Vamos continuar nossa tradição do Bolão das mortes e desfavores em 2018, mas Sally e Somir entraram numa discussão sem fim sobre a mecânica de premiação. Os impopulares decidem o que querem ganhar (se ganharem).

Tema de hoje: o Bolão de 2018 deve ter premiação individual ou coletiva?

SALLY

O esquema de premiação do Bolão deve mudar? Sim. Depois de nove anos, uma mudança será positiva.

Hoje o sistema do Bolão é individual: quem acerta mais ganha. O prêmio é igualmente individual, apenas o vencedor obtém algum bem ou uma vantagem. É bacana, é uma forma clássica, tanto é que funcionou por tosos estes anos. Mas porra, já deu, né gente? Nove anos fazendo a mesma coisa!

Para comemorar o décimo ano de Desfavor queria fazer uma coisa diferente, que, além de inovar, vai obriga-los a exercitar estratégias diferentes: um prêmio coletivo, vencido de forma coletiva. Vou explicar melhor.

Na nova proposta a coisa funciona da seguinte forma: todos os acertos de todos os apostadores serão somados e, quanto mais acertos, mais chances de chegar ao prêmio final. Não, não será um bem ou, como foi este ano, um poder. O prêmio final é uma foto nossa, do Somir e minha. Uma foto real, sem truques. Aqueles que nos conhecem pessoalmente poderão atestar que de fato somos nós.

Assim, em vez de competir um com o outro, todos terão que trabalhar juntos. A estratégia vai mudar. Quanto mais diversidade de palpites, maiores as chances de vocês pontuarem alto. Quanto mais pontos, mais perto de abrir nossas fotos vocês chegarão.

Começaremos com uma grande imagem, que será disponibilizada a vocês, onde estarão dezenas de personagens famosos da história do desfavor, todos com seus rostos cobertos. À medida que vocês forem acertando, somarão pontos e começarão a descobrir os personagens, de fora para dentro: Rafael Pilha, Alborghetti, Tillikun, etc.

Todos começarão cobertos e, conforme vocês forem pontuando no bolão, eles serão descobertos um a um, até chegar na nossa foto. Somir e eu seremos os últimos, ou seja, para liberar a nossa foto, vocês tem que ter aberto todo o resto. Não colocaremos uma quantidade de acertos absurda que inviabilize a vitória, podem ficar despreocupados. Além disso, só de bônus, lançaremos alguns desafios durante o ano que, se cumpridos, valerão pontos extras para desbloquear as fotos.

Somir não quer, por diversos motivos. Um deles se chama “preguiça”, já que ele vai ter que fazer a parte gráfica. Ele também alega que teremos problemas se a minha foto vier a público, pois talvez alguns leitores não me tratem com o mesmo respeito que me tratam hoje. Ele ainda acha (sem fundamento) que pode atrair um público que venha aqui só pela aparência, sem preocupação com conteúdo.

Meus queridos… quem é que vai ver esta porra desta foto além de vocês? Sério mesmo que vocês acham que algum elemento desse naipe vai aturar Desfavor, quatro páginas por dia, só por ter visto uma foto? Porra nenhuma. Deixamos a foto no ar 24 horas, vocês dão um print e depois apagamos. Quem tinha que ver vai ver. Não somos tão importantes assim para que essa foto corra as redes sociais. Menos, bem menos.

Grandes merda uma foto nossa? Sim, grandes merda, para quem é leitor eventual. Mas, no contexto do nosso blog, onde conseguimos o notável feito de manter nossa identidade em segredo por dez anos, esta foto tem um valor sim, para quem é leitor assíduo, que é quem queremos prestigiar. Não que sejamos belíssimos ou que a humanidade precise ver o nosso rosto, só achamos legal que, por mérito de vocês, possam ver com quem andaram falando por tantos anos.

Colocar fotinho de presente não seria a nossa cara, vocês sabem, a gente é do time da meritocracia. Vocês vão ter que ralar para conseguir, ou performando muito bem nas apostas, ou complementando com missões durante o ano. E estas missões não serão necessariamente coletivas, basta que um Impopular consiga e todos pontuam. Essa é a magia de um gamification no modo cooperativo: fica fácil de obter pontos.

Vamos sair da zona de conforto? Já deu apostar nos moribundos e idosos e torcer para que o seja o seu a morrer, assim você ganha um troféu. Estou sugerindo algo que, apesar de imaterial, tem muito mais valor do que uma estatueta: nosso maior segredo durante estes anos todos. As chances de ganhar quando se unem esforços sempre são maiores, vocês realmente não tem nada a perder. No modelo em que está, é basicamente a sorte que define o vencedor.

Teríamos que fazer uma pequena alteração nas regras do Bolão nesta nova versão: ficam excluídos aqueles 2 pontos de bônus para quem postar nos primeiros dias. Além disso, cada acerto gerará um número determinado de pontos, isto é, se dez pessoas apostaram na morte do Pelé, os pontos destas dez pessoas serão computados para abrir partes da imagem. Mas, vamos manter a regra de pontuar mais quem acerta sozinho. A medida que os votados forem morrendo e vocês forem pontuando, vamos abrindo em tempo real as imagens durante o ano, ou seja, a apuração do bolão será feita gradualmente, em tempo real. Cada conquista liberará uma carinha conhecida.

Claro, algumas categorias terão que esperar até o final do ano para definir a pontuação, afinal, só saberemos qual foi o pior do ano quando o ano acaba. Então, vocês provavelmente ganharão uma grande quantidade de pontos em 31 de dezembro de 2018, se performarem bem durante o ano, no final do ano conseguem vencer.

Vamos fazer diferente em 2018? Prestigiem quem pensa fora da caixinha e está sempre quebrando a cabeça para trazer novidades…

Para dizer que tanto faz pois nunca aposta, para dizer que prefere dinheiro como prêmio ou ainda para dizer que seria o álbum de figurinhas mais demoníaco que você já viu: sally@desfavor.com

SOMIR

Nunca fui muito fã do conceito de mérito coletivo. Acho um esconderijo para preguiçosos e incompetentes. Claro que não estou fazendo pouco do trabalho em conjunto, mas mesmo ele é a soma de méritos individuais apesar dos elos fracos que sempre existem em qualquer time. O todo merece ser celebrado sim, mas premiação tem que ser individual. O valor é maior.

Temos um sistema funcionando nos nosso bolões: os melhores vencem e são recompensados. Sistema simples e funcional, testado pelo tempo. Quem se esforça para pensar um pouco nos seus palpites entende que bolão não é um mero jogo de azar: apesar de depender de eventos aleatórios, ganha com mais consistência aquele que entende e otimiza o funcionamento das partes não aleatórias. Está mais para Pôquer do que para Roleta, por assim dizer.

Não é que a ideia de fazer todos trabalharem em prol de um prêmio seja terrível por si só, mas enfraquece o esforço pessoal daqueles que tentam dar palpites mais certeiros. Vai premiar junto quem escreveu qualquer porcaria ou mesmo quem nem se deu ao trabalho de participar? É meio como pagar impostos para que gente vagabunda sobreviva (vulgo a classe política). Não estou inclinado a aceitar essa forma comunista de divisão dos frutos de poucos em prol de muitos. Obviamente não estou usando o poder de veto que tenho, senão este texto jamais seria escrito, mas aconselho vocês a ficarem no modelo meritocrático pessoal.

Sem contar que prêmios coletivos tendem a iniciar um processo de responsabilidade difusa, aquela mesma característica da mente humana que faz com que multidões observem alguma injustiça ou covardia acontecendo diante de seus olhos sem que ninguém tome uma atitude. Quando o ser humano não sabe se a responsabilidade de agir é dele, fica tudo muito confuso, tendendo à inércia. A partir do momento que todos souberem que o prêmio depende de trabalho coletivo, algo se quebra na hora.

Cidadão ou cidadã vai achar que nem vale a pena se esforçar nos seus palpites e nas tarefas que vão surgir com o passar do ano, porque outra pessoa vai resolver por ela. Eu temo por um fracasso retumbante baseado na minha falta de fé na humanidade. Quer apostar que vai ter gente repetindo palpites dos outros por pura preguiça de ler os que vieram antes? Quer apostar que vai ter palpite piada que obviamente não será contabilizado no placar final?

E é uma tendência histórica do desfavor, somos uma comunidade que lê, mas raramente comenta, que não se empolga muito em participar de projetos coletivos (adivinhem o que morreu de novo?), que gosta muito mais de consumir o conteúdo que disponibilizamos do que de efetivamente participar. Nem estou brigando, se essa realidade nos incomodasse já teríamos pulado fora faz tempo, mas estamos firmes e fortes indo para o décimo ano de desfavor, e todos mais que se seguirão.

Mas a verdade é que quando a força motriz de um projeto não vem diretamente de mim ou da Sally, fica tudo meio largado. Eu não acho uma excelente ideia gerar um projeto coletivo nesse ambiente, mas não nego que até me empolgaria em trabalhar para torná-lo interessante e bem feito caso vocês se empolgassem também. Só que eu acho que vai ser um festival de empurra-empurra de responsabilidades que vai terminar numa pontuação pífia no final do período de contagem. Não seremos revelados e vai ficar aquele gostinho de fracasso justamente no bolão dos 10 anos de desfavor. Anticlimático, não?

Para não deixar ninguém de mão abanando, eu tenho um plano alternativo: para comemorar essa marca impressionante do desfavor, eu pretendia montar um troféu muito mais ambicioso que os anteriores para premiar o(a) vencedor(a) do bolão 2018. Provavelmente com alguns brindes únicos (e bota únicos nisso) vindos no pacote. Assim, quem realmente estiver no clima de participar sabe que vai receber algo físico para guardar em casa (segurando a porta ou servindo para bater no cachorro ou nas crianças) como recompensa para esse esforço. Só vamos fazer 10 anos uma vez!

O que também permitiria toda a parte estratégica do bolão de volta: tentar pontuar sozinho com palpites diferenciados, duplicar barbadas para evitar que alguém ganha sozinho nelas, quebrar a cabeça para tentar prever alguma das categorias extras pelo clima do mundo… não é jogo de comadres, é a boa e velha guerra entre pessoas que tão bem faz para esse mundo. É na competição que demonstramos nosso melhor! O prêmio coletivo é um convite à preguiça, o individual é um à evolução pessoal!

Tudo bem que o prêmio coletivo tem que ser maior e vai revelar o que aposto que muitos de vocês tem pelo menos curiosidade de ver, mas caso aconteça o inimaginável e vocês consigam trabalhar em conjunto, meio que acaba com a mística depois disso, Sally e eu somos seres humanos normais, com dois olhos, dois narizes, doze orelhas e uma boca!. É grande na hora, mas depois, não muda muito as coisas pra você. O prêmio individual vai ser seu até você não ter mais lugar pra guardar e jogar fora! O que vocês decidirem eu acato, mas vale o aviso: é um risco enorme ter um prêmio que ninguém pode acabar ganhando…

A votação nos comentários vai até dia às 23:59 do dia 04/01. O novo bolão será lançado no dia 06/01.

Para dizer que eu estou com vergonha por ser feio, para dizer que eu estou com ciúme de mostrar a Sally, ou mesmo para dizer que oferecer brinde em ano eleitoral é crime: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (21)

  • Eu nunca acerto bolao nenhum então achei ótima a ideia de me escorar nos outros e ver minhas chances aumentadas. To com a Sally!

  • A Sally pensando no coletivo e o Somir no individual. Na minha empresa nem pra fazer bolão da mega da virada conseguiram. Cada um preferiu fazer joguinho simples sozinho e não ganhar, do que se unir, apostar mais números e talvez todos ganharem.

  • Muitos argumentos a favor e contra, a maioria bons.
    Então façam um coletivo e um individual, sendo que a foto seria enviada apenas para o e-mail de quem participou, dessa forma evita que todos se beneficiem do empenho de alguns.
    Gostei da ideia dos desafios ao longo do ano, pode ser legal para manter a empolgação.

  • Não me sentiria bem participando pouco ou nada (ou errando feio) e recebendo tudo em cima da boa vontade e da perspicácia dos outros.

    Seria como ganhar medalha mesmo chegando em último ou ser a mongol ganhando concurso de miss. Isso me deixaria down. Não obrigada.

  • Avatar

    Leane Lorguetie

    Acho a idéia da Sally interessante, mas ainda prefiro a premiação individual. Seria uma boa se fosse possível fazer os dois, premiação individual e coletiva.

  • Concordo com Somir. Pra citar um exemplo, meu troféu do Bolão está bem a mostra na minha prateleira. Gostei muito da idéia da Sally, mas não creio que vá funcionar na prática.

  • Concordo com o Somir. Eu mesma estou aqui desde o começo e quase nunca comento. Deve ter muitos como eu, que acabarão se beneficiando da participação de alguns (como costuma acontecer em trabalhos em grupo).

  • Acho a ideia de premiar individualmente mais meritocrática, e, quanto a foto, acho que ainda teremos algumas oportunidades de obtê-lá, através de castigos e etc! haha

  • É claro que vão mostrar foto, devem estar até com projetos ao público, tipo uma série etc…
    Gostei da ideia de dar 2 prêmios, um do grupo e um personalizado a quem acertar mais.

  • Concordo com o Somir. Mas se for feito como a Sally propõe, é justo que o prêmio seja entregue somente a quem participou, caso contrário, quem não é muito participativo não se sentirá instigado a participar e ainda será beneficiado se os impopulares vencerem o bolão.

  • Vamos brincar de trabalho em grupo desta vez! Hehehe Se bem que eu queria tee ganho daquela vez, só pra tomar umas cervejas com Tomir e Alicate. A União faz Açúcar. Bora, cambada!

  • A ideia da Sally é muiiito legal na teoria, mas na prática acho q o Somir tem razão. Um exemplo de trabalho coletivo que não vingou, infelizmente, foi o Fórum. Eu entrava mensalmente e só nos primeiros meses tinha umas poucas novidades.

    E se for decidido pelo prêmio individual, acho q o vencedor deveria ter como prêmio (ou parte dele) ver a foto de vocês, ou conhecê-los, como foi no penúltimo Bolão.

  • Porque não um prêmio individual e um coletivo? Nós pontuamos durante o ano enchendo o potinho virtual com tokens pra desbloquear a foto, ao mesmo tempo a pontuação individual é contabilizada e o que mais contribuiu com o grupo ganha o super prêmio misterioso do Somir.

    Mas, sem essa opção, eu voto no prêmio coletivo, principalmente pelo adendo dos desafios durante o ano. Apesar do meu desempenho pífio em todos as edições que eu participei, eu sempre fico ansioso pelo resultado do bolão. Desafios só vão deixar o negócio mais interessante.

  • O prêmio é legal, mas trabalhar em grupo…. não tem graça, não vai ser especial e quem não participar vai ter o benefício de qualquer jeito. Mesma coisa daquele dia do troll que alguém ganhou um áudio. O prêmio perdeu o valor pois logo depois todos tivemos acesso a voz de vocês. Inveja daquele troféu que o Hugo ganhou.
    E que história é essa de 9 anos, esse bolão não tem tanto tempo assim. A Sally está na verdade beneficiando quem chegou depois e vai ter todas essas facilidades/curiosidades/vontades saciadas logo. Já teve áudio, agora é foto e depois já tem uma promessa de vídeo. Se é para prestigiar alguém que seja quem está aqui a mais tempo e sempre acompanhou vocês independentemente dessas coisas. (e antes que venham falar, não é o meu caso). Sim, eu sei que não tem como precisar isso pois cada um pode dizer o que quiser. Além disso a própria constituição de vocês no Artigo 4, I assegura privilégios a quem frequentava anteriormente a 23/11/2011. Isso é uma violação constitucional!!! A república está ruindo! Prêmio individual, com certeza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: