Capitalismo nerd.

E se eu te disser que tem uma mulher na internet vendendo a água do banho dela? E se eu te disser que o produto literalmente vendeu feito água e o estoque acabou em menos de 48 horas? Os mais ligados nas insanidades da internet já devem conhecer Belle Delphine, mas no mínimo vale a análise dessa figura, no mínimo, polêmica.

Biografia rápida: Belle Delphine é o nome (provavelmente artístico) de uma modelo de Instagram especializada em Cosplay. E para quem acaba de ganhar meu respeito por não saber o que é Cosplay: é se fantasiar de personagens ficcionais de filmes, séries, desenhos e jogos em geral. É o que as pessoas fazem naquelas convenções nerds, que eventualmente começaram a fazer concursos e criar toda uma subcultura especializada na prática. E com isso, surgiu a profissionalização de várias modelos. Muito embora existam homens especializados nisso, digo “várias” porque o mercado lucrativo é essencialmente feminino.

E com a popularização do Patreon, site onde as pessoas pagam mensalidades para ajudar seus criadores preferidos, várias desses cosplayers profissionais correram para lá, criando uma alternativa viável de pagar suas contas ou pelo menos ter uma renda extra com o grupo cada vez maior de fãs que amealhavam. Mulher bonita vestindo roupas de personagens de anime e videogame? Invariavelmente os nerds seguiriam atrás. E foi nessa alquimia perfeita entre oferta e demanda que surgiu Belle Delphine.

Algumas dessas modelos perceberam o óbvio: sexo vende. Colocando fotos progressivamente mais ousadas atrás de mensalidades cada vez mais caras, começaram a viver disso, ganhando bem até. Belle começou como boa parte dessas moças, num misto de vocação mediana para o cosplay com necessidade gigantesca de atenção. Era só mais uma num mar de outras garotas bonitas tentando um lugar na carteira, digo, no coração dos nerds, quando um de seus ensaios viralizou: ela, de biquini, numa daquelas piscinas infláveis infantis, fazendo uma expressão típica de desenhos pornográficos japoneses. A expressão denota extrema excitação, no ponto onde a personagem enlouquece. Se você quer voltar a ser virgem, aqui vai o termo correto para essa cara: ahegao.

Belle fez isso tão bem segundo os “especialistas” que se tornou um fenômeno. Sua foto virou ao mesmo tempo meme e combustível para fantasias masculinas ao redor do globo. O perfil do Instagram explodiu em seguidores, e como era de se esperar, de críticas: para a turma do Cosplay, era uma fantasia bem tosca, não representando o melhor do gênero. Para a patrulha da sexualidade alheia, era uma degeneração sem fim, afinal, um dos pontos mais chamativos do visual de Belle é sua aparência pra lá de jovial. Ela já é maior de idade, mas um incauto consideraria chamar a polícia caso visse você de posse de uma de suas fotos.

Sexo vende, e se você adicionar polêmica, vende muito mais. Belle subiu a aposta consideravelmente, tanto em sexo quanto em polêmica. Navegou por sua onda de popularidade criando seu Patreon e cobrando mensalidade para acessar não só fotos e vídeos mais ousados, como também para liberar acesso para sua conta “proibidona” do Snapchat. O app praticamente morreu no Brasil, mas ainda é relevante, especialmente nos EUA. Para quem não lembra, o Snapchat é o inventor do conceito de stories que acabaram em todas as outras redes sociais: postagens curtas que desaparecem de vez depois de um tempo. Por lá, Belle posta conteúdo muito mais ousado e sexual, tornando-se basicamente uma modelo erótica usando fantasias genéricas.

Mas há um diferencial que a mantém entre os mundos do cosplay e da pornografia: Belle tem um limite de quanta coisa mostra. Sempre censura mamilos e genitália nas fotos, por mais pornográfica que seja a pose nelas. Mesmo os que pagam mais – e tem planos de mensalidade de 5.000 dólares por mês – ficam com essa limitação. Estima-se que Belle faça algo em torno de 150.000 dólares por mês no Patreon com conteúdo erótico, mas nunca mostrou sequer o bico do peito.

Mas nem só de quase mostrar a bunda vive uma pessoa: Belle aprendeu que polêmicas valem ouro, e aprontou algumas desde sua ascensão meteórica. Disse que se alcançasse um número específico de seguidores no Instagram, criaria um perfil no PornHub (um dos YouTubes pornográficos). Os fãs correram para bater a meta, e ela entregou. Entregou uma bela trollagem, isso sim: subiu vários vídeos no site tirando sarro dos que esperavam conteúdo explícito, com piadas terríveis de tiozão. Basicamente, uma série de vídeos com rendições literais de termos sexuais. Como não é algo que se traduz literalmente para o português, é como se ela colocasse um vídeo chamado “Belle toda lambuzada de leite” e o vídeo fosse ela derramando leite na cabeça e rindo.

Putez e risadas por todos os lados. Ela voltou para a mídia, e rapidamente aproveitou para dar outra tacada: resolveu vender potes com a água na qual tomou banho. O produto esgotou em menos de 2 dias e já está sendo vendido como raridade nos sites de leilão. O curioso é que existe um grau considerável de sátira nisso tudo: se você perceber o entorno e analisar como ela chamou o produto de Gamer Girl Bath Water, tem uma crítica e um deboche da cultura na qual ela está envolvida. Ela sempre é criticada por parecer forçar a barra demais nessa coisa de memes e cultura gamer, mas honestamente dá para perceber um pouco de “não me levo a sério” nessa história toda. Belle cobra dos nerds, mas tira sarro deles também.

E é aqui que podemos analisar a maior polêmica de todas: de quem é a culpa quando um nerd gasta 5.000 dólares por mês para ver fotos de uma mulher aleatória na internet? Essa questão existe desde a popularização das modelos de webcam, mas no caso delas, a nudez e os atos sexuais explícitos deixam tudo mais organizado num misto de pornografia e prostituição. No caso de Belle, flertamos com os dois conceitos, mas não é como se fosse uma categorização clara. Tem algo a mais aí: quem paga a mensalidade não está comprando um serviço pontual, está financiando a vida de uma pessoa.

Está tudo nublado novamente nesse campo. O que sabemos é que existe uma massa considerável de homens com renda suficiente para enriquecer uma mulher que teoricamente, nem pelada fica para eles. E como é comum nesse mercado, apesar de ser praticamente certeza que Belle tem um namorado (mulher com esse layout e essa idade não dura um mês sozinha), esse fato nunca é dividido com os fãs. Como eu sei que provavelmente esse tema vem à tona nos comentários: ela é suficientemente atraente para o que está fazendo, e gasta tempo suficiente se preparando para aparecer nos seus ensaios e vídeos. Tem quem ache ela sem graça, tem quem fique apaixonado, mas, para ser bem neutro: nesse grau de beleza não tem nada de bizarro na história. A pessoa tem o visual certo para o mercado, mas obviamente tem muito mais do que isso, afinal, tem mulheres estonteantes por aí fazendo performances extremamente explícitas por centavos de dólar, e que nunca vão passar disso.

Belle apela para algo maior do que o interesse de homens por mulheres bonitas. Ela acerta no alvo num público cada vez maior: o de homens isolados socialmente pela internet. Não só os nerds clássicos, mas toda uma nova classe de homens que estão fora do mercado de relacionamentos e se por um acaso tem um, não sabem como conseguiram. Já apareceram histórias de homens que perderam a namorada por terem comprado o pote com água de banho. A modelo parece se esforçar para demonstrar ser tão socialmente inepta quanto seu público alvo, não sei se por ser algo natural dela (pouco provável) ou por perceber como isso funciona.

Se por um lado eu bato palmas para o espírito empreendedor da moça, que parece conseguir fazer dinheiro brotar de onde quer que queira, por outro vale a pena prestar mais atenção se essa relação passa do limite da exploração de um ser humano por outro. Não é que eu tenha exatamente dó dos cidadãos que pagam uma nota para ela todo mês, nem mesmo que eu deseje uma lei que impeça esse tipo de coisa, mas não vale analisar o que está causando isso? Belle com certeza não é o primeiro nem o último caso, essa forma de relação financeira online entre mulheres desinibidas e homens solitários acontece desde o começo da internet, mas explodiu com a banda larga e o imediatismo que ela permite.

Belle é uma menina bonita ganhando a vida, como tantas outras que existem em diversos outros meios. Salvo uma carreira de sucesso na música, cinema ou TV, poucas coisas a renderiam tamanhos rendimentos em tão pouco tempo. Complicado querer censurar quem está trabalhando dentro da lei, e eu confesso que me afeiçoei pela história do PornHub, piada ruim e trollagem são uma combinação muito divertida, torço para que ela continue tendo ideias cretinas por muito tempo ainda. Mas do outro lado, estamos vendo uma geração de homens abandonados pelo momento cultural vigente reagindo de uma forma patética.

Vira-latas que buscam aprovação e afeto em qualquer lugar, por mais ridículo que seja. É tudo muito complicado, porque tem a questão deles mesmo escolherem uma relação vazia com uma mulher que consideram muito bonita ao invés de uma real com mulheres mais… equivalentes, mas também estamos falando de quem está há quase uma década ouvindo que nasceu horrível e que tem o dever de valorizar mais as mulheres independentemente do mérito delas. Nada é de graça nessa vida. Talvez a piada cósmica seja que de uma certa forma isso inverte um pouco os papéis sexuais, mas talvez a um custo alto demais para a sociedade. As coisas mudam rápido demais no século XXI, exigimos adaptação imediata a paradigmas sociais que mudam dentro de uma mesma geração. Talvez Belle e seus fãs sejam uma tentativa de adaptação imediata: a mentalidade dos homens não teve tempo de mudar, mas o que se espera deles sim. Por isso, muitos simplesmente fogem da realidade e vão buscar abrigo em algo parecido com o que lhes é exigido: emasculação à base de uma relação à distância com uma mulher que nem te conhece, mas mesmo assim merece o seu dinheiro. E, como a mentalidade ainda é a original de fábrica, evidente que vão se concentrar ao redor de mulheres que julgam atraentes.

E no final das contas, uma realização muito engraçada: quer ter poder sobre os homens? Dieta, exercícios, maquiagem e roupas pequenas… o mundo não muda, só os nomes que damos para as coisas. Boa sorte Belle, mas que o mundo que permitiu seu sucesso não dure tanto tempo assim.

Para perguntar quanto eu pago por mês, para dizer que vai começar a guardar a água do seu banho, ou mesmo para dizer que homem é sempre otário quando fica com tesão: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Desfavores relacionados:

Etiquetas: ,

Comentários (19)

    • Complicado. Eu acredito que os próprios homens começam a se dividir para lidar com uma mudança de paradigma tão rápida. Alguns se ressentem das mulheres, outros começam a idealizá-las. Mas todos se afastam…

      • Todos se afastam… nunca tinha pensado nisso, mas é real. Pela idealização ou pelo mecanismo próprio do mgtow, todos se afastam. Quais serão as consequências desse afastamento para as mulheres. Às vezes penso, numa maior necessidade de dependência das cirurgias plásticas ou até mesmo um possível mgtow/incel versão feminina.

  • Mulher moderna é isso aí cara, infelizmente tudo é futilidade, droga, status, putaria sem fim, bebedeira, rolezinho todo final de semana, show, não querem trabalhar, vivem sendo bancada por homem desesperado por sexo.

  • Avatar

    Cosplay do Oscar Maroni

    Por 5 mil dólares por mês, dá pra fazer um bocado de surubas do Dória, inclusive com as putas fazendo cosplay. Lara Croft, princesa Leia, Elektra, Zelda, personagem de mangá… Se bobear, ganha de brinde um travesti magrelo vestido de Stephen Hawking pra filmar a festa.

  • Avatar

    Geraldo Renato da Silva

    O que estamos passando é uma tremenda falta de maturidade: as pessoas, tanto homens como mulheres, perderam o senso do ridículo, perderam a referência do que é aceitável ou grotesco. Longe de mim querer determinar regras de comportamento, de conduta: cada qual faça o que quiser. Todavia é importante pensar até onde isso vai nos levar: será que somos realmente melhores que nossos antepassados?

  • cada um na sua esfera de evolução particular… algumas são mais caras do que as outras, fruto de uma infância desassistida e negligenciada. se gastassem em psicanálise, talvez em um par de anos, seria mais econômico pois resolveria. assinatura mensal desse tipo de ‘serviço’, é um desfavor pra si mesmo. se for carência, gasta na zona então!
    attention whore vai ter em todo lugar, idem pra quem coloca dinheiro nelas, mas pagar pra uma mulher fazer o cara de trouxa é insanidade em nível intergalático

  • Belle Delphine na vida real assina com o mesmo sobrenome que certa ex- presidente da Argentina que tenta voltar a casa rosada.

    • Já sei: ela é uma agente da Ursal com a missão de humilhar o capitalismo. Ou só vende água de bunda para nerds… mas, a primeira versão é mais divertida.

  • Eu não ironicamente respeito figuras como Belle Delphine e Felipe Neto. Chamam o mundo inteiro de idiotas e ainda lucram com essa idiotice. Se usassem essa inteligência em nome da ciência, não só já teríamos terraformado e colonizado Marte, como todo o sistema solar.

  • Não conhecia, mas pelo que entendi da história não aconteceu nada de grave então essa moça está é certa, trouxa merece ter o dinheiro arrancado, ela provavelmente vai usá-lo melhor.
    Desenho por hobby, mas depois que eu vi o Patreon de Merryweather e similares, penso seriamente em surfar nessa onda de capitalismo nerd e começar a desenhar um monte de podridão pra vender online. Antes que a próxima crise econômica mundial venha.

    • O bom de fazer essas coisas é ganhar em dólar, já que o nerd tupiniquim não paga por nada mesmo. Aliás, tinha um ilustrador brasileiro infame que fazia desenhos misturando furries, pedofilia e scat, as imagens dele geram terror nos tópicos da 4chan há anos. Brasil-sil-sil!

      Espero que você faça coisas melhores.

  • Como minha mãe sempre falou: quando o sangue desce para “cabeça de baixo” a “cabeça de cima” para de funcionar.

    Ótimo texto. Mas falou mencionar A fake news que a água do banho dela passou herpes para dezenas de fãs que compraram a tal água.

    • O que também ajudou ela, mais uma polêmica para chamar de sua. E algo me diz que se ela vender mais, vai fazer alguma piada com isso.

  • E é justamente por isso que homens que questionam esse ginocentrismo social incomodam. Homem que não idolatra buceta não gasta dinheiro com presentes, água de banho, Patreon de e-thot, casamento, advogado (divórcio ou acusação de estupro) e coisas do tipo.
    Depois ainda falam que é difícil ser mulher… só mete uns quilos de maquiagem na fuça e monetize seu corpo! Não vai ser a primeira nem a última e quando as coisas começarem a cair, sempre tem um trouxa pra pôr uma aliança na sua mão. O mundo pertence a pessoas que não têm vergonha na cara de se expor e pagar mico pra conseguir dinheiro.

    • Estou esperando o mercado de e-thots ficar saturado. Curioso para ver o que viciadas em atenção vão fazer quando a dose diária estiver muito diluída. Eu acho que vão se voltar contra o feminismo para buscar todo um novo público (o atual de bundões segue junto o que elas fizerem), e se isso acontecer, vai ser uma merdalheira muito divertida de se ver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: