Enquanto isso…

Enquanto isso, num restaurante:

HOMEM: Está gostando?
MULHER: De um lugar que não tem nada que eu possa comer? O que você acha?
HOMEM: Mas você disse que queria vir num restaurante…
MULHER: Eu disse algo como um restaurante, não especificamente um restaurante, eu disse um programa juntos. Você não escuta nada do que eu digo?
HOMEM: Quer ir para outro lugar?
MULHER: Não.
HOMEM: Ok…

Um garçom se aproxima:

GARÇOM: Já decidiram?
HOMEM: É… eu ainda não sei… não quer tentar o frango?
MULHER: Impressionante…
HOMEM: O quê?
MULHER: Como você me conhece tão pouco. Frango? Sério?
HOMEM: O que que tem o frango?
MULHER: Deixa. Eu não vou querer nada não, tá bom querido?
GARÇOM: Ok… vocês querem que eu volte depois?
MULHER: Não. Ele vai pedir… o filé com fritas. Porque ele sempre pede isso, sabe?
HOMEM: Eu… sim… eu quero o filé com fritas.
MULHER: Não disse? E agora ele vai pedir a carta de vinhos e escolher o segundo mais caro, porque esse é o segredo dele para não ser feito de otário.
HOMEM: Querida…
MULHER: E assim que terminar, ele vai me levar pra casa e querer fazer sexo direto, sem nem falar uma frase pra mim antes.
GARÇOM: Eu… eu vou dar um tempo para vocês, ok?

O garçom se afasta lentamente.

HOMEM: O que foi isso?
MULHER: Eu estou te envergonhando?
HOMEM: Sim!
MULHER: Então espera só até eu dizer pro moço quanto tempo você demora até gozar, virar pro lado e começar a roncar…
HOMEM: Porra! O que está acontecendo com você hoje?
MULHER: Eu… eu só queria ter mais valor…
HOMEM: Mas eu te valorizo!
MULHER: Claro… a tonta aqui faz tudo pra você! Você não levanta um dedo em casa. Você não se cuida, você não presta a menor atenção em mim. Valoriza muito mesmo!
HOMEM: Não é bem assim…
MULHER: Ah, como é então? Qual foi a última vez que você me deu um presente?
HOMEM: Mas o que você quer? Diz que eu compro.
MULHER: Não é isso! Não é alguma coisa, é o gesto!
HOMEM: Ok… eu te dou mais presentes então.
MULHER: Agora não serve mais, você só vai me dar porque eu pedi.
HOMEM: Eu não estou entendendo.
MULHER: Você nunca vai entender. Eu não sei porque eu ainda tenho esperanças.
HOMEM: Já tem gente olhando pra cá… vamos voltar pra casa então.

A mulher começa a chorar. O restaurante inteiro começa a olhar para a mesa dos dois.

HOMEM: É… eu… desculpa… vamos, querida, vamos.

O homem se levanta e pega a mulher pelo braço.

MULHER: ME LARGA!

Silêncio total no ambiente.

MULHER: Eu não sou uma boneca que você leva pra cima e pra baixo! Eu tenho sentimentos! Eu quero mais da minha vida… volta sozinho pra casa, eu vou pra casa da minha mãe hoje, eu preciso repensar muita coisa…
HOMEM: Puta que pariu! Chega!

A mulher arregala os olhos. O homem está com uma expressão furiosa.

HOMEM: Você acha que sua manutenção é fácil, é? Cada vez que você precisa de alguma coisa, eu te dou. Você trabalha? Não trabalha, né? O dinheiro não aparece por mágica não. E outra, se não fosse por mim, você jamais estaria nessa cidade com esse padrão de vida, estaria enfiada num canto escuro com outras mil iguais a você, achando tudo ruim do mesmo jeito! Você é minha e vai vir comigo!

O homem agarra a mulher e vai levando ela à força pra fora do restaurante. Ela se debate, mas não parece conseguir se desvencilhar dos braços dele. As pessoas no restaurante fazem menção de intervir, mas são desencorajadas pela expressão do homem. A mulher acaba cedendo e andando por conta própria quando se aproximam do carro no estacionamento.

HOMEM: Algum problema?
MULHER: Não…
HOMEM: Você tem que aprender que comigo não vai ter isso não, ok? Quem manda sou eu. Vai parar de drama e vai me obedecer bonitinho, entendido?
MULHER: Sim…
HOMEM: Boa garota. Agora entra no carro que a gente vai pra casa e você vai fazer tudo o que eu quiser, a noite inteira.

A mulher muda a expressão, dá um sorriso e morde o lábio inferior.

Na manhã seguinte, os dois estão na cama, parcialmente cobertos pelo lençol. A mulher dorme, enquanto o homem fala no celular:

HOMEM: Vou ter que dar o braço a torcer… foi muito bom.
VOZ NO TELEFONE: Vamos comprar o pacote completo então, senhor?
HOMEM: Sim. Tem mais tipos, né?
VOZ NO TELEFONE: Sim senhor. A degustação foi realizada com o programa TPM, mas no pacote completo o senhor terá todas as outras inexplicáveis flutuações de humor femininas. Realismo garantido.
HOMEM: Tirando a parte que eu desligo a frescura e faço sexo com ela, né? Hahaha!
VOZ NO TELEFONE: Hehe… sim senhor. Posso fazer a transação?
HOMEM: Com certeza. É automático?
VOZ NO TELEFONE: Sim senhor, já está aprovado e ativado.
HOMEM: Excelente. Faz o seguinte, quando ela acordar, liga o programa “Eu estou gorda?”. Eu bolei uma resposta muito boa pra essa!

Para dizer que não duvida que vai acontecer, para dizer que duvidou que eu faria algo tão normal, ou mesmo para dizer que divertido mesmo é o programa cortar pênis durante a noite: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (6)

  • “se não fosse por mim, você jamais estaria nessa cidade com esse padrão de vida, estaria enfiada num canto escuro com outras mil iguais a você”
    Essa parte já entregou, ou talvez eu que tenha o cérebro meio distorcido mesmo…

    • Já eu, nessa parte, imaginei os dois se conhecendo em um zonão desses bem mequetrefes de beira de estrada num cafundó qualquer e vivendo – ao menos em seus primeiros dias juntos – uma situação como a descrita na letra da música “Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”, do Odair José.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: