Calor faz mal.

Já pode falar mal do calor? Pode, né? Sempre tem um degenerado sem caráter que fica feliz quando os termômetros passam dos 40°, mas eu confio e acredito que a maioria dos que estão aqui estão sofrendo de um profundo desgosto e indignidade com estas temperaturas desumanas. Desfavor Explica: calor faz mal.

Como todo ano a gente mete o cacete no calor, é sempre um desafio buscar uma nova vertente, para que o texto não fique repetitivo. Por isso, este ano vou me furtar da minha fúria e opinião pessoal e falar da escrotidão do calor à luz da ciência: não é achismo meu, o calor de fato gera uma série de desconfortos e efeitos nocivos ao corpo humano.

Como este é um texto para provar que calor é uma desgraça nociva ao corpo e à mente do humano, não vou focar em prevenção ou tratamento de nada, isso vem mais pra frente, em um dos textos da série de primeiros socorros. Portanto, se você está lendo isso esperando receber dicas de como sobreviver melhor ao calor, volto pro Google e procura novamente.

Calor não é alegria, alto astral e good vibes. Calor detona seu organismo, calor faz mal ao corpo e à mente. Calor não deveria ser comemorado e vivenciado da forma insana como o brasileiro vivencia. Não sou eu quem diz, é a ciência, o calor gera uma infinidade de problemas e muitos deles podem culminar na morte.

“Mas Sally, o frio também gera”. Sim, mas no frio você se agasalha e resolve, pois sua temperatura corporal fica aquecida e estável. No calor faz o que? Tira a roupa toda? Tira a pele? A menos que você tenha o privilégio de estar em um ambiente climatizado, o calor acaba te afetando muito mais do que o frio.

Nosso corpo tem um termostato, uma região do cérebro (papo técnico: hipotálamo) encarregada de controlar a nossa temperatura corporal e mantê-la entre 36 e 37°C. Dá um trabalho muito grande manter o corpo nesta temperatura e o trabalho aumenta em muito quando a temperatura externa é ainda maior do que a interna: resfriar é um desgaste maior do que aquecer. Você pode não perceber, mas em dias muito quentes seu corpo trabalha incessantemente para manter a temperatura aceitável.

Quando a coisa esquenta, o corpo tem que agir rápido: acima de 45° o calor mata as células e tira a funcionalidade dos seus órgãos. Então, não é algo que o organismo lide com tranquilidade, é uma situação de estresse para o corpo, literalmente, lutando para sobreviver. Sim, é possível morrer de calor, por sinal, é mais comum do que se imagina.

Acho que todos aqui são capazes de entender que a temperatura do ambiente afeta a temperatura do corpo: quanto mais quente o ambiente, mais o corpo esquenta também. Logo, quanto mais quente o dia, mais trabalho seu corpo vai ter tentando sobreviver.

Para manter as coisas sob controle, nosso corpo tem termoreceptores que controlam a temperatura em diversas partes do corpo. Quando, em algum lugar, a coisa esquenta mais do que deveria, é enviado um sinal para o hipotálamo, no cérebro, que reage imediatamente, funciona como um alarme de incêndio. O hipotálamo dá o comando para uma parte do corpo (papo técnico: sistema nervoso simpático) para que uma série de recursos tentem resfriar a nossa temperatura corporal.

É eficiente? Sim, surpreendentemente eficiente. Mas o corpo entra em estresse. É um problema que tem que ser solucionado para que ele consiga sobreviver. Para resfriar rapidamente, seu corpo tem que fazer uma verdadeira gincana. Como algo eventual, ok, mas viver nesse estresse constante pode ser muito desgastante e gerar até mesmo doenças.

Um dos mecanismos para resfriar a temperatura corporal é a vasodilatação, os vasos dilatam deixando a circulação sanguínea mais próxima à superfície da pele, o que torna mais fácil uma troca de calor, para resfriar o sangue. Por isso muitos de nós quando fazem atividade física ou estão com muito calor ficam vermelhos, é a circulação chegando perto da superfície para tentar reduzir a temperatura do sangue. É como um cachorro colocando a cabeça na janela do carro para tentar pegar um ventinho, só que líquido.

Porém, para reduzir a temperatura de forma eficiente e rápida, o principal mecanismo para resfriar a temperatura corporal é o suor: temos glândula sudoríparas espalhadas pela pele (cada um de nós tem aproximadamente três milhões delas) e quando elas recebem o comando de apagar o incêndio, produzem a transpiração, essa desgraça tão sentida no transporte público. A princípio, ela não tem cheiro, mas quando é decomposta por bactérias, gera um subproduto fedido, que é aquela desgraça que vocês conhecem bem.

As glândulas sudoríparas são, basicamente, pequenos “tubos” de 5mm que produzem o líquido que chamamos de “suor”, formado por água e sais minerais e o levam para fora do corpo através de buraquinhos na pele (papo técnico: poros). Mas, se a coisa ficar feia, em caráter emergencial, as glândulas sudoríparas retiram água dos tecidos à sua volta e o utilizam para o processo.

Ao “criar” ou “disponibilizar” este líquido por toda a pele, ocorre uma troca térmica automática: o corpo, que está quente, acaba cedendo calor para o líquido. É termodinâmica pura, não tem mistério. Se você colocar água em qualquer superfície quente, acontece essa troca de calor: um pouco daquele calor passa para a água.

Ao chegar à pele, o suor carrega com ele esse calor que absorveu do corpo, e acaba evaporando, dissipando este calor no ambiente. É por isso que quando pessoas transpiram em locais fechados os vidros ficam embaçados. Como este processo de transpiração acontece de forma contínua, até que o corpo resfrie, pode acarretar uma perda significativa de líquidos e sais minerais, que podem levar à desidratação e desequilíbrio eletrolítico do corpo.

Novamente, como recurso eventual, tá ótimo, mas ficar suando em bicas todo santo dia provoca um desgaste tenebroso para o corpo. Podemos transpirar mais de dois litros de líquido por dia e com ele minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo. Portanto, suar o dia inteiro não é legal. Além do corpo ficar o tempo todo em estresse, tentando desesperadamente regular a temperatura, ainda ocorre uma perda anormal de líquidos e sais minerais, nem sempre devidamente reposta. E, mesmo que tudo seja reposto bonitinho, continua sendo um desgaste e um estresse.

Na melhor das hipóteses, isso vai provocar uma sensação de exaustão e cansaço. O corpo está trabalhando a todo vapor para tentar regular a sua temperatura, é natural que fique cansado com isso e sobre menos disposição para desempenhar outras tarefas que, aos olhos do organismo, são vistas como “eletivas” (te manter vivo é obrigatório). Assim, é muito natural que a pessoa não sinta a menor vontade de se exercitar ou de fazer qualquer esforço físico, por exemplo.

A pessoa também pode experimentar tontura, náuseas ou até um desmaio. Em casos mais graves a pessoa pode ter desidratação, espasmos musculares, câimbras e até mesmo alterações neurológicas. É possível morrer em decorrência desse desequilíbrio de eletrólitos, principalmente no caso de crianças e idosos.

Se a exposição a calor acontece a longo prazo, pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, pois a exposição prolongada ao calor acaba modificando a espessura do sangue, o que aumenta o risco de AVC. Além disso, a perda de líquido faz a pressão cair, isso força o coração, obrigando-o a bater mais rápido, o que reflete em diversos setores: desde o colesterol até pressão arterial e frequência cardíaca. Sim, as chances de enfartar no calor são maiores.

Outro setor afetado pelo calor é o sono. Como já vimos aqui, para que uma pessoa consiga dormir, é necessário que a temperatura corporal caia. Quando no entorno está uma temperatura infernal, este processo fica um pouco mais difícil. Em alguns casos extremos, dormir no calor faz tão mal ao corpo que a pessoa pode acordar com sintomas similares ao de uma ressaca pela perda de líquidos que teve durante a noite: inchaço, dor de cabeça, falta de concentração e falha na memória.

Pessoas que estão em ambientes quentes tem mais dificuldade para dormir e uma qualidade de sono pior, o que fatalmente tem consequências, que variam desde um aumento na irritabilidade até depressão. Sim, altas temperaturas de forma constante podem causar depressão.

E não é apenas pela falta de sono, existem substâncias que estão relacionadas com a depressão e com aqueles termorreguladores que falamos anteriormente: quando o organismo se vê obrigado a dar o alerta de problemas térmicos muitas vezes, há um processo bioquímico que pode desencadear depressão.

Além disso, o calor causa um desgraçamento tal no organismo que também suprime ou reduz a produção de substâncias que causam bem-estar, como a serotonina, por exemplo. Isso nos deixa menos dispostos, menos felizes e mais propensos à depressão.

É tão comum que ganhou nome: “Depressão de Verão”. Normalmente começa com perda de apetite, alterações no humor, ansiedade, insônia até a coisa evoluir para um quadro depressivo. Segundo especialistas, esta depressão sazonal tende a regredir sozinha quando o calor extremo passa, uma vez que é este calor do cão o que impede que o corpo mantenha um equilíbrio bioquímico. Mas é comum que retorne quando o fator externo retorna, ou seja, no verão seguinte ela provavelmente estará lá novamente.

E aqui, um desvio rápido do assunto. Está comprovado cientificamente algo que eu venho dizendo desde sempre: em um calor extremo, ventilados mais atrapalha do que ajuda. Lançar contra a pessoa rajadas de ar quente só atrapalha o mecanismo de regulação de temperatura do corpo, dificultando o processo e contribuindo para que a pessoa passe mal. Parem de ligar ventilador no verão como se isso fosse adiantar, só piora a situação!

Há relatos de pessoas que desenvolvem comportamento violento no calor. Não apenas a violência de ordem criminal (agressões, estupro e cia), mas também a violência verbal, no trato e uma queda drástica da educação e polidez, em função do estresse que o corpo passa para se regular termicamente. O mal estar constante nos deixa menos tolerantes e educados.

A danação não acaba. Estudos comprovaram que calor excessivo também pode causar coágulos no cérebro e danos em órgãos vitais, pois o hipotálamo desvia o sangue para a superfície (vasodilatação) para tentar reduzir sua temperatura e com isso pode deixar de abastecer partes do corpo (papo técnico: isquemia).

Dependendo do grau e do local que fique sem o suprimento correto de sangue, podemos ter as seguintes danações: morte cerebral, ataque cardíaco, severos problemas no intestino, falência de órgãos como fígado ou rins, problemas no pâncreas.

Eventualmente, se a exposição ao calor é prolongada, o corpo pode cansar e, por exaustão, não suporta e não consegue mais promover esse resfriamento constante, é o que muitas pessoas chamam de “golpe de calor”. O sistema de refrigeramento colapsa, fazendo com que a temperatura do corpo suba muito rápido. Neste caso, podem acontecer morte em massa das células de algum órgão (cérebro, coração, intestino, rim, fígado ou pulmão), fazendo com que simplesmente esse órgão morra e, muitas vezes, que a pessoa morra junto com ele.

Pode parece algo exagerado e distante, pois o brasileiro é tão castigado pelo calor que só sobreviveram aqueles que sabem se cuidar, mas calor mata – e não mata pouco não. Em 2003 morreram 70 mil pessoas na Europa por causa do calor. Em 2010, na Rússia, mais de 10 mil morreram. E olha que lá a temperatura não é tão quente como aqui. Não é brincadeira, é uma ameaça à vida humana.

Então, parem de celebrar algo que deixa seu corpo em constante esforço, colapsado, estressado. Não é saudável, não é bonito, é desgastante e pode até matar. Não sei que tipo de desvio de caráter tem quem gosta de suar o dia inteiro, sinceramente, esse tipo de pessoa é um erro evolutivo.

Para dizer que não há dignidade acima dos 20°, para dizer que achou pouco e quer que falemos mais mal do calor ou ainda para dizer que pessoas que gostam de calor deveriam ser esterilizadas: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (63)

  • Um pesquisador que trabalhava comigo, com uns 70 anos, desidratou em um verao ha alguns anos atras, teve um mini AVC e perdeu a memoria de curto prazo. Nunca mais conseguiu sair de casa sozinho.

  • Indignidade é a palavra perfeita para definir esse inferno.
    Um adendo a lista de coisas que ficam mega cagadas no verão: cabelo. Gasto o dobro em cuidados nessa época.

  • Este texto resumiu minha vida morando aqui no Nordeste. Só duas temperaturas no ano, quente e quente pra caralho. Mau humor quase constante, com queda de pressão já até me acostumei. Em alguns meses eu não posso fazer nada no forno! Senão a casa inteira fica ainda mais quente. No mercado o ar condicionado não dá conta. Vai fazer algo simples, como varrer o chão? Em algumas épocas meu corpo esquenta e sua tanto que tenho vontade vomitar.
    Mas o pior são as pessoas, todo mundo fedido, com a pele oleosa e feliz! Tocando música alta e comendo buchada. Nojo desse lugar!

  • Por mais que a gente idealize a Europa como um continente “evoluído”, o verão aqui consegue ser menos digno que no Rio de Janeiro.
    A grande maioria das cidades não possuem nenhum tipo de estrutura para suportar o calor. Aqui em Londres não há ar condicionado nas linhas de metrô, nos ônibus e na maioria dos trens. Algumas linhas do metrô possuem apenas aquecedor, outras possuem um ventilador que só piora a situação. E não há janelas! O calor fica preso 24h dentro do sistema do metrô.
    É extremamente difícil achar alguma loja ou shopping com ar condicionado, e quando tem, os locais não entendem muito bem o conceito de refrigeração e deixam as janelas e portas abertas.
    Não é raro fecharem o transporte devido às altas temperaturas, ou distribuírem Coca Cola e água mineral na entrada pra previnir desidratação (spoiler: bebidas quentes. Qual é a dificuldade de botar as bebidas pra gelar nesse país?)

    Alugar casa com ar condicionado? Missão impossível! Mesmo os prédios novos não possuem sistemas de refrigeração, apenas de aquecimento.

    Comprar ar condicionado ou ventilador? Boa sorte! Ano passado todos se esgotaram antes de julho, e quem não conseguiu comprar, se fodeu até final de agosto.

    • É que o verão europeu dura pouco, por isso não se investe tanto. Mas, acreditem, ainda assim são muito mais evoluídos: imagina o contrário, imagina se um dia neva no Brasil, no Rio, em Salvador. Simplesmente morre a metade da população!

      • Roma em maio estava um calor , meu gezuiz
        Não sei se é a quantidade de Brasileiros q interfere no clima , mas estava nível de qualidade Rio no carnaval, uma gente fedida nos ônibus hahaha . Pior q todos os outros países durante aquele mês estavam com temperaturas baixas . Foda. Calor destrói dignidade.

  • Todo ano morre japonês, canadense, europeu etc. por causa do calor. Brasileiro médio morrer que é bom nada. Infelizmente eu moro no inferno/cu /shit hole do Brasil, sei como é não ter dignidade. Impossível ser feliz. Depressão todo dia é aqui. Não dá dá pra viver sem ter que gastar rios de dinheiro com ar condicionado. Lugar amaldiçoado. E vocês do Sul reclamando de 35 graus? Ha! Nem sabem o que é sofrimento de verdade!

    • Brasileiro médio está acostumado, passa de geração para geração o que tem que fazer para sobreviver. Seria o mesmo que ocorrer uma nevasca violenta no Brasil: morreria metade da população.

  • “ain sou chique não gosto de calor”
    Pois eu amo calor e verão.
    Na verdade, fico mais bem humorado no calor, e depressivo no frio.

    • Ama calor mas é analfabeto funcional. O texto não é sobre ser chique, o texto não é nem sequer sobre opinião. São evidências científicas do dano que o calor causa ao organismo humano.

      • Haha, o calor deve ter derretido o cérebro dele! Mas me fala vc que mora no Rio, que fim levou uma lenda urbana que ouço há anos, que os ônibus teriam ar condicionado? Ontem peguei ônibus pra Zona Sul (que teoricamente seria o local menos animalesco dessa cidade) e torrei no 435 na ida e na volta!

          • nesse caso nao tem a ver com o caos habitual, é que as empresas de onibus tem todo mundo no bolso mesmo. Unica cidade do mundo em que rodoviaria nao conecta com metro nem aeroporto.

            • Mas sequer convem às empresas de ônibus ser uma merda, lucrariam muito mais se fossem um sistema eficiente… Ou não?

  • Engraçado, eu já reparei mesmo a algum tempo que realmente ocorrem com meu corpo alguns itens elencados no texto: no calor noto inchaço nas pernas, as veias ficam estufadas, sinto dores e pontadas nos pés. Além é claro de todo combo moleza e improdutividade, pressão baixar etc.

    Agora, algo que me irrita mesmo é o fato de o calor me tirar o apetite. Tem dias que não como nada, só bebo, ou, quando muito, tento me forçar a comer alguma coisa só pra forrar o estômago mesmo a contravontade.

    Depressão no verão não tenho não, fato curioso, tendo a ter minhas crises quando chega a primavera, em setembro ou outubro. Já nos meses de outono e inverno são os que mais me sinto bem e produtivo. Será que existe algum gene ou algum neurotransmissor, enfim, alguma pré-disposição biológica que explique isso?

      • Sim! É mudar a temperatura e vir aquele monte de polens de flores que começo a espirrar, e mais ainda: é só vir o calor + tempo seco + poeira que meu nariz já entope e dá ruim, é meio passo pra rinite atacar, sinusite, garganta fechar e todo combo de problemas respiratórios.

        • No Japão, esses seus sintomas são típicos do que eles chamam de kafunsho, que lá afeta 1 a cada 5 habitantes (gringos também). Só que lá a alergia é causada pelo pólen de dezenas de espécies de cedros e ciprestes, muitas das quais são abundantes também aqui no Sul e no Sudeste. Vai saber se o seu problema envolve essas árvores também…
          (p.s.: melhor não visitar o Japão no inverno e na primavera, quando a alergia ataca)

  • Sally, tu sabe dizer sobre a influência da umidade no calor? Porque já peguei calor de deserto com 51ºC no termômetro, e não era tão sofrido quanto 36ºC com clima mais úmido… Na umidade elevada parece que o corpo pesa uns 40kgs a mais, dá uma leseira e a preguiça toma conta, termina com a vontade de fazer as coisas do dia a dia.

    • Sim, a umidade faz toda a diferença. Simplificando muito a grosso modo, em um clima seco, o suor evapora mais rápido, dissipando o calor do corpo que se vai com ele de forma mais eficiente. Em um clima úmido o processo demora mais para acontecer, portanto, é menos eficiente, causando essa sensação nojenta de corpo melado.

  • Uma coisa que eu ABOMINO é como os Homo Percussionis Oleosus, vulgo pobre pau-no-cu, parece que é movido a energia solar, com o exemplo mor sendo o carioca.

    Enquanto alguns querem paz e tranqüilidade para descansar, o HPO tem outra reação ao calor insuportável: juntar seus pares, comprar um contêiner de cerveja barata, encher a cara e garantir que toda a população no raio de um quilômetro saiba que ele está se divertindo, com urros, gargalhadas e música alta. E dá-lhe aquela picape com o som no talo com a santíssima trindade da música ruim: sertanejo universitário, pagode e funk.

    Quer descansar depois de uma semana de trabalho? FODA-SE meu filho, pois é um dever religioso do HPO agradecer a dádiva divina que é o calor escorchante com seus rituais animalescos.

    • É assustador. Passam o dia em um sol escaldante bebendo cerveja (que, teoricamente, desidrata) e estão sempre cheios de energia. Talvez seja pacto com o demônio…

      • E já morei perto de um vizinho barulhento que trabalhava de terceirizado pra companhia de urbanização da cidade. O cara passava o dia inteiro de lá pra cá num caminhão que faz aquele reboco de asfalto que sempre acaba espalhado pra todo lado conforme os carros passam por cima, fazendo aquela merda e preenchendo buracos. Passava calor no caminhão, e depois saía pra aplicar o reboco num sol infernal.

        O cara estava sempre animado, sempre energético, sempre comemorando alguma coisa, e se conseguia pegar uns dias de folga, pegava aquele trânsito congestionado num calor infernal pra ir pra praia, ou quando o dinheiro estava curto, chamava o povo praquele churras. O pique do cara não acabava NUNCA.

        Quer dizer, quase nunca. No tempo frio ele “hibernava” e passava o tempo todo reclamando do “frio que não vai embora”.

    • O homo baianus é a mesma coisa, senão pior: Som alto até o talo e demorando 500 anos pra acabar. Esta mania de mostrar alegria com muito barulho pra ostentar felicidade é uma merda – além de demomstrar que os envolvidos estão escondendo uma tristeza imensa da vida igualmente de merda que levam. Não é divertimento, é válvula de escape – e das mais babacas e incivilizadas que possam existir.

  • De férias em local onde a temperatura quase sempre beira os 40 desde outubro (e algumas vezes passa), está além da compreensão ver as pessoas na expectativa da ceia de Natal com pernil, peru, maionese e outros pratos pesados, sobretudo por ter como base pratos originários de locais onde a temperatura beira os -40…

    De resto, há a questão ambiental também. Onde estou, uma cidade de 20 mil habitantes, agora toda casa, toda loja e (quase todos) os carros dispõem de ar-condicionado. O melanoma vai tocar o terror daqui a algum tempo.

    • Não entendo como as pessoas conseguem comer gordura e muitas calorias no calor. Tem dias que eu só consigo beber…

  • As únicas pessoas que comemoram este calor assassino são as que tem dinheiro para passar o dia todo na frente de um ar condicionado ligado na potência máxima, ou passar este período horrível do ano em um lugar com clima civilizado. Não dá para gostar de calor se você tem de conviver com ele.
    Eu me sinto um pouco culpada pelo meu rendimento no geral diminuir durante o verão. Duas vezes mais esforço para ir à academia, para me manter agindo de forma educada… inferno! Ainda bem que essa estação ruim logo vai passar, e que onde moro tem inverno.

    • Paula, aqui no Rio muita gente que não tem condições de arcar com um ar condicionado comemora e passa o dia torrando na praia. Juro que eu não entendo o que se passa na cabeça dessas pessoas.

      Não se sinta culpada, é seu corpo entrando em exaustão pelo simples esforço de te manter viva e em uma temperatura decente. Respeite o pedido do seu corpo e descanse o quanto precisar!

  • Insolação é algo realmente terrível! Li em algum lugar – que agora não me recordo – que havia um costume antigo entre povos de regiões áridas de que os inimigos mais detestados fossem simplesmente abandonados no deserto. Essas pessoas eram forçadas a ir caminhando por longas distâncias com as mãos atadas atrás das costas e sem direito a água ou a descanso enquanto seus algozes iam de camelo. Depois de muitos quilômetros, com os abutres já rondando no céu, a caravana ia embora e largava o condenado exaurido de tanto andar sob o sol escaldante para “acabar de morrer” no meio do nada.

  • Avatar

    Innen Wahrheit

    Por que será que BM considera “chique” e “metido a besta” quem tem ar condicionado em casa, mas ao mesmo tempo gasta o dobro do valor em celular para fazer selfie? Acho que o calor fez mal a essas pessoas…

    • Talvez o cérebro tenha encolhido com o calor, vai saber. Tem gente que simplesmente não gosta e não sente necessidade de ar condicionada. Felizmente eu não me relaciono com esse tipo de degenerado, todos meus amigos prezam pelo conforto térmico.

  • O-D-E-I-O calor e verão com todas as minhas forças. Aqui em Brasilia ainda tem uma época do ano (além do verão), entre Agosto e Setembro, que é popularmente conhecida como “época da seca”. Basicamente não chove, faz um calor do caralho e a umidade do ar despenca. A única coisa que presta são os ipês que florescem nessa temporada. E por incrível que pareça tem gente que acha esse clima o máximo.

    E a PIOR viagem que fiz na vida foi quando fui pra Tocantins. Era tão quente, mas tão quente que além de eu não conseguir dormir direito por duas semanas inteiras, ainda fiquei doente a ponto de ser internada. Parecia uma sucursal do inferno. Não volto lá nem que me paguem. Horrível apenas.

    • Fernanda, calor adoece mesmo, não é brincadeira. O corpo funciona em sobrecarga, fazendo um esforço do cacete para regular a nossa temperatura, em algum momento esse estresse cobra seu preço. Eu também odeio verão é calor, não há dignidade nem plenitude de capacidades acima dos 20°!

    • Também conheço Brasilia, e é foda essa secura toda. Acho curioso que nessa época entre agosto/setembro essa secura também ocorre aí pros lados de Goiás, MT e parte de MG no pontal do triângulo.

  • Anotei os argumentos científicos pra usar! Só me faltou entender por que os br exaltam o verão insano? Seria pra copiar os gringos que tem um verão aceitável e o inverno muito frio? Mas eles gistam de verdade ou só dizem que gostam pra ser cool?

    • Eu acho que tem um pouco dessa síndrome de vira-lata de se orgulhar daquilo que é característico do seu país. Ou é isso ou esses filhos da puta são movidos a energia solar.

  • Malditos humanos e sua teimosia em povoar todo lugar do mundo! Esses dias eu li sobre lugares remotos habitados, tem uma ilha chamada Tristan da Cunha, longe de tudo, sem nenhum recurso e que já foi palco de desastres naturais, não tem motivo nenhum pra aquelas pessoas continuarem ali no meio do nada. Mas continuam. Vai entender…

    A propósito, é previsto aumento da migração humana devido às mudanças climáticas, muitos lugares estão ficando insuportáveis de tão quentes. Será que podemos nos identificar como trans-europeus e conseguir uma esmolinha social pra emigrar pra um lugar mais frio?

    • E para entrar nessa ilha você precisa da autorização de todo mundo que mora lá!

      Não sei o que se passa na cabeça das pessoas para fincar residência em locais onde a temperatura ultrapassa os 40°.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: