O que não se diz…

“Eu te amo” é uma das frases mais emblemáticas da linguagem humana. Tanto que gera muita expectativa, principalmente em relacionamentos românticos. Sally e Somir discutem a verdadeira importância dela. Os impopulares desabafam.

Tema de hoje: é aceitável ficar numa relação duradoura onde o outro não verbaliza o “eu te amo”?

SOMIR

É aceitável ficar em qualquer relação se você sente que ela te faz bem, independentemente das palavras proferidas. Se a relação já está duradoura, não é um “eu te amo” que vai mudar qualquer coisa. Dessa vez nem estou dizendo que sou contra dizer isso, mas acho focar sua atenção numa coisa tão pequena e específica… amor não são três palavras ditas na ordem correta, é um exercício de longo prazo.

Se formos pensar na prática da verbalização, ela normalmente ocorre pela primeira vez antes mesmo do sentimento estar consolidado. Até porque existe um espaço considerável entre achar que ama alguém e efetivamente agir de acordo. É como se dizer “eu te amo” pela primeira vez fosse um reconhecimento do que pode estar chegando, mais do que realmente o reconhecimento de um dos sentimentos mais poderosos e complexos do ser humano.

Tanto que é uma das frases mais mal usadas da história. Pessoas “chutando” o que sentem e torcendo pelo melhor, ou mesmo pessoas usando a frase para manipular o outro e conseguirem o que querem. Como muitas das convenções de relacionamento que temos nos dias atuais, ganhou importância ritualística por ser efetiva para contar histórias e vender produtos e serviços. Não estou botando o sentimento em dúvida, estou só dizendo que as três palavras tornaram-se importantes por tradição.

E nem toda tradição é vista da mesma forma por pessoas diferentes. Por mais que a vida até fique mais fácil se todos nós seguirmos as mesmas, sempre tem que quebra a norma. O que não quer dizer que a pessoa seja incapaz de amar ou mesmo de agir de acordo com o sentimento, quer dizer com certeza apenas que a pessoa não segue essa tradição. O resto é especulação. Existem outras formas de medir o amor que o outro sente por você, e a duração da relação normalmente é um dos melhores.

Então, como começamos o argumento com um relacionamento duradouro, é bem mais fácil medir esse amor, mesmo sem o suporte da frase. Se para você o que conta é a prática desse amor, tem muito o que analisar nessa relação, o suficiente para chegar a alguma conclusão. Não deveria ser um ritual (mesmo muito comum) que deveria balizar a sua decisão sobre a viabilidade daquela relação. Amor se pratica, mesmo que não se fale.

Nada impede que uma pessoa minta um “eu te amo” e muitos dos comportamentos comuns associados por algum tempo, mas é bem complicado fingir isso por longos períodos de tempo, especialmente quando surgem os desafios nos quais é o amor que dá a resistência necessária a um relacionamento. No final das contas, é nas pequenas coisas do dia a dia e na hora do aperto mesmo que testamos o quão poderoso é o sentimento. Um mar de rosas não prova amor, um poema não prova amor, um “eu te amo” não prova amor. Por que nos prendermos a uma tradição específica e não a todas as outras?

Uma pessoa que não verbaliza essa frase específica é incapaz de agir de acordo com o sentimento amor? Isso só o tempo prova. Se você está numa relação onde se sente amado, a outra pessoa não precisa ficar te dizendo isso. Falar “eu te amo” não é exercer amor, é só uma frase que se convencionou falar nesses casos. E, acreditem ou não, existem várias pessoas nesse mundo que não funcionam de acordo com uma ou outra das tradições populares. Bobagem desperdiçar uma delas que você acredita que te faz bem e te dá segurança só por causa disso, não?

E não vamos esquecer que é um dos sentimentos mais complexos do ser humano. Paixão é fácil de entender, mas amor complica muito as coisas. Algumas pessoas podem ficar tão sobrecarregadas com os significados de tudo aquilo que não conseguem verbalizar as coisas de uma forma mais tradicional. O que não impede, de forma alguma, sua capacidade de agir de acordo com o sentimento. Aliás, vamos ser honestos? “Eu te amo” quase sempre é dito na fase da paixão como sentimento mal catalogado e mantido por costume até o verdadeiro sentimento aparecer.

Relações são cheias de nuances e peculiaridades. O encontro entre dois seres humanos gera uma enormidade de possibilidades, justamente porque são duas realidades tentando se unir contra todas as probabilidades cósmicas. O outro é um universo inteiro que você tenta trazer para o seu. E algumas pessoas, por mais que não faça o menor sentido para sua realidade, só querem ou só podem demonstrar amor sem usar essas três palavrinhas. Se você está procurando amor em palavras, não está olhando para o lugar certo.

Dito isso, já fui do time que achava uma bobagem falar isso. Ainda não acho que tenha uma fração do valor de agir de acordo com o sentimento, mas pra algumas coisas da vida é mais fácil seguir convenções. Mas mesmo pensando assim, o centro do ponto é o mesmo: pode ser bacana falar, mas não é o que define amor, de forma alguma! É aceitável ficar numa relação duradoura sem a verbalização específica do “eu te amo”, desde que essa relação tenha o que te faz bem e te dê vontade de continuar cultivando ela.

Porque no final das contas, é isso que importa.

Para dizer que eu não sei amar, para dizer que só quer ouvir as palavras e inventa todo o resto sozinho(a), ou mesmo para dizer que o assunto é ilógico e travar: somir@desfavor.com

SALLY

É aceitável ficar em uma relação duradoura onde o outro não verbaliza um “eu te amo”? Não acho.

Existem dois motivos pelos quais a frase não é verbalizada: 1) A pessoa realmente não tem ama ou 2) A pessoa te ama, mas por alguma trava não consegue falar. Em ambos os casos, considero insuficiente.

Se a pessoa não te ama depois de um relacionamento duradouro, sinceramente, acho que não tem nem o que discutir. Ficar com alguém por acomodação ou pela pessoa ser bacana é pouco, muito pouco, você merece alguém que te ame. Após um longo período de relacionamento, é hora de jogar a toalha, pois se a pessoa ainda não te ama, provavelmente não vai acontecer. Sim, eu sei, é indignante que alguém não te ame, apesar de todos os seus esforços, mas acontece.

Agora vamos supor que a pessoa te ame, mas ela simplesmente não consegue verbalizar. Mesmo amando, acredito que quem não consegue dizer o que sente à pessoa amada tem sérios probleminhas emocionais e manter um relacionamento com pessoas assim é desgastante e frustrante pelos mais diversos motivos. É uma espécie de deficiência emocional, onde a pessoa tem dificuldade em verbalizar o que sente e conversar abertamente sobre sentimentos. Pessoas bem resolvidas não tem essa trava e, depois dos 30, eu recomendo fortemente que vocês parem de investir em pessoas mal resolvidas, pois o tempo e a energia que temos disponíveis cai drasticamente.

É o tipo de coisa que se espera ouvir depois de um tempo de relacionamento, pois mostra que a relação está evoluindo. Acredito que todo mundo tenha um prazo mental para ouvir esta frase e que, ultrapassado esse prazo, um processo de frustração e desgaste comece. Não digo que seja matemático, algo como “se não falar em X meses vou terminar tudo”. É mais um envenenamento lento, onde o silêncio da pessoa dói e vai matando o sentimento dia após dia, até que a coisa acaba ruindo. Uma tristeza progressiva, um desânimo de continuar investindo na relação e uma sensação de menos valia.

Gosto de supor que se você está por um tempo considerável com uma pessoa em um relacionamento você a ama (se está acomodado, bem, repense sua vida). Se você ama essa pessoa, será extremamente doloroso não escutar que ela te ama. É um tapa na cara silencioso cada dia em que isso não é dito. É o sofrimento de um recado implícito: você gosta mais dessa pessoa do que ela de você. Fica desigual, fica escroto, fica sofrido: duas pessoas que estão em páginas diferentes de um relacionamento – ou quando acham que estão. Queiram andar lado a lado, nunca um na frente do outro.

E, como eu já disse, ainda que a pessoa esteja na mesma página que você, se ela não verbalizar isso, fica impossível adivinhar. Ninguém aqui tem bola de cristal para saber o que se passa na cabeça do outro. Por mais que alguns atos indiquem carinho e consideração, que atire a primeira pedra a mulher que nunca interpretou errado uma conduta masculina. São cabeças diferentes, mundos diferentes, depois de uma certa idade você aprende que não dá certo presumir nada, as coisas precisam ser ditas, verbalizadas, conversadas.

Se a pessoa não consegue dizer como se sente, é sinal de que, no mínimo, ela é mal resolvida com ela mesma ou com esse sentimento. Difícil construir alguma coisa quando a pessoa não está em paz com ela e com seus sentimentos. Difícil construir alguma coisa quando o casal não tem abertura para conversar sobre tudo. Provavelmente ficará algo raso, superficial, que não acrescentará muito a nenhuma das partes e vai ruir lentamente com o tempo. Alguém aqui quer investir em algo que vai ruir? Quando falta entrega, todo o resto fica cagado. Relacionamentos com entrega de corpo e alma já são difíceis, imagina um onde as pessoas estão com o pé atrás.

Dizer “eu te amo” é celebrar o outro e o relacionamento, é reconhecer a importância que essa pessoa tem na sua vida, é se posicionar ativamente perante o relacionamento. Relacionamentos são difíceis, demandam empenho, esforço e disponibilidade. Muito escroto dar isso para a outra pessoa e não ter um reconhecimento. Nada pior do que pessoas que ficam passivas, vendo para onde a vida vai levar seu relacionamento, sem tomar as rédeas da situação e dizer em qual página o casal está. Se você acha que seu namorado te ama mas ele nunca falou, cuidado, você pode estar presumindo demais. Aliás, se você acha que está namorando mas ele nunca falou isso expressamente, cuidado em dobro.

Além disso, pode ser que você esteja diante de uma missão impossível: eu não acho que todas as pessoas sejam capazes de amar. Tem gente que, pelos mais variados motivos, não consegue alcançar uma certa intensidade de sentimentos, é gente que vive uma vida inteira em um estado “mais ou menos”, sem fazer força para evoluir, para aprimorar relações, para investir no outro ou sequer sem entender como se sente. Se a pessoa não te ama, ou pior, não sabe se te ama, foi mal, hora de dar tchau. Você merece alguém que tenha muita certeza de que te ama, que te diga isso e que se porte de acordo com isso. Não aceite menos.

Temos também o pior caso, aquele onde a pessoa não sabe se te ama ou não. Francamente, se espera um certo desenvolvimento emocional de um adulto, um grau mínimo de esclarecimento, maturidade e autoconhecimento. “Não sei” é uma resposta inaceitável para um assunto tão importante. Se a pessoa não sabe sequer reconhecer seus sentimentos, deveria passar mais tempo no divã de um terapeuta antes de se envolver com alguém. É como pular em uma piscina sem ter certeza se sabe ou não nadar: se der errado, vai dar bastante trabalho para todos os que estão à sua volta e vai ser um vexame.

Então, seja por não amar, por não saber se ama ou por amar ou não conseguir verbalizar, pessoas que não dizem “eu te amo” depois de um relacionamento duradouro não me interessam. Não quero incapazes, indecisos ou problemáticos a esta altura da minha vida. E você também não deveria querer.

Para dizer que o mínimo que se espera de uma pessoa socialmente adequada é que depois de um tempo diga que ama mesmo sem amar, para dizer que vai dizer agora mesmo para sua namorada que a ama pois não tinha ideia que era algo tão nocivo ou ainda para dizer que amor de cu é rola: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (6)

  • “Após um longo período de relacionamento, é hora de jogar a toalha, pois se a pessoa ainda não te ama, provavelmente não vai acontecer.”

    Nesse momento, toca ao fundo Ciara “If that boy don’t love you by now
    He will never ever, never ever love you”

    Acho válido qualquer coisa num relacionamento, desde que de comum acordo…

    Mas nessa, to com a Sally! Já me envolvi com muitos deficientes emocionais e EU não quero mais isso na minha vida…

    • Não acho válido algumas coisas de comum acordo não. Topar ficar com alguém que não te ama eu não valido nunca, é terapia até aprender a aceitar que merece o amor de alguém.

  • Concordo com o Somir. O “Eu te amo” tem sido usado por tanto tempo de forma errada que, para mim, acabou se banalizando. Qualquer coisa hoje é amor; logo, dizer a frase não quer dizer que o sentimento exista, e a negativa também é válida. Amor é muito mais atitudes do que palavras.
    Acho perigoso quando a Sally afirma que uma pessoa incapaz de amar não consegue evoluir, aprimorar relações, etc. Pra mim, esse trecho deu a entender que, para as pessoas que não amam, a vida é algo incompleto, elevando o amor romântico à posição central da existência humana. Isso não procede, já que é perfeitamente plausível que algumas pessoas passem a vida sem um parceiro. Não devemos condicionar nossa felicidade a outro ser humano (nem mesmo os que conseguem amar!).

    Em resumo: não é ruim ouvir e dizer, mas não é essencial.

    • Larissa, para amar alguém não é preciso ter um parceiro. Você pode amar seus pais, filhos e amigos. Amor é um sentimento amplo.

      O fato do “eu te amo” estar banalizado não autoriza que se vá para o outro lado do extremismo e não se diga nunca, né? Todos os extremos são ruins.

      • Com certeza, Sally. Por isso a minha última frase do comentário. Digo (e ouço) de vez em quando, mas eu sinceramente não ligo se não me dizem (e eu também não digo com frequência), até porque pra mim não é isso que valida a presença do amor na relação, seja ela qual for.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: