Casais felizes me irritam.

O texto de hoje não é bonito. Muito pelo contrário, ele é muito equivocado, nos mais diversos aspectos. Mas é sincero, sincerão. Enquanto é tendência ostentar uma vertente politicamente correta ou ostentar felicidade em redes sociais, na contramão do socialmente aceito, eu venho falar justamente sobre o oposto. Uma espécie de síndrome que me acomete de tempos em tempos, conforme o momento da minha vida e acredito que ataque alguns de vocês também, que eu carinhosamente apelidei de “Casais felizes me irritam”. Feio, né? Muito feio. Mas é fase, fase passa. Pode ser um texto muito feio, mas eu resolvi fazer mesmo assim, pois prefiro coisas feias e sinceronas do que coisas bonitas artificiais.

Quando você não é um casal feliz e queria ser um casal feliz com alguém, casais felizes podem irritar. Não por inveja, não é se deseje que todas as pessoas do mundo sejam infelizes em seus relacionamentos. Não é essa a pegada. É que casais felizes lembram a quem não é um casal feliz que esta pessoa não é um casal feliz, só isso. É como comer uma comida que exala um odor muito agradável ao lado de quem está passando fome. Ninguém quer que ninguém passe fome, muito pelo contrário, o que a pessoa quer é poder comer também.

De forma alguma pretendo justificar este sentimento mesquinho, babaca e infantil, ok? Só quero esclarecer que existe e que é ok que exista, para, quando um dia uma pessoa putaça que esteja passando por isso busque no Google e talvez, quem sabe, encontre algum conforto no meu texto, ao menos sabendo que é comum se sentir assim. Olá pessoa que se irrita com casais felizes: acontece. Não se sinta mal por isso.

Como eu disse, casais felizes lembram a quem não tem essa felicidade que ela existe. Quando estamos em um relacionamento ruim ou até mesmo sozinhos, tendemos a nos consolar com várias mentiras do tipo “relacionamento é encheção de saco mesmo” ou “são felizes em público, mas de perto, na vida privada, ninguém está assim, bem o tempo todo” ou ainda “todo casamento acaba depois de algum tempo”. Não. Tem gente que está feliz. Tem casamento que dura uma vida feliz. Tem casal que está em perfeita sintonia e nunca briga. Casais felizes desconstroem esses argumentos que consolam de forma torta quem não é um casal feliz mas queria sê-lo.

Por isso, venho aqui, por este texto, libertar de culpa todas as pessoas que tem esse sentimento escroto, pequeno, cretino: se você está passando por uma fase amorosa difícil, saiba que você tem o direito de que casais felizes te irritem. Não tem o direito de fazer nada, absolutamente nada contra eles. Mas de sentir irritação? Sem dúvidas. O sentimento e o pensamento são livres.

Aqui, uma ressalva importante: tem que ficar apenas no pensamento. Dá vontade estar no fundo do poço com companhia? Dá vontade, pois pessoas emocionalmente pancadas da cabeça ficam com seu discernimento um pouquiiiinho comprometido. Dá vontade de bater no ombro da menina que tá trocando beijo apaixonado com o namorado faz quinze minutos na sua frente e dizer “Tá ligada que provavelmente ele te trai, né?”. Dá vontade. Baixa um demônio da discórdia em as pessoas que sentem isso. Mas a gente faz? Não faz. Não somos más pessoas, somos apenas seres humanos passando por uma fase difícil. Para que uma pessoa seja boa, não é necessário que ela tenha sentimentos e pensamentos bons 100% do tempo, todos nós temos um lado ruim, os bons são os que conseguem contê-lo.

Curiosamente, quanto maior a sua vontade de ser um casal feliz, mais a vida te humilha. Quando você descobre que a prima da sua amiga, que tem Síndrome de Down, vai casar e está em um relacionamento muito feliz, onde o futuro marido faz tudo por ela, dá aquela profunda indignação, não dá? Dá, dá sim. Você pensa coisas politicamente incorretas como “até a retardada é feliz no amor só eu que não sou”. Pensa sim. Mas não fala jamais. No fundo a gente sabe que é um surto, que é feio e que é errado. Só não podemos evitar de sentir. E é ok sentir, pessoas que odeiam casais felizes, eu os absolvo!

Nessa fase de querer ser um casal feliz e não conseguir acontece um estranho fenômeno: quanto mais mal sucedida está sua vida amorosa, mais casais felizes aparecem na sua frente. Parece que Satanás pensa “Hmmmm, vou testar a paciência desta pessoa!”. Aí você começa a presenciar todo tipo de declaração de amor fofa, criativa e cinematográfica. Geralmente envolvendo justamente os pontos nos quais você está mais carente. Parece que o Universo escolhe a dedo as situações que mais te darão um tapa na cara.

Se você tem um namorado pão duro e esta infeliz no relacionamento por isso, pode apostar que o namorado da sua melhor amiga vai dar um carro para ela de presente. Se o infeliz que está com você não te trata como prioridade, o namorado da sua prima vai doar um rim para ela como prova de amor, ainda por cima dizendo que daria o coração se preciso. Se você está sozinha e não consegue conhecer ninguém interessante ou que preste, sua irmã vai esbarrar no amor da vida dela na fila do mercado. Minha Amiga, Meu Amigo, o Universo é troll, é quando a vítima é você, nada mais normal do que se irritar.

É um efeito dominó que não há autoestima que sobreviva. Coisas maravilhosas começam a acontecer com todos os casais que estão no raio de 5km à sua volta. Todo tipo de demonstração pública de afeto te cerca. Você toma conhecimento das maiores provas de amor possíveis que conhecidos receberam. Com todo mundo. Com todo mundo no mundo, menos com você, pois você é uma merda, você não merece, você está tomando uma sacaneada do Universo e, pior, tem que aguentar em silêncio. E ela vai durar o bastante para que você passe por todos os estágios da humilhação social: pena, ter sua vida pessoal debatida, com direito a sugestões que não foram pedidas, perguntas inconvenientes e até aquela clássica presunção de que o problema está em você.

Para piorar, parece que desce um Exu Romântico em todos os homens comprometidos das redondezas, que resolvem fazer grandes gestos como prova de amor para seus pares. Resta ficar ali, fazendo cara de paisagem, disfarçando um incomodo que não é socialmente aceitável. E, sinceramente, não entendo por qual motivo não é aceitável. Se tem uma amiga sua fazendo dieta e você come um hambúrguer na frente dela, narrando em detalhes o quanto está delicioso, grandes chances dela reclamar e da sociedade achar que foi falta de consideração. Mas tudo bem, coerência nunca foi o forte da nossa sociedade.

Mas a sacanagem do Universo não para por aí. Nos cinemas próximos a você só passarão filmes românticos. Seus amigos estarão todos comprometidos e só farão programas de casal. Datas ou eventos se aproximarão, de modo a expor de forma clara e cristalina para amigos, colegas e família que você queria ser um casal feliz mas não é. Durante algum tempo, tudo dará certo para todo mundo em matéria de relacionamento, menos para você.

E as pessoas cutucarão a ferida. Se o seu namoro está mal, desmoronando, vão perguntar por qual motivo seu par não foi com você a um evento. Vão ficar perguntando pela pessoa, como estão as coisas, porque né, não teria graça deixar criar uma casquinha e cicatrizar, bom mesmo é cutucar e fazer sangrar. Se você estiver sem ninguém, vão ficar perguntando “e o namoro?”, vão te dizer que você é muito exigente por isso não encontra alguém e, pode ser que algum débil mental inclusive te sugira usar algum aplicativo estilo Tinder. Ato contínuo vão contar sobre alguém que conheceu alguém muito maravilhoso e engatou um relacionamento perfeito.

E não adianta tentar uma proatividade e se empenhar em arregaçar as mangas e resolver: pessoas nessa fase só atraem coisa ruim. Vai atrair merda. Para atrair pessoas boas, temos que estar inteiros. Ou seja, não há saída, não há felicidade, não há luz no fim do túnel (e se houver, pode ter certeza que é um trem, para atropelar). Tem que amargar esta fase de bosta e, ainda por cima com um sorriso no rosto, pois não é bacana se irritar com casais felizes. Só quando ela passar e a pessoa estiver inteira novamente ela estará apta a atrair e se relacionar de forma saudável.

Ver um casal feliz esfrega na cara que outras pessoas tiveram mais sorte/competência, lembra que uma longa e árdua busca continua para achar uma agulha em um palheiro, levanta o questionamento de que, talvez, o erro esteja em quem está sozinho, afinal, todo mundo está bem resolvido e feliz, até mesmo uma pessoa de 1,30m com Síndrome de Down. É normal se emputecer, é normal se chatear, é perfeitamente aceitável se irritar. Estranho seria é estar ok com tudo isso.

Da mesma forma que não se conta dinheiro na frente de mendigo e que não se come uma refeição na frente de quem está passando fome, também não se ostenta uma vida em casal feliz perto de quem está na merda. Não espero esse cuidado vindo de ninguém, duvido que alguém concorde comigo ou se dê ao trabalho de pensar no próximo, mas porra, então que seja dado o sagrado direito de que as pessoas se irritem com casais felizes.

E, sim, no momento, casais felizes me irritam.

Para me mandar uma foto sua bem feliz com seu namorado, para confessar que casais felizes também te irritam ou ainda para não comentar nada por estar com bastante medo do meu destempero emocional: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (41)

  • Me identifiquei super,cada vírgula, muito o que eu tô passando, mas tenho esperança de dias melhores, pq já estive do outro lado, já fui o casalzinho feliz invejado, mas a vida é de altos e baixos neh

  • Depois de anos, venho comentar aqui. Casais felizes também me irritam, e eu mesma já presenciei um: Eu gostava de um sujeito e era amiga de uma garota (Batizo-os de X e Y), daí Y também era interessada em X, e perguntou se eu ainda estava de olho nele. Boa amiga que sou, disse que não, que já estava bem resolvida. Resultado? Bem perto do dia dos namorados, começaram a namorar e exaltar como estavam felizes, X só falava com ela e nunca mais falou comigo, Y fazia aqueles textos massivamente grandes de amores e postava no Facebook, no Instagram…Qualquer rede social existente, a porra daqueles textos amorzinho estavam lá. Eu chorei e pra caralho, ainda tendo que aguentar as piadinhas toscas de que eu era indesejável pra qualquer um. Hoje em dia eles terminaram, X sumiu do mapa e Y arranjou um marido, foi o momento mais satisfatório da minha vida.

  • Hahaha Adorei qdo vc diz que escreveu o texto pra procurar esse termo no Google: euzinha!! Passei a odiar casais felizes qdo meu casamento ficou ruim (depois q os filhos nasceram…. triste isso…) O q mais me acalentou no seu texto foi vc ter dito que é uma fase! Justamente no que eu acredito!! Quando as crianças crescerem um pouco mais, acredito que voltarei a ser um casal feliz!! Obrigada pelo texto!!

    • Ana, a coisa se resolve de uma forma ou de outra: ou fica bom novamente, ou fica ruim e separa e daí ambos serão felizes com outras pessoas.

      Meu conselho é: se não está bom agora, senta, conversa, resolve. Não fica esperando fatores externos como crescimento dos filhos. Seja feliz hoje.

  • Realmente, estou muito irritada com casais felizes, quando penso que vou ter umas horas de distração com minha família, como nos velhos tempos, sempre surge a outra parte do casal pra querer compartilhar junto. Um saco! Estou me convencendo que nunca mais poderei contar com ninguém para nada, somente com meus cachorros, já que a pessoa que prometeu ficar comigo até o fim, não cumpriu isto, será que sou tão desprezível assim? Se não houvesse consequências iria acabar com tudo isso logo, está cada vez mais insuportável, estou me sentindo cada vez mais irritada.

    • Isso passa, relaxa. Novas pessoas vão entrar na sua vida (por mais que pareça que não) e um dia você vai rir disso tudo.

  • Casais felizes são um cu.

    Eu e o meu não casal feliz, ficamos zoando no Instagram os “casais felizes” que vivem de amorzinho.

    Outro dia fomos numa festa e tinham vários casais que eu conhecia e ele não. Todos bem grudados e de amorzinhos e nós dois cada um na sua conversando com as pessoas. Chegamos em casa e ele comentou como o povo é diferente da gente, que ficam de abracinhos e beijinhos e a gente não faz isso. Mas aí eu revelei a verdade por trás daqueles casais e ele entendeu a farsa dos casais felizes.

    Não existe!!!

    • Pois é, eu, quando estou em casal, nunca faço a linha “casal feliz” que ostenta, me parece bastante artificial essa necessidade de passar uma mensagem ao mundo sobre o seu relacionamento.

  • O único ponto a retocar neste texto é o seguinte: não, não existe casal perfeito, 100% do tempo em sintonia. Existe, sim, casal que apenas passa essa imagem (e muitos fingem isso muito bem!) ou aquele casal em que um se anula tanto a favor do outro que daí uma falsa sintonia perfeita aparece, mas à custa do outro se apagar completamente. Atrito em relacionamentos é tão natural quanto respirar; e se o mesmo supostamente não existe, fatal que há algo muito errado nele…

      • Sem dúvida! E os que duram uma eternidade nessa dinâmica é porque se acostumaram tanto a se anular que nem ligam mais pra isso ou, pior, ficam remoendo essa anulação numa amargura perene que escondem bem, apesar de lhes destruir a vida, preferindo, entretanto, isso a ficarem sozinhos. É muito louco, mas lhe asseguro que é assim…

  • Há alguma orientação para alguém que é um casal feliz não ser um fdp (mesmo que sem querer)com o amigo que não é?

    • Acho que passa por uma questão de bom senso mesmo. São coisas que eu não faço mais por adequação social do que pelos outros, como por exemplo, não ficar se agarrando em público, na frente das outras pessoas…

  • Vivi esse texto, cada vírgula dele, durante anos e anos da minha vida… Com todos os sentimentos mais pequenos e mesquinhos possíveis! Mas concordo muito com a EDESS… Melhorou quando eu desencanei, fiquei de boa, saía de boa com meus amigos que eram casais felizes (sempre tive uma vocação pra vela! hahaha)… Ouvi até um “Nossa, vc é tão diferente! Parece que nunca tá procurando ninguém, e tá tranquila com isso!” de uma pessoa próxima.
    E foi nessa fase que encontrei a minha metade do casal feliz!

    Então, aguenta firme que vai passar, Sally!! Vc é uma pessoa boa demais pra não encontrar o seu casal feliz!
    Logo vc se recompõe, e volta a ser a pessoa inteira gigantesca que vc é! S2

  • “Se você está sozinha e não consegue conhecer ninguém interessante ou que preste, sua irmã vai esbarrar no amor da vida dela na fila do mercado.”

    Me resumiu! Minha irmã vai noivar, futuramente casar e ela tem um relacionamento “perfeitinho” com o namorado dela! E pra mim só sobra gente chata, desinteressante, fútil, que não sabe conversar direito… É foda!

    Me identifiquei com o texto! Tô bem nessa fase de achar casais felizes um saco! Pior que você ainda tem que fingir que tá “feliz” também (ainda mais quando é com pessoas próximas)!

  • Sim, essa fase passa. Mas nem sempre é quando se acha um par para ser um “casal feliz” e começamos a pensar : “ok mundo, agora estamos quites!”
    Acontece quando não é mais nem relevante e nem necessário pra si mesmo, independente de alguns comentários do tipo: “nossa, mas você não está com ninguém, um ficante, um paquera sequer??”.
    Acontece quando já não há mais ou expectativa, ou interesse; quando nem percebemos ou não sentimos essa ausência, fica normal.
    Bom, comigo foi assim…estou há anos sem ninguém e estou bem , vida tranquila e faço tudo, o que gosto e o que preciso, e nem percebo mais os “casais” em geral (felizes ou não), passam longe do meu radar.
    Ah sim, tive bons relacionamentos, outros nem tanto, mas não dá pra reclamar, e ficar sem ninguém também é bom, tem encantos peculiares.
    Acho que a Sally tá certa, a população da RID é ruim em flertar….rsrs, ao menos nunca li um xaveco nos comentários.

    • Vocês são um fracasso no flerte, é lamentável!

      Estar bem sozinho é ótimo, também já fiquei sozinha e feliz por anos. Porém uma hora cansa… nunca se cansou não?

  • Eu aprendi por observação que quanto mais o casal mostra que está feliz, seja em redes sociais ou na vida real, o término está próximo. Eu até me espantava quando ficava sabendo da notícia, tipo “como assim terminaram? Pareciam tão felizes”. Enquanto que conheço casais que só faltam se matar e estão juntos a milênios. Desde então não acredito em declarações de amor, prefiro que calem a boca e vivam suas vidas. Eu te entendo muito bem Sally, até porque sou o fracasso em pessoa em relacionamentos, já desisti até. E sim, bate uma tristeza quando vejo casais felizes, porque sei que não serei um. enfim, talvez isso passe, pois a vida é uma mudança constante ne?

    • Quem disse que você nunca será? Não existe isso. Pare de pensar assim, tem muita gente bacana pelo mundo e aqui no Desfavor também. Aliás, nesses nove anos, que eu saiba, nunca emplacamos um casal. Vocês são um fracasso no flerte, hein?

  • É a lei da atração, igual nunca me chamam pra nada, mas basta começar dieta que vem gente até do inferno me chamar pra festa e sair pra comer! Minha vizinha tentou anos engravidar, depois que adotou e se desligou da ideia fixa, engravidou rápido 2X. Aprendi que a pessoa atrai pra vida aquilo que não quer, exatamente por pensar com mais força.

  • “E não adianta tentar uma proatividade e se empenhar em arregaçar as mangas e resolver: pessoas nessa fase só atraem coisa ruim. Vai atrair merda. Para atrair pessoas boas, temos que estar inteiros. Ou seja, não há saída, não há felicidade, não há luz no fim do túnel (e se houver, pode ter certeza que é um trem, para atropelar). Tem que amargar esta fase de bosta e, ainda por cima com um sorriso no rosto, pois não é bacana se irritar com casais felizes. Só quando ela passar e a pessoa estiver inteira novamente ela estará apta a atrair e se relacionar de forma saudável.”

    Essa foi a parte que aprendi na prática. Quanto mais em busca de melhorar essa situação, pior ela ficava, encontrando cada vez mais pessoas que não queriam ser um casal feliz comigo!
    Foi bom o toque sobre ostentar felicidade, porque quando felizes, esperamos demais das pessoas mesmo. Achamos que independente da bosta na qual ela estiver, por ser um amigo nosso, vai ficar verdadeiramente contente com nossa felicidade. Quem dera que nós conseguíssemos ser tão bons assim.
    Espero de coração que essa fase de odiar casais felizes passe logo para você, Sally.

  • Olha a coincidência: antes da minha visita diária ao Desfavor, li esta matéria e ia postar aqui mesmo que fora do tema do dia, pois achei a cara de vocês! Eis que leio o texto de hoje e vejo que não está tão fora assim, kkkkk… Espero que pelo menos sirva pra te divertir um pouco, Sally…

    http://tudodobem.ig.com.br/conheca-a-primeira-participante-com-sindrome-de-down-a-concorrer-ao-miss-usa/

    Mas, voltando ao tema de hoje, sei que é uma fase chata, mas é normal, e passa! Certeza que logo é você quem formará um “casal feliz” com alguém e causará a irritação de outrem, é o ciclo da vida. Fique bem! =)

    • Essa notícia me embrulhou o estômago, é uma das maiores demonstrações de pena que eu já vi. Só eu achei super constrangedor o que fizeram com essa menina???

  • Casais felizes não me irritam; talvez porque a felicidade, em regra, é feita de momentos fugazes.

    O que me irrita, de fato, são casais que insistem em parecer felizes, e ostentar essa felicidade para o mundo todo. Parece que não vivem para ter felicidade, mas sim para mostrar que estão felizes – o tempo todo.

    Fica parecendo, sei lá… falso demais?

  • Gente, este texto veio a calhar! Outro dia mesmo estava conversando uma dessas “conversas sobre a vida” com uma amiga, e disse pra ela que meu pecado capital, depois da avareza, é a inveja. E justifiquei que não é bem inveja no sentido de “quero destruir o que é teu porque eu não tenho”, como naquele conto do pintinho, de Clarice Lispector; mas sim é aquela inveja do tipo, “poxa, que inveja de tu aí que tem uma vidinha perfeita, que tem um namoradinho pra andar de mãos dadas no parque com teu cachorrinho peludo no final de semana, e eu aqui sem nada, que inveja de ti e que raiva desse mundo injusto!…”.

    • Não acho que seja inveja. Acho muito saudável que você fique chateado. Gente com autoestima baixa, que não se acha merecedora de amor nem de felicidade, não se chateia nessas situações, acha que mereceram aquilo de alguma forma. Nós não, nós sabemos que merecemos mais e por isso nos chateamos. É um bom sinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: