Casais idiotas.

Já conversamos sobre homens que enfiaram seus pênis em locais inapropriados e, por causa desta gracinha, hoje colocam em prática o nome da coluna. Pois bem, como o ser humano é uma fonte inesgotável de imbecilidade, hoje vamos falar das pessoas que tiveram ideias idiotas durante o sexo, causando acidentes dolorosos e que as deixaram na mesma categoria.

Sexo não é difícil, tanto é que qualquer idiota faz. Mas existem alguns idiotas que chegaram a um patamar de excelência tão elevado que conseguem fechar as portas para sexo através de… sexo.

Gente que não teve o menor bom senso de cogitar se aquela imbecilidade era mesmo uma boa ideia. Gente que nos diverte. Seguem alguns casos de casais que hoje em dia não fodem, mas já lhes adianto que há tanto material, que podemos fazer uma continuação. Que comece o festival de cerumanisse.

O casal russo Ivan Skolov e Valentina resolveu inovar. Mesmo estando ambos com mais de 50 anos e sem preparo físico algum, acharam viável experimentar posições do Kama Sutra. Fizeram uma posição chamada “espreguiçadeira” (ou, no idioma original, “indrani”). Infelizmente o esforço foi muito e Valentina teve um espasmo muscular, enforcando o pênis de seu marido dentro de sua vagina. Sim, esforços excessivos ou abruptos podem fazer com que a mulher tenha esse tipo de espasmo, acho prudente que todos tenham ciência disso. É sexo, não é Cirque du Soleil, não inventem malabarismos.

Ivan tentou “sair de dentro” de Valentina por mais de uma hora, mas não conseguiu. Diante da dor e do sofrimento, eles se conformaram que precisavam de ajuda. Tiveram que ser levados ao hospital e, após muita espera, acabaram separados através de medicamentos para relaxar a musculatura de Valentina. A constrição por tempo prolongado causou danos a Ivan e seu respectivo pênis, que hoje certamente se dedica a seriados da Netflix em seus momentos de lazer.

O casal sul africano Mduduzi e Sibongile estavam em um bar, quando decidiram que aquilo não era o suficiente para tornar seu dia divertido. Chegaram à conclusão que animado mesmo seria fazer sexo sobre os trilhos do trem, afinal, quem precisa de uma cama quentinha e macia quando você pode repousar suas vértebras em vigas frias de metal? Eles foram até a estação ferroviária de Kinross, deitaram nos trilhos e mandaram ver.

O pequeno detalhe é que, no meio do evento, um trem começou a se aproximar. Por motivos desconhecidos, os pombinhos não perceberam a chegada de uma locomotiva que pesava toneladas em metal. O maquinista ainda contou que chegou a avistar o casal e gritar para que saiam da frente, pois não havia tempo hábil para frear o trem. O casal ignorou os apelos e acabou esmagado pelo trem. O rapaz, que estava por cima, tomou o impacto maior e morreu na hora. A moça ainda chegou a ser levada para o hospital, mas morreu pouco tempo depois. Ao menos nesta dimensão, esses dois não fodem mais.

Um casal de americanos que havia acabado de ter um filho e, após um longo período de abstinência e monotonia, resolveu inovar. Depois de muitas semanas sem sair de casa, cuidando apenas do bebê recém-nascido, Matthew e Amanda resolveram sair para comemorar o dia dos namorados em um show. Em algum momento, o casal achou que era aceitável fazer sexo no banco do motorista, enquanto ele o carro. Parar no acostamento é para os fracos, os fortes arriscam a vida em um veículo em movimento enquanto seu bebê os espera em casa.

Matthew e Amanda tiraram seus cintos de segurança e Amanda sentou no colo de Matthew, afinal, nada pode dar errado quando você obstruí a visão do motorista e mina sua, não é mesmo? Não demorou muito, bateram com o carro e Amanda foi arremessada para fora, com as calças e calcinha arriadas, bateu com a cabeça e morreu na hora, desta forma indigna. Pois é, Amanda não fode mais. Nem Matthew, que foi preso por este ato irresponsável.

O vendedor alemão, Oliver tinha uma amante, Rica, alegando que sua esposa se recusava a satisfazer seus desejos (sábia mulher). Em um de seus encontros com Rica, ele resolveu dar vazão a um dos muitos desejos não realizados com sua esposa e trouxe à tona seu lado feirante: resolveu brincar com um pepino.

Depois de usar um pepino como uma versão vegana de um vibrador, Oliver pediu que Rica coloque o pepino todo na boa. Em um esforço heroico, Rica atendeu ao pedido. Porém, no correr do processo, Oliver percebeu que havia fumaça saindo de sua cozinha e se lembrou que havia deixado algo no fogo. Em um movimento brusco, ele correu para apagar. Infelizmente, nesse mesmo movimento brusco, ele fez com que o pepino escorregue e fique entalado, engasgando Rica. Na pressa em correr para a cozinha ele não se deu conta e, quando voltou, Rica já estava imóvel e numa coloração azulada, com um pepino soterrado no meio da goela. Oliver foi condenado por homicídio.

O mecânico russo Serguey teve sua honra colocada à prova: duas mulheres apostaram que ele não seria capaz de performar uma maratona de sexo de 12 horas de duração com elas. Ao que tudo indica, autoconfiança não era o forte de Serguey, então, para tentar vencer o desafio ele tomou não um, mas um frasco inteiro de um comprimido similar ao Viagra.

Diante desta overdose, ele teve um ataque cardíaco fulminante enquanto executava a maratona. Simplesmente caiu duro de um segundo para o outro, conforme relatou uma das mulheres, Alina. Tentaram chamar socorro, mas ele estava bastante morto, não deu certo. No final das contas, parece que as moças ganharam a aposta, que valia não apenas a honra, como também seis mil dólares.

Pasmem, temos até quem faz merda indiretamente quando falamos de sexo. A peruana Rosa Vela era casada com um homem que viajava muito a trabalho. Para agradar ao marido, usava um cinto de castidade quando seu ele viajava. Não era nada medieval, era um cinto feito de couro, meramente simbólico.
Acontece que o cadeado que o fechava era de metal e, com o uso, ele foi oxidando. Mas Rosa era determinada, e continuou usando o cinto, mesmo com o cadeado prejudicado. Um belo dia, o cadeado oxidado arranhou a pele de Rosa, que contraiu uma infecção e morreu de septicemia. Antes morta do que infiel, ao que tudo indica.

Um casal do Reino Unido decidiu brincar de amarrar na cama, até aí, bastante comum. Porém, os jovens não eram muito bons de gambiarra. Em vez de usar algo limpo e higiênico para fazer a constrição, como uma meia, um cadarço ou um cinto, eles fizeram uma péssima escolha: a moça, Katie, foi amarrada com uma corda usada para amarrar linguiças, ainda suja, recém tirada da geladeira. A brincadeira gourmet não deu muito certo.

No calor do momento, a corda provocou pequenos cortes no pulso de Katie, que começou a sentir um desconforto. No dia seguinte, seu braço estava totalmente coberto de hematomas e com manchas escuras. Ela correu para o hospital, mas já era tarde: ela havia contraído uma bactéria que come carne humana e acabou morrendo por uma parada cardíaca. Fica a lição: coisas que estão na sua geladeira não devem ir para sua corrente sanguínea.

Um casal achou que seria uma boa opção de conforto e segurança fazer sexo no meio da selva africana, mais precisamente, no Zimbabue. O casal estava em Kariba, no meio da natureza, repleta de animais selvagens e decidiram que a melhor escolha ser tirar a roupa e engatar uma relação sexual ali mesmo, de modo a deixa-los bem distraídos e vulneráveis.

De fato a moça, Sharai Mawera, acabou sendo comida, mas não pelo namorado, e sim por um leão, que foi atraído para o local pelo ruído que o casal estava fazendo. Como ela estava por cima, foi escolhida no esquema self-service do felino, por ser mais fácil de pegar. Enquanto o leão devorava Sharai, seu parceiro conseguiu se arrastar para longe do banquete e fugir correndo, pelado. O leão passa bem.

O americano Richard estava em uma noite de amor com sua namorada, Francisca, quando se empolgou de tal forma que a moça foi encontrada morta. A família de Franscisca e a polícia bateram em sua porta, para tentar entender o que aconteceu. A explicação de Richard foi muito simples: seu pênis gigante fez com que Francisca se engasgue e morra sufocada.

Ele acabou indo a Júri, pois ninguém acreditou muito na história. Mas, para provar seu ponto, Richard, um senhor de 65 anos, foi eficiente: como prova no processo abaixou as calças e mostrou seu bilau aos jurados. De fato o status deste senhor deve ser impressionante, pois ele acabou absolvido, porém, afirmou estar traumatizado com seu potencial e não querer mais fazer sexo com ninguém.

É claro que não poderia faltar uma brasileirada no meio deste compilado maravilhoso. O caso ocorreu em São José do Rio Preto. Uma moça não muito privilegiada intelectualmente estava chateada com o marido e resolveu que iria mata-lo de uma forma criativa: colocaria veneno na sua vagina e o induziria a fazer sexo oral.

Infelizmente a moça não atentou para o fato das mucosas absorverem rapidamente qualquer substância que seja colocada nelas, então, antes que o veneno pudesse começar a fazer efeito em seu marido, ela mesma começou a apresentar os primeiros sinais de envenenamento. Por medo de contar ao marido o que tinha feito, a mulher tentou disfarçar, o que acabou lhe custando a vida.

É isso, estas pessoas maravilhosas e suas ideias sensacionais nos proporcionam uma infinidade de casos de “Prêmio Darwin do Sexo”. Almas criativas, porém com pouca noção de física e química, que ousaram no momento errado, entrando para a categoria de casais que não fodem.

Para dizer que o ser humano é fascinante, para dizer que já era para o ser humano estar extinto ou ainda para dizer que quer mais imbecilidade sexuais: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (14)

  • Aquele texto que ajuda a melhorar a autoestima de qualquer um que estiver se sentindo a pessoa mais idiota da face da Terra.

    A do casal que trepou nos trilhos de um trem e a moça que morreu devorada por um Leão foram tão absurdos que eu ainda joguei no Google pra saber os detalhes.

    Eu voto em ter uma segunda parte de imbecilidades sexuais.

    • Por uma questão ética de direito ao esquecimento, eu evitei de colocar o nome todo das pessoas, mas com as informações que eu dei, você pode facilmente achar as notícias…

  • Aqui na minha cidade, a dona de uma famosa farmácia de manipulação é bem conhecida por dar entrada duas vezes na emergência do pronto-socorro atrelada a um cão da raça Pastor Alemão, que pertencia a ela e ao marido. Porque passar vexame uma vez só é para os fracos, os fortes repetem a dose que é pra todo mundo ter certeza que são retardados.

  • Cada uma… Difícil acreditar que essas coisas possam ter acontecido mesmo. Por outro lado, a gente sabe muito bem que nunca se deve duvidar da capacidade das pessoas de fazer merda.

  • Por que Matthew foi preso quando sua esposa morreu no acidente de carro? Quando um não quer 2 não brigam, ambos eram culpados! Ou alguém acha que ele é idiota de tentar isso de novo com outra pessoa?

    Muito engraçados os casos!

    • Ele estava ao volante. Quem está ao volante é responsável pelo que acontece com as outras pessoas que estão no carro.

  • Gente.. é cada uma que é difícil acreditar! Hahaha!

    Mas, Sally! Será que o casal do trilho do trem não queria se suicidar mesmo? E ao invés de só ficar deitado no trilho, eles preferiram terminar transformando “la petite mort” em “la finale mort”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: