Pilha na Fazenda – 45

Mion continua entrevado, e continua apresentando o programa de pé. Tô com pena do Mion, não tá fácil pra ninguém. Porra, Record, pega algum trono cenográfico dessas bostas de novelas bíblicas que vocês fazem e coloca lá no fazendão para ele sentar!

Após uma votação tensa onde o Smeagle se portou mais uma vez como Escroto Master, jogando na cara do Humorista do Pânico coisas que foram conversadas na base da amizade, a treta continuou e desdobrou até o dia seguinte. Foi um tal de chamar um, confrontar outro, lavar roupa suja. Infelizmente, tudo na maior educação. Nem pra trocar uns tabefes para fazer valer minha privação de sono esses filhos duma puta servem.

A treta culminou em uma discussão entre Paquita Joelma e Humorista do Pânico. Chegou em um ponto onde eu não conseguia mais entender o disse não me disse, a coisa escalou em um ponto que precisaria de infográfico para compreender a complexidade da intriga. O Pilha até explicou mais ou menos o que estava acontecendo, só que o Pilha é totalmente pancada da cabeça. A explicação do Pilha se baseia em onomatopeias nos pontos cruciais da história, o que impede a compreensão.

Por exemplo, se o Pilha fosse contar a história da Branca de Neve, ele contaria assim: “Ela pegou a maçã, e pipipi, pópópó, aí os anões encontraram ela e ficaram desesperados. Quando o Príncipe entrou no quarto pipipi, pópópó e viveram felizes para sempre”. Caralho, Pilha! Conta direito as coisas! Caralho edição! Escolhe alguém que conte direito as coisas para ser quem ilustra o ocorrido!

No meio do pipipi pópópó sobraram duas pessoas extremamente putas: o Humorista do Pânico teve uma crise de choro no ombro do Pilha e a Paquita Joelma passou o dia emburrada e estressada. Azedou entre os dois.

A porra da Prova do Fazendeiro, que o Mion prometeu ser sensacional, concorrida, emocionante, mais uma vez foi decepcionante. Eu esperava algo como andar sobre brasas, pular em um lago congelado, escorregar em um tobogã de gilette. Obviamente não foi nada disso, nunca foi tão fácil ganhar um milhão e meio!

Era uma prova muito da caída, “patrocinada” por uma ótica. Uma espécie de “Jogo da Operação”: eles tinham que passar uma argola por uma longa barra de ferro sinuosa e se encostassem alguma extremidade da argola nela, piscava uma luz e teriam que recomeçar.

Ninguém precisou suar, fazer força ou raciocinar. Basicamente, era uma tarefa que, à exceção do Michael J. Fox, qualquer um poderia realizar, para ser sincera, até símios poderiam realizar. Ok, a prova era uma grandes merda, mas ao menos, acabaria rápido e me permitiria um luxo de, quem sabe, umas quatro horas de sono, pensei eu. Só que não. Esses mão de alface do caralho não conseguem passar uma argola por dentro de um cano.

Erravam a todo segundo e tinham que voltar no trajeto desde o começo. Sem sacanagem, era meia noite e os arrombados ainda estavam lá tremilicando com suas argolinhas (em tese, o programa começa 22:30h!). Ainda bem que ninguém ali passou no vestibular para medicina, se operassem uma pessoa ela viraria um grande sushimi.

Mion, coitado, de pé com sua bengalinha, sentindo sua lombar pulsar, era obrigado a preencher o grande vazio silencioso de horas passando argolinha pelo cano. Não parava de falar, sempre ressaltando que a prova exigia muita concentração. Talvez se você calasse a boca, né Mion? Tava vendo a hora que o Mion ia de bengala e tudo tomar a argola da mão de algum deles e falar “deixa que eu faço, seu arrombado!”.

Na boa, se não conseguiram fazer nem isso, a próxima prova deveria ser um grande tanque de areia onde tivessem que desenterrar um fêmur e ficar levantando o osso e gritando. Não há esperança para essas pessoas.

No final das contas, Smeagle ganhou a prova do fazendeiro. O Brasil está puto. O povo está doido para escorraçar esse filho da puta desde a expulsão da Loira Paranóica e ele está se safando. Está praticamente na final, mesmo sendo um escroto.

Alô Carelli! A hora é essa de botar uma falsa roça: faz com que ninguém saia (para compensar a cagada de cronograma que deu a expulsão da Loira Paranoica), para que o reinado do Smeagle seja em vão. Foda-se quem ele indicar, foda-se quem for para a roça, semana que vem ninguém sai. Fica a dica.

Smeagle fazendeiro cria uma roça Paquita Joelma x Humorista do Pânico, ou seja, tchau Paquita Joelma. Ela é muito batalhadora em provas, esforçada nas tarefas, mente que tem uma doença terminal e talz, mas é uma amarelona. O pêndulo virou, meu anjo, ser vaselina, ser política, estar sempre fazendo malabarismos para não se indispor com ninguém não é mais bem visto. Diplomacia, nesta nova era, é covardia, é frouxidão e não vai ser recompensada. O povo quer ver a sinceridade contundente do Pilha.

Isso deixa o jogo da seguinte forma: Smeagle fazendeiro significa Pilha na próxima roça, a menos que ele consiga fazer a prova de fogo, ganhe, e venha uma imunização. Pelo voto da casa deve ir o João Snow e pelo “resta um” é impossível prever, até porque nem sabemos se vai ser o esquema “resta um”, devido ao número reduzido de participantes. Eu chuto uma roça Pilha, Lutador e João Snow, com Lutador ganhando a prova do fazendeiro, jogando Pilha e João Snow na votação. Mas, até lá, muita coisa pode mudar.

A única coisa que não pode acontecer é uma roça entre Pilha e Humorista do Pânico, pois seria uma final adiantada e deixaria o jogo muito sem graça. Não creio que aconteça, pois mesmo se eles forem juntos, as chances do Pilha voltar fazendeiro são grandes, já que o HP performa absurdamente mal em provas. Em todas as outras configurações de roça as chances do Pilha ganhar são enormes.

Quando eles retornaram para a sede, cumpriram a tradição de voltar cantando uma música bem cagada (no caso, foi um axezinho raiz) para comemorar seus feitos. Acho que chegamos a um ponto onde tanto faz, eles não ficam mais felizes ou tristes com nada, eles só querem, assim como eu, que essa merda acabe logo.

Amanhã é dia morto, onde nada acontece, eles apenas fazem hora para permitir a votação do público para a eliminação de quinta, então, se nada extraordinário acontecer (e não vai, pois eles mesmos estão de saco cheio daquilo ali), voltamos na sexta para cobrir a expulsão da Paquita Joelma. Calma, gente, já está acabando…

Para dizer que a casa vai ficar imunda só com homem lá dentro, para dizer que as festas serão ainda mais deprimentes ou ainda para dizer que pipipi pópópó: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (11)

  • Sally, você sabe por que o João Snow não vota no sertanejo de jeito nenhum?
    Esses dias vi um vídeo da Fazenda e a carcaça do Pilha está pior que meu avô. O cara nem é velho e já está acabado. A imagem dele só de bermuda sem camisa chega a ser tenebrosa.

    • Ana, ele se diz amigo do Sertanejo. Se você parar para pensar, é o único que sobrou que se dava com o grupo dos Lacradores. No caso da semana passada teve um agravante: ele não votou no Sertanejo porque foi o Sertão quem deu o poder para ele, logo, por gratidão, ele o salvou.

      Pilha tá acabado, mas porra, depois de 13 anos de drogas, um monte de prisões e trabalhando na Rede TV, quem não estaria?

  • É, podiam dar um banquinho pra ele sentar. Mais ficaria mais legal se ele tivesse levado o pé de pano em vez daquela bengala.

    E o que era aquela roupinha do gay? Pânico pagava tão mal assim que ele teve que catar no lixo? Vontade de fazer uma fogueira no quintal e queimar. Ele deve ter pensado: fazenda, rural, festa junina… vou levar esse farrapo! Nem os mendigos iam querer aquele trapo.

    E essas provas deveriam ter algo relacionado a uma fazenda. Nem que fosse prova pra ver quem descasca mais batatas mais rápido.

    Mas Sally, será que o público não vai querer que fique a última mulher? Daqui a pouco vão dizer que é machismo.

    • Nada, Catia sai escorraçada. Os novos tempos não perdoam quem não opina, quem não se compromete, quem não dá a cara a tapa!

  • A porra da Prova do Fazendeiro, que o Mion prometeu ser sensacional, concorrida, emocionante, mais uma vez foi decepcionante. Eu esperava algo como andar sobre brasas, pular em um lago congelado, escorregar em um tobogã de gilette.

    Record, contrata a Sally!

  • Na boa, se não conseguiram fazer nem isso, a próxima prova deveria ser um grande tanque de areia onde tivessem que desenterrar um fêmur e ficar levantando o osso e gritando. Não há esperança para essas pessoas.

    Sally, talvez você possa pedir pro Somir inserir via Photoshop a cara do participante que você menos gosta por cima da cara do personagem desta foto:
    https://sarastuslehti.files.wordpress.com/2015/03/apina-2.png

    O que acha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: