Enquanto isso…

Enquanto isso, numa reunião do COB:

CONSELHEIRA: É um absurdo!
DIRETOR DE MARKETING: Vai render muito dinheiro para o esporte.
CONSELHEIRA: As atletas nunca vão nos perdoar!
DIRETOR DE MARKETING: Mas a gente vai poder investir mais no esporte feminino depois.
CONSELHEIRA: Não é possível que vocês vão fazer isso…
PRESIDENTE: Ainda não decidimos nada, estamos só ouvindo uma ideia.
CONSELHEIRO: Se me permitem uma opinião, isso vai passar uma imagem errada.
CONSELHEIRA: Finalmente!
CONSELHEIRO: Eles são aberrações diante de Deus.
CONSELHEIRA: Não! Não por esse motivo!
PRESIDENTE: Conselheiro, estamos em 2029, essa mentalidade já está caduca.
CONSELHEIRA: Isso!
PRESIDENTE: A liga do transexuais é um sucesso e eu estou curioso para saber o plano do Marketing.
DIRETOR DE MARKETING: Se me permitem…

O diretor de Marketing começa uma apresentação no projetor:

“Vejam bem, como todos sabemos, a entrada de atletas transexuais nas ligas esportivas femininas foi problemática. As entidades não sabiam como lidar com a questão, e por quase uma década, a polêmica foi enorme. Transexuais foram banidas do esporte feminino.”

Um novo slide aparece, com um logo da Liga Trans de Vôlei.

“Com a criação da primeira liga transexual de vôlei, o Brasil foi pioneiro na questão, encontrando espaço para essas atletas. No primeiro ano, a liga sofreu com falta de apoio de entidades esportivas e patrocinadores, mas já nas primeiras finais começou a ganhar o suporte de uma boa parcela da população.”

Novo slide: a foto de uma bela atleta trans segurando uma bola de vôlei.

“Taunnianny, ponteira do Rio de Janeiro Natura, tornou-se uma estrela nas redes sociais, com uma combinação ímpar de talento, força e beleza. A TV aberta começou a mostrar alguns dos jogos da segunda temporada, o que atraiu mais e mais anunciantes.”

Slide com gráficos de faturamento.

“Já nesse segundo ano, a liga trans bateu todos os recordes não olímpicos de audiência do esporte. Itália, Holanda e Estados Unidos seguiram o exemplo, criando suas próprias ligas de transexuais. Outros países, até mesmo os sem tradição no vôlei como a Inglaterra, estão considerando abrir as suas. Estimamos que em no máximo uma década, o vôlei de transexuais seja a modalidade mais lucrativa para as federações.”

Slide com jogadoras em formação, com as bundas virada para a câmera.

“Muito embora o vôlei feminino seja um dos cases de maior sucesso no esporte feminino, a liga trans elevou essa capacidade ao máximo. As atletas jogam uma versão mais enérgica do esporte, mas ainda com um grau de refinamento técnico elevado, um verdadeiro meio termo entre as modalidades masculinas, trazendo o melhor das duas. Além disso, jamais tivemos problemas com medidas para aumentar o interesse masculino no esporte, como uniformes mais curtos e justos, exigência de atenção constante com a aparência e até mesmo pausas técnicas para refazer maquiagem provaram-se um sucesso.”

CONSELHEIRA: Isso é exploração!
DIRETOR DE MARKETING: 90% dessas ideias vieram das próprias atletas.

“Continuando… some-se a isso as personalidades fortes de muitas delas, constantemente gerando circos de mídia e rivalidades viscerais que aumentam a venda de ingressos e o interesse de transmissão de várias emissoras abertas e fechadas.”

Slide com logo de liga trans de futebol, liga trans de basquete, federação trans de tênis e federação trans de natação.

“Por isso, sugerimos que todas essas novas ligas e federações, além da já citada de vôlei, recebam suporte imediato do Comitê Olímpico Brasileiro, assim como uma sugestão oficial de inserção de esportes trans na próxima Olimpíada. Nossos cálculos sugerem que um investimento de 300 milhões de reais na formação de atletas trans possa gerar um retorno de mais de 8 bilhões de reais nos próximos 10 anos. Obrigado!”

Todos aplaudem. Menos a Conselheira.

PRESIDENTE: Já tive acesso ao relatório, e estou muito inclinado a aceitar a proposta.
CONSELHEIRO: É… algumas delas são bonitinhas.
DIRETOR DE MARKETING: Espere só até ouvir a ideia que a liga de natação está tendo sobre uma modalidade topless!
PRESIDENTE: Isso vai imprimir dinheiro!
CONSELHEIRA: O esporte feminino merece uma chance!
DIRETOR DE MARKETING: Infelizmente elas não aceitaram a ideia do topless…
CONSELHEIRA: Eu estou falando do absurdo que é dar dinheiro para esporte de homem vestindo roupa de mulher!
PRESIDENTE: Não vamos tolerar esse discurso intolerante aqui!
CONSELHEIRO: Quem concorda em expulsá-la do conselho?

Todos levantam a mão. A mulher grita em frustração e sai batendo a porta da sala.

PRESIDENTE: Vem cá, não dá para trazer a Taunnianny para a vaga dela? Vai pegar bem para a nossa imagem.

Para dizer que mulher ficou obsoleta, para dizer que homem ficou obsoleto, ou mesmo para dizer que o bom dessa liga é que tem quase 40% de renovação por ano: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (6)

  • Texto muito legal, Somir. Mas há uma coisa me preocupando: pode ser que alguns militantes do politicamente correto desavisados porém “bem-intencionados” te leiam, se “inspirem” e comecem a agir tencionando transformar esta ficção que você escreveu em realidade…

    • Tomara que dê certo mesmo! Eu só acho errado transexual disputando com mulher, agora, liga trans de esportes? Só temos a ganhar.

  • Anotem: o movimento feminista vai levar as mulheres de volta pra cozinha. E de burca.
    O argumento provavelmente vai ser algo como “é muito empoderador ter um homem macho escroto opressor bancando seus gastos” ou “ficar em casa dá mais tempo pra fazer lavagem cerebral nos filhxs”

    (Adendo) Alguém aqui falou esses dias que fica confuso com esse amor que feminista tem por muçulmano, mas é muito simples: síndrome de bad boy + ódio por cristãos

    • Eu tento calar essa parte do meu cérebro que diz a mesma coisa. Mas no fundo eu sei que ela está certa… criança adora quando adulto coloca limite.

  • Ei, isso é preconceito! Cadê a liga trans masculina? Trans nos esportes de inverno também! Trans na patinação no gelo!
    Eu acho que elas deveriam começar pelo volei de praia. Menos gente, mais fácil de montar um time.

    • Trans masculina não daria certo: são feios como homens e fracos como mulheres. Esporte de inverno seria ideal, até porque encolhe e fica mais discreto. Patinação no gelo seria um mega sucesso, afinal, os fãs do esporte não costumam ser muito fãs de mulheres. Vôlei de praia já pode entrar na lista também. Está contratada para o departamento de Marketing!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: