Topo da mesa.

Hoje em dia, algo em torno de 70% de todos os acessos da maioria dos sites da internet vem de smartphones. E pode-se argumentar que isso nem conta como uma mudança de hábitos: as pessoas que vem se juntando à grande rede mundial de computadores cada vez menos usam computadores na sua configuração clássica de torre, monitor, teclado e mouse. Já entraram nesse mundo com seus aparelhos portáteis, e salvo necessidades pontuais no trabalho, praticamente não lidam com o equipamento tradicional. Sim, o mundo muda, mas talvez a era dos computadores de mesa tenha acabado antes da hora…

Eu poderia tomar um rumo de velho chato reclamando sobre os jovens e suas escolhas erradas na vida, mas mesmo que tenha toda a capacidade para escrever um texto assim, vou tomar outro caminho: vou argumentar sobre o que você pode estar perdendo ao consumir o mundo moderno através dessa telinha. Vamos focar nos pontos positivos antes de eu começar a falar do que pode dar errado no rumo que a tecnologia humana está seguindo atualmente.

Se o smartphone e por extensão o notebook permitem muita mobilidade, integrando-se à sua vida de forma mais orgânica, um computador de mesa – ou desktop como vou chamar daqui para a frente por praticidade – também oferece um mundo de possibilidades. Como quase tudo na vida, é uma questão de escolhas. Sim, o desktop fica parado num canto da casa, mas te entrega de volta uma gama de capacidades completamente diferente de smartphones. E isso está baseado no fato de que o desktop não só tem mais potência para realizar tarefas (em 2009 eu tinha um computador mais poderoso que todos os smartphones existentes), como tem mais espaço para isso acontecer.

Uma tela grande permite mais coisas visíveis ao mesmo tempo. Quase todos os softwares de produção mais complexos têm umas 200 funções visíveis na tela ao mesmo tempo. O que é impossível de se ver num celular, onde toda a interação com o conteúdo é montada para ser o mais simples possível, com poucos botões e funções para não roubar precioso espaço de tela. E isso faz diferença até mesmo no longo prazo: eu percebo que os estagiários mais jovens costumam ficar um pouco confusos com a quantidade imensa de opções de softwares de produção profissionais, e tendem a se concentrar em poucas funções deles a não se que diretamente incentivados a buscar por soluções alternativas.

O ser humano tem uma capacidade incrível de intuição, que é incentivada pelas interfaces simplistas dos smartphones, mas é uma criatura de hábitos: se for condicionada a limitar sua interação com o conteúdo através de palpites educados (empresas como o Google montam verdadeiras bíblias de como padronizar interfaces de programas para reduzir a frustração de usuários), é isso que essa pessoa vai levar para a vida. Não vai ter o reflexo de procurar outras possibilidades e ajustes mais finos no que está produzindo, vai querer que o processador em questão continue tentando adivinhar suas intenções a cada passo.

Pode ser que não demore muito para programas usados profissionalmente consigam trazer esse grau de predição para suas interfaces, mas atualmente essa não é a regra. Computadores conseguem prever o que você vai fazer se tiver poucas possibilidades. Com um programa de edição de imagens 3D, por exemplo, o número de possibilidades é tão imenso que a chance dele errar é exponencialmente maior do que a de acertar. Por isso que nesse tipo de trabalho, o melhor que fazem é colocar milhões de opções na tela e deixar a pessoa comunicar seus desejos de forma clara.

Quem aprende também a linguagem do desktop, mais específica e cheia de possibilidades, desenvolve uma capacidade a mais que a aparente maioria das pessoas nesse planeta: a solução de problemas complexos através da percepção das possibilidades no ambiente. A área de visão é maior, a interface não presume coisas por você, isso desenvolve uma capacidade natural do ser humano: o uso de ferramentas. Pode-se argumentar que smartphones fazem isso de uma forma limitada, mas nada se compara ao grau de complexidade possível num desktop. Você aprende a encontrar o problema que quer resolver, dirigir-se a ele, escolher a ferramenta ideal e a forma como usá-la.

E isso gera uma vantagem competitiva no longo prazo: eu noto claramente que gerações mais novas estão respondendo ao processo de simplificação de interfaces e se acostumando com um mundo onde sua intenção define as ações ao invés da realização da tarefa. O smartphone exibe apenas as opções que ele é capaz de fazer praticamente sozinho, o que limita o espaço de possibilidades e gera uma falsa sensação de escolha. Ele só tem um toque para resolver a questão. Perceba que você só escreve algo para o celular numa pesquisa: a partir daí ele presume o que você quer fazer e você volta a apenas cutucar a tela.

Eu aprendi a linguagem dos smartphones porque ela é sim muito importante, mas não é a única. E considerando o mundo real, raramente é a melhor escolha para lidar com as coisas. No mundo real, ferramentas não entendem sua intenção, afinal, elas podem ser usadas de inúmeras formas diferentes. Pessoas não presumem sua intenção com facilidade, também. Existe um risco das pessoas ficarem cada vez mais mimadas com sua vida diante de uma telinha que simula inteligência e comecem a perder a capacidade de lidar com a frustração de algo dando errado ou sendo difícil de fazer.

Quase tudo o que tem valor nesse mundo dá muito trabalho de fazer, e o que diferencia pessoas no mercado de trabalho é sua capacidade de produzir mais e melhor com as ferramentas que tem em mãos. Essa mentalidade de smartphone – com um toque usado para presumir muita coisa – não se traduz bem num ambiente de produção criativa ou gerenciamento de processos. Você tem que ser capaz de prestar atenção em muitas coisas ao mesmo tempo e enxergar as possibilidades o mais rápido possível. Parece uma bobagem dizer isso, mas pense bem: onde você ou seu filho vai desenvolver essa habilidade? Na vida fora das telas ou no mínimo diante de uma tela que tenha esse conceito integrado à sua própria existência. E com tanta gente se perdendo dentro do mundo da internet, com nós nos obrigando a passar boa parte da vida online para interagir com outros seres humanos e produzir valor para o nosso sustento, usar esse tempo com um smartphone pode ser um tiro no pé.

É complicado desenvolver uma habilidade importante na vida como a resolução de problemas através de noção do ambiente e escolha das melhores ferramentas se tudo o que você vê é um processo extremamente simplificado. E isso vai além de ser mais capaz no trabalho, cada vez mais impacta nossos relacionamentos humanos: a máquina que faz a interface entre duas pessoas pode ser montada de forma perfeita para reduzir a sua frustração com o ato de se comunicar, mas a pessoa do outro lado está longe de ter sido atualizada com o mesmo software: ela é confusa, cheia de possibilidades e precisa ser trabalhada com diversas ferramentas pouco óbvias para conviver bem com você. Uma pessoa é caótica como uma tela cheia de comandos que você nunca viu antes, uma pessoa tem capacidade limitada de prever o que você vai fazer através de um gesto, afinal, para ela, você também é um péssimo smartphone!

Se você vai tirar algo deste texto, que seja a ideia de que o mais fácil e conveniente normalmente cobra um preço: você se torna mais limitado. Sou totalmente favorável a integrar computadores cada vez mais nas nossas vidas, mas desde que não tenhamos que nos rebaixar ao nível deles…

Para dizer que leu e concordou do seu celular, para dizer que não é burro(a) por usar um (não disse isso, burro(a)!), ou mesmo para dizer que vai tirar a poeira do seu desktop depois dessa: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (22)

  • Agradeço por reforçar minha convicção de não ter um celular, fornecendo-me mais um argumento. Afinal, para além de não viciar (e estupidificar) tanto, um desktop também diminui as possibilidades de definhamento do intelecto, ao menos em termos relativos.

  • Uma das coisas que mais odeio nos “smartphones” é que eles estão ficando quase do tamanho de um tablet.
    Tá bom que uma tela maior dá maior autonomia na hora de mexer nos apps, mas piora bastante no que diz respeito a autonomia da bateria dos aparelhos (o componente que gasta mais bateria é justo a tela) tanto que um aparelho celular de uns 10 a 15 anos atrás mesmo com uma bateria com cerca de 1/4 da capacidade dos aparelhos atuais consegue se manter ligado por mais tempo.
    Até existe AutoCAD 360 pra Android, mas mexer nele de um smartphone é de doer. Até dá pra fazer isso num note e talvez tentar isso num tablet, mas num celular, sem condições.
    Deveriam pensar mais na linha de “cada um no seu quadrado”.

    • Tá aí uma reclamação que concordo também. Poxa, hoje está difícil de achar um celular com tela um tanto mais discreta, o mínimo que existe por aí é 5.5 polegadas!

  • Um dos melhores exemplos é saber fazer o seu papel em uma Raid em um MMO: tem de agir em concordância com seu papel, entender o que os outros atores envolvidos estão fazendo e se adaptar rápido caso algo saia da expectativa.

    • O curioso é que a geração atual está viciada em modos battle royale, ou seja, jogando contra todo mundo. Isso deve gerar uma consequência…

  • Seria maravilhoso se o Somir fizesse um post com dicas de publicidade e marketing. O número de autônomos está aumentando cada vez mais, e quem está com pouco dinheiro para investir (eu por exemplo) não sabe bem a melhor paleta de cores, estilos, formas e outros recursos de propaganda. Estou finalmente dando os primeiros passos no meu sonho que é a confeitaria, mas não sei bem como estruturar a divulgação. Contratar empresas de grande porte e manter o trabalho é muito caro pra quem está começando. Acredito que assim como eu, muitas pessoas aqui não tem noção de como criar a identidade das suas mini-micro-nano empresas, ou tem a noção errada.

    • Ah, pode ter certeza que todo mundo tem dificuldade. Quem está abrindo mini-micro-nano empresa e investidor com milhões na mão não tem a menor noção de como fazer publicidade. Eu já escrevi isso num texto recente: parece que é fácil, parece que todo mundo sabe como funciona. Mas na hora do vamos ver, não funciona e fica todo mundo confuso.

      Oferta exclusiva para impopulares com mais de 5 anos de comentários comprovados: manda um e-mail com o seu projeto para somir@desfavor.com e vamos ver como podemos te ajudar.

      • Cara ia me ajudar demais umas dicas também, estamos entrando no ramo de energia fotovoltaica e estou administrando o projeto sozinho, fico meio perdido com essa parte da arte, criei algumas artes que vai para os outdoors, arte do panfleto pra gráfica, divulgação das mídias sociais, modelos de orçamentos ilustrativos.

        Me falta um norte, vou te mandar um email com o conteúdo, se não for te dar trabalho, agradeço.

  • Sou a resistência, haha! Digito isto num desktop 1920 x 1080 que eu não trocaria por nada, bem melhor pra ler, assistir vídeos e desenhar. Celular só uso mesmo quando estou fora de casa, mesmo assim busco reduzir o tempo encarando telas sempre que possível, isso pode acabar sendo um bom diferencial no futuro.
    Acredito que esses 70% aí também envolve economia de dinheiro (celular 700 reais, desktop >2000 reais) e de espaço, já que muita gente mora espremido em metrópoles. A tendência é o desktop ficar restrito a profissionais e dinossauros feito nós. Mas, apesar de criança hoje em dia saber usar smartphone instintivamente, talvez ela tenha alguma dificuldade caso no futuro se interesse numa profissão que requer uso de desktop, aí talvez seja necessário fazer um curso para aprender a mexer em computadores… oh, wait.

    • Primeiro eu coloquei o segundo monitor. Nunca mais consigo voltar. Depois subi o primeiro monitor para 4K. Não tem mais volta também. A resistência continua firme! Esses jovens não sabem o que é viver!

      Eu realmente temo que no futuro o curso de computador vá se tornar muito popular novamente. Gente se embananando com mouse, descobrindo que não dá para “dedar” tudo o que quer.

        • Dois monitores e ainda feliz porque não cabe o terceiro na minha mesa. Se eu colocar o terceiro, não tem mais volta também.

          Os ultrawide ainda não me seduziram. Sei que vai soar engraçado, mas: são muito pequenos.

          • Muito pequenos, mesmo o de 34? Mas gente!
            Eu to namorando um de 34 já faz algum tempo, confesso. Ainda não me decidi, mas as vezes parece que um 16:9 não me é suficiente.

            • Eu digo pela resolução vertical. Eu acostumei com mais espaço na parte de cima do monitor também. Se você usa muitos programas de produção profissional (até os de música), o espaço lateral vale ouro. Podem ser 2 monitores ou um desses ultra-wide. Mas é questão de quanto você se acostumou com resolução vertical… pra mim seria um passo pra trás, mas para você pode ser um avanço sim.

              • Sim, eu gostei bastante da experiência de ter mexido com um pro-tools em um ultrawide 21:9. É bem diferente de um 16:9, mais espaço “pros lados” realmente faz diferença quando tu tens que ficar observando as várias faixas de audio na horizontal e vários botõezinhos de ferramentas nos cantos.

  • Do mesmo jeito que o celular acabou com telefone fixo, o smartphone vai acabar com o computador. É mais barato, mais mobilidade e faz tudo que o outro faz.

    • e faz tudo que o outro faz

      Éééé… menos fazer o que faz dinheiro. A não ser que a profissão da pessoa seja tirar fotos para o Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: