Benefícios de um animal de estimação.

Animais de estimação, em especial os cães, dão muito trabalho e requerem um mínimo de conhecimento para serem educados e adestrados. Porém, para aqueles que estão dispostos, são muitos os benefícios cientificamente comprovados.

Neste texto vamos falar sobre benefícios que, em sua maioria, podem ser conseguidos convivendo com cães. Porém, nada impede que, dependendo do vínculo criado, outros animais também sejam capazes de gerar, excepcionalmente, os mesmos resultados. Há pessoas que criam porcos, alpacas e outros animais menos convencionais, estabelecendo um vínculo tão intenso quanto e, fatalmente, acabarão tendo os mesmos benefícios. Portanto, falaremos sobre cães, mas isso não quer dizer que não possam ser outros animais.

Cães são uma das fontes mais eficientes para reduzir o estresse, mesmo quando comparados a conviver com a pessoa amada e até com meditação. Um estudo realizado na Universidade de Nova Iorque (EUA) resolveu medir o nível de estresse no organismo de pessoas em diferentes situações: 1) quando elas estavam sozinhas, 2) quando elas estavam com seus parceiros, 3) quando elas estavam com seus parceiros e com seu animal de estimação e, por fim, 4) quando estavam apenas com seu animal de estimação. Adivinha quando estas pessoas tiveram uma queda drástica em seus níveis de estresse?

Com o parceiro o estresse caiu um pouco, com o parceiro e o pet o estresse caiu consideravelmente, mas quando os níveis de estresse realmente despencaram de forma surpreendente foi quando a pessoa estava sozinha com seu pet. Além de toda a questão do carinho, do amor incondicional que os animais trazem, existe também um fator muito importante: animais te obrigam a ficar no presente.

Quando você está interagindo com um animal é menos provável que pense na conta que tem que pagar, no telefonema que não recebeu, no trabalho que está pendente. Animais, ao contrário de humanos, vivem no presente, não estão procurando sofrimento no passado ou no futuro. O fato de ter alguém nos presente ao seu lado (mesmo sendo um animal) te “convida” a ficar no presente, viver o momento, estar 100% ali, naquela brincadeira, naquele carinho, deixando um pouco de lado passado e futuro, duas grandes fontes de estresse para o ser humano.

Também foi comprovado que animais são eficientes no combate à depressão, não apenas pela alegria que trazem a uma casa. O convívio com um pet altera a química do seu corpo, fazendo com que ele produza mais hormônios que melhoram o humor e geram uma sensação de bem-estar (papo técnico: ocitocina, prolactina e serotonina). Há casos documentados de pessoas cujo corpo voltou a produzir esses hormônios e forma tão eficiente após a chegada do pet que foi possível suspender a medicação para depressão.

Vale lembrar que depressão não se trata apenas com química, remédios são apenas uma parte do tratamento. Animal algum vai substituir uma boa terapia, onde as causas dessa depressão serão trabalhadas, onde feridas serão cicatrizadas, na tentativa de que este problema não retorne. Mas, sem dúvidas, um animal de estimação é um aliado poderoso para pessoas que estão experimentando momentos difíceis, de tristeza ou sem motivação.

Os pets também são benéficos para as crianças. Muito além de ensinar sendo de responsabilidade e o respeito pelo próximo, animais podem melhorar a saúde e prevenir problemas. Estudos realizados pela Universidade de Wisconsin (EUA) constataram que as chances de uma criança desenvolver alergias é 33% menos se esta criança crescer convivendo com um animal de estimação.

Ao contrário do que se imaginava, os pets não causam alergias em crianças, eles têm o poder de preveni-las. Conviver desde cedo com pelos, lambidas e toda sorte de germes que um pet pode carregar em pequenas doses diárias funciona como uma espécie de “vacina” para muitos tipos de alergia, a clássica “Vitamina S” (S de Sujeira) que fortalece o sistema imunológico, pois diariamente ele tem que combater alguns invasores estranhos trazidos pelo animais.

Um ponto interessante é que gatos, em específico, são os melhores pets para prevenir asma. Normalmente gatos são tratados como fontes de alergia, mas, na verdade, podem ser a prevenção delas. Um estudo realizado pela Universidade da Virgínia (EUA) comprovou que crianças que convivem com gatos tem menos propensão a desenvolver asma, pelo mesmo mecanismo: pequenas doses diárias de pelo de gato fortalecem o sistema imunológico contra asma.

Além de alergias respiratórias, há mais ganhos. Um estudo publicado no Clinical & Experimental Allergy, mostrou que crianças com menos de seis meses de idade expostas a animais de estimação têm menos alergias, rinite, eczema, problemas do trato respiratório superior e, além disso, melhora na sua saúde intestinal. Então além das vias respiratórias, pele e intestinos também se beneficiam.

Para aqueles que já possuem alergias, cães podem ser ótimos aliados. Nem sempre os alimentos alergênicos estão no prato ou no produto de forma visível, por isso, dependendo do grau de alergia, cada refeição pode ser um risco. Cães possuem um olfato excepcional e podem ser treinados para detectar alimentos alergênicos mesmo quando estes estão imperceptíveis ao ser humano e dar o alerta a seus donos caso algo que ele esteja prestes a comer contenha o alimento proibido.

Ainda falando de crianças, animais de estimação, principalmente cães, podem ajudar no desenvolvimento social e cognitivo de crianças com algum tipo de limitação. Os casos mais surpreendentes ocorreram com crianças autistas. Muitas não se comunicavam, não esboçavam reações a estímulos, mas depois de conviver com cães tiveram uma melhora sem precedentes que anos de terapia não foram capazes de conseguir.

Um estudo feito pelo Hospital de Brest (França), mostrou que não apenas crianças, mas adultos autistas que passam a conviver com um cão apresentaram melhora em aspectos específicos do comportamento social, como se sentir mais confortáveis e se mostrar mais solidárias quando se relacionavam com outras pessoas. Há relatos de autistas que nunca haviam falado uma palavra e passaram a fazê-lo depois de conviver com um cão.

Animais de estimação também fazem bem ao coração de seus donos. Não, não estamos falando do amor, do sentimento feliz de acordar com um cãozinho feliz da vida lambendo seu rosto. Estamos falando do sistema circulatório mesmo.

Estudos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e do Instituto Nacional de Saúde (NIH), (ambos nos EUA), comprovam que ter um animal em casa ajuda a reduzir a pressão sanguínea, o colesterol e o nível de triglicerídeos. Consequentemente, eles servem de prevenção contra ataques do coração e outras doenças cardiovasculares.

Há casos documentados de pessoas que faziam uso de medicação para pressão alta ou colesterol e depois de introduzirem cães em suas vidas puderam suprimir os remédios. O resultado é melhor com cães pois são animais que demandam alguma atividade física de seu dono, mesmo que seja uma volta no quarteirão ou jogar uma bolinha dentro de casa. Muitas vezes a pessoa não faz por ela, mas acaba fazendo por um cãozinho. Então, não é exagero dizer que um cão pode evitar um AVC ou um infarto.

Cães também são os melhores amigos dos diabéticos. Os hormônios de bem-estar que liberam ajudam a regular a glicemia (estresse é um grande inimigo quando falamos da absorção de açúcar) e deixam os donos mais ativos, estimulando a prática de alguma atividade física, mesmo que seja apenas brincar com eles. Novamente, há relatos de pessoas que suspenderam medicação depois de incorporar cães em suas vidas. Mas isso não é tudo.

Estudos realizados pela Universidade Belfast do Queens (Irlanda) e pela Universidade de Lincoln (Inglaterra) apontaram mais um benefício. Diabéticos ou outras pessoas que têm bruscas quedas de níveis de açúcar no sangue estão sujeitos a crises de hipoglicemia e isso pode ser um problema sério, que pode levar a pessoa a desmaiar e até à morte – mas não se você tem um cão.

Estas pesquisas indicam que cachorros seriam capazes de detectar uma redução do índice glicêmico, ao perceber sinais diferentes de comportamento, que o dono pode não perceber, e ao sentir a liberação de feromônios por meio do suor. Então, o cão perceberia antes do dono a necessidade de ingestão de açúcar e poderia dar um sinal, muitas vezes mesmo sem treinamento, para contornar a situação antes que a hipoglicemia se instaure. Se devidamente treinado, o cão pode inclusive levar a fonte de açúcar para seu dono ao perceber a situação.

Também existem estudos que mostram que algumas raças de cães são capazes de detectar convulsões em seus donos antes de que elas comecem (algumas vezes horas antes), o que pode ser muito importante para epilépticos. Não se sabe como eles fazem isso, mas a taxa de acerto é impressionante. Além disso, cães podem ser treinados para auxiliar o dono durante uma crise convulsiva. Existem muitos vídeos disponíveis na internet, é comovente: o cão se coloca debaixo da cabeça do dono, para que ele não bata com a cabeça no chão.

Cães fazem tão bem à saúde de forma geral que tem o poder de melhorar o sistema imunológico. Essa melhora é tão expressiva que até hospitais (mesmo hospitais famosos como o Albert Einstein) abriram mão de suas severas regras e passaram a permitir que cães visitem os pacientes, graças à melhora que promovem em sua saúde.

Mesmo que não sejam cães que pertençam à pessoa, os benefícios permanecem se o humano interagir com o animal. Em hospitais do câncer, sobretudo para crianças, não é raro existir uma “equipe” de cães para interagir com os pacientes. Essa medida simples pode fazer com que o sistema imunológico se recupere duas vezes mais rápido do que o normal nestes pacientes. Na foto abaixo vemos os cães esperando para entrar nos quartos. Observem as carinhas, como pode caber tanto amor e generosidade em um animalzinho.

A melhora do sistema imunológico vale para todos, até para pessoas normalmente saudáveis. Um estudo realizado pela Universidade de Cambridge (Inglaterra) constatou que, logo no primeiro mês de convívio, os donos de animais tiveram uma redução em pequenos problemas de saúde, como dor de cabeça, febre e resfriados. Em um convívio a longo prazo a melhora no sistema imunológico é crescente e é capaz de prevenir doenças e também de acelerar o processo de cura e cicatrização de feridas.

Esse combo todo de melhorar sistema imunológico, sistema circulatório, reduzir estresse e tantos outros benefícios fazem com que os donos de cães, tenham o envelhecimento retardado. Um estudo da Universidade de St. Andrews (Reino Unido), avaliou idosos com uma idade média de 79 anos. O estudo apontou que as pessoas que moravam com um cachorro possuíam um corpo equivalente a alguém dez anos mais novo.

Além disso, não podemos desprezar o lado emocional. Muitas pessoas que não se sentem confortáveis em extravasar seus sentimentos acabam se permitindo brincar, abraçar, beijar e interagir de forma mais livre com pets. Animais não te julgam, animais não entram em competição com você, animais são bolinhas de amor envolta em pelos. Estar ao lado de uma criatura “desarmada” faz com que as pessoas se desarmem também. Considerando a dinâmica da sociedade atual, poder estar desarmado, poder ser você mesmo, poder ficar livre de julgamentos acaba sendo um tremendo alívio.

Animais também atenuam a solidão. Veja bem, não queremos estimular ninguém a se afastar de humanos e criar 47 gatos, a interação entre seres humanos é insubstituível. Mas, em um mundo onde as pessoas se sentem cada vez mais sozinhas, mesmo interagindo umas com as outras, um pet pode ser benéfico. Interagir significa olhar para o outro, perceber o outro, escutar o que o outro diz. Hoje em dia, a maior parte das pessoas (com sorte) te ouve, mas não te escuta.

Um pet realmente presta atenção em você, te percebe. Um animal é capaz de perceber e reagir conforme essa percepção quando o dono está triste, passando mal ou feliz. O animal muitas vezes consegue detectar sentimentos de forma mais eficiente do que outros seres humanos e reagir de forma mais compassiva e generosa. Um cão, por exemplo, é capaz de saber quando você está triste ou com dor física e vai fazer o que estiver ao alcance dele para que você se sinta melhor.

Um estudo realizado com cães e pacientes com fibromialgia mostrou que os cães sabem não apenas que seus donos sentem dor, mas, muitas vezes sabem também onde eles sentem dor. Mais: os cães instintivamente se deitam ou encostam nessa região, aquecendo-a, promovendo uma melhora da dor nesses pacientes. Ninguém sabe como eles descobriram isso, mas os cães parecem saber funcionar como uma almofada de aquecimento terapêutico.

Cães também sabem quando o emocional de um humano não está lá essas coisas e redobram seu carinho nesses momentos. Um estudo realizado com pessoas que sofriam de estresse pós-traumático mostrou que cães se aproximavam mais destas pessoas e davam mais atenção a elas do que a outras pessoas que estavam bem, tratando-as com mais carinho e afeto extra. Por sua vez, as pessoas que passam por algum tipo de estresse pós-traumático podem se recuperar duas vezes mais rápido se conviverem com cães.

Isto é uma breve e superficial pincelada dos benefícios que animais de estimação podem trazer. Há muito mais a ser dito, porém este texto já excedeu em uma página seu limite. O importante é a mensagem final: cães, bem como outros animais de estimação, podem trazer inúmeros benefícios à sua saúde física e mental. Mas, para isso, é essencial que o cão seja bem-educado, caso contrário, será mais uma fonte de estresse.

Se você ou alguém da sua família está precisando de uma forcinha, pense com carinho a respeito da ideia de ter um cachorrinho. Mesmo ciente de todo o trabalho que eles dão, os benefícios certamente valem a pena.

Para dizer que atualmente você precisa de cem cães, para dizer que não é por acaso o que o animal é chamado de “o melhor amigo do homem” ou ainda para contar algo maravilhosamente extraordinário que seu cão tenha feito por você: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comentários (11)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: