Praia ou Neve?

O ser humano é conhecido por habitar praticamente qualquer lugar do planeta, adaptando-se a quase todo clima possível na Terra. Mas alguns lugares são mais complicados. Sally e Somir discordam sobre qual. Os impopulares se aclimatam na discussão.

Tema de hoje: onde é mais difícil morar, mesmo contando com toda a infraestrutura: na neve ou na praia?

SOMIR

Na neve. Eu não gosto de calor e “cultura” de praia em geral, mas precisamos usar a lógica para analisar a situação. A maioria das áreas cobertas pela neve é basicamente vazia, e a maior parte da população mundial vive nas proximidades do litoral. Isso não é coincidência, isso é a prova que morar na neve é consideravelmente mais complexo do que morar na praia.

E vamos definir esses locais corretamente: “morar na neve” significa viver num lugar onde a paisagem fica branca a maior parte do ano. Tem alguns lugares do Brasil onde já nevou, mas não podemos considerar que uma geada forte a cada década configure morar na neve, certo? Nem mesmo lugares onde só neva no auge do inverno, por no máximo 2 a 3 meses. Morar na neve significa lidar com ela a maior parte do ano. Já “morar na praia” significa estar perto o suficiente dos oceanos e mares para lidar com a maresia e sob nenhuma hipótese pode nevar no lugar. Justo, não?

Dito isso, concordo com a Sally que calor é uma merda, o clima do litoral não é agradável e o que ela faz com as populações próximas não se comportem bem. Gente de praia anda de sunga na rua e escuta músicas como funk. Péssimos exemplares humanos. Mas isso não significa que morar no lugar é mais difícil que encarar neve e temperaturas abaixo de zero constantemente. Prestem atenção: a pergunta não é sobre o que é mais incompatível com a sua personalidade, é sobre o que é mais difícil de encarar.

E a ideia de ter toda a infraestrutura também corrobora com o meu lado da argumentação. É óbvio que para uma pessoa pobre é infinitamente mais fácil viver na praia: o corpo humano não precisa de muito para encarar o clima, sempre tem gente por perto e num aperto, os mares são ótimas fontes de alimento. Tanto que foi esse o caminho escolhido por boa parte de nossos antepassados. Na dúvida, fique onde é quente. Já lugares tomados pela neve na maior parte do ano são uma sentença de morte para pessoas sem recursos ou preparação. A humanidade chegou nesses lugares e teve que pagar com muitas vidas para estabelecer uma presença por lá. Na neve, você morre se não tiver o suporte constante de mais pessoas e as benesses da civilização.

E sim, mesmo quando você tem todos os recursos que precisa, isso ainda é válido. Porque não existe infraestrutura perfeita. A quantidade de coisas que precisa funcionar sem falhas na neve é imensamente maior do que na praia. Se o seu ar-condicionado falha, você vai passar calor. Se o seu aquecimento falhar, você pode morrer. Ser rico resolve a maioria dos problemas, mas não te torna menos frágil como ser humano. Quem vive na praia perde equipamentos eletrônicos lentamente, quem vive na neve tem que tomar cuidado para o telhado não desabar na cabeça e não ficar preso dentro de casa depois de uma nevasca. Mesmo que a praia tenha o risco de tempestades tropicais, ressacas e até mesmo tsunamis, ter estrutura garante sua segurança muito mais do que na neve.

Uma casa bem construída de uns dois andares te protege de quase tudo o que o oceano pode jogar contra você, mas nem mesmo a melhor casa que o ser humano pode construir te protege de uma nevasca ou mesmo uma avalanche (lugares de neve tendem a ficar próximos de grandes montanhas), que te soterram rapidamente se você não fizer manutenção constante. Quem mora na neve tem que ficar tirando excessos de telhados, caminhos e ruas para poder continuar vivendo. Neve é água congelada que pode ficar meses parada em cima da sua construção, corroendo estruturas. Pelo menos a maresia vem acompanhada de um vento que alivia o pior do clima praiano.

Gelo é escorregadio, tornando o transporte complicado. Quem mora na neve passa perrengues constantes no trânsito. E como na maioria dos casos esses lugares não são densamente povoados, pode esquecer boa parte das comodidades de grandes cidades. Você pode ser rico, mas seu motorista ainda tem que penar para trazer as coisas que você precisa em casa. Isso quando você tem acesso a essas coisas: em lugares de neve, a fartura de alimentos que estamos acostumados aqui nos trópicos simplesmente não existe. Custa muito caro transportar as coisas e pouca gente se aventura a estocar centros comerciais de lugares com muita neve. Lugar “de neve” não é uma megalópole como Nova Iorque, porque lá não neva a maior parte do ano, longe disso. Lugar de neve é na melhor das hipóteses Reykjavik, a capital da Islândia, onde não vivem nem 150 mil pessoas. Sim, menor que a maioria dos bairros de cidades litorâneas como o Rio de Janeiro. Na capital de um país, o Mcdonalds fechou porque não conseguia comprar cebola! Entendem o drama?

Porque é muito complicado viver nesses lugares. E vamos falar do frio: eu gosto de frio, mas é importante ressaltar que estamos falando de temperaturas que caem muito abaixo de zero na maior parte do ano. Temperaturas que te matam em questão de horas se você não buscar abrigo, ou questão de minutos se você não estiver usando roupas adequadas. Gostar de frio é uma escala diferente do que estamos falando. Quem gosta de frio vai morar em Curitiba ou Campos do Jordão, não precisa arriscar hipotermia por isso. Viver na neve é algo que as pessoas fazem porque aquela é a terra delas ou porque simplesmente não tem outra opção. Na vida real, o glamour de qualquer lugar acaba assim que você fala com um local. Neve não é diferente. Países muito frios tem índices maiores de depressão e suicídio. Frio constante quebra o espírito da maioria das pessoas, quem mora lá foi moldado desde a infância e conta com os genes daqueles que aguentaram o clima, e mesmo assim, é difícil. Vai achando que sua genética tupiniquim resolve isso, vai…

Eu pessoalmente posso até estar mais disposto a lidar com os perrengues da neve porque o material humano e a cultura local me apetecem mais, mas nunca porque é mais fácil viver por lá. Se fosse minimamente simples viver na neve, esses lugares estariam lotados de gente mal-educada escutando batuque e gritando na rua. É evidente que é mais difícil viver na neve, por questões de estrutura urbana, fisiologia humana e menor prevalência de gente tipo o brasileiro médio. Rico pode evitar boa parte do contato com gentalha e fazer valer mais a vida na praia, mas na neve, a questão é totalmente estrutural. Macacos pelados não foram feitos para morar no gelo, e não tem dinheiro que resolva isso.

Vá morar na neve porque quer pagar o preço de viver no ambiente e lidar com pessoas diferentes, mas nunca porque é mais fácil. É claro como a distribuição populacional humana que não é.

Para dizer que eu sou do contra só por ser, para dizer que foi uma análise muito fria, ou mesmo para dizer que sempre soube que eu preferia praia com pagode (nemli): somir@desfavor.com

SALLY

Onde é mais difícil morar, mesmo contando com toda a infraestrutura: na neve ou na praia?

Se for com restrições orçamentárias, neve é pior. Mas, percebam que a pergunta diz “com toda a infraestrutura”. Aí, meus amigos, é bem mais difícil morar na praia. Frio a gente resolve com um puta aquecimento central, já remover areia de cada orifício do corpo, não tem tecnologia que faça.

Na praia, entenda-se, em um clima quente, animais e pestilências abundam. E a natureza, meus caros, é um verdadeiro inferno: ela dá um jeito de chegar até você, não importa quantas barreiras você coloque. Telas, muros, vidros… nada adianta. Os emissários do demônio tropicais burlam tudo. Espere por mosquitos, aranhas, baratas e coisas piores coexistindo com você. Uma verdadeira barbárie tropical.

Na neve não. Tudo morre, salvo dois ou três animais peludos e dignos, grandes e inteligentes o bastante para não invadir o seu território e entrar na sua casa, subir na sua cama ou no seu sofá. Super ok uma raposinha no meu quintal. Zero ok uma rã no meu papel higiênico, um mosquito no meu quarto ou uma aranha dentro do meu sapato.

Apesar de já ter citado o fator areia, gostaria de me aprofundar. Se você nunca morou perto da praia, acho que tem algumas coisas que precisa saber. A pele humana é um imã de areia. É impossível morar na praia e não levar areia para dentro de casa, seja você, seja seu pet, seja o vento. Prepare-se para viver uma vida granulada. Onde senta ou passa a mão, esfolia. Por mais que você limpe, feche janelas e blinde sua casa, a areia sempre estará lá.

Neve é coisa linda de Deus, pior dos mundos ela derrete, vira água, você passa um paninho e tá tudo joinha. Ela não cola em você, ela sequer sobrevive dentro da sua casa. Sem contar que nem sempre onde há frio há neve, em algumas horas do dia ou épocas do ano ela pode não estar lá. Já areia… desgraça onipresente.

É chato sair na rua no frio? Sim, mas já tentou sair no calor? Em regiões muito frias o comércio se organiza bem direitinho, pois se abrir um estabelecimento na pqp, as pessoas simplesmente não vão e o negócio fecha. Por isso, tudo é mais ou menos próximo e organizado dentro de um critério racional (com infraestrutura, estacionamento, etc).

Na praia não existe o menor constrangimento de abrir um negócio longe e você que se foda e ande cheio de areia no cu suado para comprar um pão (e provavelmente Hipoglós também). No frio eu me agasalho para sair, no calor faço o que? Tiro a pele? Além disso, montam qualquer birosca em qualquer lugar, sem ar condicionado, sem proteção contra insetos, sem o básico do básico.

E não me venham com aquele terrorismo de nevasca e catástrofes naturais. Neve é a regra, uma nevasca que mata gente é exceção. Se querem falar de exceção, vamos conversar sobre o que acontece com uma casa na praia quando tem ressaca, maremoto ou tsunami. Aceitem: a mãe natureza nos odeia (com razão) e quer acabar com a gente, na floresta, na praia ou na neve.

A ambiência na neve é mais agradável. Além de aplacar cheiros indesejáveis e pragas como piolho, micoses e cia, ainda tem menos gente na rua. Ninguém sai para encher o saco, por estar desocupado, quando está nevando. Você sai, faz o que precisa e volta pra casa. Na praia não. Neguinho sai pra encher o saco mesmo, pra lotar os lugares, fazer barulho, fazer bagunça. É um ambiente receptivo para todo tipo de poluição sonora e visual. E os cheiros são ressaltados.

Na neve as pessoas se vestem com mais dignidade e gastam menos energia com imbecilidades, afinal, o corpo precisa se aquecer: não dá nem para sair de barriga de fora, nem para ficar batendo palma pra pôr do sol. Os ambientes acabam, além de mais vazios, mais silenciosos. Um plus: não dá pra deixar criança sozinha fazendo merda na neve, pois se o animalzinho tira o sapato ou a luva perde um membro. Portanto, até as crianças são mais contidas e constantemente vigiadas.

Na neve se come tudo com dignidade. Tente comer comida mais pesada e gordurosa na praia e transpire oleoso por três dias. Cabelo e pele ficam melhor na neve, maquiagem não escorre, tatuagem não desbota. Cabelo não fica duro de sal, eletrodoméstico não estraga em seis meses por causa da maresia e a comida não azeda após 20 minutos fora da geladeira.

Tenho pra mim que excesso de raios solares faz mal ao ser humano. Observem a galera do hemisfério Sul e do Equador, olha a merda involutiva cafona de América do Sul, América Central e África. Onde tem menos sol há mais dignidade. Acredito que seja um filtro evolutivo: na praia se você não tiver condições mínimas de se sustentar sobrevive dormindo em uma rede e bebendo água de coco. No frio morre congelado. O povo do frio tem que correr atrás.

A neve preserva, o calor degrada, é um princípio básico que se aplica inclusive a seres humanos.

Para dizer que você tem alma tupiniquim e não abre mão do calor, para dizer que no frio as pessoas são surpreendentemente mais bonitas ou ainda para dizer que vai ter muita gente opinando cheia de certeza sem nunca ter experimentado nem praia nem neve: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (8)

  • Ra ra ra! Logo mulher falando que preferia a neve! Eu vejo as Marias Friorentas lá do trabalho tremerem, espirrarem e passarem mal só quando o condicionador tá um pouquinho mais gelado. Imagina viver em local de neve… Ser feliz, 24hs por dia no aquecedor casa, né? Porque bastou meter o nariz na rua que já começa a temperatura absurda!

  • Avatar

    Wellington Alves

    Óbvio que é mais difícil morar na neve. Já que se pode contar com toda a infraestrutura necessária, morar na praia é um paraíso. Uma casa com piscina, arejada, ar-condicionado, enfim… Poder sair de casa tranquilamente sem risco de necrosar alguma extremidade.
    Dessa vez, as alegações da Sally são apenas mimimi.)

  • O que causa muito mais destruição, sujeira e mortes: um nevasca pesada (ou avalanche) ou chuvas torrenciais, como as que acontecem todo verão no litoral, em especial neste ano em Ilhabela e no Rio, que carregaram consigo lama, prédios, carros, seres vivos, postes, canos, com o poder de destruir toda a infra-estrutura de que você dispõe?

    Avalanche dá pra prevenir. Os bombeiros vão lá, e causam uma avalanche controlada com explosivos e fim do problema. Quanto a nevasca, nos anos em que morei na neve, já fiquei sem energia elétrica porque os cabos se rompiam com o peso da neve. Sobrevivi uma vez com 20 graus negativos numa casa de madeira com um aquecedor barato de querosene. E carros podem ainda rodar mesmo cobertos de neve…Dá para prevenir o que uma chuva poderá causar?

    E outra: a recuperação da infra-estrutura na neve é quase sempre muito mais rápida, por questões óbvias de sobrevivência. E no litoral, ainda mais em uma praia por aqui?

  • Também acho que o Somir ganha fácil essa.
    Mesmo com todo dinheiro e infraestrutura, ainda se tem que tirar neve do telhado, tirar neve da rua, dirigir com aquelas correntes nos pneus, e tudo isso com roupas pesadas, que ficam molhadas, credo!

    Morar na praia é bem mais fácil.

  • Embora eu entenda bem as implicâncias que a Sally tem com o calor, eu fico com o Somir nessa. Não sei também até que ponto ela conhece o frio a fundo, se já viveu em lugares frios como a citada Islândia, mas fiquei imaginando que, talvez, ela “romantizasse” demais (eu não gosto muito dessa palavra, mas na falta de outra melhor, vai essa mesmo!) como é morar no frio.

    Se bem que eu também não sei o que é morar no frio, com neve e tal, por longos períodos; apenas passei por uma má experiência no Canadá, que me foi suficiente pra imaginar que deve ser bem difícil mesmo viver nessas condições, e, dá medo sim pensar que tu pode morrer se não tiver as condições adequadas.

  • Neve dá um trabalho dos infernos. Nessa eu fico com o Somir, não é sobre o que se gosta mais, é sobre onde é mais difícil morar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: