Pilha na Fazenda: 48

Na sexta basicamente exploraram a expulsão da Paquita Joelma. Ela se mostrou surpresa quando recebeu a notícia da expulsão: disse que não teve intenção de agredir e pipipi e pópópó. Depois foi em programa da Record dizer que foi sacaneada pela produção do programa, que viu que ela estava em um dia ruim e, ainda assim, colocaram uma atividade no dia.

Mas era só o que faltava, não é mesmo? A Madame está putinha então a produção tem que suspender todas as provas? Faz que nem o Pilha: tá ruim de cabeça se recusa a fazer a prova, peitando toda a merda que isso vai gerar. Não tem coragem, não é mesmo? Diplomacia em excesso gera repulsa popular.

Pilha passa os dias sentado em uma cadeira de madeira do lado de fora da casa que parece seu trono. Fica sentado ali falando sozinho, geralmente mal dos outros ou fazendo ameaças. Pode trocar logo o nome desta porra de programa, cancela a Fazenda e passa a anunciar como o The Pilha Show.

De vez em quando passa alguém perto do trono onde ele senta para refletir e, do nada, leva uma esculhambada do Pilha (o trono fica próximo da entrada da casa). Pode ser dos mais diversos gêneros de desaforo, desde “você está gordo” até “não tem caráter”. Pilha é tipo aqueles populares que ficam escorados em uma esquina esperando mulher passar para soltar cantada, só que em uma versão esculhambativa. Amo. Tenho percebido que os participantes andam evitando passar por ali, dão a volta toda, só para não levar um forinha pilhal.

Pilha está todo arrebentado depois da prova do labirinto. Dor nas costas, dor no corpo, dor na perna. Precisou até ser medicado. Ou esses arrombados desses roteiristas tomam jeito e criam umas provas mais adequadas, ou vão perder sua estrela principal para uma emergência ortopédica. Por sinal, Pilha continua catarrando pela casa, alguém deveria chamar um pneumologista para ver o que está acontecendo com esse pulmãozinho fumante…

Como se não bastasse o confuso esquema explicacional “pipipi pópópó”, o Pilha incorporou uma novidade: por já ter sido flagrado diversas vezes falando mal dos outros por estes mesmos outros, que entraram repentinamente no recinto, agora ele se refere a todo mundo como “Mano”. Assim, se alguém o escuta falando mal, não sabe de quem ele está falando. Ex: “o Mano é um filho da puta arrombado que merece uma vela acesa no cu” – Se passa o Smeagle ele diz que estava falando do João Snow, se passa o João Snow ele diz que estava falando do Smeagle. Resolvido o problema do flagra.

Porém, para entender o que o Pilha fala é preciso um certo sacrifício, contexto e rever alguns programas anteriores: “o Mano chegou e aí pipipi pópópó”. Porra, Pilhão, facilita aí, tá cansativo para quem está do lado de fora também, quase três meses em privação de sono cobrindo esta merda. Desenha e mostra para a câmera, assim eu entendo com facilidade e você não se entrega para os colegas.

No sábado teve a festa semanal, com a temática Festa Mexicana. Se essas festas já eram caídas normalmente, imagina agora que só tem homem na casa. Por sinal, pessoas que não tem a menor noção do México: ficaram cantando uma música da Shakira, que é colombiana, de forma caricata.

Nem eles nem a produção parecia saber. O repertório de músicas não teve uma única canção mexicana: além da colombiana Shakira, teve Guantanamera (cubana) e Despacito (Porto Rico). Também… qual música mexicana esse povo conheceria? Talvez aquelas do Chaves no especial da Acapulco… No final da festa tocou “Vamos abrir a roda” da Sarajane. Ai ai ai, Record, me ajuda a não cacetar vocês todo santo dia?

Se uma festa com estas pessoas e sem mulher já seria ruim, ficou ainda pior quando a produção do programa teve a brilhante ideia de colocar uma banda de Mariachis para tocar. É um empenho em tornar tudo o mais insuportável possível como poucas vezes eu vi na vida. Essa gentalha cheia de tequila, os Mariachi tocando, eles com roupas quentes todos suados no calor… apenas parem.

No domingo o programa bombou tanto que o ponto alto foram eles competindo para ver quem gritava “GALOPEIRA” mais alto.

Pilha está a um passo da internação psiquiátrica. Ficou deitado na cama conversando com dois passarinhos de enfeite. Isso mesmo, duas esculturas de passarinho que ficam na sua mesa de cabeceira. Mas o problema não é conversar com objetos inanimados (quem nunca?) o problema é quando eles respondem.

Pilha falava com o passarinho e depois colocava o bico do passarinho em seu ouvido e fazia sinal positivo com a cabeça, comentando a resposta que o passarinho deu. Pilha vai gastar o um milhão e meio que vai ganhar em Haldol. Curioso é que os passarinhos só respondiam coisas esculhambativas sobre os outros participantes. Passarinhos bem venenosos esses…

Já percebi que quando o Pilha começa a se emputecer ele fica obcecado com a palavra “patifaria”. Desde sábado ele vem usando muito o termo “patifaria”, inicialmente em privado e depois, já sem tanta paciência, nos cornos dos outros mesmo. O clima está uma delícia.

Na segunda teve formação de roça, que o Mion havia prometido ser “uma roça diferente de tudo que você já viu”.

Pilha continua conversando com pássaros, mas desta vez ao menos era uma ave real. Deu uma esculhambada em Naps, como vocês podem ver aqui, chamando o animal de “tucano safado”. O Pilha tem uma forma peculiar de demonstrar afeto.

Mion anunciou as mudanças: a roça seria dupla (não mais tripla), com apenas duas pessoas, sem chance de alguém se salvar voltando fazendeiro, e, a partir de agora não tem mais fazendeiro. É cada um por si, sem poderes especiais.

A formação de roça foi ontem (segunda), a eliminação será hoje (terça). Quinta será disputada uma prova cujo prêmio é garantir uma vaga na final do jogo.

Intervalo. Na série de propagandas hediondas, apareceu uma promoção da empresa ESGOTOTAL, que, ao que tudo indica, limpa os canos de merda da sua casa. Meus mais sinceros parabéns ao publicitário que fez este trocadalho do carilho com o nome desta empresa, mas, se os seus canos estão entupidos, fica a dica: Esgototal está em promoção, chama eles para tirar a merda seca que aderiu aos canos.

Finalmente fizeram uma atividade divertida: montaram um cenário com roupas e perucas e mandaram eles encenarem as cenas mais marcantes desta edição, uma espécie de Imagem & Ação muito da grotesca. Foi um tal de homem de peruca emulando brigas de mulheres, Pilha imitando sotaque carioca e dançando axé e todo mundo sacaneando todo mundo… Foi realmente engraçado. Tá disponível lá no site oficial da Fazenda, se você for masoquista e quiser ver.

Pilha abriu o tão suado poder do fogo e finalmente foi algo relevante: ele ficou imune à roça do dia, o que o coloca praticamente na final da Fazenda. Valeu a pena se arregaçar todo naquele labirinto, catarrar dia e noite, ser medicado com relaxante muscular por quase uma semana. Pilhão fora da roça!

Smeagle, o fazendeiro, indicou João Snow direto na roça, com a alegação de que, por ser reta final, queria eliminar todos aqueles que fossem bons de prova, pois seriam possíveis rivais. A votação da casa empatou: dois votos para o Humorista do Pânico, dois votos para o Lutador. Coube ao Smeagle, por ser fazendeiro, decidir quem mandava para a roça.

Complicou para Smeagle, pois poucos minutos antes ele disse que sua estratégia era eliminar quem era bom de prova. O Lutador, que é seu amigo, ganhou o apelido de “Rei das Provas”, enquanto que o Humorista do Pânico, que não é seu amigo, é ruim pra danar nas provas. Ou ele salva um amigo e um forte concorrente, ou joga um amigo na fogueira para ficar com menos concorrência.

Smeagle nem piscou: meteu no cu do amigo, mandou o Lutador para a roça para que ele não seja um concorrente em uma futura prova. Formou-se uma roça inédita: João Snow x Lutador, dois participantes que até então nunca haviam participado de uma roça.

Mion anunciou que a eliminação seria no dia seguinte, ou seja, hoje. Pilha teve uma crise nervosa e começou a chorar quando a roça terminou. Chorava feito criança abraçado no Lutador dizendo que ele voltaria desta roça. Até hoje, o Pilha não errou uma previsão, mas desta vez vai errar, por dois motivos: 1) Lutador é vaselina, não se compromete, nunca se mete, nunca dá opinião, sempre sai de fininho quando tem embate. Um amarelão do caralho que não se posiciona e 2) o Lutador foi responsável pela grande escrotidão com a Loira Paranoica, espalhando para as pessoas que ela flertou com ele. Quando foi confrontado ao vivo e teve a oportunidade de se posicionar e tirar ela da forca, não o fez, se omitiu.

Vai dar João Snow na cabeça. Lutador escorraçado para fora da Fazenda hoje. Repito: o povo não quer mosca morta, o povo não quer gente que não se posiciona e o povo não gosta de hipócritas que estão devendo na praça e viajam para Paris destratando a atendente que liga para cobrar a dívida. Pilhão, nessa você errou: Lutador sai.

E estou feliz que saia, é um forte concorrente para o Pilha na prova de quinta. Nosso herói ainda está todo quebrado daquele maldito labirinto da prova de fogo, quanto menos competidores fortes, melhor. Quero o Pilha ganhando essa prova na quinta-feira e indo direto pra final, sem passar por roça nenhuma.

Amanhã voltamos para narrar com detalhes o escorraçamento do Lutador, aquele que disse representar a família tradicional brasileira, mas também falou que se não fosse pelo dinheiro daria uma bicuda na boca de uma mulher (a Loira Paranoica). Não dá não, meu filho. O povo não gosta de quem foge de conflito. Consegue uma máquina do tempo e volta cinco anos que você ganha a Fazenda 2005, pois nessa, o pêndulo virou.

Para dizer que o Pilha vai ter que fazer a prova de cadeira de rodas, para dizer que a paumolescência dos roteiristas está tão grande que não duvida que a prova seja de sorte ou ainda para dizer que está muito feliz por esse aterro sanitário televisivo estar chegando ao fim: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (3)

  • Mas Sally… yada yada is good!
    Música mexicana… Thalía.

    Sally, quais as característacas que você acha mais admiráveis em Pilha? Os impopularem tem ou deveriam tê-las?

    • Pilha sempre entrega mais do que promete, ele nunca decepciona:

      Vai pro Paraguai? Em vez de trazer muamba ele embrulha uma escopeta em um cobertor e tenta passar com ela pela polícia na fronteira
      É preso? Em vez de ficar na dele, faz escândalo pela pouca quantidade de papel higiênico e sai falando e Tupi-Guarani
      Briga com a esposa? Processo é para os fracos, o Pilha entra no elevador fazendo escarcéu e mete um garfo enferrujado na garganta
      É internado em uma clínica de rehab? Come duas pilhas, uma caneta bic e um isqueiro e quando é levado ao hospiral, sai correndo de batinha com a bunda de fora
      É parado pela polícia e liberado da revista? Ri da cara do policial e diz que ele tão burro que nem viu sua arma com numeração raspada no banco traseiro

      Eventos que poderiam ser chatos viram show, viram atração, viram diversão quando protagonizados pelo Pilha. Ele suga o máximo que aquela situação pode dar, com seu carisma e vocação para showman, faz de qualquer merda um espetáculo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: