Dois pesos, duas medidas.

Durante muito tempo ser homem autorizava a fazer coisas que mulheres não podiam, pelo simples fato de “ser homem”. Há um consenso social que a vida é muito dura para as mulheres, a sociedade é machista e que mulher sempre parte de uma desvantagem. Isso já foi 100% verdade, mas hoje estamos em um período de transição e também é possível identificar uma série de “double standards”, o popular “dois pesos e duas medidas” que escrotizam homens e favorecem mulheres.

Se você é uma pessoa justa, deve se indignar igualmente com estas premissas equivocadas, independente do lado que elas favorecem certo? Porém, o mais comum é ver mulheres que dão um verdadeiro piti quando o tratamento diferenciado não as favorece, mas silenciam, tiram proveito quando são beneficiadas e até mesmo propagam essa injustiça. Quem aceita double standards dos quais se beneficia não luta por igualdade, é uma pessoa malandra, hipócrita e sem ética. Leia este texto e reflita sobre como você vem se posicionando.

Falemos de violência física. Se você é mulher e apanha de um homem, pode esperar todo tipo de compreensão social e afago. Não digo que pode esperar justiça, pois ninguém em sã consciência espera justiça de nada vivendo no Brasil, porém, existem leis especialmente protetivas, ao menos em tese. Tem uma delegacia específica para isso e, vou além, pela Lei Maria da Penha, não precisa nem ser violência física, bastam palavras que abalem a autoestima da mulher para configurar crime. Certamente alguém sairá em sua defesa. Mesmo sem um Judiciário competente, se a agressão viralizar em redes sociais, você consegue prejudicar bastante o agressor.

Já se você é homem e apanhou de uma mulher, sugiro que fique em casa e aceite calado. Você não pode revidar, pois a pena para você bater nela é bem maior do que a dela para ela bater em você e dificilmente será considerado legítima defesa. Se você for a uma delegacia, será motivo de chacota e periga nem registrarem a ocorrência. Entre amigos, no trabalho ou na vida social no geral, você sairá desmoralizado. Se não revidar é um frouxo que apanha da mulher, se revidar será um covarde que bate em mulher. Não tem como sair bem, o melhor é apanhar calado e não contar para ninguém.

O mesmo vale para assédio sexual, seja na rua, seja no local de trabalho. Mulher assediada é vítima, é desrespeitada, é invadida. O assediador merece ser punido, é um escroto, é quase um estuprador. Punido na forma da lei, punido tendo suas investidas devassadas em redes sociais de forma que isso repercuta em sua esposa e, foda-se, até mesmo em seus filhos, punido pagando indenização à mulher assediada e até sendo demitido. Se for o caso, tá ok apanhar do namorado ou marido da vítima, será compreendido e até aplaudido. Esta mulher será consolada, enquanto que o homem será tratado como um monstro e esse tipo de atitude será abertamente desencorajada e repudiada.

Agora pensemos na situação invertida: uma mulher passando um cantada ou pressionando um homem para fazer sexo com ela. Bem, a menos que a mulher seja muito horrenda, há uma pressão social para aceitar esta situação quase que como um presente, uma sorte grande, uma dádiva. E se o homem recusar, estará sujeito ao julgamento de outros homens e também de mulheres. A própria mulher pode chama-lo de viado pelo “absurdo” dele não querer nada com ela. Mas… se o homem resolver botar a boca no mundo, processar e escrachar em rede social, como mulher faz, a coisa pode virar rapidamente covardia, recalque e machismo. Não tenho notícias de um único ganho de causa de empregado homem indenizado por ser assediado por superior hierárquica mulher e, olha, acontece muito.

Falemos de sexo e bebida. Se uma mulher sai e, voluntariamente, decide beber até ficar indignamente bêbada e acaba fazendo sexo com um homem, oremos pela alma deste infeliz. E, mesmo que o homem também esteja igualmente bêbado (logo, em tese, com mesmo grau de discernimento), isso não fará a menor diferença. O mínimo que ele poderá enfrentar é uma acusação de estupro. Mulher quando bebe fica inimputável, incapaz de tomar decisões sozinha, qualquer coisa sexual que se faça com ela é um abuso sem consentimento. Periga o homem ter sua reputação estraçalhada em uma postagem raivosa em redes sociais no dia seguinte, para que sua mãe, sua avó e seu chefe leiam cada mínimo detalhe do que aconteceu na véspera. E isso não será considerado falta de respeito, será considerado “bem feito”.

Agora pensemos no inverso. Um homem bêbado. Mulher alguma no mundo tem medo de fazer sexo com um homem bêbado e acabar na cadeia, ou em redes sociais sendo execrada. Por sinal, se ambos bebem e o cara vai nas redes sociais choramingar sobre estupro, é bem provável que a mulher o ridicularize com palavras nada bonitas. Homem bêbado deve arcar com as consequências da sua bebedeira (inclusive vira motivo para fazer piada com ele), mas mulher bêbada vira uma donzela intocável. Francamente, isso, para mim, é justamente o oposto de feminismo.

Pensem agora em uma mulher gorda que se interessa ou até se relaciona com um homem magro e bonito. O que ela escuta? Empoderada. Corpo não define sua beleza. Beleza interior é o que importa. Esse homem não é fútil como todos os demais e sabe apreciar as qualidades que essa mulher tem. Seu corpo não te define. Aceite-se como você é. É possível ser linda e ser feliz acima do peso. Rompeu com os padrões tiranos de estética e é um exemplo para a sociedade. O amor ultrapassa as fronteiras dos padrões sociais. Palmas para esse casal.

Agora pensem em um homem bem gordo com uma gostosa ao lado. O que ele escuta? Deve ser rico. Deve estar pagando. Com esse carro que ele tem, fica fácil. Esse nerd deve ser muito corno. Coitado, já já vai ser trocado por outro melhor. É puta, só pode. Deve ser a irmã. Que gordo preguiçoso, olha lá, a namorada dele toda bem cuidada e ele desleixado, depois vai reclamar se ela trocar ele pelo personal.

Pois é, mulheres tem autorização social para rejeitarem homens por causa de sua aparência, sem parecerem fúteis por isso (o homem é que é desleixado). Porém, quando acontece o inverso, é inaceitável (o homem é um fútil babaca). Além disso, mulheres são tratadas como “café com leite”, tem carta branca para se sentirem maravilhosas com qualquer shape (enquanto gordinho que se acha é um arrogante), e também para desmerecer homens por características que eles não podem modificar, como por exemplo, “homem abaixo de 1,80m é amigo”.

Falemos de chifre. Uma mulher foi traída por um homem e está arrasada. O que ela escuta? Que homem é tudo sacana. Ele é um escroto que não soube valorizá-la. É um merda, um galinha, um mentiroso. Quem perde é ele. Ingrato que não soube valorizar o seu amor. Tem que ficar logo com outro, tem que ficar com outro mais bonito do que ele e desfilar na frente dele, tem é que ficar com um amigo dele. Se ela quiser, que saia e dê para o primeiro que passar na sua frente, será bem feito para ele. A torcida é para que ele se foda, para que ele se lasque, para que o pau dele fique verde e caia. Às vezes nem de chifre precisa, já vem essa tsunami de merda pelo simples fato do cara não querer mais ficar com a mulher, que é sagrado direito de todo ser humano.

E homem que leva chifre, é o que? Corno. Não vítima, não coitado. Corno, otário, que certamente não estava comendo a mulher direito, porque né, quem não dá assistência perde para a concorrência. Burro, não soube escolher direito a mulher. Pagou de namoradinho com quem não devia, idiota. Deixa de ser viado de ficar chorando pelos cantos por causa disso. Cria vergonha nessa cara e retoma sua vida normalmente, vai ficar aí pagando de otário e demonstrando que se importa? Não seja fraco.

Muito se fala sobre homem ter mais liberdade sexual que mulher. Ok, vamos pensar em uma mulher bi curiosa, que decide testar ou até se relacionar também com outras mulheres. Um futuro namorado seu vai achar exatamente o que deste passado? Provavelmente muito interessante, vai querer saber todos os detalhes, imaginar diversas cenas e até, quem sabe, pedir que a namorada performe na frente dele com outra mulher. É sexy, é atraente, é moderno. É motivo de orgulho, de contar para os amigos, são pontos que contam a favor dessa mulher. No máximo, vai pedir que ela não faça mais isso por desejar fidelidade.

Agora pensemos no oposto. Um homem que, em uma fase bi curiosa decidiu testar sexo com outros homens ou até se relacionar com eles. Esse homem é o que? Viadinho. Viado. Viadaço. Gay. Queimador de rosca. Cu arrombado. Não sabe o que quer. Enrustido. Provavelmente só está com mulher hoje por medo de sair do armário. Cuidado, pode ser que tenha AIDS. Promíscuo. Nojento. Não serve para marido nem para pai dos filhos. Como apresentar uma pessoa dessas para sua família? Vai que alguém descobre? Que vergonha.

Vamos pensar em estupro. Até pouco tempo, sequer era admissível que uma mulher pratique crime de estupro contra um homem, pois presumia-se que se houve ereção, houve interesse e se houve interesse ele não foi obrigado. Mesmo hoje, onde se admite estupro de mulher contra homem possível, os casos relatados são pouquíssimos e o percentual de condenação é irrisório.

Já quando falamos de homem estuprando mulher, bem, basta a palavra da mulher. Se a mulher apontar e disser que foi estuprada por fulano, mês passado, mas estava muito abalada para ir fazer o exame de corpo de delito no IML e as marcas desapareceram todas, vai ter processo sim e ele pode ter condenação sim. Mesmo que ela vá logo depois, sem marca alguma… Não tem marcas de luta corporal? Ele apenas ameaçou, por isso ela não resistiu e ele não deixou marcas. Ela foi vista saindo abraçada com ele e sorrindo? Estava bêbada, não sabia o que fazia, ele não podia ter abusado dela assim. Hoje, uma mulher persistente que deseje desgraçar a vida de um homem inventando um estupro, consegue. Aliás, já repararam no número de presos homens comparado ao número de detentas mulheres? Já compararam as penas para os mesmos crimes? Mulheres recebem penas bem menores.

Já que estamos falando de lei, vamos falar em divórcio. Uma mulher divorciada tem o direito de pedir pensão para ela e para seus filhos, apesar de que nem sempre conseguirá uma pensão para ela, sabemos que mulher usa sim boa parte da pensão dos filhos em benefício próprio. Além da pensão, ex-mulher consegue dinheiro e bens do ex-marido a pretexto da qualidade de vida dos filhos: fica com a casa, fica com o carro, o ex paga o aluguel de um imóvel bom… tudo para que os filhos não tenham que ir morar não no cu, mas na hemorroida do Judas. O pai acaba pagando um bom colégio, pois não quer que os filhos recebam uma educação de merda, etc. E mulher divorciada que arruma namorado é guerreira, exemplo de superação, se valoriza e não anula seu lado mulher.

E homem divorciado, tem direito a que? A pagar 30% do seu salário para a mulher administrar, e nem pense em querer a guarda dos filhos, filho fica com a mulher, foda-se o quanto ela joga as crianças contra o homem, o impede de ver os filhos ou até usa as crianças como arma em uma batalha de exs. E se arrumar uma namorada (principalmente quando ela é mais bonita que a ex), é um filho da puta que já está com outra, provavelmente já estava até na época em que estavam casados. Tem que tirar até o último centavo desse filho da puta se não ele vai gastar com essa vadia. E todas as esposas de amigos do casal ficam putas em solidariedade, com medo que o marido faça o mesmo com elas. Homem não pode dizer que ganha pouco e não tem dinheiro para dar sem comprometer o seu sustento, é prisão e foda-se se o juiz não julgou a ação pedindo revisão do valor da pensão. Homem tem que ser provedor, dá teu jeito. Se ganha pouco, ficará com pouco menos 30% para sobreviver. Foda-se.

Pensemos agora em uma gestação indesejada. Se a mulher não quer ter o filho e o homem quer, é “meu corpo, minhas regras”, a mulher não é obrigada a carregar por nove meses uma criança que não quer, filho tem que ser concebido com amor, filho tem que ser de comum acordo, métodos anticoncepcionais não são 100% seguros, gravidez acaba com o corpo, filho acaba com a carreira, ela não tem tempo para uma criança, isso não estava planejado, homem tem o dever moral de apoiá-la em sua decisão e ajudar a pagar o aborto.

Vai um homem dizer, em caso de gestação indesejada por ele, que quer que a mulher aborte, quando ela quer o filho. Hahahaha, coitado desse infeliz! Monstro. Assassino. Se não queria filho que usasse método anticoncepcional (mesmo que a mulher alegasse que tomava pílula!). Criminoso. Isso vai contra sua religião. Fez agora vai ter que registrar e pagar pensão. Depois ainda periga contar para a criança “seu pai não queria que você nascesse!”.

Mulher que se recusa a fazer sexo com o parceiro por um tempo. Normal. Dona do seu corpo. Ninguém é obrigado a ter vontade 24h por dia. Provavelmente a culpa é do homem que não manteve o romance aceso ou não agradou à mulher como deveria. Não sabe criar um clima propício. Ele é culpado por ser um desleixado com sua aparência. Ela está com problemas pessoais, que tipo de monstro cobra sexo de uma mulher quando ela está triste ou preocupada? Vai ver só está com a mulher para fazer sexo, babaca, escroto, insensível filho da puta, não respeita os sentimentos alheios.

Homem que se recusa a fazer sexo com a parceira por um tempo. Certeza que tem uma amante, esse filho da puta está traindo, homem é tudo igual. Ficou broxa. Idiota que não sabe deixar os problemas profissionais no trabalho e os leva para dentro de casa. Babaca que não sabe separar as coisas e compromete o relacionamento por fatores externos. Frouxo. Para sair com os amigos tem disposição, né? Talvez se exercitasse mais teria um pouco mais de disposição. Quem não dá assistência perde para a concorrência. Depois leva chifre e reclama.

Sério mesmo, eu poderia ficar mais quatro páginas falando de double standers que protegem mulher e ferram com o homem, mas acho que provei meu ponto. Não tem coisa mais feia do que oprimido que consegue algum poder e vira opressor. Se você é contra double standar que desmerece mulher, por coerência, você tem que ser contra double stander que desmerece homem também, caso contrário, você é tão babaca quanto aqueles que sempre criticou.

E vamos parar com esse discurso de que “é muito fácil ser homem”, já deixou de ser verdade faz algum tempo…

Para duvidar que eu seja uma mulher, para dizer que não quer igualdade e sim vingança ou ainda para me encher o saco com um discurso empoderado: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (31)

  • Na situação do homem bêbado q transa com a mulher, vc esqueceu de citar qdo rola uma gravidez nesse caso. Ele VAI TER q assumir e pagar pensão pro remelento siiiiiiiiimmmmm. Não, o homem NAO vai poder decidir se a mulher levará a gravidez adiante ou sequer lhe sugerir um aborto. Ela vai decidir tudo e a ele somente lhe será dada a opção de ou assumir esse abacaxi pro resto da vida ou se suicidar :-/
    Sério mesmo, jamais foi tão beneficioso ser mulher.

    • Verdade, Ligia. Mulheres estão se portando de forma opressora. Acho indigno, pois passaram uma vida criticando isso em homens.

      • Sally, tenho 3 filhos e 2 deles são meninos. Juro que me preocupa muito mais o futuro deles que o da minha filha. Não posso nem imaginar o que seria da vida deles se eles numa bebedeira engravidassem uma mulher com a qual eles não tivessem um relacionamento fixo e se ela se recusasse a abortar e ainda exigisse pensão alimentícia e dedicação total ao rebento fruto de um one-night-stand alcoólico. E isso tudo com o total respaldo da lei e da sociedade. Tb seria terrível se minha filha engravidasse dessa maneira imbecil mas pelo menos ela teria o total poder de decisão! Poderia abortar sem ter que dar satisfações pra ninguém (isso aqui na Bélgica, claro) ou se levasse a gravidez adiante não teria que se preocupar em arcar financeiramente com a cria sozinha pq o pai estará obrigado por lei a arcar com parte dessa responsabilidade. Então sim, a balança tá desequilibrada e sim, estou preocupada. Quem realmente se preocupa com injustiça NÃO PODE ficar cômodo e achar ok um panorama desses.

        • Ligia, são preocupações diferentes. Sim, seus filhos estão sujeitos a isso que você descreveu, porém, sua filha, por ser mulher e fisicamente mais fraca está sujeita a estupro e outras atrocidades cada vez que sai de casa. No Brasil estupro não ocorre só em viela escura de madrugada, acontece no transporte público, no caminho para o trabalho e até dentro da escola.

          A verdade é que criar filhos no Brasil é um risco enorme.

          • Sim, como mulher q sou e tendo nascido, crescido e (sobre) vivido no Brasil eu sei q pra nós a vida é geralmente muito mais filha-da-puta, mas nesse caso específico da gravidez não-desejada e como resultado de bebedeira eu acho q o homem se fode mais porque o poder de decisão está quase q totalmente nas mãos da mulher. Mesmo com essa lei ridícula q criminaliza o aborto a mulher q não quiser o filho e q tem dinheiro pode ir lá resolver o assunto sem precisar consultar, pedir permissão ou a opinião do cara. Mas se for ELE o q não quiser o filho ele não terá o menor poder de decidir sobre o q fazer, é à isso q me refiro.

        • Lígia, se quer um consolo, a balança sempre estará desequilibrada a favor dos que não tem escrúpulos e usam o sistema a seu favor. Exemplos, nesse caso, não faltam.

          Um homem irresponsável, que simplesmente não pague pensão, pode ser preso a qualquer momento. A mulher, contudo, terá que entrar com a ação pedindo o pagamento dos valores, o que custará a ela tempo, dinheiro e paciência.

          Caso pague a pensão regularmente, obterá alguns benefícios, como ficar com os filhos de vez em quando – e muita mulher treme só de saber que terá que dar esse direito a um crápula, que muitas vezes usa a criança dentro de um relacionamento.

          Creia, é mais fácil quando o safado simplesmente é omisso.

  • Lindo texto, Sally. Obrigado, sério mesmo!

    Uma das coisas que me mais me irritam são duplos padrões. Como profissional de TI, minha mente é binária: ou é ou não é. Não dá pra ser 0 em uma situação e 1 em outra, conforme conveniência.

    “Vamos distribuir riquezas. Mas a minha, não”.
    “Mulher empoderada, seu corpo, suas regras. Mas a Aline Riscado não pode aparecer de biquini no comercial de cerveja”.
    “Gênero é construção social. Mas o transsexual já nasce assim”.
    “100% negro: isso aí, orgulhoso da raça. 100% branco: seu nazista!”
    “Vamos acabar com os burgueses! Twittado do meu iPhone”
    “O mundo está cheio de discurso de ódio, precisamos de mais amor e tolerância. Morte ao Trump e ao Bolsonaro!”
    “Criança tocando no artista peladão é arte, arte não pode ser censurada. Teatro com blackface? Absurdo, vamos protestar!”

    E outros trocentos milhões de exemplos que eu leio, vejo, observo, e muitas vezes até vivencio. Infelizmente.

  • Baita textão. Sempre pensei nessas coisas, principalmente depois que a modinha empoderada femimiminista explodiu. 99,9% das “manas” sabem dessas diferenças de tratamento entre homens e mulheres nessas situações e mesmo assim não reclamam. E além de não reclamarem, ainda reforçam esses comportamentos em benefício próprio. E se você ainda jogar na cara delas essa hipocrisia gritante, prepare-se para ouvir ~arjumentos~ como: “Ah, mas isso é falsa simetria”, “Ah, mas o homem tá oprimindo há mais tempo”, “Ah, mas o número de mulheres vítimas é maior” e outros mimimis. Mulher é sempre a “santinha indefesa” e o homem tem mais é que se foder porque se tem pênis, então automaticamente ele é um monstro.

    Ah, faltou aí o chilique que elas fazem dos homens que separam as mulheres “pra casar” e “pra fazer sexo”. O homem é “obrigado” a assumir/aplaudir até a mais piranha das mulheres, mas tá tudo bem a mulher falar que tal homem não é pra casar porque ele é feio, pobre, galinha ou tem pinto pequeno.

    • Na boa? Queria muito ser oprimida em casa, com um homem pagando as minhas contas…

      Provavelmente vão usar esse discurso da falsa simetria sim, como se anos de opressão de um lado justificasse alguma opressão do outro. Tenho horror a essa mentalidade.

  • li o texto e concordo, Sally… mas acho que preferia ter nascido homem mesmo assim. você já assistiu o documentário “The Mask You Live In”? fala sobre como o machismo afeta os homens também, é bastante interessante, recomendo.

  • Só passei para deixar um “traque”: nunca foi fácil ser homem. NUNCA. Ou vocês acham que sustentar a família sozinho e deixar tudo na mão da mulher (porque a grana que ele ganhou é da família) é uma boa?

    Poderíamos citar outros: mãe sempre será mais valorizada do que pais nas famílias; e mãe de “filho homem” é o bicho mais desprezado que existe.

    • Nunca foi fácil ser homem, mas o tema do texto não é esse. É o dois pesos e duas medidas, que por muito tempo beneficiou homens (“pode fazer pq é homem”) mas hoje beneficia as mulheres.

      • Sally, não pense que antigamente os homens que sustentavam a casa eram beneficiados. Ser o único provedor de sua casa só lhe dava o privilégio de descansar porque, ora, a única fonte de renda da família tem que ser preservada.

        Além disso, não custa lembrar, caráter sempre será caráter.

  • É assim mesmo que está o senso comum, também penso igual. Não dá pra tratar igual homem e mulher. Agora a coisa tá melhorando pro lado de vcs, se eu fosse mulher não reclamaria nem chamaria a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: