Enquanto isso…

Enquanto isso, num beco escuro, dois bandidos ameaçam uma vítima:

BANDIDO 1: Hoje você vai sangrar!
VÍTIMA: Socorrooooo!
BANDIDO 2: Ha ha ha! Não adianta gritar, ninguém vai te ouvir!
VÍTIMA: Me deixa em paz!
BANDIDO 1: Se você fizer o que a gente quer, talvez você volte pra casa.
VÍTIMA: Alguém me ajuda!

Um dos bandidos começa a desabotoar a calça. A vítima começa a chorar, mas logo na sequência, um vulto em altíssima velocidade atrai uma corrente de vento na direção dos três. Diante da vítima, surge um homem vestindo um uniforme colorido e uma capa esvoaçante.

BANDIDO 2: Quem é você?
HOMEM: Eu sou Capitão Invencível, protetor dos inocentes.

O bandido mais distante puxa uma arma e dá dois tiros no peito do herói. As balas não causam nenhum dano.

CAP. INVENCÍVEL: Ha ha! Balas não podem me vencer. Você vão passar um longo tempo na cadeia.
VÍTIMA: Ah não!
CAP. INVENCÍVEL: Se você quer que eu os mate, vai contra o meu código de…
VÍTIMA: Ah não um homem branco me salvar!
CAP. INVENCÍVEL: Oi?
VÍTIMA: É isso que está errado com a nossa sociedade! Você se aproveita do seu privilégio para oprimir os mais fracos e ainda te chamam de herói?
CAP. INVENCÍVEL: Se eu… se eu não te salvar, você entende que esses dois vão te… você sabe…
VÍTIMA: Cadê as mulheres super poderosas na nossa sociedade? Por que não pode ser uma mulher de cor no seu lugar?
CAP. INVENCÍVEL: Eu realmente não estou entendendo, você quer que eu… não te salve?
VÍTIMA: Eu quero mais representatividade!
CAP. INVENCÍVEL: Tudo bem… mas o que você quer que eu faça nesta situação?
VÍTIMA: Que você deixe de ser privilegiado! Chega de homens brancos!
BANDIDO 1: Você ouviu a moça! Sai daqui!
VÍTIMA: Moça? Você está presumindo meu gênero? É isso mesmo?
BANDIDO 2: Você é traveco?
VÍTIMA: Eu não acredito no que estou ouvindo! Se você queria me salvar do estupro, chegou tarde! Não é assim que você se refere aos transgêneros.

Os bandidos e Capitão Invencível se entreolham, visivelmente confusos. A vítima aponta o dedo para o homem fantasiado.

VÍTIMA: E eu digo mais, se não fosse essa sociedade patriarcal tóxica, esses dois seres humanos não estariam por aí tentando violentar outras pessoas. Você criou eles!
CAP. INVENCÍVEL: Peraí, eu já sei o que fazer.

Capitão Invencível põe uma mão na têmpora e se concentra. Segundos depois, uma nuvem de fumaça escura se materializa diante dos presentes. Um homem negro vestindo um uniforme todo escuro surge de dentro da nuvem.

HOMEM: Eu sou… Doutor Negro! Quem precisa da minha ajuda?
CAP. INVENCÍVEL: Ainda com esse nome?
DR. NEGRO: O que tem de errado com meu nome de herói?
CAP. INVENCÍVEL: É estranho para um herói.
DR. NEGRO: Você está dizendo que negros não podem ser doutores?
VÍTIMA: Isso, irmão, diz pra ele!
CAP. INVENCÍVEL: Claro que não! Estou dizendo que normalmente quem se chama Doutor é vilão, não herói.
DR. NEGRO: Então por ser negro eu sou vilão?
VÍTIMA: Eu não acredito que ele disse isso! Abaixo o homem branco e seu preconceito!
BANDIDO 2: Não… é verdade. Doutor sempre é vilão. Eu achei que você ia ajudar a gente quando apareceu.
CAP. INVENCÍVEL: Não disse?
VÍTIMA: Claro que você ia ficar do lado do estuprador.
DR. NEGRO: Você me chamou aqui só para me ofender?
CAP. INVENCÍVEL: Não! E não! Esses dois aqui iam estuprar ela… ou… ele, eu vim intervir, mas ela… ou… ele… me disse que não queria ser salva por um homem branco.
DR. NEGRO: Então você só me chamou porque eu sou negro?
CAP. INVENCÍVEL: Sim… não! Eu te chamei porque você é um herói. Vocês são tão difíceis de agradar.
DR. NEGRO: Vocês?
VÍTIMA: Para o homem branco opressor, todos os negros são iguais!
CAP. INVENCÍVEL: Você vai prender os bandidos ou não?
DR. NEGRO: Não depois de ser ofendido assim! E espere só até a imprensa ficar sabendo disso!

Doutor Negro desaparece em outra nuvem de fumaça.

BANDIDO 2: Bom, a gente vai esperar lá no café da esquina até vocês se resolverem aí, certo?
BANDIDO 1: Isso! Qualquer coisa chama a gente, tá?
CAP. INVENCÍVEL: Vocês ficam exatamente onde estão.

Capitão Invencível repete o movimento com a mão na cabeça e pede para todos esperarem um pouco. Quinze minutos depois, um carro dourado para na frente do beco. De dentro dele, sai uma bela mulher em trajes sumários portando duas espadas.

MULHER: Ninja Dourada pronta para o combate!
CAP. INVENCÍVEL: Ainda bem que você veio. Preciso prender esses dois bandidos!
NINJA DOURADA: Você perdeu seus poderes?
CAP. INVENCÍVEL: Longa história… você pode me ajudar agora?
NINJA DOURADA: Claro, fofinho.

Ninja Dourada salta no ar, e depois de várias piruetas, aterrissa entre os dois bandidos, com uma espada no pescoço de cada um.

BANDIDOS: Eu me rendo!
CAP. INVENCÍVEL: Pronto! Feliz?
VÍTIMA: Não!

Capitão Invencível e os dois bandidos suspiram desanimados. Ninja Dourada fica visivelmente confusa.

NINJA DOURADA: E ela é?
CAP. INVENCÍVEL: Supostamente, a vítima…
VÍTIMA: Você vai me fazer sair nos jornais como se eu fosse salva por essa mulher? Olha para o corpo dela! Isso é um padrão problemático de beleza! O uniforme dela tem tantos buracos que isso só pode ser resultado de uma fantasia masculina das mais nojentas. Prefiro ser estuprada do que perpetuar esses estereótipos machistas sobre a aparência feminina!
CAP. INVENCÍVEL: Ela é asiática…
VÍTIMA: Só por isso eu não estou ofendida com a apropriação cultural. Mas não admito que ela me salve.
NINJA DOURADA: Ela é retardada?
VÍTIMA: AAAAAAAAAAAHHHHHHHH!

Todos parecem assustados.

VÍTIMA: Jamais use essa palavra! É muito ofensiva. Agora que eu nunca vou permitir que ela me salve.

Ninja Dourada abaixa as duas espadas e olha confusa para Capitão Invencível.

NINJA DOURADA: Já chamou o Doutor Negro?
CAP. INVENCÍVEL: Sim. Ele ficou bravo comigo por ter falado que o nome dele parece de vilão e foi embora.
NINJA DOURADA: Mas parece! Eu disse pra ele ontem mesmo!
CAP. INVENCÍVEL: Né?
VÍTIMA: Que surpresa que vocês concordarem tanto…

Ninja Dourada olha feio para a vítima, pensa um pouco e sorri antes de sugerir:

NINJA DOURADA: Chama a Super Empoderada então.
CAP. INVENCÍVEL: Argh…
VÍTIMA: Gostei do nome!
CAP. INVENCÍVEL: Eu mal conheço ela, ouvi dizer que demora demais.
NINJA DOURADA: Você quer salvar a moça?
VÍTIMA: Não presuma meu gênero.
CAP. INVENCÍVEL: Eu fiz um juramento, né?

Capitão Invencível faz mais um chamado mental. Nas horas seguintes, os bandidos ficam sentados num dos cantos do beco conversando sob a vigília de Ninja Dourada. Capitão Invencível vai e volta várias vezes enquanto salva outras pessoas pela cidade. Vítima fica postando nas redes sociais. Já é quase manhã quando finalmente entra uma nova pessoa no beco.

A mulher claramente obesa veste uma roupa apertada cheia de frases feministas, óculos grossos sem lente e uma cabeleira roxa combinando com os visíveis pelos nas axilas.

MULHER: Eu… eu… poof… eu… sou Super Em… Empoderada. Desculpa gente, eu cansei um pouco. A gente deveria… deveria processar quem fez essas ruas cheias de subidas, muito… muito opressoras.
NINJA DOURADA: *cara de nojo*
CAP. INVENCÍVEL: Fico feliz que você tenha chegado, Super Empoderada. Precisamos de sua ajuda para prender esses dois homens que…
SUPER EMPODERADA: Prender homem é o motivo pelo qual eu entrei nesse negócio! Machismo é crime!
VÍTIMA: Demorou, mas compensou! Quais são seus pronomes, Super Empoderada?
SUPER EMPODERADA: Finalmente alguém me perguntou! Hoje eu estou me identificando como mulher, então pode usar “ela”.
VÍTIMA: O meu é elx!
CAP. INVENCÍVEL: Que bom que vocês estão se dando tão bem. Obrigado pela ajuda, Super Empoderada!
SUPER EMPODERADA: Disponha. Sabia que essa magrelinha aí não daria conta do recado.

Ninja Dourada revira os olhos. Capitão Invencível parece mandar outra mensagem mental, Ninja Dourada ri e dá uma piscada. Ele então pega a bela mulher pela cintura e sai voando dali com ela a tiracolo.

VÍTIMA: Esses dois machistas opressores me estupraram várias vezes com as palavras mais horríveis! Por favor, me salve!
SUPER EMPODERADA: Deixa comigo.
BANDIDO 1: Você vai algemar a gente?
BANDIDO 2: Opa… espera. Quais são seus poderes mesmo?
SUPER EMPODERADA: O poder de esmagar o patriarcado! O poder de ter um útero e criar vida! O poder de respeitar as diferenças!

Os bandidos se entreolham.

Do outro lado da cidade, no quarto de uma imensa cobertura, Capitão Invencível veste seu uniforme. Ninja Dourada está nua na cama, sorrindo.

CAP. INVENCÍVEL: Peraí… quais são os poderes da Super Empoderada?
NINJA DOURADA: Me irritar.

Para dizer que pagaria para ver o filme desses heróis, para dizer que pelo menos o patriarcado não venceu, ou mesmo para dizer que tem certeza que a Ninja Dourada ganha menos: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (8)

  • wtf, fiquei cansada só de ler. Gentinha que só quer direitos, direitos, direitos, mas não quer deveres.
    Queria que alguém tivesse bolas e muito tempo livre pra transformar isso num vídeo e postar no Youtube.

  • As mulheres superpoderosas? Devem estar rebolando a bunda por aí. Não servem as meninas não? Agora elas já tem uma irmã negra…
    Por que ninja dourada demorou 15 minutos para chegar? Você está dizendo que mulher demora para se arrumar?

  • Tentei rir, mas considerando o contexto da semana atual, fiquei meio puto. Mas quero deixar meus parabéns pra esquerda, ela já venceu.
    Parabéns, esquerda, o mundo virou um lixo por causa de vocês. Atiçaram divisão entre as pessoas, causaram medo, ódio e até derramamento de sangue, tudo com o pretexto de “tornar o mundo um lugar melhor” e com o apoio de toda a mídia e da geração millenial. Se fizermos as contas, a ideologia nojenta de vocês nesta década destruiu mais vidas do que o nazismo, sem necessariamente precisar matar. Quantos não foram publicamente humilhados, perderam o emprego, foram ameaçados, foram agredidos na rua, por terem cometido o crime de não concordarem com vocês? Quantos não estão passando fome e doenças por terem seguido a ideologia de vocês?
    Continuem lacrando na internet sobre matar homens, chamar todo mundo de fascista e perseguir quem discorda de vocês até deixar a pessoa humilhada e desempregada. Continuem passando pano pra ditaduras sangrentas e merdas feitas por determinados grupos e religiões. Continuem tentando arruinar todo o entretenimento e todo o sistema educacional pra virar um ode a vocês. Mas depois não achem ruim quando começarmos a revidar.

    • Dominando a mídia e as escolas, já era pra nós. Eu tenho um primo que era normal, mas foi ser músico e virou esquerdista. Essa seita faz a lavagem mental. A minha vizinha fica vendo vídeos do YT de canal feminista na frente da filha pirralha e ainda diz pra aprender como tratar mal os homens.

      • É uma pequena bolha, presente apenas em alguns cursos irrelevantes. Se sair dessa bolha, no mercado real, na vida adulta real, o lacre não tem vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: