Necessidade doméstica.

Nos acostumamos a várias facilidades da vida moderna, especialmente dentro de casa. Sally e Somir se uniram para discordar sobre qual dos equipamentos domésticos mais impacta positivamente na vida. Os impopulares botam a polêmica para funcionar.

Tema de hoje: qual o eletrodoméstico que mais faz falta?

SOMIR

Geladeira. Apesar de considerar computador eletrodoméstico de primeira necessidade, não estamos falando desse tipo de equipamento. O foco não é diversão ou aprendizado, e sim afazeres domésticos básicos. Depois dos equipamentos de comunicação, eu considero a geladeira o principal equipamento que nos separa dos outros animais.

Não estou fazendo pouco da domesticação do fogo e cozinhar alimentos, isso provavelmente fez toda a diferença na evolução humana. O fogão e todas suas iterações anteriores têm seu papel nessa conversa, mas a geladeira é um passo tão à frente do que qualquer outro animal sequer considera fazer que até mesmo nós – macacos pelados com cérebros poderosos – esquecemos quão incrível é o conceito.

Para gerar calor, não precisa mais do que fogo. E fogo é algo relativamente simples de entender. Em praticamente qualquer lugar do globo, a reação é possível. Com um pouco de treino, você aprende a fazer fogo com dois gravetos! Numa atmosfera com tanto oxigênio, quase tudo ao nosso redor está disposto a pegar fogo. O poder do calor nos ajuda desde tempos imemoriais, e até mesmo animais irracionais conseguem perceber o que está acontecendo ali: quase todos fogem do fogo.

Agora, gerar… frio? Isso é de explodir a cabeça de qualquer ser vivo terreno. A gente só não fica embasbacado ao abrir uma geladeira porque nos acostumamos com isso. Mas você provavelmente consegue conversar com alguém que viveu sem ter uma para ter essa noção de grandiosidade: até os anos 60 do século passado, geladeiras eram tão raras quanto caras. Quando uma coisa é revolucionária e acerta no alvo dos nossos desejos, populariza-se numa velocidade impressionante. Em duas gerações o equipamento tornou-se essencial em virtualmente todas as casas do mundo.

Ganhamos o poder de estocar alimentos por muito mais tempo, mas mais do que isso, manipular a temperatura das coisas numa direção que não estava disponível anteriormente. Não é só sobre poder ter carnes, ovos, leite, vegetais e todo tipo de alimento preparado ao nosso dispor por muito mais tempo, é sobre a qualidade de vida de controlar a temperatura. Parece pouca coisa, mas você faz parte de uma das primeiras gerações da humanidade que pode tomar água gelada a hora que quiser. Que pode seguir uma receita pedindo para resfriar algo por alguns minutos, que pode cozinhar para mais do que a próxima refeição, que pode deixar comida para outras pessoas da casa sem a preocupação de tudo estragar…

Não é que a geladeira seja algo simples, é que ela era uma necessidade tão óbvia na nossa vida que assim que chegou, parecia que sempre esteve lá. Mais ou menos como celulares: olhando para o passado, era bizarro que não pudéssemos encontrar as pessoas que nos importavam a qualquer momento (veio com sua dose de problemas, mas o conceito principal ainda é muito sólido). A geladeira é uma das principais diferenças do ser humano moderno dos que vieram antes dele. Toda a tecnologia que está por trás deste eletrodoméstico permitiu uma revolução na distribuição de alimentos.

Porque não é só a sua geladeira, é a geladeira do resto da humanidade. Alimentos resfriados e congelados que jamais chegariam onde você mora agora são coisas comuns em qualquer supermercado. E esse fluxo de comércio só existe porque os distribuidores sabem que você tem uma geladeira em casa. Por isso que dá para ter vinte marcas diferentes para cada corte de carne vendido no varejo: as pessoas podem estocar, então o produto gira.

A geladeira também permite que o ser humano tenha horários mais livres em relação aos seus pares. Quem precisa se alimentar só com produtos frescos e preparados na hora fica amarrado no ciclo do horário comercial. Sem geladeira não tem jantar à meia noite ou lanchinho da madrugada. Não tem como inventar nada diferente: você precisa comprar as coisas nas horas que a maioria consome. Não ter geladeira restringe sua liberdade.

E vamos botar as coisas na ponta do lápis: eu vivo pedindo comida fora porque a falta de prática e gosto para a atividade me tornam extremamente lento para cozinhar, então eu sei o quanto custa. Não é pouco não. Cada refeição feita com ingredientes saídos da geladeira compensa uma comprada fora. E tem outra: às vezes você quer estocar coisas de mais qualidade, ingredientes especiais que não costumam ser usados em restaurantes que vendem por volume. E quantas vezes essas coisas não são vendidas em porções incompatíveis com apenas um uso? Se você quer colocar um gorgonzola a mais numa pizza (#pizzade3,00001queijos), não vai poder sem ter que jogar fora quase toda a fatia! Geladeira facilita demais a vida e te dá muitas oportunidades a mais numa das coisas mais importantes da vida de um ser humano: a alimentação.

A máquina de lavar roupas é uma invenção excelente sim, longe de mim negar isso, mas a atividade pode ser realizada manualmente na hora que você escolher, ou pode ser terceirizada para lojas especializadas ou mesmo na casa de amigos ou parentes. E, pra falar a verdade, lavar roupa em apartamento é sempre um saco, com ou sem máquina, por exemplo. Escolheria ficar sem? Nunca. Mas numa decisão entre máquina e geladeira, não pensaria duas vezes para escolher a geladeira.

Para dizer que até um esquimó compraria depois disso, para dizer que gordo é uma merda, ou mesmo para dizer que o eletrodoméstico mais importante é a mulher (oinc): somir@desfavor.com

SALLY

Estamos excluindo o computador da discussão, pois ele é um eletrônico, não eletrodoméstico. Computador, celular, tablet… tudo eletrônico, ok?

Minha escolha é simples: máquina de lavar, prefiro comprar ingredientes para cozinhar todo santo dia, ou comer pizza, ou fazer fotossíntese do que ter que lavar roupa na mão. Se você já lavou suas roupas à mão vai entender o que estou falando, se não, talvez não tenha a consciência do cansativo e chato que é.

Você pode estar pensando que talvez essa minha birra seja por viver em uma cidade cuja temperatura ultrapassa os 50° no verão e as roupas serem praticamente “uma usada, uma lavada”, mas lavar roupa no frio pode ser ainda pior. Não há condições boas para lavar a roupa na mão e roupa suja é uma coisa que você sempre vai ter dentro de casa, andar pelado ainda não é uma opção.

Eu sei que existe a opção de mandar lavar a roupa na rua, há empresas especializadas nisso, mas como é caro. Muito mais barato pedir uma comida pronta do que ficar lavando roupa na rua. E ao dizer “roupa” eu estou sendo generosa, qualquer coisa de pano na casa se lava, desde lençol, cobertor até toalha de mesa.

Não ter geladeira é um transtorno, um saco ter que cozinhar todo santo dia por não ter onde armazenar comida sem que ela estrague. Mas ao menos cozinhar não requer força física nem depende de fatores externos como o tempo. Lava uma coberta na mão em dia de chuva e me diz se você não vai ter que relavar ela, pelo cheiro de cachorro molhado que vai ficar quando ela secar…

Lavar exige força, tem que esfregar a roupa para tirar a sujeira. Dependendo da quantidade de roupa que você suje, pode ser realmente cansativo ficar horas de pé fazendo força com os braços e os ombros. Sem contar que detona as mãos. Ir no mercado todo dia e cozinhar todo dia também tem seus contratempos, mas me parecem menores.

E, se você for um pouco criativo, dá para se organizar e viver sem geladeira. Faz um esquema de entrega de quentinhas, que é comida caseira e não é tão cara, estoca alimentos que não dependam de geladeira (como enlatados) para uma fome da madrugada e coloca um filtro que já entregue a água gelada. Para lavar roupa não tem jeitinho, a não ser que você seja muito flexível com higiene e tope usar roupas sujas e suadas.

Se for mais de uma pessoa na casa, o trabalho parece que quadriplica. Se a casa tiver crianças, então… É muito mais fácil colocar uma quantidade maior de macarrão na panela do que lavar na mão mais dez peças de roupa por dia. Lembrando que hoje em dia, muitas vezes nem panela você precisa ter, joga algo no micro-ondas e tá lindo.

Fora que cozinhar é sempre a mesma tarefa: coloca um macarrão em água fervendo, coloca um congelado no micro-ondas, etc. Já roupa, cada um vem com um desgraçamento maior do que a outra: tecido delicado, mancha desgracenta que não sai, etc. Você precisa virar um expert em química para não estragar suas roupas.

E cozinhar dá um resultado gratificante: você e aqueles que te cercam saboreiam uma bela refeição. Cozinhar todo dia por não ter onde armazenar alimentos pode ser chato, mas ao menos leva a algo de bom. Lavar roupa dá o que? Vai usar roupas limpas, o básico do básico que se espera de um ser humano tem que ser antes de se tornar um mendigo.

Não queria precisar chegar a este ponto, mas verdades devem ser ditas: nem sempre a roupa está suja de suor ou comida. Existe uma categoria de “roupa suja” que, acredite, é muito nojenta de lavar. Cueca com freadão de moto, roupa cagada (se você tiver criança em casa, isso pode ser bem comum) e outros fluidos corporais os quais prefiro não detalhar. Roupa suja pode ser muito, mas muito desagradável.

Vai ter quem diga que não sabe cozinhar, que não sabe fritar um ovo, etc, etc. Vamos combinar uma coisa? Se você é um adultinho que não sabe desempenhar tarefas domésticas básicas, provavelmente não vai saber lavar a sua roupa direito.

Talvez nem mesmo consiga mensurar o inferno que é, o quão amassada a roupa sai desse processo, o trabalho que dá para secar uma roupa que não centrifugou, o inferno que será passar uma roupa que parece ter saído da roupa do cachorro. Vai por mim, se você acha cozinhar difícil, lavar roupa vai te matar.

Existe todo tipo de socorro para quem não tem geladeira: delivery de comida, pessoas que preparam comida caseira na forma de quentinha e entregam diariamente, comida enlatada, biscoitos, restaurantes e até ir comer na casa de alguém.

Já para os que não tem máquina de lavar, ou paga caro para uma empresa lavar sua roupa (e passa pelo transtorno e humilhação de ir até lá carregando cueca, calcinhas e afins) ou comete o abuso de enfiar suas cuecas/calcinhas de adultinho na máquina de lavar da sua mãe. Não, obrigada, prefiro jantar Fandangos todos os dias da minha vida. E olha que eu odeio Fandangos.

A máquina de lavar é o eletrodoméstico mais injustiçado, a gente só dá valor a ele quando o perde. A geladeira é hipervalorizada, na década de 60, quando as pessoas eram saudáveis e só comiam alimentos frescos era essencial, hoje, que a falta de tempo nos faz comer lixo, a geladeira perdeu o primeiro lugar na minha lista de prioridades.

Façam o teste, fiquem uma semana sem cada um deles e depois me digam qual foi a ausência mais sofrida.

Para dizer que roupa cagada a gente não lava e sim joga fora, para dizer que que se jantar Fandangos todos os dias vou morrer em seis meses ou ainda para perguntar se o aquecedor do chuveiro é eletrodoméstico: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (11)

  • Também existe caixa de isopor e cooler, quebrou muito meu galho quando me mudei. Não sei como é em outros lugares mas aqui, onde se compra bujão de gás também vende água e gelo.

  • e uma questão bem pertinente e complexa de responder. depende bastante da prioridade da pessoa, além de particularidades da situação em si. qualquer tarefa, excluindo-se o caráter econômico (leia-se: custo), existe bastante mão de obra disponível para terceirizar qualquer uma.
    porém a responsabilidade pela alimentação me parece mais urgente, porque a longo prazo, se descuidada, acarreta em prejuízos na saúde. comer em restaurantes, mesmo que buscando opções e porções saudáveis, não faz minha cabeça, não sei porquê…
    depender menos de abastecimento de alimentos, (leia-se: plantar sua própria comida) faz com que a questão de lavar os itens de casa me pareça mais crítica portanto, porém existem pouquíssimas pessoas que conseguem essa condição atualmente.

    e pensando em qualquer uma dessas tarefas tendo que ser multiplicada por 5 pessoas em uma família, por exemplo, já começo a ficar sem resposta clara…

  • Depende do lugar onde você mora. Se for um lugar frio, é a máquina de lavar. Se for um lugar quente, é a geladeira. Se for um lugar quente pra cacete, é o ar-condicionado. Num lugar quente pra cacete, a roupa seca num instantinho, você só usa roupas leves e pode comer na rua.

  • Máquina de lavar é essencial. Se vc morar num lugar mais frio e úmido, como eu, secar roupa sem centrifugar é um pesadelo.
    Falta de geladeira é bem contornável: coma uma fruta no café da manhã, almoce fora no trabalho (existem restaurantes acessíveis, lugares que vendem marmitas, empresas que oferecem almoço aos funcionários, etc), jante
    algo leve e pronto.
    Agora, vá lavar um cobertor manualmente no tanque…ou pior, vá tentar pagar lavanderia pra todas as suas roupas…
    Quando minha máquina de lavar quebrou, e fiquei 15 dias sem…olha, não desejo isso nem pra um inimigo.
    Certeza que quem tá preferindo a geladeira nunca teve que lavar a roupa na mão.

  • Porra….o pior de dois heim? Mas já q tem que escolher:
    Geladeira vence…, porque roupa dá pra lavar a mão, mas não dá pra fazer gelo na mão.

  • Já lavei roupa na mão sim. Vc vê casas sem máquina de lavar de boa, mas sem geladeira me faz pensar na idade da pedra. Uga uga!

  • “Talvez nem mesmo consiga mensurar o inferno que é, o quão amassada a roupa sai desse processo, o trabalho que dá para secar uma roupa que não centrifugou, o inferno que será passar uma roupa que parece ter saído da roupa do cachorro”

    Fez lembrar a época em que morava em cubículos no Japão, no qual o tanque de lavar era do tamanho de pia de banheiro de avião…E, além da pia minúscula, a água era salobra, o que dificultava a formação de espuma por mais que se colocasse sabão…por essas e outras, entendo quem só use roupas de microfibra.

    • Nossa, Suellen. Já imaginava que algumas pessoas passassem aperto – literalmente – no Japão, mas não assim. E eu achava que lá, onde tudo é muito mais tecnológico, a maioria tivesse acesso a máquinas dessas tipo lava-e-seca ou até algo ainda mais moderno. Mas essas coisas também devem ser bem caras, né?

  • Nossa, difícil escolher, eu diria, até porque os argumentos da Sally são bem pertinentes. Mas, imaginando aqui hipoteticamente que tu more sozinho e não tenha a família inteira pra lavar a roupa, daí prefiro ficar com o Somir nessa. Se é só tua roupa, tu dá um jeitinho, mesmo que algumas sejam realmente difíceis de lavar. Mas eu tendo a pensar que é preferível tu ficar com uma roupa mahomeno limpa, meio encardida, do que ficar sem geladeira, sem ter como estocar alimento por várias horas e tal. De outro lado, cozinhar todo dia também é um dispêndio, vai…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: