Wikileaks – Brasil

Em resposta à prisão de seu fundador, Julian Assange, a Wikileaks promoveu uma divulgação massiva de muitos documentos que possuía e que, até então, vinha retendo. Sempre prometeram que fariam isso se Assange fosse preso, e de fato cumpriram. É tudo muito delicioso, mas é muita, muita informação.

Esse ainda não é o vazamento dos chamados “arquivos de seguro” que foram disponibilizados para download em formato torrent, todos criptografados na espera de Assange liberar a senha para descobrir o que tem lá dentro. Como são os arquivos que ele usa para garantir sua vida no caso de ser atacado por agências de espionagem, presume-se que o conteúdo seja muito mais escandaloso que o que soltaram até hoje. Em tese, se Assange morrer, a senha vai aparecer na internet.

Tem de tudo, desde contato com alienígenas até como utilizam os microfones dos celulares para nos espionar. É um conteúdo enlouquecedor, capaz de dar um nó na mente de qualquer um. Caso tenham curiosidade de beber da fonte: https://file.wikileaks.org/file/

O volume de informações é absurdo, só sobre o Brasil, são quase 3 mil documentos, tornando quase que impossível que alguém tenha tempo de ler tudo. Então, seria impossível falar sobre tudo em um texto. Mas… podemos falar de forma fracionada.

Vamos começar falando sobre o que nos diz respeito: informações relacionadas ao Brasil, algumas anteriores a este vazamento, outras oriundas dele. Caso vocês gostem do texto, podemos fazer uma série esmiuçando, aos poucos, todas as informações vazadas, sobre o Brasil e o mundo.

Não é novidade que político brasileiro é corrupto, mas os detalhes, a rota do dinheiro e as quantias sim. Vários políticos brasileiros figuram nas informações vazadas como sendo operadores de desvio de dinheiro para paraísos fiscais. Os esquemas são citados com detalhes, bem como as quantias. Excelente ajuda para que a polícia federal comece a investigar.

Roseana Sarney, por exemplo, teria mais de 150 milhões de dólares em Offshores espalhadas pelo mundo. Tasso Jereissati teria uma fortuna ainda maior guardada nas Ilhas Caiman. A Wikileaks diz como, quando e onde, só falta que os responsáveis apurem as informações para punir os espertinhos. Mas político corrupto é o menor dos problemas, comparado ao amontoado de vexames envolvendo o Brasil que estão nestes documentos confidenciais…

O Brasil não é relatado com muita dignidade nem respeito. Em documentos enviados por Embaixador dos EUA no Brasil e por especialistas em Relações Internacionais, o brasileiro é esculhambado abertamente, são ditas coisas como “O Brasil tem uma necessidade quase neurótica de ser igual aos Estados Unidos e de ser percebido como tal”. Verdade, vira-lata brasileiro só bebe da cultura americana e emula seu estilo de vida. Uma vergonha.

Em outro documento, criticam a decisão brasileira de comprar caças (aviões) da França, mostrando que economicamente foi prejudicial ao país e dizem que o país só o fez pelo complexo de vira-lata do então Presidente Lula, que dava mais importância a uma aparente “independência” (sim, colocaram a palavra entre aspas, para humilhar bastante) do que à capacidade militar ou ao uso eficiente de recursos. Gastaram mais dinheiro adquirindo aviões imprestáveis para a finalidade pretendida, só para provar ao mundo que não negociariam com os EUA. Parabéns aos envolvidos.

O documento chama Lula de burro e paranoico de diversas formas, apontando as cagadas que ele fez na tentativa de parecer esquerdão que não precisa dos EUA em público, quando, nos bastidores, arriava as calças para os americanos sem pudor. Por sinal, esse tipo de postura é uma constante, retratado ao longo de todo o período Lula/Dilma: oficialmente desdenhavam dos EUA, por debaixo dos panos lambiam os pés do país.

Sobre as Olimpíadas no Brasil, a humilhação é ainda maior. Reclamações dos EUA sobre a zona que é o país, a falta de planejamento e o jeitinho preguiçoso, protelatório e corrupto do brasileiro não faltam: “Articular os objetivos mais amplos e deixar os detalhes para o último minuto pode ser o jeito tipicamente brasileiro, mas pode gerar problemas”. Os EUA estavam de fato muito preocupados e pediram reiteradas vezes que o Brasil leve a sério a segurança do evento, em vão.

Após um grande apagão que deixou 18 estados brasileiros sem energia elétrica em 2009, os EUA decidiram começar a se mexer, pois perceberam que se dependesse do Brasil, não haveria segurança nem na Copa, nem nas Olimpíadas: “A preocupação, recentemente ampliada, com a infraestrutura brasileira depois do blackout (…) apresenta uma oportunidade para os EUA se envolverem no desenvolvimento da infraestrutura e segurança cibernética”.

Segundo relatórios, autoridades brasileiras “admitem a possibilidade de um ataque durante esses eventos” e estariam identificando as instalações que precisam ser protegidas, para receber ajuda dos EUA. Mas esta ajuda não poderia vir a público, afinal, havia uma fachada de esquerda a manter. Pediram aquela ajudinha discreta, para não desmoralizar o país, sabe? Os governantes de esquerda precisavam manter sua fama de inimigos dos americanos! E esta ajudinha custou bastante caro, paga com o seu, com o meu dinheiro, sem que a gente sequer saiba disso.

“Os atrasos que esperamos do governo brasileiro em planejar e executar os trabalhos de preparação para uma Copa do Mundo e Olimpíadas bem-sucedidas com certeza vão gerar um ônus maior para o governo americano poder garantir que os padrões necessários serão alcançados”. Sim, e um maior ainda para o contribuinte brasileiro, uma vez que o país ficou quebrado depois que seus Presidentes de esquerda foram pedir socorro aos EUA e pagar por uma segurança que não foram capazes de organizar.

São apresentados diversos documentos onde é possível perceber os EUA coordenando a ampliação de pessoal, estrutura e recursos para assegurar que não aconteça nenhuma desgraça nem na Copa nem nas Olimpíadas. De fato, deu certo, pois ao contrário do brasileiro, o americano é competente na execução de tarefas. Mas, a que preço? O Brasil claramente não podia arcar com essa despesa, vide a espiral de crise na qual entrou, que acabou custando à Dilma seu governo. Poucas vezes na vida vi uma burrice tão grande sendo executada por megalomaníacos tupiniquins.

Outra parte que gosto muito, fracionada ao longo da história do Wikileaks, é o que os vizinhos pensam do Brasil. Basicamente, acham que o país é pouca merda, que só tem tamanho e que não sabe explorar seus recursos por incompetência, deixando claro que não há “nada a temer” do Brasil pois o país seria incapaz de se organizar para fazer qualquer coisa contra qualquer nação. Ainda riem e debocham do quando o brasileiro e seus Chefes de Estado se acham importantes para a América do Sul.

Ninguém definiu tão bem esse sentimento de pena e desprezo como a então Presidente do Chile, Michelle Bachelet, dizendo que o Brasil não representava um papel assim tão importante na maioria dos assuntos da América Latina. É mais do que não respeitar, os vizinhos não temem o Brasil e ainda o acham motivo de piada.

Os EUA também apontam, de forma indireta, que o Brasil se acha mais do que é em um relatório confidencial, onde praticamente riem da paranoia do brasileiro em defender territórios como a Amazônia ou áreas do Pré-sal. Os documentos usam o termo “a tradicional paranoia brasileira” (TRADICIONAL – eu ri) “contra atividades de organizações não-governamentais e outras atividades estrangeiras vistas popularmente como ameaças potenciais à soberania nacional”.

Por diversas vezes, em diversos documentos, os EUA deixam claro que estão cagando baldes para estes recursos brasileiros, insinuam que se quisessem, já teriam se apropriado deles, graças à incompetência do Brasil em protege-los ou à ganância de seus governantes, que os venderiam ou permitiriam sua exploração na encolha em troca de um bom dinheiro.

Obviamente, o dizem de forma um pouco mais elegante, como neste trecho, por exemplo: “Não há nenhuma ameaça às reservas de petróleo brasileiras, mas os líderes brasileiros e a mídia têm citado as descobertas de petróleo no mar como razão urgente para melhorar a segurança marítima”. TRADICIONAL PARANOIA BRASILEIRA vai entrar para o meu vocabulário.

Quem olha para os discursos de governos anteriores sobre acolher refugiados, quem vê militantes de esquerda criticando o fechamento de fronteira de Roraima, nem imagina que os presidentões de esquerda, por mais de uma vez, se negaram a receber diversos refugiados.

Documentos confidenciais dos EUA mostram que em 2005 (ou seja, Lula) o Brasil foi procurado pelos EUA para receber refugiados prisioneiros de Guantánamo que não podiam retornar a seus países de origem (a maioria da China) pois seriam mortos. Aceitou? Acolheu os coleguinhas? Não. No discurso é uma coisa, nas ações, é outra beeeem diferente.

O Brasil teria alegado que “o governo brasileiro não pode aceitar imigrantes de Guantánamo porque é ilegal designar como refugiado alguém que não está em solo brasileiro”, uma tremenda de uma imbecilidade, pois era só coloca-los em solo brasileiro que passariam automaticamente a ser refugiados, como fizeram com outros: na hora de aceitar criminoso italiano, foi bem possível, não é mesmo?

Outros documentos mostram que o Brasil manteve o mesmo discurso quando procurado para receber cubanos que fugiram do regime de Fidel Castro, em 2005. Direitos Humanos só para aqueles que comungam com a ideologia daqueles que estão no poder. E ainda se atrevem a criticar o Bolsonaro, que é literalmente a mesma merda em matéria de política de refugiados, só que ao menos não é hipócrita: diz com todas as letras que não vai receber tão, tá ok?

Ainda falando sobre Lula, os gringos perceberam antes do brasileiro a farsa. Documentos de 2009 relatam o então presidente como alguém que apela para a vitimização o tempo todo para angariar simpatizantes, alguém “com a ideia esquerdista de que os países mais desenvolvidos estão contra os menos desenvolvidos”. Os documentos o tratam como um burro, como um idiota que está dando um tiro no próprio pé. Adivinha só? Estavam certos. Lula está enjaulado faz mais de um ano, o que não indica propriamente um sucesso.

Apontam também o fracasso dessa estratégia em longo prazo, graças à hipocrisia entre o que falava X o que ele fazia e à polarização exacerbada que incitava: “o problema é que ainda existe uma tensão notável entre as ações e a retórica do presidente, que muitas vezes assume um discurso de ‘norte contra sul’ ou ‘nós contra eles’”. Os EUA, um país distante e culturalmente diferente, perceberam que a casa ia cair, e o povo do PT não. Parabéns mais uma vez aos envolvidos.

A incoerência da esquerda é apontada em muitos momentos, por inúmeros documentos. Um exemplo claro é que durante anos o Brasil prendeu supostos terroristas em território nacional com ajuda dos EUA, enquanto seus líderes esquerdões criticavam a “caça ao terror” que os americanos promoviam. Por debaixo dos panos, o governo brasileiro estava lustrando a espingarda, mas, oficialmente, estava criticando a caça.

Um relatório detalhado de 2009 (ainda Lula) cita a prisão de um integrante importante da Al Qaeda em São Paulo, feita pela Polícia Federal. Você pode estar se perguntando como é que nunca ficou sabendo de nenhuma dessas prisões no Brasil… o mesmo documento explica: “A polícia frequentemente prende indivíduos ligados ao terrorismo, mas os acusa de uma variedade de crimes não relacionados a isso para não chamar a atenção da imprensa”. Era preciso manter o discurso contrário aos EUA, ninguém podia saber que o Brasil estava ajudando a prender pessoas e mandar para Guantánamo, para que sejam torturados e tenham todos os Direitos Humanos violados.

Para fecha o caixão, dizem que “O governo sempre negou a existência de atividades terroristas no Brasil e isso se daria por postura pública que visa evitar associação à guerra ao terror dos EUA, vista como agressiva demais”. Bem, você já sabe o que dizer quando uma pessoa começar a tentar vender o discurso de que a esquerda preza pelos direitos humanos, acolhe refugiados e não entrega prisioneiros para serem torturados por outros países. Faz tudo isso e pior, ainda é hipócrita. Pior ainda: hipócritas, burros e incompetentes, pois não conseguiram manter estas atividades em segredo.

Durante anos o Brasil caçou terroristas na encolha e os entregou aos EUA, cientes que que sofreriam todo tipo de tortura. Enquanto isso, o Presidente ia para palanque discursar contra a caça aos terroristas e as práticas de Guantánamos. Tem como ser mais nojento do que isso? Repito o que eu sempre disso aqui: Lula nunca foi de esquerda, Lula sempre foi pro fama, megalomania e dinheiro. Felizmente é muito burro, e acabou preso.

Para decepção dos brasileiros, nenhum dos vazamentos dizem respeito a uma grande conspiração para roubar suas “riquezas naturais” nem a tentativas conspiratórias para ameaçar a soberania do “gigante da América do Sul”. Ninguém se importa, ninguém quer roubar nada do Brasil, ninguém o acha “gigante”, muito pelo contrário, chamam o Brasil de Anão Diplomático. Os outros países ou estão cagando baldes ou estão genuinamente preocupados com a bandalha que se tornou isso aqui.

Quando teve alguma intervenção dos EUA na “soberania nacional” foi consentida (ainda que por debaixo dos panos) e não foi para roubar, colonizar ou usurpar nada, foi para limpar a bunda do brasileiro, que se meteu a fazer dois grandes eventos internacionais para os quais não tinha preparo e não podia fornecer a segurança necessária.

Então, menos, bem menos dessa paranoia com os EUA ou com qualquer outro país, o Brasil não é tão importante, ninguém está interessado em invadir ou roubar porra nenhuma (se estivessem, já o teriam feito) e, no fundo, tudo, em qualquer governo, é uma grande negociação, um grande acordo, onde todos os envolvidos cagam para patriotismo e soberania nacional. Passou da hora de deixar de ser trouxa e brigar, defender ou até mesmo se importar com política.

Para dizer que quer um resumo das fofocas vazadas sobre celebridades internacionais, para dizer que quer um resumo sobre as informações de alienígenas vazadas ou ainda para dizer que mesmo que metade disso seja mentira, ainda é uma baita vergonha para o Brasil: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (35)

  • Resumindo: o Brasil é aquele cara que fica empinando moto na rua.
    Ele acha que todo mundo admira ele, mas na verdade ninguém liga e quem se importa tá torcendo para ele cair com a nuca no meio-fio.

  • Acho que um dos maiores arrependimentos do PT foi ter investido em inclusão digital. Isso impediu qualquer plano que eles tivessem de se fixar no poder e não sair.
    Porque somos praticamente tão pobres e fodidos quanto algumas ditaduras africanas, mas o africano não tem tanto acesso a internet quanto o brasileiro pra poder questionar o governo, procurar informações além da mídia, organizar manifestações em massa. Se não fosse a internet estaríamos muito pior.

  • Já quero mais textos sobre os arquivos. Tentei ler, mas é tanta coisa que nem consigo entender.

    Seu último texto que falava sobre o medo que o brasileiro tem dos EUA se resumiu nisso dai. Vc bem e falou q tão cagando pro BR e pra Amazônia.

  • “O documento chama Lula de burro e paranoico de diversas formas, apontando as cagadas que ele fez na tentativa de parecer esquerdão que não precisa dos EUA em público, quando, nos bastidores, arriava as calças para os americanos sem pudor. Por sinal, esse tipo de postura é uma constante, retratado ao longo de todo o período Lula/Dilma: oficialmente desdenhavam dos EUA, por debaixo dos panos lambiam os pés do país.”

    Vontade de esfregar isso na cara dos debilóides que, em pleno 2019, ainda vivem na fantasia do “imperialismu ianque que qué robá u Braziu huurr duurr”

    Falar mais o quê, né… Infelizmente só há verdades aí.

    • Ah, não adianta. A pessoa vai dizer que são documentos falsos, que é uma tentativa dos EUA de desacreditar o PT, vai dizer que você critica o PT por odiar pobre e não querer que eles façam faculdade, etc. Negadores negarão, são terraplanistas da política, não importa o quanto você forneça evidências, eles são tão apegados às suas crenças que não mudam de ideia.

  • Estou boiando, mas espero q tenha mais textos explicativos pra eu maratonar um sallyflix pq do arquivo q vc postou é muito complicado para meus neurônios medianos.
    Obs:
    Não tem como terceirizar o governo e deixar os americanos no comando pelo menos da segurança ? Podemos fazer uma vaquinha.

    • Adoraria, mas temo que eles não queiram esse abacaxi chamado Brasil.

      Sim, os arquivos são chatos, são complicados e demora para entender o contexto, mas não se preocupe, a gente vai mastigar para vocês!

  • Brasileiro nem tem moral pra reclamar da suposta fala da ex-presidente do Chile sobre sermos irrelevantes, nós mesmos sempre fizemos de tudo pra nos isolar dos nossos vizinhos, ficamos ofendidinhos quando algum estrangeiro fala que espanhol e português são parecidos, cuspimos e pisamos nas nossas raízes pra virar uma massa sem cultura e sem história que só se importa com celular…

    Só discordei da parte do Lula ser burro, pra mim é um psicopata dos mais inteligentes. Pra conseguir fazer tanta bosta e ainda ser visto como um Deus por tanta gente, não é pra qualquer um. Provavelmente iria virar presidente de novo se for solto.

  • Aí você lê essas coisas da wikileaks, depois vê o gado se matando e se destruindo por causa de esquerda e direita, e tem vontade de rir pra não chorar.
    Acho que já podemos dizer oficialmente que ideologia = doença mental. É igual signo, fã clube e idiotices do tipo: só servem pra preencher a lacuna deixada pela ausência de crença religiosa. Um monte de ateuzão que vive descendo o pau nos religiosos em todo feriado (cristão) mas toma decisões com base em horóscopo e chama político de papai.

  • “É como a chuva que lava, é como o fogo que arrasa,
    Tua palavra é assim, não passa por mim, sem deixar um sinal
    Tenho medo de não responder de fingir que não escuto
    Tenho medo de ouvir teu chamado, virar do outro lado e fingir que não sei”
    Essa música é do padre Zezinho, e achei que ele tivesse escrito pra Jesus, mas pelo visto me enganei, foi pro Assange… hehehehe

    “Caso vocês gostem do texto, podemos fazer uma série esmiuçando, aos poucos, todas as informações vazadas, sobre o Brasil e o mundo” por favor, estamos ávidos pelos próximos…

  • Tem sobre o malasya airlines? Porque olha, já vi cada teoria conspiratória bizarra que pelamor! Inclusive que o negócio foi, na verdade, abduzido por alienigenas.

    Também queria saber sobre bizarrices e mistérios do mundo, tipo a área 51, ou sobre o fato dos EUA já terem capturado um alien, mas escondem até hoje, ou mesmo sobre aquele buraco na Rússia de 12km de profundidade que pararam a escavação porque, segundo consta, descobriram o som do capeta lá embaixo.

    • Ge, tem uns relatos de pilotos sobre UFOs (muitos) de arrepiar. Também tem documentos que indicam que diferentes governos já fizeram contato com algum tipo de inteligência fora da Terra. Vou pesquisar com calma o assunto, ele merece um texto!

  • “Então, menos, bem menos dessa paranoia com os EUA ou com qualquer outro país, o Brasil não é tão importante, ninguém está interessado em invadir ou roubar porra nenhuma (se estivessem, já o teriam feito) e, no fundo, tudo, em qualquer governo, é uma grande negociação, um grande acordo, onde todos os envolvidos cagam para patriotismo e soberania nacional. Passou da hora de deixar de ser trouxa e brigar, defender ou até mesmo se importar com política”.

    Perfeito, Sally. Adorei. De verdade. Tenho até que aplaudir. E olha que até a não muito tempo atrás, eu dizia exatamente isso pra um monte de pessoas, que nunca deram a menor atenção e continuaram cada um na sua bolhinha ideológica e vivendo de picuinhas uns com os outros. Então resolvi tocar o foda-se pra essa cambada e só levar minha vida em frente. Cansei de pregar no deserto…

    • É mais agradável para as pessoas achar que vivem em um país cobiçado e valorizado, daí ficam se estressando por nada…

      • Porra, essa conversa mole sobre “os interesses perversos dos ianques imperialistas que atentam contra a soberania nacional do Brasil” já era velha, velhíssima, no tempo em que o meu pai era criança! E até hoje nunca aconteceu nada daquilo que tanta gente anunciava – e ainda anuncia – com tanto alarmismo. Vai ver, este paiseco é mesmo tão irrelevante que não passa de um subnitrato de pó de nada no contexto internacional. E isso não é de hoje! Alguns podem não lembrar, mas em uma de suas letras, o Cazuza, lá nos anos 80, já chamava isto aqui de “Grande pátria desimportante”…

        • Os EUA já tomou na marra recursos de países fortemente armados, imagina se não teriam comprado ou tomado o que querem do Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: