Primeiros Socorros – Engasgamento.

Engasgar parece algo banal, comum e talvez por isso, inofensivo. Só que é uma das principais causas de morte de bebês e crianças vítimas de acidentes no Brasil. Por ser um evento muito rápido, dificilmente você terá tempo de ir procurar informação quando acontecer, então, é bom que se tenha alguma noção sobre o que fazer e como socorrer. Desfavor Explica – Primeiros Socorros: Engasgamento.

Pense na sua garganta como um cano com uma bifurcação: por um caminho se chega ao estômago, por outro caminho se chega ao pulmão. Tal qual uma linha de trem, é possível direcionar para um lado, ou para o outro, através de uma cartilagem (papo técnico: epiglote) que direciona sólidos e líquidos para o estômago, tapando a entrada que leva ao pulmão (papo técnico: laringe). Graças a esse maravilhoso mecanismo, quando engolimos vai para o estômago, quando respiramos vai para o pulmão.

O sistema funciona muito bem, porém, você já parou para pensar quantas vezes por dia respiramos ou engolimos? Vale lembrar que não engolimos apenas quando comemos, engolimos saliva o dia todo. Então, apesar de ser um sistema muito bom, ele está sujeito a falhas, pois é exaustivamente utilizado.

Quando a falha consiste em ar no estômago, tá tranquilo, tá favorável, ele encontrará seu caminho de saída novamente para a atmosfera… pela porta dos fundos. Mas tudo bem, é inofensivo e acontece aos montes com todos nós: apenas 10% dos gases que eliminamos em flatulências são resultado de fermentação de alimentos, o grosso mesmo é ar que a gente engole durante o dia (falando, comendo, etc).

O grande problema acontece quando o sistema falha de forma inversa: líquidos ou sólidos tomam o caminho errado e vão para o caminho destinado ao pulmão. Ao contrário do sistema digestivo, o sistema respiratório não tem buraco de saída, apenas um buraco de entrada, então, o que quer que caia lá, ficará por lá. E dependendo da quantidade, pode impedir que o ar chegue aos pulmões, ou seja, pode impedir a respiração. Engasgos são um evento ridículo, mas podem matar.

Pequenos engasgos são comuns no dia a dia. Geralmente o próprio corpo se encarrega de resolver o problema, com mecanismos para expulsar quem não deve da faringe, como por exemplo, uma bela crise de tosse. Mas, eventualmente, este mecanismo falha e o corpo não consegue abrir passagem para que o ar passe e chegue aos pulmões, pois tem um corpo estranho no caminho. E é aí que você precisa saber quando e como agir. Dificilmente dá tempo de levar a pessoa a um pronto-socorro. Pense comigo: você conseguiria prender a respiração durante todo esse tempo?

Antes de mais nada, você precisa saber que nem sempre um engasgado está tossindo. A pessoa tosse ou fala em engasgos parciais, menos graves, porém se o engasgo for total, ela nem vai conseguir tossir. Então, não tome a tosse como sintoma obrigatório de engasgo.

No caso de um engasgo silencioso, se for um adulto, é mais fácil de compreender o que está acontecendo, pois a pessoa tem a noção de que está engasgada e vai tentar chamar a sua atenção, mas se for uma criança… Por isso morre tanta criança engasgada, nem sempre os pais percebem rapidamente o que está acontecendo. Não tem outro jeito a não ser ficar muito atento. Normalmente, por instinto, pessoas adultas engasgadas colocam as mãos em volta do pescoço, mas crianças nem sempre.

Quando você percebe que o engasgo começou, pode esperar uns segundos para ver se o corpo da pessoa vai dar conta sozinho. Se a pessoa estiver tossindo, falando ou chorando, estamos diante de um engasgo parcial, não dê tapas nas costas dela. E se um dia você estiver tossindo e alguém der um tapa nas suas costas, devolva com um tapa na cara da pessoa, pois nesses casos o tapa só piora o quadro: um engasgo que era parcial pode se tornar total se, por causa do tapa, o corpo estranho se movimentar, correndo o risco até dele se alojar de forma mais profunda.

Observe a pessoa, tente acalmá-la. Se ela está falando ou tossindo grandes chances que se resolva sozinho. Porém, se o quadro evoluir mal e ela começar a sufocar, você tem que tomar providências.

Como último recurso antes de intervir, você pode pedir para a pessoa tossir (forçar a tosse) por algumas vezes. Tem que ser com bastante força. Se a pessoa tossiu várias vezes e não resolveu (e, para fins didáticos, vamos trabalhar só com o numero 5 neste texto, para que você tenha que memorizar apenas um número), ou simplesmente não tossiu, não fique gritando “TOSSE! TOSSE!”, pois provavelmente a pessoa não está conseguindo. Tossiu cinco vezes e continua engasgada? Desista. Parta para o próximo passo. Peça para alguém acionar o socorro e, enquanto isso, siga as instruções abaixo.

Lembre-se, a pessoa está sem respirar, então, tem que ser jogo rápido. Se nenhuma alma boa surgir para te ajudar, você mesmo vai ter que fazer uma coisa chamada Manobra de Heimlich. Acredito que todos vocês já tenham visto em algum filme ou seriado: você pressiona a região abdominal para criar uma pressão que vai ajudar a expelir o corpo estranho. Porém, não é tão fácil como parece, se você não fizer certo, o máximo que consegue é quebrar uma costela da pessoa.

O objetivo da Manobra de Heimlich é comprimir o diafragma do engasgado. O Diafragma é um músculo que fica abaixo do pulmão, uma espécie de “fronteira” entre o peito e o abdômen. Graças à contração e expansão do diafragma nossos pulmões se enchem de ar e se esvaziam. Quando a coisa trava, se você der um solavanco no diafragma, ele dá um tranco no pulmão. O ar do pulmão vai sair na velocidade da luz, levando consigo o corpo estranho que está no caminho, impedindo a passagem de ar.

Então, você já sentiu que tem que ser um tranquinho de respeito, né? Como se quisesse estourar um balão. Por fim, uma última dica muito útil que vai fazer bem para os seus dentes e para os seus ossos: avise à pessoa de forma clara e rápida o que vai fazer, pois se você se meter a fazer a Manobra de Heimlich no susto e for mal interpretado, pode levar uma porrada.

Se possível, coloque a pessoa de pé. Posicione-se atrás dela, com seu peito próximo às costas do engasgado. Afaste seus pés, isso vai te dar melhor apoio e condições de fazer mais força. Entrelace seus braços pela cintura da vítima e incline-a um pouco para frente. É só um pouco, ok? Nada de curvar a pessoa como um fantoche que está agradecendo ao público.

Posicione suas mãos na região entre o umbigo e o osso esterno (aquele do qual saem as costelas, no centro do peito). Se quiser perceber melhor onde fica o diafragma, faça agora mesmo uma respiração diafragmática, aquela onde você puxa o ar “pela barriga” (ou então observe como um bebê respira): a área que se move, que se eleva, é o diafragma. É a divisão entre seu peito e seu abdômen. É um meio do caminho entre seu peito e seu umbigo. Se achar pertinente, Google Imagens, pois pressionar no local certo é o determinante para o sucesso deste procedimento.

Sua mão mais forte deve estar fechada, polegar voltado para dentro, em contato direto com a barriga da vítima. A outra mão fica aberta por cima da mão fechada, para ajudar no movimento, segurando no punho dessa mão que está fechada. Uma vez posicionado da forma correta, você vai ter que fazer movimentos rápidos e fortes (estourar um balão, lembra?) pressionando a parede abdominal da pessoa para dentro e para cima. A “estocada” deve ser rápida e forte”, como se você quisesse levantar a vítima de um tranco.

Não saiu? Dê mais algumas estocadas seguidas. Ainda não saiu? Dê mais estocadas (lembram no número cabalístico 5? 5 estocadas e para, 5 estocadas e para). Se não saiu na segunda série de 5, hora de tentar outra coisa.

Você vai dar um tapa power nas costas da pessoa. Vai bater nela diversas vezes (adivinha quantas? 5!) de baixo para cima, com a parte da sua mão que a une com o pulso, ou seja, essa “almofadinha” que fica na parte de baixo e interna da mão. Não é para fazer carinho, você está salvando vidas, é para bater com força. Bata na região entre as omoplatas, aqueles dois ossos que ficam abaixo do ombro, nas costas. Pode ser que essas porradas causem trancos de baixo para cima que façam o objeto sair.

O lado bom é que esta é um dos poucos eventos de primeiros socorros onde o corpo da vítima é seu parceiro e joga com você. Pode ter certeza que a todo momento o corpo do engasgado está se empenhando para desengasga-lo, então, não desanime, não desista. Enquanto o socorro não chega, continue tentando. Nada deu certo até aqui? Bora para mais uma opção.

Você pode tentar a Manobra de Heimlich com a pessoa deitada. Deite a vítima de barriga para cima e ajoelhe-se, posicionando seus joelhos perto do quadril da pessoa, pernas afastadas, de modo a ficar sentado por cima do corpo do engasgado. Junte as mãos na mesma região dos parágrafos anteriores, só que desta vez, a mão que fica por baixo vai tocar a vítima na parte que faz a junção da mão com o punho (a mesma que você usou para bater nas costas). A outra mão fica por cima, agarrando o punho da mão que está encostada, para aumentar a força.

Agora use o peso do seu corpo para fazer uma forte pressão (tipo estocada) de baixo para cima, como se quisesse bombear algo para fora da pessoa. Talvez nesta posição você tenha mais sucesso, uma vez que o peso do seu corpo vai te ajudar. Novamente, número karmico 5: dá cinco estocadas e para. Dá cinco estocadas e para. Se nada resolveu, você pode tentar localizar um médico na rua ou nas proximidades que tenha mais condições de fazer esta manobra. Neste ponto, é provável que o socorro que você chamou lá no começo do engasgo esteja chegando, se você estiver em alguma parte civilizada e eficiente do Brasil. Errrr… deixa pra lá.

Quando é necessário fazer esta manobra em bebês, o procedimento é um pouco diferente. Deite o bebê de barriga para baixo, corpo inclinado (cabeça mais baixa que pernas, para que a força da gravidade ajude). Pode ser inclusive no seu colo. Se for em alguma superfície reta, tenha o cuidado de deixar a cabeça do bebê de lado, se não, em vez de salvá-lo, você vai sufoca-lo.

Comece com as batidas entre as omoplatas das quais já falamos, porém sem tanta força, afinal, é um bebê. Batidas firmes, que causem impacto, mas sem força excessiva. Continuamos com o número cabalístico 5. Se depois de cinco tapas o corpo estranho não sair, tente outra série de 5. Se não der certo, bem, existe uma outra opção com a criança de barriga para cima, porém eu não vou divulgar isso aqui, tratando do assunto com esta superficialidade, pois é muito delicado e o risco de causar um dano é enorme, então, sugiro que pesquisem a respeito, vendo a versão detalhada.

Há relatos de pais desesperados que pegam seus filhos pelos pés e os sacodem de cabeça para baixo. Não é o que sugere a literatura a respeito, mas já vi funcionar. Colocar o dedo na garganta também não funciona, não é lá que está o objeto entalado. Após um ano de idade, já dá para tentar a Manobra de Heimlich tradicional na criança.

Agora vamos para a situação mais dramática: você está sufocando e não tem ninguém por perto para te ajudar. Sei que é difícil, mas procure manter a calma. Estas instruções vão voltar na sua cabeça, o cérebro faz um esforço grande quando se trata de armazenar informações que podem salvar sua vida e as resgata das profundezas da mente para te salvar.

Antes de mais nada, tente forçar uma tosse forte. Se conseguir, é sinal de que o engasgo é parcial, portanto, continue tossindo e peça ajuda. Se você não consegue tossir, bem, você vai ter que se salvar.

Feche uma das mãos, mantenho o polegar para dentro e a parte do polegar encostadas um pouco acima do seu umbigo, no mesmo local indicado nos outros casos, ou seja, onde fica o seu diafragma. Coloque a outra mão em volta do punho. Tente dar as estocadas em você mesmo, da mesma forma como foi ensinado a fazer ao socorrer terceiros.

Se a força não for suficiente, você pode procurar ajuda em objetos duros, como uma cadeira ou um balcão: dê um tranco com o corpo (de frente) contra o objeto duro, isso vai fazer com que sua mão afunde mais na sua barriga, potencializando o efeito.

Nada está dando certo, você está desesperado, está sentindo que vai perder a consciência? Tente o seguinte como ultimo recurso: fique de quatro no chão, feito um cachorro: joelho e palmas da mão te apoiando. Abra os braços e deixe o peito cair no chão. Não é o melhor dos mundos, mas é uma forma de fazer o ar sair dos pulmões com eficiência. Pode quebrar umas costelas junto? Pode. Mas se for isso ou morrer, as costelas que me desculpem.

Mesmo que o corpo estranho seja expelido, é importante procurar um médico depois, para avaliar se houve algum dano, até mesmo algumas formas esquisitas de pneumonia. Não deixe de ir a um pronto-socorro para que verifiquem se de fato ficou tudo bem e se o corpo estranho realmente saiu todo. E, é claro, se puder tomar cuidados para prevenir engasgos, é sempre melhor do que remediar um dano feito.

O grande vilão dos engasgos são as balas. É delas o maior índice de engasgos entre adultos e crianças. Quem foi criança na década de 80 sabe da má fama das balas Soft, uma bala que, de tão lisa, rolava até o Alasca se você jogasse ela na rua. Obviamente que algo tão escorregadio acabava deslizando na boca como uma bola de pinball, sem dar tempo da epiglote fechar, e entrava pelo buraco errado. Todo mundo conhecia alguém que, por sua vez, conhecia alguém que perdeu um filho engasgado pela bala Soft, se não é do seu tempo, pergunte aos seus pais.

Quando falamos em alimentos, nos adultos, as principais causas de engasgos são, por ordem de incidência: balas duras, amendoim, pipoca, churrasco, osso de frango e espinha de peixe. Em crianças: balas duras, balas gelatinosas, pedaços de frutas, pedaços de vegetais, pães, carne, frango, amendoim, pipoca ou pirulito, ou seja, criança engasga com basicamente qualquer coisa. E não pense você que resolve cortar a comida bem pequena, às vezes o bolo alimentar todo erra o buraco. Surpreendentemente, a maioria dos engasgos acontecem com alimentos.

Engasgos parecem algo bobo, mas causam muitas mortes todos os anos, principalmente entre crianças e idosos, que não tem a mesma rapidez/reflexo no sistema de vedamento da epiglote. Eu mesmo sou séria candidata, idiotona que se engasga bebendo água. Por isso, fique atento, veja vídeos sobre a Manobra de Heimlich para aprender a fazer certinho, tenha em mente o que fazer, pois quando acontecer, você tem poucos minutos para agir.

Para dizer como é possível em uma mesma semana tantos temas desconectados, para dizer que você é o rei daquele engasgo que sai refrigerante pelo nariz ou ainda para perguntar como faz quando tem um sapo entalado na sua garganta: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (10)

  • Lista das coisas mais comuns com que as crianças engasgam, segundo uma pesquisa rápida que fiz em diversos sites americanos sobre cuidados com os pequenos:
    – Pipocas
    – Bolinhas de gude
    – Uvas
    – Nozes
    – M&Ms
    – Peças pequenas de brinquedos
    – Moedas
    – Botões
    – Miçangas
    – Tampas de caneta

  • Sally, como sempre sensacional!

    Só um adendo, pra evitar maiores danos, como vc mesma disse: em bebês (que ainda não andam), nunca se deve bater nas costas, mesmo de leve, da forma como você descreveu! Deve se fazer uma pressão forte, de baixo pra cima, “esfregando” 3 a 4 dedos nas costas da criança – mas com força pra deformar bem a pele! E lembrar de usar a parte das digitais, NUNCA a ponta dos dedos (menos superfície de contato e risco de machucar com as unhas).

    No mais, impecável!

    • Sério? Todos os manuais mandam dar palmadas nas costas! Mas que desgraça de país que distribui cartilhas erradas, pqp!

  • Nossa, existe Heimlich por instinto? Minha irmã engasgou (estava ficando roxa já), e eu nem pensei direito, só fui e fiz a tal manobra. Ela desengasgou, e está ótima (e eu quase tive um ataque do coração).

    Mas é realmente uma coisa muito importante para se saber. Obrigado por postar isso!

  • Sou apaixonada pela série de primeiros socorros. Nunca na vida eu conseguiria passar essas informações de forma tão precisa e didática. Obrigada mesmo. ❤

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: