Ei, você! – CU Edition

Atendendo à sugestão do leitor COELHO, hoje teremos um Ei Você especial, com a temática voltada para cu, em homenagem ao C.U., aquele que nos impôs a punição de que o mês de outubro seja apenas com temas escolhidos pelos leitores. Não tem problema, se tem uma coisa que não falta no Ei Você é cu.

Para quem não sabe, esta coluna é feita com base nas pesquisas que direcionam leitores para o Desfavor em sites de busca. Como o brasileiro se dedica basicamente a escatologia, baixaria e pornografia, o cu está em alta. Segue uma coletânea atemporal das melhores pesquisas que trouxeram leitores ao Desfavor envolvendo cu. Desde já peço perdão.

meu amigo disse que o cu dele e azul
A menos que seu amigo seja um Smurfs ou um Avatar, não é verdade

como fasso pro meu cu brilhar no escuro feira de ciências colegio
Que porra de escola é essa? Pedobear School?

jezus cristo no cu do cachorro
É o jeito de Deus de dizer que religião é um cu

enchi meu cu de glitter o que pode acontece
Acontece um estranho fenômeno chamado “peido-unicórnio”

como eu sei quano o remedio e pa tomar na boca ou pa tomar no cu
Confie na sua intuição

como chama quando coloca piercing no cu
Cursing

tropecei e cai em uma cenoura como tira sem i pro hospital nao sou gay
Não, meu anjo, eu que sou

o que eu faço p o buraco do meu cu não fechar?
Muita merda

onde fica o cu de um peixe
Eu tenho tanto medo de perguntar para que a pessoa quer essa informação…

bozonaro vai coloca importo para da o cu
Imagina a fiscalização…

Para dizer que esperava coisas piores (sim, eu tentei manter um certo nível), para dizer que as imagens de hemorroidas do começo do ano eram suficientes ou ainda para dizer que talvez seja melhor deixar que os donos do blog escolham os temas: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (25)

    • Por causa de gente assim – e de uns e outros por aí que ainda escrevem “por favor” ou despejam xingamentos no campo de busca – é que eu acho que viria a calhar um “Desfavor Explica: Google”. Muitas pessoas, apesar de viverem online, nem fazem idéia de como o “oráculo de nossos tempos” realmente funciona e talvez até imaginem que haja mesmo alguém do outro lado respondendo a tudo o que solicitam.

      • Seria também uma boa esse Desfavor Explica abordar aqueles vários macetes para refinar a pesquisa no Google, que pouca gente sabe/lembra, como usar aspas nos termos, etc

  • Eu fico impressionado com a pontaria desses caras que andam sem calça, tropeçam e caem certinho em objetos caralhiformes. Deveriam se profissionalizar em bilboquê!

  • Desculpem o comentário extenso e totalmente fora de lugar, mas acabei de ler sobre um imenso “desfavor” que me deixou indignada e precisava desabafar! O caso já tem quase 1 mês, e veio na onda das críticas à tal Greta Thunberg, mas o assunto ainda tá rolando… Enfim, tudo começou após casais que engravidaram através de tratamento em clínicas de fertilização dos EUA, Canadá e Europa descobrirem nos filhos traços de autismo (em alguns casos, aliado a epilepsia, dislexia, transtorno de déficit de atenção com hiperatividade e uma série de outros problemas), sendo que os doadores de esperma são obrigados, por lei, a preencher uma extensa ficha e relatar qualquer tipo de “””condição”””. Desconfiados, esses pais conseguiram se contactar online, se mobilizaram e conseguiram rastrear o doador. Resumindo, o cara MENTIU no perfil coletado pelas empresas que VENDEM a peso de ouro esse material para fertilização. De fato, ele tinha diagnóstico de déficit de atenção com hiperatividade, frequentou escolas para crianças com dificuldades de aprendizagem e não possuía nenhuma das qualificações acadêmicas que dizia ter… Por fim, uma das mães resolveu processar a empresa que fez a fertilização, acabaram entrando em um acordo financeiro e fim da história, aparentemente (quer dizer, o material desse cara ainda está disponível em clínicas por aí…). O pior, pra mim, foi a repercussão depois. No Brasil, a revista Galileu fez uma reportagem a respeito, mas por conta do surto histérico das mamães dos “anjos de luz” – indignadas tanto por a matéria se referir às características das crianças como “problema” quanto pela “eugenia e capacitismo” dos pais, ainda por cima passando pano pro doador mentiroso – teve que se retratar e reescrevê-la, com termos bonitinhos e politicamente corretos. Affff, até onde chega a negação desse povo? Vai dizer que se pudessem escolher, teriam crianças com essas “condições”? Pensem na situação desses casais que não podem ter filhos naturalmente, que muitas vezes economizam toda uma vida a fim de poderem gerá-los através de empresas até então de renome, e serem enganados dessa maneira… É errado querer ter um filho normal e saudável agora, ainda mais se foi o combinado por contrato com uma empresa? Cada um sabe dos seus desejos, limites e possibilidades. Se acham lindo o papel da “mamãe abnegada do filhinho ‘diferente'”, que embalem seus Matheus, mas deixem em paz quem não pretende assumir o papel da mamãezinha heroína sofredora. Vão se catar, gente chata, frustrada e negadora! Foi o desfavor da semana pra mim…

    • O que eu não entendo é por que em vez fabricar criança, os casais não adotam as que já existem! E fora que tem a ingenuidade de confiar em empresa que só visa lucro.

    • Independente do que se ache sobre essas “condições”, estamos falando de um COMÉRCIO onde por contrato uma pessoa pagou por uma coisa e recebeu outra. Onde uma das partes mentiu sobre o bem comercializado.

      Curioso que quem trata material genético como bem de consumo tenha esse discurso tão politicamente correto, né?

    • Coitado, esse cara é o maior injustiçado da história das fake news. O único erro dele foi comer a esposa de um poderoso global.

  • como fasso pro meu cu brilhar no escuro feira de ciências colegio

    Antes de querer aprender a fazer o cu brilhar no escuro – que porra é essa? – , seria bom primeiro aprender a escrever direito. Porque “FASSO” é de lascar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: