CBM – Evolução das Maravilhas

É com muito prazer que anuncio que nossas amadas Maravilhas continuam vivas no cenário musical do país! Vamos a mais um clipe das nossas heroínas!


O nome do clipe é “Evolução das Maravilhas”. Confesso que o título me surpreendeu. Em um primeiro momento imaginei uma montagem de Charles Darwin fazendo o quadradinho. Feliz por saber que nossas meninas estão focadas na evolução. Se do macaco evoluímos para o homem, fico me perguntando que fascinante espécie viria das integrantes do Bonde das Maravilhas: Homo Rebolatus? Homo Quadradinhus? Bem, chega de divagar, que comece o show.

Logo nos primeiros segundos de clipe percebemos o encrespamento das Maravilhas. Agora que cabelo crespo é empoderado, nossas heroínas assumiram seus cabelos originais: aboliram o loiro, aboliram a chapinha. Mas, infelizmente parece que a falta de recursos continua assombrando estas meninas. Acho que fizeram um vaquinha para comprar uma tinta para o cabelo e todas pintaram da exata mesma cor, um preto boneca que não favoreceu. Thayza tá uma cruza de Slash com Jacksons Five.

A voz de Thayisszssa continua a mesma, naquela pegada Darth Vader (ou, Big Fone, para quem não é nerd). Aquele cantar ao berros, meio rouco, meio desesperado. É um fenômeno muito estranho, por mais que você reduza o volume do áudio (e eu o fiz dezenas de vezes durante a execução), ela sempre vai continuar gritando no seu ouvido. Deve ser uma versão áudio do efeito Monalisa: onde que que você vá ela te olha. Pois bem, com Thayisszassa. não importa o quanto você abaixe o volume, ela sempre vai estra gritando com você.

O top de feirinha também continua, mas agora ela usa um adorno-ostentação: um relógio que mais parece uma cebola dourada no pulso, muito difundido entre a classe Z, provavelmente da marca Invicta. Existem três coisas na vida que são atestado irrevogável de pobreza em matéria de vestuário: relógio Invicta, roupa Armani Exchange e sapato com saltinho de cristal. Não posso comentar sobre a maquiagem desta vez, pois o clipe rola em uma penumbra desconfortável, um ambiente mal iluminado. Não sei se isto se deve à bandeira vermelha na conta de luz ou se as meninas estão com alguma pereba que precisa ser camuflada, fato é que a maior parte do clipe é no escuro, o que dificultou minha visualização.

Começa anunciando que Sbrubles e Renatinha (entra ano, sai ano, eu não consigo entender esse nome, pior é que desconfio que nem seja a mesma pessoa) “representam a todo instante” com um movimento novo ao qual ela atribuiu o nome de “roda gigante”.

Aqui trago à luz uma antiga teoria sobre a fisiologia do pobre: o pobre é muito fértil, o pobre sempre tem um alongamento muito bom e pobre nunca sofre fratura, não importa o que faça. Sbrubles e Renatinha seguram uma nos pés da oura e começam a dar cambalhotas rolando pelo chão. Fosse eu a fazer isso, tinha uma fratura na cabeça do fêmur no primeiro deslocamento. E não teve verba para colchonete não, tá? As mocinhas estão ralando o pescoço no chão duro.

Nada acontece, as duas levantam sorridentes após esfregar as vértebras no chão duro. Deve ser como os cães vira-lata: graças às intempéries que enfrentam, apenas os pobres mais aptos sobrevivem, criando uma espécie de mutantes de baixa renda muito mais resistentes a tudo.

Geralmente os movimentos criados pelas Maravilhas tem o intuito de sensualizar. De dois um: ou mudaram o foco ou eu estou tão defasada nessa vida que já não sei mais mensurar o que é sexy. As moças rolando com a unha agarrada no calcanhar da colega me pareceu mais uma obra circense do que algo sexy.

Depois Thhaizzszzhahh fala de si mesma na terceira pessoa e anuncia que vai dar uma rebolada com “cintura de mola”, até que aos 56 segundos do clipe vemos a moça desencaixar os ossos da bacia e fazer do seu cu um pirocoptero. Não sei como ela não decolou. Deve ser uma nova modalidade, depois do Fidget Spinner, ela lançou o Anal Spinner. O intestino dessa moça deve estar igual a serpentina de carnaval.

Agora vem a parte didática do clipe. Em um esforço sobre-humano, as Maravilhas inseriram noções básicas de cálculos em sua música: 4 + 8 =8, 8 + 8 = 16. Enquanto falam sobre soma, as meninas supostamente reproduzem com os dedos o 4+4 = 8, pena que, mais uma vez, algumas falham miseravelmente. Uma Sbrubles lá na esquerda (com essa cabelo ficaram todas iguais para mim) não consegue captar a alegoria de 4+4 e faz um 3+5. Mas, vamos dar um desconto, no saldo final ela acertou em mostrar oito dedos.

Agora anunciam a Kate e a Rafaela. Salvo engano, Rafaela é nova no Bonde e destoa do grupo por estar superalimentada. E aqui os cálculos se complicam: “uma por cima da outra, é o quadradinho de 16”. Ok, calma que até eu estou confusa. O original é o quadradinho de oito, então, para ser um quadradinho de 16, elas teriam que reproduzir o mesmo movimento, só que com uma por cima da outra. Não é isso que acontece.

Kate, que certamente sofreu privação de proteína na primeira infância e pesa uns 30kg, ficou encarregada de levantar Rafaela, uma rinoceronta cuja coxa é do tamanho do meu quadril. Para piorar, ainda teve que fazer o quadradinho enquanto levantava a mamuta! Rafaela fica lá, no bem bom, de pernas para o ar, enquanto Kate, com suas perninhas trêmulas tem que rebolar com essa orca nas costas! Desconfio até que ela nem esteja fazendo quadradinho porra nenhuma, parece que os ossos das pernas estão desencaixando do quadril. Achei cruel.

Mas, uma coisa não se pode negar: neste clipe investiram nos efeitos especiais. Se você pausar em 1 minuto e 41 segundos, vai ver uma obra prima de efeito especial. Um dragão cuspindo fogo? Não! (Sbrubles não está com azia). Um pônei cagando arco-íris? Não, muito mais difícil e complexo: eles conseguiram inserir uma cena através de computação gráfica onde uma Maravilha parece saber escrever! Parabéns, ficou bem realístico.

Após dois minutos de clipe, elas migram para um lugar mais bem iluminado, o qual, lamento informar, acredito ser um banheiro. Aos 2 minutos e 9 segundo vemos Thhhhaizzsszzhhahhh sensualizando em uma pia que me parece integrar um micrório. Quem nunca? Quem nunca foi urinar e desceu fazendo quadradinho com epilepsia anal na pia?

Agora na luz vemos novamente a covardia que é a pobre Kate tendo que erguer aquele Snorlax chamado Rafaela. A perninha chega a tremer. Rafaela lá, super acomodada, parece que vai acender um cigarrinho a qualquer momento ou lixar a unha, só faltou se espreguiçar. Enquanto isso Kate detona seu joelho em nome de um movimento que nem ao menos faz sentido numericamente falando: se Rafaela representa um quadradinho de 8, Kate faz apenas um quadradinho de “2”, formando ao todo um quadradinho de 10.

O clipe termina com vários telefones para contato, com a referência “Escritório PHD”. Bem, presumo que não sejam doutores em filosofia… O que significaria esse PHD? Seria uma abreviação para dizer que eles são foda? Seria o nome da empresa? Nunca saberemos, a menos que a gente faça um Des Avisados…

Para dizer que estava com saudades do Bonde das Maravilhas, para dizer que a saudade passou rapidamente ou ainda para reclamar do nível das postagens ultimamente: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (15)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: