UFC – Salvador

Você não pode deixar de perder o novo vídeo do desfavor: nós narrando e comentando pessoas bêbadas saindo na porrada no carnaval de Salvador. Chupa, Anitta, a gente sabe descer bem mais o nível.

A senha é desfavor.

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comentários (19)

  • Fui pra Salvador em 2012 visitar parentes. Perguntei inocentemente ao marido da minha prima sobre o tal Carnaval, pois tinha curiosidade de ver, apesar de detestar Carnaval. Ele pediu que eu esquecesse as imagens da televisão. É caótico, elitista. Bloco só pra quem tem grana. Um duro, lascado de grana vai pra Pipoca. Quem se atreve em ir pra Pipoca é porque não tem amor à vida. Dificilmente você vai ser roubado, porque o risco mesmo é de apanhar até à morte. Se armam de paus, pedras, facas, armas de fogo. E o motivo é esse mesmo: Brigam por merda nenhuma!

    Vi uns vídeos a uns tempos atrás, engraçado são os “artistas” em cima do trio, pedindo pra Polícia não agir com truculência contra os agressores.
    Festa de merda.

  • Sally e Somir, é por isso e outras coisas que digo que vcs me representam! É isso mesmo, a capital mais selvagem do Brasil (que já é uma selva de gente per se), e no dia a dia não é muito diferente não… As péssimas maneiras, os péssimos modos do BM mais terrível do país são conhecidos por todos. O carnaval é um reflexo do povo, e pensar que há poucas décadas (embora Salvador nunca tenha sido lá grande coisa em termos de vida em sociedade) as pessoas pelo menos tinham um certo decoro, hj perderam de vez a vergonha de mostrar a selvageria que andava inculcada e reprimida. Como se diz por aqui, “barril dobrado” esta situação. Me sinto um ET nesta cidade, um horror que tenha chegado a este ponto.

    • Você saberia explicar de onde nasceu esse hábito de brigar gratuitamente, de ter na briga aleatória uma diversão? Tenho a maior curiosidade de entender isso…

  • Caralho… O que é isso que eu acabei de ver? Assustador ver tanta gente se portando de forma tão animalesca! O Brasil real é isso aí mesmo. Que merda… Punhaladas com prendedor de cabelo, homem batendo em mulher e mulher batendo em homem, chutes que são verdadeiros “tiros de meta” na cabeça de quem já caiu no chão nocauteado, uns e outros querendo brigar sacudindo os braços feito aqueles bonecos Lango-Lango, agressões com espeto de churrasco, PM distribuindo porrada indistintamente… Tudo isso acontecendo enquanto essa coisa abominável chamada axé toca sem parar a todo volume e todo mundo em volta nem se importando com essa selvageria. Afinal, porrada lá já “faz parte do programa”, né? E pensar que tem gente que paga – e caro – pra ir num lugar desses…

    É… Quem precisa de inferno quando se tem Salvador?

    • isso, por motivos de: no meio disso tudo tem também muita promiscuidade, se consegue sexo fácil. Quão merda tem que ser uma pessoa para se sujeitar a esse entorno em nome de conseguir fazer sexo?

  • Fico impressionada com a capacidade de resistência do pobre. Tomam chutes na cabeça, socos na cara, facadas no baço e não morrem. Eu se cravar um espinho no pé morro de sepse.

    • Adoro quando o cachorro se emputece e ataca as pessoas que estão brigando…

      Olhe novamente. Tem cachorro em vários momentos, só que eles estão na forma de espetinhos.

  • Que fantástico! Aqui no RJ se briga por causa de futebol, lá é por causa de nada. Chupa, Rússia! Aqui é BR, caralho! Mas uma coisa que me amarrei foram nos poliça. Aprendam, bundões cariocas, como se trata delinquente! E as munas, cara? Quanta energia! Chupa Gracyanne!

  • Eu achei interessante a dancinha. Ele convida, se o outro dançar também, a porrada canta. Aqui a porrada vem sem aviso.

  • Muito bom !!!
    Brigar por diversão é muito comum no Brasil . No Rio tinha o baile de corredor q era divido em lado A e B. Sally, na época q morava em salvador vc participava de grupo de danças ? Libera uns vídeos aí pra gente rs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: