perigosas do mundo. Ela é um ponto fora da curva, o do estrangeiro que mentiu sobre ter sido assaltado aqui. E se algum orgulho se deriva do fato de às vezes ser mentira, não sei nem por que esse orgulho estava lá pra começo de conversa. O caso não redime o país ou a cidade pela organização capenga do evento, não disfarça que devem ter acontecidos acordos bem sujos com o crime organizado local para evitar maiores desastres, não apaga a imagem de décadas de extrema violência na capital carioca.

É só um caso. Raro. Isso não é orgulho nenhum. E enquanto não desconfiarmos de cara de uma alegação dessas ao ler a notícia, não acho que valha a pena se preocupar com a honra do país. Porque enquanto não ser um assalto chamar mais nossa atenção, não temos honra nenhuma pra defender.

Para dizer que a história fez água, para dizer que somos colonizados, ou mesmo para dizer “bem-feito” mais uma vez: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (22)

  • Sally,
    Eu gostaria de deixar a minha opinião aqui neste espaço: Aconteceu um assalto e ele pode ter sido praticado por policiais conforme o relato inicial do nadador.
    O grupo de nadadores entrou bêbado no banheiro do posto e danificou as instalações. Em seguida entraram no táxi e foram abordados por um segurança que coloca um revólver na janela do veículo. Segundo os relatos dos nadadores este segurança era da polícia.
    Em outras imagens aparecem os nadadores sentados no chão com um segurança armado apontando uma arma. Neste momento foi cobrada uma “taxa” pelos danos provocados no posto. Os funcionários recebem então 20 dólares e 100 reais pelo dano causado.
    Querida Sally a cobrança de um valor com uma arma apontada pode ter outro nome além de assalto?

    • Eu concordo com você, principalmente se quem está com a arma está uniformizado e quem está sendo coagido estiver bêbado.

      Agora boa sorte ao explicar isso para o brasileiro médio…

  • Foi sim bom ver alguém de outra nacionalidade se fodendo.Porque toda vez que sai alguma notícia de algum brasileiro fazendo cagada pelo mundo afora eu fico com vergonha.Se eu vou pra fora do país e digo que sou brasileira, imediatamente me associam a tudo que não presta e já virou clichê em relação ao Brasil.O que quero dizer é que apesar de termos maioria absoluta de BMs (não médios, mas sim brasileiros mínimos mesmo) existem exceções a toda regra.No caso de Lochte, foi como se eu pudesse dizer que filhos da puta existem em todo lugar.Meu tio mora nos EUA e todo dia me manda alguma notícia de algum brasileiro cagando no planeta afora, uma unica vez eu pude fazer isso.Prazerzinho medíocre, mas me senti um obeso pós cirurgia bariátrica comendo um pedacinho de pizza rsrsrsrsrs.

      • Na verdade eu comemoro quando quem faz merda se fode.Ele fez uma merdinha de leve?Fez, mas não deixou de ser merda.Cocô fede sendo pouco ou muito.Pra ficar perfeito, o mesmo podia começar a acontecer com todo brasileiro que faz merda por aqui também.Se bem que sair do Brasil foi uma alegria para ele e fazer uma cartinha de desculpas me remete a quando eu tinha 7 anos e meu pai mandava abraçar minha irmã pra tudo se “resolver.Ele se “fodeu” mais para os outros verem, porque sabemos que ele voltou para o país dele e acabou aí a história. Ao que parece ele tem fama de imbecil por lá há anos e até tinha um reality show de sua vida, além de participar do “Dancing with the Stars”.Minha opinião…bom que por aqui ela pode ser até contestada mas é permitido expor o que penso e por isso continuo firme por aqui.(Puxa-saco feelings)

          • Certamente sim.Adorei ver o prefeito tropeçando em cada tolete que saiu da boca dele durante toda esta olimpíada.Como disse antes, fico feliz quando quem faz merda se fode.Seja de qualquer nacionalidade, cor, religião, idade e gênero.

  • Brasileiro foi ao delírio no caso dos nadadores, fazendo como sempre faz: pinça apenas as partes do fato que interessam pra promover uma ideia que geralmente soa hipócrita pra caralho! Vejamos o caso de quando os BR Huehue foram para o Japão ver o Curintia jogar o Mundial de Clubes em 2012: foram inúmeros relatos de atos de vandalismo, pequenos furtos, tudo ao ponto de alguns brasileiros (que já estavam morando lá bem antes desse mundial) relatarem de alguns pontos comerciais estarem barrando brasileiros na porta, com medo de mais e mais baderna! Acho que só com esse exemplo do comportamento BM lá fora, acho que esses BMs do Rio deveriam pensar 150x antes de encher a boca pra dizer que americano vem aqui pra badernar e o caralho, né?

    • Eu estou com muita dificuldade de entender essa postura do brasileiro. Sério mesmo, na minha cabeça não faz o menor sentido

  • Tem pessoas dizendo que os americanos fizeram isso pra manchar nossa imagem. eu fiquei pasma! nossa imagem sempre foi cagada! mas não, brasileiro se acha importante demais e todos morrem de inveja da gente. é muita falta de cérebro…

  • A selecinha ganhou da Alemanha nos pênaltis, os BMs tendo orgasmos múltiplos porque Neymar bateu o último pênalti e converteu. O futebol, no geral, muito fraco, mas pra BM não importa ganhar bonito, com dignidade. Como disse a Sally, Brasil é mau perderdor e também mau ganhador… Meus vizinhos soltando fogos por causa disso, Balvão Gueno tendo mais orgasmos múltiplos – e essa vitorinha nem compensa o 7×1 da copa (que pro futebol, é muito mais importante do que a olimpíada). Aliás, faz tempo que o Brasil sequer está entre os primeiros do mundo no futebol…

    • Alemanha com time amador, Brasil com força total levando seus craques, e comemoram porque conseguiram ganhar nos pênaltis. Vai entender o Brasil…

      • Brasil mau ganhador [3] !

        FIFA é 2018 (!) : “EmpaTite”, últimas rodadas das Eliminatórias (melhor Chile da história, Colômbia refortalecida…) e, mesmo indo à (mais uma, obrigação) Copa : Alemanha “de Neuer / Muller / Podolski” (?), Chile, Rússia “em casa”, (até eurocampeão) Portugal…

        DSVS

      • Brasil levando jogo pros pênaltis contra a Alemanha sub-23: só brasileiróide mesmo pra ter orgulho de passar sufoco contra time B

      • Sally, torno a dizer que concordo com você, mas só um adendo: você esqueceu de colocar aspas nos “craques”…

  • Oh, como sempre, vcs nunca decepcionam! Bravíssimos os dois!

    E falando em proporções de reação, o povo que tá fazendo histeria com o fato do assalto ter sido mentira (bem, ao meu ver, extorsão nada mais é do que uma forma de assalto) praticamente não deu UM PIO quando coisas bem piores REALMENTE aconteceram aos atletas: Atletas assaltados, furtados – inclusive até mortos, como o alemão da canoagem. Aliás, fizeram esse carnaval todo com a história mentirosa de um mas parecem nem ter ligado quando esse alemão MORREU, e ao invés de usarem isso pra pelo menos protestar contra a falência da saúde pública, bem como contra a impunidade no trânsito, não, ficaram quietinhos. Só colocaram a cabecinha pra fora pra dizer “viu aí? Não é só brasileiro que faz merda” quando do caso do nadador americano. E, como diz no texto do Somir, isso só mostra o quanto a violência está banalizada no Brasil – e o quanto se coam mosquitos e se engolem camelos por aqui: Fazem o maior escarcéu por miudezas, pegando estas pra “Cristo”, pra crucificar e descer a lenha, enquanto que passar coisas muito piores. Mais uma da hipocrisia padrão BM de qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: