Analisando o vencedor.

Vocês acharam que a gente iria parar? Acharam que o desrespeito estava de bom tamanho? Acharam que todas as imagens boas estavam esgotadas? Acharam errado.

A Escala José Serra de Desempenho em Fotos está de volta!

Depois de orientar o eleitor com um critério valioso de escolha para o segundo turno, fazemos uma análise do vencedor, à luz deste mesmo critério: Escala José Serra de Desempenho em Fotos. Andrade não soube joseserrar, deu Bolsonaro na disputa presidencial.

Vamos analisar se o Pocket está preparado para governar um país tomando por critério a Escala José Serra de Desempenho em Fotos. Através desta análise cautelosa, vocês terão informações certeiras sobre o futuro governo Bolsonaro.


HORA DO CAFÉ

Sabemos que o cafezinho é um ritual tradicional do brasileiro. É neste momento que se dá um respiro do chefe chato, dos colegas de trabalho pau no cu e que se busca concentração para continuar cumprindo suas tarefas sem qualquer relevância e significado que consomem sua alma, feitas, de má vontade, em troca de um salário baixo no final do mês. Vamos ver o quanto o Pocket joseserra na hora o café?

Percebam que José Serra não toma um simples café, me parece ser um cappuccino ou um café com creme, versões mais sofisticadas e gostosas que um mero cafezinho. Ainda assim, mesmo com estes ingredientes para adoçar a bebida, ele expressa seu total nojo e desprezo pelo café, sem qualquer cerimônia. Além da cara de asco, na qual ele parece estar franzindo até as pregas do cu, percebam a espuminha que fica na boca do nosso Mestre. A cara dele é um misto de náuseas com desesperança. Poucas vezes vi alguém desgostar de um café com tanta intensidade. Só o Dória barra o Mestre.

Já o Pocket veio com o Kit Pobreza em toda sua plenitude: café coado na meia, servido naquela garrafa térmica que parece que mais esfria do que esquenta a bebida, copo de botequim e pão virado para baixo na mesa. Prato é para os fracos, os fortes espalham pão e farelo na mesa toda. Por isso ele não teve nenhuma infecção no hospital, ele esfrega os alimentos em superfícies imundas antes de comê-los, deve ter resistência até a Ebola. Percebam que o Pocket meio que já sabe a merda que está o café, tanto que está se servindo na mais profunda resiliência. Não é uma repulsa joseserrística à bebida, mas é um começo.


SORRIA!

Um sorriso espontâneo, natural e cativante é fundamental para qualquer personalidade que esteja no foco da mídia. Um sorriso sincero demonstra simpatia, carisma e amabilidade, pode ser importante para se aproximar de alguém, causar uma boa impressão e até desarmar quem está de má vontade. Vamos avaliar o grau joseserrístico do sorriso do Pocket.

Observem o sorriso de José Serra. Parece que alguém colocou uma arma na sua cabeça e gritou “SORRI, FILHO DA PUTA! SORRI AGORA OU EU TE MATO!”. José Serra sorri com todo o esforço do seu ser. Ele sorri até quase rasgar a boca. Senhoras e senhores, isto se chama comprometimento. Nem que fossemos ao dentista mostrar os dentes nós, reles mortais, conseguiríamos chegar perto de um sorriso como esse.

Pocket bem que tenta, mas não consegue atingir o patamar joseserrístico de excelência. Ele mostra o máximo de sua dentição torta que consegue, mas, ainda assim, mesmo fazendo uma força de fechar os olhos, de ficar vermelho, de quase se cagar nas calças (é um sorriso pré-bolsa), seu sorriso não alcança o mesmo patamar de espontaneidade e carisma. Falta uma certa flacidez na cara por falta de vitalidade, uma certa desistência da vida, mas não tem problema, são duas coisas que virão após governar o Brasil. Ele chega lá.


BRINCADEIRA DE CRIANÇA

É importante soltar o lado criança que existe dentro do político, para mostrar jovialidade, bom humor e leveza. Quem nunca brincou mesmo sendo adulto? É através da forma de brincar, do lado lúdica, da criança interior que podemos ver mais sobre a personalidade de figuras públicas.

A criança interior de José Serra tem 130 anos de idade. Percebam como ele tenta cumprimentar formalmente um simpático boneco de padaria. Ele deve bater continência para Comandos em Ação e abrir a porta para a Barbie entrar nos lugares. Me pergunto quantos segundos ele ficou esperando pelo cumprimento desta simpática coxinha de tênis. Olha a cara do fotógrafo, lá no fundo, de “o que caralhos este homem está fazendo?”. José Serra, um gentleman, cordial até quando brinca.

Já a criança interior do Pocket é meio sádica. Na foto ele está espancando com tapas na cara o Pixuleco, um boneco que representa o Lula preso. Vejam como ele se diverte, com o apoio do infeliz que está ao lado, que desempenha o papel daquele primo sádico que bota pilha para você fazer merda. Pocket deve ter sido o terror do parquinho, o psicopata do playground, aquela criança que apelidava todos os coleguinhas na escola. Tudo bem, provavelmente isso vai ser útil ao lidar com o Congresso.


CHIFRE É COISA QUE BOTAM NA SUA CABEÇA

Chifre também é patrimônio imaterial do Brasil. Quem nunca foi corno, um dia vai ser. A malandragem está presente em todos os campos, inclusive no amoroso. O Corno é um animal nativo da fauna brasileira. Vamos ver o quanto o Pocket se aproxima da representação do corno ideal.

José Serra ilustra um corno desvairado, que mais parece uma vaca louca. Invejosos dirão que é o capeta, mas nós sabemos que não, se fosse, seria representado pelo Temer. A melhor parte é que ele está fazendo esta primorosa atuação para crianças. Talvez seja para promover a bolsa Minha Psicóloga, Minha Vida, pois é certo que estes infantes precisarão de acompanhamento psicológico depois dessa cena.

Pocket protagoniza um corno alegre, o que, de cara, já o fez perder pontos. Observem como ele sorri, alegremente, enquanto ostenta seus chifres. O cabelinho constantemente ensebado também o despontua, peço encarecidamente à esposa dele que compre um shampoo para cabelos oleosos para este homem, pois parece que ele lava a cabeça com pudim. Faltou fúria neste chifre. Falou pegada. Faltou aquele misto de loucura com depressão onipresente que só o José Serra tem.


SÓ LOVE

É importante mostrar ao público um lado fofo, amável e receptivo. Para isso, nada melhor do que o gesto universal de fazer um coraçãozinho com as mãos. Desde blogueiras até modelos, todas fazem este gesto afetuoso, não vejo motivos para que quem milita no mundo da política não possa se valer deste recuso também. Vamos ver o grau de excelência no coraçãozinho?

José Serra faz um coração perfeito com as mãos. Observem a simetria. Se você preencher com alguma cor o interior das mãos dele, formará um coração perfeitamente simétrico. E, de quebra, além de fazer um coração perfeito, ele ainda cobre seu rosto com o coração, escondendo seu semblante de falta de energia vital. Todas as pessoas à sua volta estão indiferentes ao coraçãozinho? Sim, claro, a sociedade não está preparada para receber tanto amor.

Já o Pocket… bem, parece mais que ele está fazendo uma aranha do que um coração. O desenho está totalmente assimétrico e um olhar demoníaco seu irradia por cima do coração. O coração é com todos os dedos, não apenas com o indicador. E mesmo que fosse só com o indicador, que porra de dedos retorcidos são esses? Já batemos a cota de presidente com mão que parecia uma pata de galinha, ok?


INCLUSÃO

Sabemos da importância da inclusão, sobretudo na imagem de uma pessoa pública. Deficientes merecem a mesma atenção e respeito que qualquer pessoa padrão. Por isso, não poderíamos deixar de divulgar fotos inclusivas, onde nossos mitos estão interagindo com deficientes em harmonia e descontração.

Sabemos que José Serra está sempre de camisa, calça e sapato social. Sempre me perguntei se, em alguma ocasião, ele flexibilizava o dress code. Taí a resposta: chamado para curtir um dia de praia, sol e mar com uma deficiente física, ele desceu suas vestimentas ao grau máximo de informalidade que lhe é possível: camisa polo e calça jeans. Dentro do mar. Para mim é muito claro que esta senhora está com frio e louca para sair dali, mas José Serra, como bom político, está 100% focado na foto e 0% focado nos seres humanos que estão com ele na foto.

Sobre o Pocket… bem, certeza absoluta que ele não se deu conta de que era um anão. Reparem como ele segura o anão, da mesma forma que se segura uma criança. Aliás, pegar anão no colo é esculacho, né? Ele deve ter visto o anão passando e levantou sem pensar, achando que era criança, totalmente focado na foto, sem nem reparar no que tinha pego. Os dois sujeitos que estão ao lado estão se acabando de rir, provavelmente por isso. Não duvido que, depois de colocar o anão no chão, ele tenha dito “que criança feia, porra”.


LGBT

A comunidade LGBT é cada vez mais expressiva e importante no cenário político. Por isso, vamos avaliar o potencial travesti de cada um deles. A forma como um homem seria uma mulher pode dizer muito de sua essência. Senhoras e senhores, eu os presenteio com Serra Travesti e Pocket Travesti:

Sintam a beleza brejeira de Serra Travesti. Parece a Carla Peres em começo de carreira. Parece aqueles tiozões bêbados que saem no bloco das piranhas de sua cidade de interior no carnaval. Serra é um travesti raiz, sem muitos recursos, mas com olhar sedutor e sorriso misterioso. Aquele traveco que não tem dinheiro para muitas modificações corporais, mas compensa no charme, graça e simpatia.

Não é por nada não, mas o Pocket dava um belíssimo traveco. Não fosse pela barba, seria possível confundi-lo com a Xuxa. O TravePocket está um luxo. Lógico, tem uma produção melhor, está mais bem tratado, é um Travesti Nutella. Ainda assim, tá de parabéns. Tem potencial para ganhar uns trocados na avenida se tudo mais der errado.


Sabemos que por enquanto, Pocket deixa a desejar na Escala José Serra de Desempenho em Fotos, mas Desfavor torce por ele. Que nos próximos anos ele supere o Mestre e nos brinde com fotos maravilhosas, deliciosas e inusitadas para ilustrar esta coluna. Força, Pocket, confiamos em você!

Para dizer que esta coluna deveria ser uma coluna fixa na Veja, para dizer que o Serra deveria ser o Vice do Pocket (imagina as fotos deles juntos!) ou ainda para dizer que vai enviar este texto para a esposa do Pocket pois concorda que ele precisa de um shampoo para cabelos oleosos: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (17)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: