Lacre suicida.

Jussie Smollett afirmou ter sido agredido por dois homens usando bonés escrito “MAGA”, ou “Make America Great Again”, lema da campanha do presidente americano Donald Trump, após sair para comer na madrugada de 29 de janeiro. Segundo ele, os homens seriam brancos e teriam perguntado se ele era “o gay de Empire”, quebrando uma de suas costelas e jogando alvejante em cima do ator, além de terem enrolado uma corda em seu pescoço.

(…) Jussie Smollett foi preso na manhã desta quinta-feira (21) em Chicado, nos Estados Unidos. De acordo com um comunicado do porta-voz da Polícia de Chicago, Anthony Guglielmi, o ator está preso e sob custódia de detetives. LINK


Acusação: falsa denúncia. A turma do lacre não só não aprende como joga cada vez mais contra a própria causa. Desfavor da semana.

SALLY

O ator Jussie Smollett, declaradamente gay e negro, foi até a polícia e contou a seguinte história: estava saindo de um restaurante, quando dois homens se aproximaram dele e começaram a agredi-lo. Não apenas teriam espancado o ator, como também teriam colocado uma corda no seu pescoço e jogado alvejante nele, enquanto proferiam ofensas racistas e homofóbicas.

Para finalizar, os dois agressores teriam também tornado pública sua adoração por Donald Trump, deixando claro que o fato de serem eleitores de Trump tinha relevância nestes atos de barbárie. Graças às câmeras de segurança que existiam na rua, os dois homens foram identificados e presos. O ator deu vários depoimentos emocionados, se disse traumatizado, foi às lágrimas, contou e recontou a história choroso de forma comovente.

Como o fato ocorreu nos EUA, a polícia realmente investigou a fundo o caso e, vejam que interessante, descobriu que tudo não passou de uma armação do próprio ator, que deixou provas incontestáveis contra ele mesmo no caminho. E lá não é brincadeira, vagabundo que denuncia um crime que não ocorreu pega prisão na hora. Foi o que aconteceu com Jussie Smollett. Mas, este episódio vai muito além do vexame e do trabalho de… porco realizado pelo ator.

Este episódio mostra como o lacre está morrendo lentamente diante dos nossos olhos e a única solução desesperada que encontram para tentar sobreviver é forjar atos e fatos para provar sua vitimização. O que estamos vendo, amigos, é a história se desenhando diante dos nossos olhos. Tudo que vem sendo apontado na última década está se confirmando: são vitimistas sem caráter que fazem qualquer coisa por uma intocabilidade social e outros benefícios. Não é pela causa negra, nunca foi pela causa negra (ou gay, ou qualquer outra). Quando há esta vitimização pública histérica, é sempre em proveito pessoal.

Fico imaginando a fúria de quem efetivamente milita pelos direitos iguais de negros ao ver a causa sendo jogada na lama desta forma. Jussie Smollett prestou um tremendo desserviço para quem não tem interesse em benefícios e vantagens, apenas em igualdade real. Sacaneou os “irmãos” não apenas desacreditando agressões racistas, mas também escolhendo dois negros para agredi-lo e permitindo que eles fossem presos, em silêncio. Uma pessoa que desrespeita assim a causa negra e os próprios negros jamais poderia abrir a boca para se dizer militante da causa.

E a motivação pela qual Jussie Smollett armou tudo isso é ainda mais revoltante: segundo a polícia, o que o moveu a forjar as agressões foi o desejo por um salário maior. O ator da série “Empire” queria ganhar mais e achou que um evento que gerasse esse tipo de comoção geraria apoio popular massivo, que se reverteria em mais dinheiro na sua conta, se não por um aumento de salário, por entrevistas, publicidade e patrocinadores.

Chama a atenção a burrice. Ele tinha vínculo direto com os dois agressores contratados. Um era ator figurante do seriado onde ele trabalha, e o outro já tinha sido seu personal trainer. Trabalho de… porco. Burro, burro, burro pra caralho. Anos de vitimização sem questionamento deixaram a turma do lacre sem qualquer medo de serem contraditados. A certeza da impunidade faz isso. São como criatura de cativeiro que sempre tiveram água e comida farta e, quando soltos na natureza, não sabem se virar. Vão se extinguir rapidamente, pois além do pêndulo estar virando e gritos e vitimização não colarem mais, eles não sabem fazer as coisas direito, pois nunca precisaram.

Mesmo vendo que os dois colegas foram presos, ele não colocou a mão na consciência e foi falar a verdade. Não, deixou dois negros serem encarcerados em troca de, talvez, lacrar e ganhar um salário maior. Aí, amigão, fica bem difícil não antipatizar. O que Jussie Smollett fez, nestes tempos loucos polarizados de alta dualidade foi abrir um puta precedente escroto para generalização. Ele conseguiu prejudicar e descreditar não só a ele, como a todos os negros. Não é correto fazer isso, mas alguém aqui tem alguma dúvida de que agora todas as agressões a negros serão desacreditadas?

O resultado (porque lá essas coisas têm consequências) foi o pior possível para o ator: foi afastado da série onde trabalha e foi preso. Ainda foi chamado publicamente de “vergonhoso e egoísta” pela polícia, que reclamou de ter gastado tempo e dinheiro para investigar o caso. “A palavra da vítima basta” é o caralho, a turma do lacre tá surtada, inventando desde suástica até água sanitária na cara, para tentar manter algum protagonismo. Presunção de inocência sim, obrigação de inocência jamais.

Vejam até onde essas pessoas doentes estão dispostas a ir: Jussie Smollett começou enviando cartas a si mesmo simulando ataques racistas por escrito. Como não repercutiu da forma como ele gostaria, o doente mental pagou para ser espancado. Consta que ele teve uma costela fraturada, que mais tarde se descobriu nem ser no evento e sim provocada por ele mesmo. Os lacrianos estão loucos, dispostos até à autolesão para não perder seus privilégios de coitadinhos. Isso é doentio e preocupante. São pessoas capazes literalmente de qualquer coisa.

Jussie Smollett achou que por ser gay e negro era intocável, mas vai descobrir da pior forma que não é (mais). Pior forma mesmo, ele está bastante fodido. É que no meio dessas cartas de ódio que ele se auto enviava, chegaram alguma com um pó branco, algo que poderia dar a entender uma ameaça química. Se isto de fato for provado e relacionado a Jussie Smollett, ele pode pegar até mesmo prisão perpétua e sem moral para chorar que está sendo preso por ser negro. Acabou o escudo protetor.

O mais curioso é que ele não é réu primário, já foi preso por outros motivos, entre eles se passar por outra pessoa e dirigir embriagado. Só que estes eventos ocorreram em épocas onde “minorias” podiam tudo e ninguém se atrevia a reclamar ou apontar dedos. Pois é, a intocabilidade acabou e a coisa vai ficar realmente feia para ele, pois com estes antecedentes criminais mais a repercussão do caso, dificilmente ele escape de um tempinho na cadeia após a condenação, isso se não pegar prisão perpétua. Sem contar que sua carreira acabou, está morta e enterrada. Vai ter que vender churros na esquina.

Para reflexão: uma pessoa capaz de uma bosta dessa não surta do dia para a noite. É uma pessoa basicamente sem caráter, o que pode ser percebido com alguma convivência, em atos do dia a dia. Então, de duas uma, ou os imbecilóides que defenderam Jussie Smollett são igualmente sem caráter ou são apenas retardados que acreditam que cor de pele e orientação sexual são garantias de não cometimento de crime: Viola Davis, Naomi Campbell e tantas outras celebridades passaram vergonha. Vê se eu vou defender cegamente um argentino apenas por ser argentino? JAMAIS. Isso se chama retardo mental. Hora de pararmos de prestigiar retardados mentais, não acham?

Jussie Smollett está se portando como um rato. Não admitiu a merda que fez e a todo momento tenta enganar a polícia. Por exemplo, entregou um documento contendo o registro de suas ligações telefônicas grotescamente editado. Trabalho de… porco. Obviamente a polícia percebeu imediatamente e só piorou sua situação. Idiota. Imbecil. Incompetente. Seja homem e assuma o que fez.

A espiral do silêncio acabou. Não eram direitos iguais que lacradores queriam? Pois tomem direitos iguais, quando comunicarem um crime serão investigados como qualquer cidadão e, se for falso, vão parar na cadeia. Acabou a brincadeira. Acabou o coitadismo. Acabou o tirar proveito. E olha, pelo andar da carruagem, todo idiota que tente forjar algo vai se ferrar muito, pois são absurdamente burros e incompetentes. Peguem seu saco de pipocas, 2019 vai ser divertido.

Para dizer que Jussie Smollett cagou na saída, para dizer que a retardada da suástica também deveria estar presa ou ainda para dizer que enquanto isso o STF criminaliza homofobia: sally@desfavor.com

SOMIR

Como a Sally explicou bem o caso, fico mais livre para continuar analisando a espiral autofágica dos lacradores. Não se pode negar o sucesso do movimento politicamente correto em invadir a sociedade desde os seus primeiros passos na era da internet. Hoje em dia, uma boa parte dos jornalistas da mídia de massa e uma imensa maioria da indústria do entretenimento segue essa visão de mundo. Mesmo forçando a barra e enfiando seus gostos goela abaixo da sociedade, mesmo agindo de forma agressiva contra homens e brancos em geral, conseguiram cravar o pé dentro do cenário cultural humano com uma força incrível.

E não é pouca coisa: se disséssemos meros 30 anos atrás que as maiores fontes de informação e entretenimento da humanidade seriam palco para radicais praticamente defendendo o extermínio de homens brancos heterossexuais, todos ririam da nossa cara. Não era possível que as coisas virassem dessa forma tão rápido. Mas, por incrível que pareça, voltou à moda “culpar os judeus”, desde que os judeus da vez não fossem judeus. Claro que dessa vez não tem um exército do lado do discurso de ódio para efetivamente aplicar a violência pregada, mas continua sendo impressionante como isso conseguiu achar seu caminho de volta para o que configura discurso aceitável.

Não estou dando uma de vítima aqui: com certeza o público alvo dessa raiva toda está muito mais seguro em 2019. Não temo grupos de extermínio batendo na minha porta. Mas mesmo assim, um grupo de radicais ganhou uma voz enorme na nossa sociedade. Numa análise fria das coisas, estão de parabéns. Eu também não imaginava que daria para colocar esse tipo de argumentação de volta na grande mídia tão rápido assim, achei que a memória da humanidade sobre políticas de identidade seria um pouco mais longa. A turma do lacre conseguiu um poder enorme sobre a comunicação humana num período recorde de tempo.

Mas, todo grupo baseado em ódio tende a fracassar. Novamente, vamos olhar para a história: grupos que ganham notoriedade ao colocar a culpa de todos os problemas em outros grupos só tem isso em comum. O senso de unidade parece enorme no começo, mas inimigos comuns não criam amigos. Ou, como diz a sabedoria popular: o inimigo do meu inimigo não é necessariamente meu amigo. E depois da ascensão meteórica da turma do lacre culpando homens brancos por tudo, essa gente toda precisa se coordenar. E isso é muito complicado. Os nazistas foram sendo consumidos por problemas internos, o ódio contra judeus não se provou força coesiva o suficiente. E olha que tinham a vantagem de uma liderança centralizada. Péssimas decisões atrás de péssimas decisões da parte deles nos salvaram de um futuro muito ruim.

E agora começamos a ver o problema estrutural com a ascensão dos lacradores: a única coesão clara vem da percepção de um inimigo comum. Fora isso, um não está necessariamente disposto a ajudar o outro. Já existem divisões consideráveis entre feministas radicais e transexuais, por exemplo. Se todos os grupos buscam vantagens pessoais imediatas, o conflito de interesses é inevitável. Pior, como uma das características mais fortes da personalidade de quem coloca a culpa nos outros pelos seus problemas tende a ser o egoísmo, você não vai querer depender de um grupo como o dos lacradores. A satisfação pessoal de destruir quem julga seus inimigos é tão grande que ninguém está à salvo. Não adianta se dizer defensor da mesma causa, o prazer do lacrador está em causar sofrimento naqueles que julga culpados pelo seu próprio sofrimento. Um grupo de sádicos tende a se tratar muito mal…

E não são só as brigas internas (existe uma bomba-relógio gigante nos lacradores sobre os transexuais, prepare a pipoca porque vem por aí uma guerra civil), são as atitudes infantilóides como as de Jussie Smolett ou a menina da suástica aqui no Brasil. Em busca de atenção ou vantagens, a tentação de aumentar o seu grau de vitimização fica muito alta. Ao invés de ser só mais um dentre tantos com exatamente o mesmo discurso, a pessoa pode ser uma “vítima estrela” e curtir os benefícios da reação dos outros lacradores. Virou uma medida de valor dentro do grupo. A pessoa mais oprimida ganha. E como faz parte da cultura do grupo não duvidar de nenhuma afirmação (até pelo medo de virar alvo da raiva dos outros), parece relativamente simples explorar o contexto cultural sendo vítima de algum ataque.

Felizmente para nós e infelizmente para eles, o número de ataques reais contra as ditas minorias não é grande o suficiente para atender as necessidades de vitimização. Tanto que feministas radicais criaram conceitos como microagressões e estupro virtual para conseguir alcançar a cota de sofrimento necessária para ser bem vista pelo grupo. Os vilões que eles criaram são tão ruins nisso de maltratar os lacradores que até explicar alguma coisa para uma mulher é uma forma de agredi-la! Se toda a mentalidade do grupo é baseada em ser vítima de violências e opressões dos seus supostos inimigos, a demanda fica tão grande que é necessário inventar agressões.

E aí, quem está fora desse grupo começa a ter bons motivos para parar de acreditar nas acusações. Os jornais e programas baseados no lacre começam a perder credibilidade, e por tabela, financiamento. O lacre está gritando “lobo” sem parar, uma hora vamos todos cansar. E quando isso finalmente acontecer, eles vão começar a se atacar buscando os culpados. O lacre vai se matar sem dar chance para o inimigo atacar…

Para dizer que todo mundo que não gostamos é nazista, para dizer que o lacre não era sustentável, ou mesmo para dizer que nunca deu certo juntar muita mulher no mesmo lugar: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (13)

  • Confesso que nem tinha ouvido falar desse assunto, mas pelo que li aqui, esse cara não deve mesmo passar é de um tremendo de um idiota…

  • Off topic, mas nem tanto:

    Alguém me acorda quando o Oscar voltar a ser uma premiação dos melhores do cinema, não um festival de representatividade. Chega de lacração.

  • Pobres ratos e porcos! Você os ofende comparando com essa figura! Ratofóbica! Porcofóbica! (brinks)

    Gente assim poupa acaba com o trabalho de gente séria… e o pior…. faz com que quando houver abusos de verdade, as pessoas achem que é ´lacração´. Merece várias borrachadas, para largar mão de ser besta…

  • Por mim, um lixo humano desses passaria os próximos 5 anos de sua vida insignificante segurando uma plaquinha, na rua, com os dizeres: “Sou um lacradô vagabundo, narcisista, manipulador e agora criminoso. Por favor, me xingue o quanto quiser” (uma punição criativa nesse caso cairia muito bem). Se não pegar prisão perpétua, que ao menos pegue um tempo considerável atrás das grades. É o tipo de verme que merece ser boicotado pelo resto da vida e só ser citado quando for pra ser desprezado pelo resto da sociedade. Todo castigo pra militonto vitimista é pouco.

    O que me consola é que ,mesmo os EUA nadando no chorume do politicamente correto, eles ainda não se esquecem de aplicar a lei quando necessário e contra quem for. Se fosse aqui no Brasil, além disso não dar em nada, esse merdinha estaria dando entrevista pra Globo ou sendo acolhido por alguma ONG, grupinho influente ou algo do tipo.

  • Estamos vivendo uma distopia, todas as bizarrices que Orwells e Huxleys da vida anteviram há décadas já acontecem ou estão perto de acontecer. A melhor coisa a se fazer é sentar, observar e ver q os “malucos da conspiração” tavam certos o tempo todo.

  • Queria entender por que desde 2010 o mundo ficou tão sensível. Mimimi palavras machucam, mimimi você é não sei oque fóbico, mimimi idolatre meu cu mimimi censure esse programa. Que mundo chato as crianças de hoje estão conhecendo.

    Sério, quem foi o responsável por isso?

  • Como deve ser bom viver num país onde a justiça funciona sem dó, por aqui esse cara ia ganhar algum cargo político no Rio de Janeiro. Mas senti um fiapo de esperança quando vi a condenação de Ciro Gomes por chamar o Holiday de “capitão do mato” por ele não atender as expectativas da esquerda radical. E, pelo menos na minha bolha social, tem alguns militantes já fazendo críticas abertas aos radicais. Tem que ser assim mesmo, não ter medo de abrir a boca ou então nunca mais vamos poder abrir a boca. O preço da liberdade é a eterna vigilância e a guerra cultural (que sim, existe) está longe de acabar.

    • Reparou nas manchetes do caso Ciro? Ninguem usou a palavra “racismo”. Se fosse um Bolso-Filho imagina como não teria sido…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: