Prevenindo Câncer.

Precisamos falar sobre prevenção de câncer. É uma das doenças que mais afetam o ser humano na atualidade, portanto, todos nós estamos no grupo de risco. O que você está fazendo para sair da linha de tiro? O que você está fazendo para preservar seu corpo e tentar impedir que ele adoeça? Você quer que essa possibilidade fique nas suas mãos ou nas mãos do acaso?

Ao contrário do que muita gente pensa, câncer não é sempre uma loteria genética cruel que “premia” algumas vítimas aleatoriamente. Em sua maioria, câncer é fruto das suas escolhas de vida. Apenas 10% dos casos de câncer são hereditários, enquanto que 90% são associados a fatores ambientais, ou seja, está nas suas mãos contribuir para se livrar de 90% das chances de ter (ou voltar a ter) câncer um dia.

Ao mesmo tempo que é reconfortante pensar no quanto o câncer pode ser evitável, esta informação também fica extremamente desconfortável quando a gente entende que a responsabilidade é basicamente nossa. Se eu tiver um câncer, é porque não cuidei bem do meu corpo. Se meus filhos tiverem câncer, é porque eu não os ensinei a cuidar bem do seu corpo. Meio copo cheio ou meio copo vazio? Cada um escolhe o seu ponto de vista, meu papel aqui é transmitir informação.

Então, ciente de que basicamente está nas mãos de todos nós majorar ou reduzir os riscos de câncer, vamos conversar com calma sobre tudo que podemos fazer (ou deixar de fazer) para evitar esta doença desagradável.

Existem fatores evitáveis e existem fatores mais difíceis de evitar. Por exemplo, respirar um ar poluído pode não ser evitável, pois nem todos tem condições de se mudar para um local com ar puro. Pesticidas também podem não ser evitáveis, nem sempre conseguimos ingerir alimentos livres deles, alias, quase nunca sabemos ao certo o quanto de pesticida tem nos alimentos que estamos consumindo.

Mas, enfim, não vamos ficar falando do que não podemos evitar, pois é um desespero inútil. Vamos focar no que temos escolha. Só citei a existência dos fatores inevitáveis para que você saiba que já entra no jogo com pontuação negativa, então, tem que correr atrás de reverter isso.

Dentro dos fatores que ajudam a evitar, temos aqueles clássicos que todo mundo conhece: não fumar, não beber, se exercitar, ter uma alimentação o mais natural possível, muitas horas de sono e estresse reduzido. Não vou bater na tecla do óbvio, pois são informações disponíveis em qualquer programa matinal. Vamos focar em alguns detalhes importantes e menos divulgados.

O uso de alguns inseticidas pode contribuir de forma significativa para que a pessoa desenvolva um câncer. É tão mais fácil e barato colocar telas nas janelas de casa… Mas não, as pessoas compram aquelas pastilhas para colocar na tomada, spray, vela, passam repelente no corpo, fazem tudo de mais químico cumulativamente, exceto a solução mais barata e saudável: o bloqueio físico da entrada dos insetos. Coloque telas nas suas janelas e aquela vedação debaixo das portas. É mais barato e mais saudável.

Exposição errada ao sol, em horários nocivos e sem a devida proteção também majoram os riscos de câncer, e não apenas o de pele. O sol desmedido é uma agressão ao organismo como um todo, que se torna visível apenas na pele. Alguns cosméticos como shampoos e esmaltes de unha podem conter substâncias nocivas (papo técnico: parabenos e toluenos) que também podem minar a sua saúde, é só perder um minuto lendo o rótulo antes de comprar.

Alguns produtos de limpeza também podem conter substâncias cancerígenas, como não dá para escrever um guia de todas as substâncias com todos os seus possíveis nomes, fica uma dica universal: luvas de borracha, sempre que lidar com produtos de limpeza.

Cerca de 30% das mortes que decorrem de câncer estão diretamente vinculadas a um destes cinco hábitos: Obesidade, alimentação pobre em frutas e vegetais, sedentarismo, cigarro, álcool. Percebam que neste parágrafo não estamos falando em “ter câncer”, estamos falando em “morrer de câncer”. Estes cinco fatores são aqueles que não só majoram suas chances de ter câncer, como também de acabar morrendo em decorrência dele, por isso, merecem atenção especial.

Pode apostar: quando pessoas tem o mesmo câncer e uma morre enquanto que a outra sobrevive, apesar do mesmo tratamento, na maior parte das vezes o pulo do gato está em um destes cinco fatores. Grandes chances de que a que sobreviveu tenha cuidado melhor do corpo ao longo da vida nestes cinco aspectos.

E, se você parar para pensar, eles estão todos inter-relacionados: quem se exercita, come muita fruta e vegetais, dificilmente vai ser obeso. É tudo um grande pacote de filosofia de vida. Repito os dados da primeira página: 90% de chances. É muita coisa, minha gente, não façam isso com vocês mesmos, essa conta chega e é muito cara de pagar.

De todos os fatores de risco que existem no universo, o que mais pontua contra você é o cigarro. Ele é responsável por 90% dos casos de câncer de pulmão (dos 10% restantes, 5% eram fumantes passivos, ou seja, na verdade o cigarro é responsável por 95%).

É um número muito alto, e fumar também está relacionado a outros tipos de câncer na boca e na garganta, modalidades assustadoras, que pode gerar amputações na face, que matam de forma lenta e dolorosa, sufocando a pessoa pouco a pouco. E qualquer fumaça no pulmão faz mal, ok? Em menor ou maior quantidade, fumar ervas, usar narguilé, fumar charuto…não importa, é nocivo.

A alimentação é um dos fatores mais importantes. Porém existem muitas notícias fora de contexto, estudos mal interpretados, manchetes alarmistas ou contraditórias. Então, cuidado, muito cuidado ao ver que X alimento ajuda a combater ou causa câncer. Leia sempre o estudo, no original, porque para ter cliques as pessoas publicam informações imprecisas, não comprovadas ou distorcidas. Segue um apanhado do que é realmente constatado em matéria de alimentação.

Tem o clichê de comer coisas naturais, mas, será que todo mundo entende o que é isso? A grosso modo, para fins de prevenção do câncer, é possível dizer que “natural” é o alimento que não passou por nenhum processo químico ou industrial. A classificação não é o alimento em si, e sim a forma como ele se apresenta.

Por exemplo, cerejas vendidas logo após serem colhidas da árvore são naturais, porém cerejas em conserva, caramelizadas, na forma de geleia industrializada ou qualquer coisa do tipo, deixam de ser naturais. Muita gente se engana pensando “Ah, é fruta, fruta pode”. Não é sobre o que é, e sim sobre o que aconteceu desde o momento em que o alimento foi tirado da natureza e chegou ao seu prato.

Tudo depende do quanto o homem modificou aquele alimento depois que ele foi retirado da natureza. Se modificou, você está pontuando para o câncer, se não modificou, está pontuando para você. Quanto será que está seu placar atualmente? Calma, ainda dá tempo de virar esse jogo.

Nem preciso falar que alimentos que nem existem na natureza, que são criação artificial do homem, coisas como Coca-cola e Oreo, são extremamente prejudiciais, né? A natureza te dá tudo que você precisa comer para ter uma vida saudável, tente se ater a ela, até porque, além de mais saudável, é bem mais barato.

Entre tudo que há de ruim na alimentação, os piores vilões são os chamado alimentos “ultraprocessados”, como frios, bacon, salsicha, biscoito recheado e outras delícias. Então, não adianta você comprar uma lasanha congelada no supermercado “sabor espinafre”, é veneno puro do mesmo jeito. Vai no Google e procura pelo termo “alimentos ultraprocessados”, tem várias listas de quais são. Sempre que puder, evite. E não seja criminoso de dar isso em larga escala para crianças.

Um capítulo a parte na alimentação: açúcar. Células cancerígenas gostam muito de açúcar, digerem o alimento 200 vezes mais rápido que células normais, pois sua reprodução é acelerada e desenfreada e, para isso, elas precisam de muito combustível. Então, açúcar, principalmente refinado, é combustível para células cancerígenas.

Percebam que açúcar não causa o câncer, a causa é uma mutação genética. Mas açúcar as alimenta. O acontece é: a fermentação do açúcar no interior da célula desencadeia um processo que estimula a hiperatividade das proteínas que controlam o ritmo da divisão celular (papo técnico: proteínas RAS), acelerando o crescimento do tumor. Então, não se entupir constantemente de açúcar é uma boa medida preventiva.

A temperatura dos alimentos também pode ser determinante: bebidas muito quentes quintuplicam suas chances de câncer de esôfago, por exemplo. Por mais frio que seja o clima do local onde você mora, não coloque para dentro do seu corpo bebidas que estão muito mais quentes do que a nossa temperatura padrão, não parece, mas é uma agressão.

Agora, o pulo do gato em matéria de alimentação: rotina. Comer sempre no mesmo horário pontua muito para diminuir o risco de câncer. Goste você ou não, nosso corpo trabalha se programando para fazer as coisas, quando você bagunça o cronograma do corpo, perceba você ou não, ele entra em estresse.

O câncer não deixa de ser uma espécie de inflamação, logo, qualquer tipo de estresse o alimenta, pois faz você produzir substâncias inflamatórias. Estresse de brigar com alguém, estresse de não nutri-lo na hora em que ele precisa de alimento, estresse por privação de sono. Tanto faz, majora os riscos do mesmo jeito.

Então, se você está acostumado a jantar sempre às 19h e um dia só janta às 21h, são duas horas que seu corpo passou jogando na sua corrente sanguínea substâncias inflamatórias. Tente evitar. Não precisa ficar escravo do relógio, apenas tente manter uma rotina mais ou menos regrada, na medida do seu possível.

O mesmo vale para qualquer alteração de rotina que seja uma agressão ao seu relógio biológico (papo técnico: ciclo circadiano). Por exemplo, dormir com alguma luz acesa pode majorar em até 14% as chances de câncer de mama (estudo da Universidade de Harvard). E não me refiro apenas a lâmpadas: celulares, tablets, e outros eletrônicos são igualmente nocivos. A noite é para dormir, no escuro. Não bagunce com seu corpo, respeite as regras básicas de funcionamento dele, caso contrário, cedo ou tarde, ele vai pifar.

Por mais que este fator seja depreciado por muitos, seu estado mental, anímico, emocional pode ser determinante para desenvolver câncer. Como já falamos, estresse provoca uma enxurrada química nociva para o seu corpo. Sei que não é viável viver neste mundo sem se estressar, apenas sugiro que encontrem seu caminho para se estressarem o menos possível.

Até porque, na real, se estressar não resolve nada. O que quer que você faça para resolver um problema, pode fazê-lo sem estresse. Terapia, autoconhecimento, meditação, tricô, criar chinchilas… Teste tudo até encontrar algo que te dê uma nova perspectiva onde você não dimensione tanto os problemas, não se afete com eles a ponto de agredir seu corpo. As coisas têm a importância que a gente dá a elas, não parece, mas é sim uma escolha sua.

Ainda que sejam minoria, existem aqueles 10% de casos que vem impressos no seu DNA. Se você tiver a possibilidade de fazer exames para detectar a existência desse risco genético, faça. Ter o gene não quer dizer que você necessariamente vá ter o câncer, ok? Você pode ter o gene e nunca desenvolver a doença.

Saber que tem o gene é bom, pois te deixa mais alerta para observar sintomas e ajuda a se portar da melhor forma possível para prevenir a doença. Se você já tem a propensão genética, não parece inteligente soterrar seu corpo em um monte se sabotagens ambientais, né?

Independente de genética, existem exames de sangue cada vez mais eficientes para detectar a presença de câncer no organismo, antes mesmo que ele provoque os primeiros sintomas. Se você puder fazer estes exames regularmente, eu recomendo. Mas é preciso solicitar expressamente ao médico, eles não prescrevem como padrão, principalmente para pessoas jovens.

Funciona da seguinte forma: as alterações que o câncer provoca no organismo deixam rastros no sangue: pedaços de DNA mutante, proteínas com uma sequência de aminoácidos diferente do padrão e outros. Cada tipo de câncer deixa um rastro específico na corrente sanguínea, como se fosse uma “impressão digital”. Hoje ainda não é possível identificar todos os tipos de câncer pelo sangue, mas boa parte deles sim. Vale uma agulhada de seis em seis meses, não é mesmo?

É bem básico: não fume, não beba (ou beba pouco), se exercite regularmente, tente comer alimentos não processados, durma bem, respeite o relógio biológico do seu corpo, mantenha a mente serena. Pode ser difícil em um primeiro momento, mas é questão de reeducação, de mudança de hábito. Depois que você incorpora isso como um hábito (demora cerca de 90 dias), fica fácil, muito mais fácil de fazer.

Só este ano, o Brasil deve ter cerca de 600 mil novos casos de câncer. Segundo estimativas do INCA, a coisa piora ainda mais entre 2018 e 2019, com a assombrosa previsão de 1,2 milhões de casos novos de câncer. Não seja você um deles.

Não consegue operar todas as mudanças que gostaria? Faça um cronograma. Uma pequena mudança por mês. Ao final de dois anos, você terá reduzido bastante suas chances de adoecer. Não é garantia absoluta, pois corpo humano não é matemática, mas é uma contribuição eficiente para cuidar de você mesmo. Se você não o fizer, ninguém vai fazer.

Para dizer que a semana já está suficientemente deprimente por causa de política, para dizer que agora vai continuar fazendo tudo exatamente igual porém com culpa ou ainda para dizer que não se preocupa com câncer pois seu signo é leão: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Desfavores relacionados:

Etiquetas: ,

Comentários (10)

  • Você sabe se o consumo de ervas/chás ajuda a prevenir o câncer ? Sempre leio isso mas não sei se é veridico….

  • Eu já tinha ouvido falar que açúcar alimenta cancer e também já tinha percebido que é combustível pra doenças. Quando eu parei de me entupir de massas e farinhas industrializadas, até diminuiu a frequência de ficar doente durante o ano. Até aprendi a tomar café puro e acho uma delícia!

  • Eu sou de leão mas me preocupo bastante com câncer, ainda mais pq eu e o marido temos casos na família (colo de útero, estômago e próstata). Então estou sempre pesquisando e fazendo o que dá para prevenir. Não dá pra fazer tudo de uma vez, mas fomos mudando coisas aqui e ali e hoje temos uma vida bem mais saudável, os próprios exames mostram isso.
    Só falta aprender a controlar o estress. Esse é sempre foi o mais difícil!

    • Estuda autoconhecimento, medita, tenta viver dentro de uma rotina razoável de horário, faz terapia, cultiva um hobby, cultiva um tempo só seu para ficar em silêncio, faz uma massagem relaxante… Vale tudo.

  • Belo texto de utilidade pública, Sally. Já mandei o link daqui pra uma porção de gente. Não quero alarmar ninguém, mas é sempre bom ter esse tipo de informação de fontes seguras. E, a propósito, quanto ao trecho: (…) fumar também está relacionado a outros tipos de câncer na boca e na garganta, modalidades assustadoras, que pode gerar amputações na face, que matam de forma lenta e dolorosa, sufocando a pessoa pouco a pouco. Tive um vizinho, fumante inveterado – tanto que não me lembro de tê-lo visto na rua um dia sequer sem um cigarro aceso na mão – , que passou exatamente por isso. Acho que eu nem preciso dizer nada sobre o quanto ele sofreu, certo?

    • É muito sofrido. Todo fumante deveria visitar a ala oncológica de um hospital para ter a real dimensão do que pode acontecer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: