Plantão OlimPIADAS – 3

As Olimpíadas das aparências continuam. Enquanto a imprensa nacional insiste em ressaltar a hospitalidade do carioca e a beleza do Rio de Janeiro, nos bastidores, coisas muito feias acontecem.

Quero começar falando do acidente que matou o técnico de canoagem e feriu de forma grave (e deve matar) um medalhista, ambos da Alemanha. Um taxista bêbado (sim, no Rio existe a figura do taxista bêbado) porrou com tamanha força o veículo onde eles estavam, que causou estragos graves. Mas, como sempre, o pior estrago é o sistema de saúde pública.

Como manda o protocolo, foram levados a um hospital público, pois socorristas não podem te levar a um hospital particular. Eles tiveram a infelicidade de cair no Lourenço Jorge, hospital referência da região mas, ainda assim, um lixo. Simplesmente não havia neurologista e ambos estavam com sérias lesões na cabeça. Pela falta de neurologista, tentaram transferi-los para outro hospital, o Miguel Couto.

Ocorre que, a maravilhosa morosidade e burocracia carioca com a qual todos nós sofremos, deu as caras. Como ninguém sabia quem eram, acabaram recebendo tratamento padrão. O hospital Miguel Couto não aceita transferência sem um exame (salvo engano, uma tomografia) e o Lourenço Jorge não dispunha de ninguém para fazer essa tomografia. Resultado: pessoas que precisavam de socorro imediato sofrendo sequelas irreversíveis por causa do descaso e da demora de burocratas babacas. Só quando descobriram de quem estava tratando que decidiram conceder “privilégios” e priorizar o atendimento deles.

Essa gracinha custou a morte cerebral do técnico, que foi operado horas depois do que deveria, quando já era tarde demais. O atleta está mal, muito mal, especulam que pode não sobreviver, também pela demora e descaso no atendimento. Parece que os tais “leitos olímpicos” só servem para tirar vaga de quem precisa de atendimento, não é mesmo?

Ontem mesmo uma câmera aérea simplesmente despencou, ferindo sete pessoas, sendo uma delas uma criança de 11 anos. Uma câmera que estava suspensa por cabos de aço simplesmente despencou. O mais bacana é que, no mesmo dia, mais cedo, um dos dois cabos de aço que fazia a sustentação da câmera se rompeu. Mas disseram que estava ok, estava joinha, que o outro cabo sustentava de boinha e que não havia o risco de desabar. Pois desabou. Até o momento em que escrevi este texto, estavam proibidos de divulgar o estado das vítimas. A alegação, adivinhem, foi que ventou mais do que o esperado.

Claro, teve também violência. Não é só a Farça Nacional de Segurança que está levando tiro. Turistas também. Alvos de todo tipo de violência, algumas culminando em morte. Você leu isso em jornais nacionais? Não, né? Jornal brasileiro estampa que argentino foi assaltado pro traveco e ainda fecha com piadinha. Turistas estrangeiros vem sendo vítimas de todo tipo de violência e golpes. Salvo um atleta americano aqui ou um político ali, ninguém noticia quando gringo é alvo de violência urbana.

Mas nem só de violência vive o Rio de Janeiro. Tem também a precariedade. A água verde da piscina olímpica chamou a atenção do mundo. No começo não era nada não, era normal, uma variação normal da cor. Não colou. Depois, o vento teria trazido algas de uma lagoa que fica nas proximidades. Não colou. A imprensa internacional pressionando, técnicos de atletas estrangeiros gritando que aquilo era insalubre e que seus atletas não saltariam naquela piscina. A pressão foi muita, a própria imprensa começou a investigar o que aconteceu e descobriram que não eram algas porra nenhuma.

A verdade, que só veio à tona porque a imprensa internacional e as delegações estavam putaças fuçando, é que alguém, não se sabe por qual motivo, jogou 80 litros de água oxigenada na piscina. Isso mesmo. A água oxigenada reage com o cloro, impedindo que ele mate microrganismos, ou seja, a água que eles juraram ser inofensiva por cinco dias, estava na verdade imunda, já que o cloro estava com seu efeito reduzido. Além disso, estava turva, o que impediria a competição de nado sincronizado. Uma troca de água muito duvidosa, pegando água fontes duvidosas foi providenciada às pressas.

Suspeitas de bomba aos montes interditaram diversas competições. No meio do estresse, o Coronel que planejou o esquema de segurança das Olimpíadas desabafou dizendo que muitas diretrizes estão sendo ignoradas. A que ponto de cagação precisou chegar para ele dizer isso ao público? Tipo, “se der merda, aviso logo que a culpa não é minha, eles é que não estão me obedecendo”.

Em diversas competições o transporte público deixou na mão pessoas que tentavam voltar para casa, por terem fechado muito cedo. Graças a filas quilométricas para sair dos locais dos jogos, as pessoas não chegaram a tempo ao transporte público. Por sinal, há filas para entrar também, e não apenas para os jogos. O tempo estimado de fila para conhecer o Cristo Redentor é de cinco horas. Ah, sim, nem sempre há comida (ainda que cara) para todos.

Tem também a macaquice local. Os cariocas estão sacaneando os turistas. Deve ser a primeira vez na vida em que conseguem se sentir superiores e estão botando para foder. Viralizou em redes sociais diversos atos de hostilidade, como o caso da brasileira que se recusou a dar informações em inglês para um americano. Ela afirmou saber falar inglês muito bem, mas já que ele vinha ao Brasil, ele teria que aprender português, já que quando brasileiro vai aos EUA tem que aprender inglês.

Isso é A CARA DO CARIOCA. Vira lata, complexado, esquerdinha de iphone na mão. Avisa para ela que inglês é um idioma universal, que todo mundo fala, ao contrário de português, que só lugares cagados falam. Além disso, puta que me pariu, pouco importa o que fazem ou deixam de fazer, se uma pessoa me pede ajuda e eu posso me comunicar com ela, eu VOU AJUDAR em vez de politizar e tripudiar. Vem logo, Estado Islâmico!

Um jornal americano disse que o biscoito de polvilho era sem gosto, “como toda a comida carioca” e pronto. Foi o show de ofendimento. Esquerdopatas surtando, puxando a cueca pela cabeça de histeria: “não gostam da nossa comida voltem para os EUA!”. Sim, porque só é permitido o privilégio de ficar neste inferno urbano se você achar TUDO bonito e maravilhoso. Se não, vai ser hostilizado. Críticas não são permitidas. Críticas são sempre motivadas pela inveja. Pronto, zilhões de postagens em redes sociais exaltando a comida carioca, que por sinal, é uma bela duma bosta mesmo.

Tem também as macaquices involuntárias. Recebi um vídeo (que parecia amador) da reação dos competidores de golfe ao verem capivaras desfilando pelo campo. Um misto de terror e estranhamento. Um deles perguntou, discretamente, em inglês, what the fuck era aquele animal. Quando responderam que era um “capivara”, ele perguntou se mordia. Golfe no meio das capivaras. Parabéns Brasil, transformando um dos esportes mais chiques em algo totalmente antiestético com grandes ratos gigantes transitando.

Tivemos também os fenômenos da natureza: ventou? Caiu coisa. Choveu? Alagou. Bateu o mar? Destruiu. Os jogos estão à mercê da mãe natureza. Muitas competições foram adiadas, outras tiveram que ser realizadas na base da gambiarra. A palavra “gambiarra” está sendo tão utilizada, que até criaram uma tradução para explicar aos gringos o termo em inglês: “Do The McGyver”.

Ao menos meia dúzia de construções olímpicas foram destruídas esta semana e remontadas às pressas, na base da gambiarra. Ontem mesmo um incêndio nas proximidades de área de competição causou a maior merda, pois além do incêndio, o vento trouxe muita fumaça. Uma chuva ajudou a controlar o que não teria controle em um dia comum.

Fora os estragos provocados pelo próprio carioca, até pedrada teve destruindo estação de ônibus olímpico. A baia dos cavalos (que valem mais do que o salário de todos nós reunidos) já teve diversas balas perdidas. Já pensou se matam um cavalinho daqueles? Perícias indicam que a bala veio de uma comunidade que fica nas proximidades. De quem foi a ideia de colocar os cavalos mais caros do mundo ao lado de uma comunidade? Olha, torce para pegar no tratador, viu? Se pegar no cavalo vai dar uma merda…

Enquanto isso, o Comitê Olímpico vendeu ingressos que já estavam vendidos, só parou porque o Judiciário interveio e mandou parar. Comprar ingressos e ter o assento reservado não significam muita coisa por aqui. A desorganização fez mais estragos: a imprensa vem sendo acomodada em assentos que já haviam sido comprados, redirecionando os pagantes para outros lugares, muito piores do que aqueles pelos quais eles haviam pagado.

A própria cidade representa perigo. Talvez vocês não se lembrem, mas quase um ano atrás eu passava diariamente por uma região onde estavam realizando obras olímpicas e contei aqui que não recomendava ninguém chegar perto, pois invariavelmente os trabalhadores estavam embriagados, trabalhando enquanto bebiam Skol. Pois bem, esta semana um bloco de concreto dessa construção simplesmente caiu, ferindo pessoas. Todas as obras olímpicas são um perigo, se não der uma merda muito grande, será apenas por sorte.

Conselho: leiam sobre os jogos olímpicos na imprensa internacional. Você vai se surpreender com a quantidade de coisas que não são ditas por aqui. Infelizmente não há tempo nem espaço para esmiuçar cada uma das atrocidades citadas aqui, mas na imprensa internacional isso é feito, com detalhes. Ah sim, as vaias continuam. Tá pouco?

Para dizer que é tudo muito bem feito pois quem escolhe se enfiar no Hell de Janeiro merece, para ter ainda mais nojo da esquerdice arrogante do carioca ou ainda para dizer que Brasil > Estado Islâmico em matéria de atentado contra as olimpíadas: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (84)

  • Avatar

    de saco cheio!

    Ainda bem que esses jigos mortais tão acabando. Copa e Olimpíada já deu ou que mais o Rio de Nojeira vai inventar de fazer? Tudo para, fecham ruas, vadios fazem feriados, correio atrasa e tudo de ruim. Os crentelhos do futebol todos felizes, mas só conseguiram ganhar porque a Alemanha não tinha nenhum jogafor principal em campo.

    • Avatar

      Lamento informar : já inventarão...

      Concordo com tudo, porém está confirmada (e sem mais adiarem) a Copa América 2019…

  • Vai ter Live na final do futebol? To cagando pro jogo, eu quero é zuera! Vai ser engraçado se o Neymarketing ficar caindo que nem amoeba pra ser substituido. Ele dempre nete o pé se o bagulho fica dificil.

  • Às 4 da manhã (hora do acidente) não tem NINGUÉM na rua. Como é que esse desgraçado conseguiu bater o carro num lugar vazio e como conseguiu tirar a carteira?! Mas também o que não falta por aí é taxista cheirando nos pontos de madrugada. Ainda bem que os taxis são duramente fiscalizados, que “não é qualquer um que vira taxista”. Perigoso mesmo é o Uber.

    • O que se diz é que o taxista que os transportava estava dirigindo de forma imprudente (no Rio? cêjura?) e o que bateu estava muito bêbado.

  • Como já tinha em certa letra do MAMONAS ASSASSINAS: O importante é competir, mas te mato de pancada se você não ganhar… Complementaria com também se vocé ganhar e eu NÃO quiser.

  • Sally, e aquelas suas fontes que na copa tinham várias teorias e hipóteses para demonstrar que era tudo roubado, não deram mais as caras não? Porque eu acho que o futebol masculino está sendo roubado sim, para ter essa final do timeco com a Alemanha no Maracanã. Espero que dessa vez façam logo 15 gols.

    Quanto ao alemão que morreu por causa do taxista: se fosse meu parente eu não doava nenhum órgão não. Ia ficar com tanta raiva que não ia deixar nem uma célula dele por aqui.

    • Não há indício algum que esteja melhorando, mas talvez seja doloroso demais admitir isso. É admitir que você se contentou em ficar em um país que só piora. O que isso diz sobre a pessoa?

      • Isso é tão real, Sally… E já ouvi isso aí de que o Brasil pode melhorar/ que tá melhorando de gente que teria tudo para largar tudo aqui e se picar pra um país civilizado, mas que optou em ficar por aqui, porque realmente crê nisso. Eu não creio, e eu vou embora desse país de merda que só piora e não dá valor a nada que preste, mais cedo ou mais tarde.

  • Me mandaram um texto de um jornalista esportivo que é supostamente conhecido e bem popular no Rio (eu não conhecia), onde ele conta a história de brasileiros hostilizando suecos no metrô depois da derrota no futebol feminino – só que ele conta com ORGULHO.

    Achei um absurdo, aquela coisa de “não sei perder e nunca vou sair por baixo, cala a boca que você tá na minha casa”. Quem quiser ler, t.

    • Minha nossa! Que absurdo! Estão tratando gente de outro país (no caso, de países de times adversários) da mesma forma que tratam torcedores de times adversários nacionais, só faltou a já famosa “privadada”… E são o mesmo tipinho de gente que condenou o francês ter reclamado da má educação do BM, que bateu palma pra vagabunda que destratou turista no metrô, haja hipocrisia desse povinho nojento! E depois reclamam da imagem do brasileiro lá fora… Também, eles não colaboram!

  • Não vejo a hora de sair dessa merda de país. A vergonha só aumenta.

    Quanto à história dessa psicopata que negou ajuda a um americano por causa do idioma, cheguei a me engasgar de raiva aqui. Pensamento de gente bunda bairrista de merda, que acha que mora no centro do mundo. Agora pergunta pra ela se ela aceita viajar pela Europa com tudo pago, com a contrapartida de ter que aprender sete idiomas? Double standards

  • Acho que há uma supervalorizaçao dessas repercussoes. Passada a Olimpiada, as coisas voltarao ao seu lugar. No mundo civilizado ninguem liga muito pro que acontece no Brasil. Acho que a pior de todas as coisas destacadas é o caso da piscina, que revela a mais burra ignorancia. Nem a piscina do meu predio fica verde.

    • Ninguem liga, não vão mais falar do país, mas sempre que falarem vão lembrar dessas merdas. Acho que a desmoralização é permanente

      • Por desmoralização supõe-se que se construiu uma moral. A imagem do Brasil vai continuar a mesma, de um país longínquo que não cuida das necessidades básicas do povo, cheio de problemas e com algumas qualidades. Em termos de olimpíadas, a Rio 2016 será lembrada como uma bizarrice tropical, com alguns bons momentos. Tipo a copa da África com as suas vuvuzelas.

        • Acho que antes havia dúvidas sobre o país ser capaz de sediar um evento. Agora há certezas. Isso não gera uma desmoralizaçao?

          • Acho que não. Era um risco que foi bem calculado. As Olimpiadas no fim aconteceram, de um modo ou de outro. Se não tiver atentado grande até o fim estão no lucro. Baita lucro.

            • Não creio que tenha atentado, se quisessem fazer, já tinha feito. Mas acho que muita bosta que acontece no Brasil e não chegava nos outros países por desinteresse agora está vazando e fazendo com que vejam o país com outros olhos.

              • Eu me pergunto o por quê.
                Não que eu realmente queira um atentado (naquela noite da live eu estava só zoando, por favor), mas me pergunto por que o Estado Islâmico perderia a chance de explodir o país mais católico, cheio de gente de primeiro mundo amontoada numa vila só, e imprensa internacional de olho.
                Será que a segurança estava tão boa assim? Será que, no fim, o Brasil não é um país tão importante? Será que, no fim, o Brasil é mesmo visto apenas como uma extensão da África (distante e subdesenvolvida)?

          • Provavelmente será pouco lembrada. Lembrarão do Bolt e do Phelps. Apesar das bizarrices, acho que foi pouco perto da merda que poderia rolar. Cá entre nós, acho que o pior não foi a piscina, nem o sequestro, nem a torcida. O pior foi a cerveja. UM DIA A ANISTIA INTERNACIONAL SABERÁ QUE AS PESSOAS FORAM OBRIGADAS A TOMAR SKOL POR DUAS SEMANAS. Sally não tem como avaliar o nível de crueldade disso, talvez Somir tenha um pouco mais de compreensão do dano físico e psicológico. Pra dar uma noção aos leigos no assunto, para ter os copos tematicos da olimpiada, que vinham com a cerveja, muita gente preferiu comprar (13 reais e lata) e jogar a cerveja fora, ou pegar só o copo. Eu mesmo fiz isso quando atingi o meu limite de dignidade.

  • Acabei de ver a repercussão das vaias. Todo mundo achacando o francês que reclamou das vaias e um jornal chegou a mostrar tweets dizendo que por aqui “a gente vaia até o papa”, que “é assim mesmo”. Nojo dessa coisa podre, nojenta e hipócrita do BM, que acha que pode fazer o que quiser com os outros, mas AI de quem fizer algo com ele (mesmo que esteja apenas reagindo à falta de educação dele). Esse país tá perdido…

      • E eu estou sendo até enxovalhada por gente no facebook porque eu critiquei a mania mal educada da torcida brasileira de vaiar adversários. Não ligo. Esse país não é sério e tá afundando no buraco moral cada vez mais. Cegos e ególatras mesmo, teve até fã de Dilmãe que colocou política no meio quando eu disse que é errado vaiar atleta adversário, que é descortesia e falta de educação. Mas pedir coerência é demais pra muitos neste país…

          • Facebook é a cracolândia da internet. Até desinstalei o aplicativo do meu celular pra entrar com menos frequência ainda. Os esquerdopatas problematizadores agora estão forçando feminismo e politizando tudo que é jogo, na verdade estão fazendo isso em cada aspecto da raça humana. Aparentemente agora é crime não gostar de futebol feminino (por mais que elxs também não saibam o nome de nem 5 jogadoras da seleção). E quando fazem comparações entre o salário da Marta e do Neymar? Esses pulguentos sujos de federal não entendem nada de oferta e demanda e nem que os homens têm mais projeção pra algumas coisas e as mulheres pra outras. O modelo masculino mais bem pago do mundo não ganha nem metade do salário da Gisele e eu não vejo ninguém de mimimi por causa disso.

            • EMPODERAMENTO

              Tenho nojo profundo desses hippies esquerdopatas que radicalizam a causa da vez abrindo mão de coerência. Facebook é um aterro sanitário humano, não sei nem como você tem estômago para ter uma conta lá.

            • Esse povinho que problematiza até o furinho da caneta Bic só querem atenção, mesmo que passem vergonha sendo visto como mimizentos. O importante é aparecer, virar notícia e print, e achar que está ajudando a melhorar o mundo pra dormir sossegado. Eu lembro de uma época que passar na federal era motivo de orgulho.

              Enquanto isso, metade dos brasileiros não tem saneamento básico (mas o mais importante é legalizar droguinha né?) e várias pessoas continuam sendo oprimidas de verdade, e nenhum texto/tirinha de internet está as salvando.

  • Ainda me chamaram de exagerada porque eu achei ridículo e vergonhoso tanta gente ter aplaudido a tal publicação. Quanto as vaias, ouvi um monte de “brasileiro torce assim mesmo, eles que têm que se acostumar”, mas se decidirem vaiar única e exclusivamente os atletas brasileiros nas próximas Olimpíadas, irão dizer que é preconceito.

      • “Mas não tenho de respeitar os outros, os outros que têm que me aturar, sou brasileiro, sou o fodão, se falar mal de mim é preconceito, mimimi”

        Um horror, por isso não dou menos de 500 anos pra esse país começar a se civilizar…

  • Se o brasileiro já é extremamente recalcado quando o assunto é crítica de estrangeiros (ironicamente, brasileiro que é brasileiro tem que detestar o Brasil), o carioca eleva esse recalque a níveis nunca antes vistos na história desse país.

    O carioca simplesmente não admite críticas ao RJ, seja por gringos ou por não-cariocas. Mesmo as qualidades mais escrotas do carioca e do Hell de Janeiro tem justificativas (já vi carioca dizendo que o jeito barulhento e espalhafatoso de berrar e ouvir música alta em todo lugar é só a “alegria e ousadia” e que quem é assaltado por andar de carro com o vidro aberto é otário e devia “ficar ligado”).

  • E eu vi bem o caso da mocinha mal educada e desrespeitosa com o turista americano, que só queria pedir ajuda pro metrô. Um horror o que ela fez, e o pior foram milhares de curtidas e tudo mais, milhares de cretinos apoiando este despautério. Depois reclamam quando fazem o mesmo com brasileiro, acham que é “preconceito e ódio”. Hipocrisia define o BM.

    Dito isto, ontem mesmo, quando voltava pra casa do trabalho, uma família da Guiana Francesa estava no mesmo ônibus que eu. Uma mulher (a mãe) me pediu ajuda em francês pois ela queria ir para um shopping no centro de Valsador (shopping Barra). Em francês, eu disse pra ela que o shopping estava perto e tals, ela ficou muito feliz por falar francês e aí começamos a conversar em francês (Fiquei muito feliz, pois tirei a poeira do meu francês, hahaha), depois, quando o shopping ficou perto, pedi o ponto e avisei que o ponto já estava chegando. Ela agradeceu, ficou muito feliz de me conhecer e eles desceram. Foi maravilhoso, são pessoas ultra educadas e me senti bem, pois ajudei pessoas que precisavam de uma mãozinha. Tão bom poder colaborar, não custa nada e a gente ainda aprende coisa nova.

    • Né? Vão para a igreja, se acham ótimas pessoas escoradas em Deus e depois fazer uma porra de uma grosseria dessas com turista. Vergonhoso. Hipócritas. Esquerdopatas que descontam a raivinha de um país em um coitado pai de família. Estou passada.

      • Isso mesmo, Sally, eu senti isso bem na pele, o que teve de gente “da igreja” que aprontou pesado comigo e com gente da minha família não tá no gibi… Se acham os melhores, mas têm os piores comportamentos possíveis, bizarro, muito bizarro… Se dizem “de deus” mas na hora de pôr em prática os ensinamentos de Jesus aí ficam de miserinha e fazem esse espetáculo de vergonha. E ainda aplaudem… Depois ficam reclamando quando um gringo fala mal de comida brasileira (como já rolou)…

  • O alemão da canoagem morreu?? Meu Deus, isso vai dar uma merda (a morte do homem já foi péssima o suficiente), e ainda por cima vítima do descaso típico da saúde pública falida do Brasil. Pois é, alemão morrendo no mesmo que descaso que morrem milhares e milhares de brasileiros não apenas no Rio como em todo o país. Que isso sirva de lição para que nunca mais se iludam com este país, a ponto de deixar seus países civilizados pra viverem nesta selva. Eu folgo, porque sinto que minha partida está próxima deste país horrível!

  • Não deu pra segurar um “puta que pariu” – e quem disse que eu tentei segurar? – nas partes do acidente com o técnico de canoagem que foi pro hospital, da câmera que despencou e das gambiarras. Tava demorando pra essas merdas acontecerem… E a da água oxieganda na piscina? Como é que pode? Também achei ridículo a chiadeira pelo “Bixcôito Grôbo” e a mulézinha lá se recusando a dar informações em inglês pro gringo. Que merda, viu? Cariocas fazendo carioquices. É muita cagada junta…

  • Eu li no Buzzfeed US, se não me engano, que um atleta disse que o Maria Lenck inteiro fedia a merda por causa da água. Vê se alguém na imprensa nacional falou alguma coisa.

    • Não diz. E quem vai também omite, para o país não “passar vergonha”. Gente… o Brasil precisa se responsabilizar pelos erros!

  • Seria burrice dizer q é uma herança maldita do PT, pq nem eles, nem as construtoras, e tlvz ate nem o COI, estavam preocupados com o que imprensa e sociedade pensariam, o interesse deles era lucro apenas. Mas fica o registro dessa Olimpíada apagada (nem musica tema teve), que revela as limitações e os problemas de toda ordem (até impeachment no meio) de países em desenvolvimento(kkkkk) por causa da corrupção política e social.

  • Tive a oportunidade de ir para Chicago e fiquei pensando: sério que trocaram isso pelo Rio de Janeiro???

    Porém antes da viagem, antes da Copa de 2014, eu tinha uma certeza: se o Brasil quer ser mesmo o tal país do futuro, tem que fazer bonito e bem feito nesses dois eventos.

    Não fez nem o mínimo e ainda deixou como legado um monte de estruturas que em pouco tempo estarao caindo aos pedaços. O Brasil perdeu duas oportunidades de se mostrar um pais com capacidade internacional e falhou. Não veremos e nem nossos filhos vão ver essa merda ir pra frente.

    Sinto pena disso, eu realmente tinha esperança de melhoras, de investimentos, mas a copa foi o ultimo prego para a crise recente que vivemos, entao o que sera que as olimpiadas vai nos deixar daqui 1 ou 2 meses? o futuro se mostra cada vez mais sombrio e não é esse país que eu queria para os meus pandinhas……

  • Sempre que eu leio essas matérias cheias de polêmica e logo vou procurar a matéria original. No caso do biscoito Globo, o jornalista fez elogios também, mas nos jornais daqui falaram que ele somente destilou ódio e preconceito contra os cariocas e o Brasil. Qualquer critica que façam vira ódio e preconceito, não pode, só brasileiro que pode fazer isso com os outros.
    No caso da menina que não ajudou o gringo, vi muitas pessoas APOIANDO a atitude, dizendo que lá fora fariam o mesmo com a gente. Posso garantir que não. Já fui em países onde o inglês é pouco falado, estive na Rússia esse ano, e mesmo sendo com mímicas eles procuram ajudar um turista perdido. Em algumas ocasiões, quando viam que estávamos meio perdidos já vinham perguntar se podiam ajudar!
    Mas essas olimpíadas serviram para mostrar ao mundo quem o brasileiro é de verdade, uma gente mal educada, sem noção e escrota. Que trata mal quem vem de fora, que vaia adversários em todas as modalidades e acha o máximo fazer isso, é o “jeito brasileiro” eles dizem. Quem não gostar que vá embora (quem dera).
    O Bolt tinha falado que nunca viu nada assim antes vindo de uma torcida, um francês do salto com vara disse que nunca viu tanta falta de educação com um atleta. Tiveram que pedir no estádio para que as pessoas parassem de vaiar, como se fossem criancinhas.
    Mas vai vaiar um atleta brasileiro em outro país? Preconceito e ódio claro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: