Sobrevivendo ao calor.

Já explicamos na terça passada todos os motivos científicos pelos quais o calor detona seu organismo e realmente faz mal. Agora é hora de ensinar você a lidar com esse inferno. Desfavor Explica – Primeiros Socorros: sobrevivendo ao calor.

Como já explicamos no outro texto, o calor pode gerar uma série de doenças e disfunções, desde coisas menos fatais, como desidratação, insolação, cãibras ou exaustão até problemas graves como enfarto, AVC e morte. Não estamos falando de um calorzinho chato, e sim de ondas de calor: períodos em que a temperatura sobe acima dos 40° e fica neste inferno por muitos dias. Você sabe como lidar com uma onda de calor?

A premissa principal para evitar danos à sua saúde é: ajudar reduzir a temperatura do corpo. O objetivo principal deste texto é te ensinar como reduzir e regular sua temperatura corporal em dias quentes, assim você pode colaborar com o seu organismo nesta batalha bizarra pela sua dignidade e vida. Mas, também vamos te ensinar a socorrer pessoas vítimas de excesso de calor.

Nosso corpo é tão sensível que sentimos calor mesmo quando a temperatura externa é bem menor do que a do nosso corpo. Podem observar, com os termômetros a 30° já estamos transpirando, apesar da nossa temperatura corporal ficar em torno dos 36°. É que a regulação térmica não é um processo rápido, então, ao menor sinal de perigo, o corpo já começa a trabalhar para se resfriar. E você pode ajudar neste processo. Talvez a sua ajuda faça a diferença entre vencer ou perder essa batalha contra o calor.

A primeira recomendação é a mais básica: hidrate-se. O dia inteiro, o tempo todo. No calor, além de perder muito líquido transpirando, o que gera a necessidade de reposição de líquidos e sais minerais, ingerir líquidos gelados ajuda a reduzir a temperatura corporal. Para repor líquidos, a boa e velha água resolve, mas para repor os sais minerais, beba isotônicos ou água de coco. Na dúvida, reponha ambos, mas você vai saber que faltam sais minerais quando começar a sentir enjoo.

Porém, um adendo: não é para suar feito um louco e depois beber dois litros de água. A hidratação tem que ser lenta e gradual. Beba muito líquido durante o dia todo, em quantidades que não te façam sentir mal-estar. Nada de se entupir de água de forma obsessiva: escute o que seu corpo pede, quando ele estiver satisfeito, pare.

Além de se hidratar de forma preventiva, esteja atento às necessidades do seu corpo. Ele vai se encarregar de te dar o aviso quando você estiver bebendo uma quantidade insuficiente de líquido, através da sua urina. A urina, ao contrário do que muitos pensam, não tem que ser aquele amarelo vívido. Ela tem que ser quase transparente. Se sua urina está em um tom amarelo forte, você precisa ingerir mais líquido. Beba pequenos goles em curtos períodos de tempo até que a urina esteja quase transparente.

Não espere ficar com sede. A sede indica que já há uma defasagem de líquido. O correto é beber água de forma preventiva, regular e durante todo o dia. Pode não ser fácil no começo, mas depois vira um hábito e a coisa vai fluir naturalmente. Você pode comprar uma garrafinha só sua para levar com você onde você for ou até usar um aplicativo que te lembre de beber água. Cada ser humano tem uma necessidade específica, mas, em termos gerais, podemos estabelecer a média de um litro a cada duas horas como margem segura para evitar desidratação em dias muito quentes. Porém, como já foi dito, escute seu corpo sobre a hora de parar: quando ele sinalizar que chega de água, não se force a beber mais.

Evite bebidas açucaradas (por exemplo, refrigerantes), pois elas reduzem a capacidade do corpo de armazenar água. Sim, aquela Coca-Cola gelada no verão é furada. Evite também bebidas alcoólicas, café e bebidas cafeinadas (como alguns chás, por exemplo), que são diuréticos naturais. Ajude seu corpo a te ajudar, não jogue contra, fazendo ele perder líquidos. E respire pelo nariz, para não perder líquido evaporado pela boca. Não parece, mas isso ajuda a manter o corpo hidratado por mais tempo.

Alimentos frios também podem ajudar a reduzir a temperatura corporal. Porém se o alimento estiver muito gelado, o tiro pode sair pela culatra: o choque térmico vai fazer o corpo produzir muito calor para equilibrar a temperatura, o que será contraproducente. Se o alimento tiver um alto teor de água, como por exemplo é o pepino, melhor ainda, pois além de reduzir a temperatura corporal, ele ainda ajuda a hidratar. Em contrapartida, alimentos gordurosos e ricos em proteínas podem jogar contra, aumentando a produção de calorias e dificultando que o corpo se resfrie.

Sabe outra coisa que aumenta o calor e é subestimada? Fogão. Cozinhar no forno ou no fogão faz com que seu corpo absorva parte daquele calor no momento do preparo e também o calor dos alimentos cozidos. Se puder optar por alimentos frios (sopas, saladas ou o que mais quiser) nos horários de maior calor, isso vai ajudar.

Prefira saladas, alimentos crus e poucos calóricos, ao menos nas horas mais quentes do dia. Alimentos termogênicos, aqueles que aceleram seu metabolismo, por incrível que pareça, são aliados: fazem você suar, ajudando a refrescar seu corpo. Então, não há necessidade de suprimir a pimenta em dias quentes.

A forma como se come também é determinante. Em vez de passar muitas horas sem comer e depois fazer uma refeição que empanturra, faça pequenas refeições em curtos intervalos de tempo. Assim você não vai dar um grande trabalho para que seu corpo possa digerir tudo, obrigando-o a um grande esforço. Quanto menos esforço, menos calor ele produz no processo.

Se não queremos ingerir alimentos quentes, muito menos queremos calor em nossa pele, certo? Se for possível, fuja do sol, ao menos nos horários de risco, ou seja, das 10 às 16h. Também se for possível, fique em locais frescos, climatizados ou bem ventilados. Se estivermos falando de crianças e idosos TEM QUE ser possível, a temperatura ambiente os afeta de uma forma muito violenta e o corpo tem mais dificuldade em regular sua temperatura. Crianças e idosos não devem circular pela rua no horário de risco.

Se você tiver que ficar ao ar livre, fique ao menos na sombra. Se for a sombra de uma árvore, melhor. Durante o processo de fotossíntese elas liberam uma quantidade de água no ambiente que dissipa o calor. Se não tiver jeito e você tiver que ficar ao sol, aplique filtro solar, ele impede que sua pele toste e produza ainda mais calor. Aplique e reaplique o protetor solar a cada duas horas, ou até antes se estiver transpirando muito.

Borrife água pelo corpo, principalmente nas áreas de maior circulação sanguínea, para tentar resfriar o corpo: rosto, nuca, pulsos. Você pode colocar um borrifador com água na geladeira e, de tempos em tempos, dar uma borrifada. Se tiver oportunidade, um banho frio também ajuda. Frio, não gelado, para que o corpo não tente combater o excesso de frio se esquentando. Só tome cuidado com água e sol ao mesmo tempo (ex: piscinas), porque pode acabar prejudicando mais do que ajudando: ao se refrescar você não percebe o quão quente está o sol e pode acabar não se protegendo de forma adequada.

Se te for permitido escolher qualquer tipo de roupa (algumas profissões ou trabalhos não permitem), escolha obviamente roupas frescas, que permitam a circulação de ar (assim o suor evapora) e absorvam a umidade (e, de preferência, em cores claras, que absorvem menos calor. Roupas para praticar esportes costumam ter excelente tecnologia nesse sentido.

Se estiver exposto ao sol, cubra a cabeça: boné, chapéu, bandana… o que quiser. Novamente, se for de cor clara, melhor. Isso vai manter sua cabeça mais fresca. Foco nos pés também. Tente usar calçados que permitam que o pé “respire”. Se não puder deixar o pé de fora (chinelo ou sandália), use sapatos que tenham ventilação (como tênis de corrida) e meias de algodão.

Cabelos longos esquentam mais do que parece, prenda seus cabelos. Mas prenda de modo a que eles não cubram a nuca, nada de fazer um rabo de cavalo baixo, que continua esquentando a região. Evite utilizar muitos acessórios de metal, eles também acabam retendo calor e atrapalhando a regulação térmica do seu corpo.

Agora que já vimos o que fazer para se manter fresco, vamos ver o que você pode fazer para manter seu ambiente fresco. Ventiladores só são úteis em caso de calor moderado, no calor extremo eles só pioram a situação, jogando rajadas de ar quente na pessoa, dificultando ainda mais o resfriamento corporal. Em dias absurdamente quentes, infelizmente, o ar condicionado é a única solução eficiente. Se não for possível para você, vá para prédios públicos, shoppings ou qualquer lugar que esteja climatizado.

“Mas Sally, eu não tenho dinheiro para gastar”. Você não pagaria cinco reais para escapar de uma internação hospitalar? Sente em um café, peça uma água e fique a tarde toda estudando ou trabalhando ali. Se não tiver nem cinco reais, passeie pelo shopping ou pelo supermercado, que é de graça. Sente em uma biblioteca climatizada e leia um livro.

Raios de sol se convertem em calor. Por isso, um ambiente protegido dos raios de sol é um ambiente mais fresco. Feche as cortinas. Se puder, compre uma cortina blackout térmica, que impede a entrada do calor. Para lugares com temperaturas extremas, vale até Insulfilme no vidro, para reforçar a cortina. Em uma versão caseira, você pode colocar nas suas janelas algo que ajude a refletir a luz do sol e o calor, por exemplo, papel laminado.

Se você estiver em uma casa, avalie a cor do seu telhado. Parece bobagem, mas a cor do telhado pode influenciar em até 10° para mais ou para menos na temperatura interna. Prefira telhados em cores claras e, se possível, faça um tratamento especial para que absorvam menos calor.

Se você não tem a possibilidade de dormir com ar condicionado, uma dica que ajuda na hora de pegar no sono é colocar sua roupa de cama no congelador algumas horas antes de dormir. Mas ela deve estar devidamente embalada, para que não molhe (se molhar, vai mais atrapalhar do que ajudar). Antes de deitar, retire lençol e fronha do congelador e forre a cama com eles. O fresquinho não vai durar a noite toda, mas vai ajudar a resfriar o corpo pelo tempo necessário até pegar no sono. E, se puder, escolha tecidos de fibras naturais para sua roupa de cama, que permite que o ar circule melhor.

Levar para perto da cama uma bolsa de água gelada (pode ser uma bolsa térmica congelada ou qualquer outro blocão de gelo improvisado) também pode ajudar a refrescar. Se quiser, coloque-o na frente do ventilador, assim o vento que chega até você chega gelado.

E, por falar em ventilador, em dias absurdamente quentes, como já foi falado, eles mais atrapalham do que ajudam se jogarem ar quente em você. Funcionam melhor jogando o ar para fora (para dissipar o calor) do que jogando o calor para cima de você. Isso mesmo, aponte o ventilador para a janela, para que ele elimine o ar que está aquecido dentro do quarto e dê lugar para que o ar mais fresco, de fora, entre. Se for ventilador de teto, coloque na função exaustor, para que ele puxe o ar quente para cima.

Para terminar, se for possível, desconecte-se. Aparelhos eletrônicos fatalmente emitem alguma quantidade de calor e quando a situação já está limítrofe, esta pode ser a gota d’água para você passar mal. Desligue tudo que puder e tente permanecer em repouso, em uma atividade que não demande esforço, como por exemplo, lendo um livro.

Prevenir é sempre melhor que remediar, mas temos que estar prontos para agir caso prevenção não seja o bastante, certo? Vamos para a fase 2 do texto, o que fazer se, mesmo com toda a prevenção possível, alguém está passando mal em decorrência do calor.

Se tudo mais der errado e seu corpo colapsar, existem dois estágios de problema: a Exaustão pelo Calor (menos grave) e a Insolação (muito mais grave, um agravamento do quadro de exaustão). Basicamente o que diferencia os dois é que na exaustão a pessoa está transpirando muito e na Insolação ela perde esta capacidade, portanto, a pele está seca. Mas vamos falar sobre eles em detalhes.

A consequência mais comum é a exaustão pelo calor, que ocorre quando o corpo perde muito líquido e sair minerais por transpirar mais do que consegue. Graças a essa exaustão, o corpo entra em desequilíbrio e começa a perder a capacidade de se resfriar, o que pode se fatal e, por isso, deve ser identificado o quanto antes. Os sintomas mais comuns são: confusão, desorientação, sudorese excessiva, palidez, pele fria, frequência cardíaca acelerada, dor de cabeça, fraqueza, náuseas, tontura, enjoo, desmaios e muita sede.

Se você desconfiar que a pessoa possa estar sofrendo de exaustão pelo calor, leve-a imediatamente para o local mais fresco que puder e hidrate a pessoa repondo líquidos e eventualmente sais minerais. Você vai saber se a pessoa precisa repor sais minerais se ela estiver enjoada ou vomitando. Normalmente isso é feito por isotônicos ou água de coco, mas também é possível preparar soro caseiro: um litro de água filtrada, uma colher de sopa de açúcar (20g) e uma colher de chá de sal (3g).

Se a pessoa estiver com roupas quentes ou apertadas, tente substituir as roupas por outras mais frescas ou ao menos afrouxá-las. O processo para normalizar o corpo pode demorar horas, por isso é fundamental que você acompanhe a temperatura corporal da pessoa. Se a temperatura estiver elevada, faça compressas frias na nuca e nos pulsos. Porém, tenha em mente que em hipótese alguma a temperatura pode passar dos 40°. E, sempre que possível, procure ajuda médica. Mesmo sendo mais brando que a Insolação, é indispensável uma avaliação médica.

Você pode chamar o SAMU, se a pessoa estiver muito mal e for um risco desloca-la, ou levar a pessoa a um hospital. Você deve fazer isso com urgência urgentíssima se: pessoa ficou inconsciente (nesse caso monitore batimento cardíaco e respiração até o socorro chegar) e/ou temperatura da pessoa subiu acima dos 40° e/ou

Se a situação não for controlada, ela pode evoluir para um quadro mais grave chamado Insolação. Os sintomas são: pele avermelhada, temperatura corporal alta, dor de cabeça, respiração rápida, pulso acelerado, confusão mental, ausência de suor, convulsões e até ficar inconsciente. Basicamente o que diferencia a Exaustão da Insolação é o suor. Na Exaustão a pessoa transpira muito, fica melada. Na Insolação ela para de transpirar. E sim, é possível ter insolação sem ter contato com um único raio de sol, é sobre temperatura corporal, não sobre luz solar.

No caso de Insolação, é chamar o socorro imediatamente e tentar disponibilizar atendimento médico. Enquanto isso, tente resfriar o corpo da pessoa, mas tome cuidado para não causar um choque térmico: nada de colocar ela em uma banheira de gelo nem de dar bebidas muito geladas para a vítima. Também é importante que a pessoa não beba a água toda de uma vez, de forma repentina. Tem que ser gradual, pelos mesmos motivos: evitar choque.

A insolação é muito grave e, mesmo que a pessoa melhore, é indispensável que consulte um médico, para avaliar se houve algum dano ao organismo. Não é brincadeira, gente. Sem tratamento IMEDIATO, o óbito por insolação é de 80%. Mesmo que a pessoa se sinta melhor, podem existir danos a alguns órgãos, é indispensável passar pela avaliação de um médico e por exames.

Não sejam teimosos ou negadores, por mais que calor seja considerado algo “normal” no Brasil, qualquer organismo pode um dia colapsar. Procurem ajuda imediatamente.

Para dizer que odeia ainda mais o calor agora, para dizer que tem mais argumentos para fugir do calor ou ainda para comprar uma garrafinha de água para você: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (23)

  • Sally, help me?

    Aconteceu comigo o famoso “braços e pescoços escuros, corpo claro” por conta do sol…Você tem alguma dica para “nivelar” as cores?

    • O jeito mais facil é tomar sol até igualar, passando protetor na parte escura.

      Voce pode passar autobronzeador na parte clara, mas vai ser bem dificil conseguir o mesmo tom…

  • Ventilador nesse inferno só vale se for alternando com o ar condicionado. Mas o que esperar do verão quando o inverno passou dos 35 graus?

  • Eu sempre fiz quase tudo isso, porque tenho menopausa desde os 20 (brincadeira, mas sinto um calor do caramba)… enquanto lia, e cheguei na parte do ‘borrife’, estava, coincidentemente, borrifando água na nuca, enquanto bebia Gatorade, e rezando para uma inversão términa transformar esse país tropical, abandonado por deus, e fudido por natureza, num país temperado decente. Calor acaba comigo.

  • Confesso que nunca tinha me passado pela cabeça a idéia de usar Insulfilm nas janelas de casa. Depois de ler aqui, vi que isso fazia sentido. Pesquisei rapidamente no Google e descobri que há várias empresas que fazem esse serviço.

      • Não dava pra deixar janelas do apê abertas por mais calor que estivesse porque tinha gente dos prédios vizinhos que ficavam manjando tudo o que você fazia, imagino. E, pelo que já me contaram sobre o jeito como baiano fica todo ouriçado com “galega” – que é como eles chamam as loirinhas -, isso deveria ser ainda mais necessário, certo?

        • Isso é a ponta do iceberg. Mesmo em condomínios de luxo eles fazem da janela uma lixeira, e jogam coisas como absorventes sujos pela janela, foda-se se vai cair dentro da casa de alguém. Além disso gritam, falam alto, escutam música merda em volume elevado… é tanto desgraçamento que poderia ficar por dias contando.

  • Dicas valiosas, Sally. Curioso que isso não é ensinado nem em escolas e nem nesses programas de TV ditos de utilidade de pública. Pelo menos não com tantos detalhes como vi aqui. E será que, com a sua experiência em veterinária, você não poderia escrever algo semelhante direcionado para quem tem cachorro e gato em casa? Os bichinhos devem ser até mais sensíveis que os humanos ao calor e tem muito dono irresponsável que os leva pra passear no pior horário, quando as solas das patinhas queimam no asfalto. Isso sem falar nos que não disponibilizam água fresca, sombra e um banho e uma tosa que ajude a incômoda sensação de abafado do corpo dos mais peludos.

    • Posso sim, excelente ideia. Os pets sofrem demais no calor, até porque brasileiro parece que gosta de ter raças que não lidam bem com calor: Pug, Bulldog Francês, Husky Siberiano…

    • O que meu nutrólogo me disse: evitar beber água meia hora antes e meia hora depois das refeições, para não comprometer a digestão. Segundo ele, líquidos durante a refeição não apenas comprometem a digestão como ainda geram uma propensão muito maior a ficar com uma barriguinha estufada. Eu não bebo absolutamente nada durante as refeições e recomendo que todos façam o mesmo, o resultado é impressionante: a barriga chapa.

        • Pode ir na fé. Perdi 20 kg no ano passado, e essa foi a primeira das regras fundamentais passadas pela nutróloga para erradicar a barriga.

        • Me pergunto se isso vale pra toda e qualquer comida ou apenas as comidas ditas sólidas que a gente come no almoço como arroz e feijao. E se isso vale pra qualquer líquido ou somente água.

          Porque por exemplo, se eu almoço e bebo suco de frutas sinto certo peso na barriga sim. Se eu bebo só um pouco de água “pra desafogar” após o almoço, não sinto nada. Já se eu bebo vinho acompanhado de uma massa no jantar, é uma situação bem diferente do almoço. E beber leite com biscoitos molhados no café também é outro contexto.

          Mas sobre a mensagem anterior a respeito de beber água gelada e fazer mal, vi inclusive un vidéo no Facebook sobre isso com um monte de informações, dizendo que água gelada atrapalha na digestão de gorduras, bem como atrapalha no equilíbrio térmico do corpo etc. Fiquei me perguntando se não era só mais um fake news…

          • A orientação que recebi é de que vale para qualquer líquido e para qualquer comida. Independente da comida, não beba nada meia hora antes nem depois. Independente do líquido, só beba meia hora antes ou meia hora depois de comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: