Natureza suja.

As manchas de petróleo em praias do Nordeste já atingiram pelo menos 238 localidades em 88 municípios de 9 estados desde o início de setembro – o balanço mais recente do governo é desta sexta-feira (25). A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas. LINK


Cadê a gritaria da época das queimadas da Amazônia? Parece que desastre ambiental sem possibilidade de politização é menos grave. Desfavor da semana.

SALLY

Quando os incêndios (comuns e dentro das estatísticas) da floresta amazônica estavam no seu auge, vimos muitas pessoas, inclusive celebridades, em estado de histeria dizendo que estavam acabando com “o pulmão do mundo”. Rapidamente, especialistas do mundo todo desmentiram a metáfora, afirmando que o pulmão do mundo são os oceanos, pois é de lá que vem quase todo o oxigênio que respiramos.

Se essas pessoas estavam tão nervosas e empenhadas em defender “o pulmão do mundo”, agora seria a hora de realmente surtar: a costa brasileira está impregnada de óleo tóxico que já se espalhou por mais de 200 praias, contaminou animais e compromete seriamente a vida marinha. Só que não se escuta um pio.

O que poderia silenciar uma esquerda raivosa tão combativa, que enquanto os colegas latinos brigam nas ruas, grita do sofá que serão resistência e pegarão em armas? Talvez o fato da Petrobrás ter identificado 3 campos petrolíferos venezuelanos como a origem do vazamento. E aí é hora da gente repensar a credibilidade de qualquer militância. Quem se cala quando o erro vem de um aliado não vale muito mais do que a merda que caga.

Assim como no Brasil não existe ideologia política, apenas disputa por poder, também não existe militância ideológica, apenas torcidas de futebol canalizadas para políticos. Não se busca um país melhor, se grita para ter razão, para tripudiar quando o político de estimação do outro erra, para provar que o seu político de estimação é o melhor, quase que uma religião: fé cega e muito dinheiro jogado fora com pessoas que não prestam.

Atualmente a contaminação pelo óleo (que na verdade é petróleo cru) já atinge Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, ou seja, basicamente quase toda a costa do Nordeste. E tudo que desdobrou desse evento foi um tremendo desfavor.

A atuação do atual Governo em uma questão ambiental a gente já sabe qual é, e ninguém aqui foi enganado. Desde a campanha que Bolsonaro se mantém consistente em seu total desprezo à natureza. Um tremendo desfavor, com toda a certeza, porém surpreendeu zero pessoas. Além disso, vamos ser sinceros, nunca nenhum Governo brasileiro foi eficiente em combater crises, ambientais ou não. Se a gente depender do Poder Público, a catástrofe se instaura, seja ela de qualquer natureza.

O que surpreende é ver o “lado” que se diz defensor da natureza se calar de forma repentina. Tanto militantes como políticos e celebridades. Não ouço gritos, não vejo discurso alarmista, injuriado ou revoltado. Mais: o malabarismo argumentativo para tentar colocar isso na conta de algum “inimigo” chega a ser patético.

Vi gente minimamente capaz dizendo que não há como identificar a origem do óleo. Há sim, por sua composição, como se fosse um “DNA”, se sabe que não é fabricado no Brasil e sim na Venezuela. E pela distância e forma como se alastrou, pode ser inclusive que seja um despejo criminoso, isso não está descartado. Ainda que fosse um navio afundado, não custava nada comunicar e ajudar a conter a catástrofe, né?

Quem está gritando é a população local, ou seja, os diretamente prejudicados. E nem acho que seja por consciência ecológica, é por cortar na própria carne mesmo. São pessoas que terão prejuízos com esse vazamento. Prejuízos financeiros e prejuízo de autoestima: o Nordeste não é propriamente conhecido por sua riqueza intelectual, as praias são basicamente o motivo principal de orgulho.

Certamente vai ter quem ache isso preconceituoso (é pós-conceito, morei lá), mas se você tirar as praias do Nordeste, sobra muito pouco para oferecer aos turistas. Talvez uma ou duas semanas por ano de bebedeira e putaria no carnaval ou um que outro turismo sexual, não mais do que isso. O grande atrativo, o grande motivo de orgulho, está sendo esmerdalhado.

E quem sente esse prejuízo na pele está reclamando. Mas não são heróis ou pessoas melhores, é gente gritando quando pisam no seu calo. Obviamente gritam ainda mais alto quando há uma câmera ligada, afinal, o brasileiro, como toda pessoa com autoestima baixa, é um ególatra vaidoso. Continuarão a ser tratados como heróis, mas são apenas idiotas.

Vi vídeos de populares entrando na água e removendo esse material tóxico que, entre muitas outras coisas, pode causar até câncer, sem roupa de proteção. E vi muita gente aplaudindo isso. Repito: não são heróis, parem de romantizar tudo, são pessoas idiotas, que vão deixar seus filhos sem pai, para nada. Isso deve ser desencorajado, não aplaudido.

Não estão salvando as praias, é irrelevante. As toneladas despejadas não poderiam ser removidas manualmente nem se toda a população do Nordeste entrasse na água. Essa sanha por atos de heroísmo me parece mais um artifício para aumentar uma autoestima cagada, não altruísmo. Desfavor enorme ver pessoas sendo aplaudidas e exaltadas por isso na imprensa, levando mais pessoas a fazer esse tipo de estupidez.

Mas, imagina se alguém vai ter coragem de criticar os “heróis da vez”. Sempre tem que ter um herói em um evento triste, caso contrário as pessoas só veriam o quanto estão desamparadas pelo Poder Público e surtariam. Não pode falar nada sobre os heróis da vez, caso contrário, você será execrado. E pelo visto também não pode falar nada sobre o país coleguinha, que cagou a costa brasileira toda, mas por estar “do lado certo” será sumariamente absolvido por aqueles que fazem muito barulho em uma resistência virtual patética.

Tá tudo bem, ecologia nunca foi a nossa causa mesmo. Só não me venham, no futuro, apoiar filho da puta que levanta essa bandeira quando lhe convém, mas que diante de um desastre como esse, “fogo amigo”, se calou como se nada.

Para dizer que o pulmão do mundo está com enfisema, para dizer que foi uma conspiração dos EUA que forjou um petróleo parecido com o da Venezuela para ela levar a culpa ou ainda para dizer que não se importa: sally@desfavor.com

SOMIR

Jair Bolsonaro nunca se posicionou como amigo do ambiente. Por ele, asfaltavam logo a Amazônia e colocavam os índios para trabalhar nos postos de gasolina das margens. Não é uma mentalidade saudável, mas pelo menos ele não fez pose de ser algo diferente… o resultado disso é um aumento nos crimes ambientais já no seu primeiro ano de governo. Previsível. Mas também temos que considerar uma coisa: passamos de um país que já fazia muita coisa errada para um que faz mais ainda. Os governos anteriores também não tinham lá muito amor pelo meio ambiente. Ecologicamente falando, o Brasil é um rico esbanjador que acha que sempre vai ter mais quando precisar.

Pudera, são 500 anos retirando da natureza tudo o que queremos e ainda sim a maioria desse país ainda é mato. Se você prestar atenção na nossa história, a mentalidade nunca mudou de verdade dos tempos coloniais: faz o que quiser que sempre vai ter mais, o Brasil aguenta o tranco. O que é cada vez menos verdade num mundo cada vez mais tecnológico, mas é verdade o suficiente para ninguém ser eleito com uma plataforma ecológica até hoje. O PT era menos desastrado para lidar com o resto da comunidade mundial sobre o tema, mas topava basicamente as mesmas coisas que o governo atual topa na exploração dos recursos naturais brasileiros.

Então, não podemos nos gabar, em tempo algum, de sermos um país com consciência ambiental. Se temos mais riquezas, é pela concentração absurda delas dentro de nossas fronteiras e nossa lerdeza para industrializar o país. É meio como fazer propaganda da sua habilidade de poupar e investir dinheiro sendo herdeiro de uma fortuna que nunca soube onde gastar. Precisamos entender bem essa história brasileira para entender o que está acontecendo hoje com o caso do vazamento de óleo nas praias nordestinas.

Governo e oposição estão cagando e andando para isso. Os únicos que sentem a água poluída bater na bunda são os próprios nordestinos, com o prospecto de perderem muito dinheiro turístico nos próximos anos. E mesmo eles não sabem muito bem o que fazer: falta experiência de sequer se importarem com o tema. A diferença essencial desse caso com o caso das queimadas amazônicas é a falta de algo para politizar. A burrice infinita de Bolsonaro e seus ministros criou uma situação perfeita há alguns meses atrás, criando um estopim para politizarem o tema: a briga com as entidades que monitoravam as queimadas. A partir dali, ficava fácil colocar a culpa no governo e usar as queimadas como palanque político.

Dessa vez, o desastre ambiental (bem pior, pra falar a verdade) não entregou isso de mão beijada. Como culpar o presidente quando o óleo simplesmente aparece nas nossas praias e conseguem identificá-lo como sendo venezuelano? Colocar um holofote nessa crise traz o risco de dar uma satisfação para Bolsonaro: criticar o regime de Maduro. Como os pássaros e tartarugas sujos de óleo são tão irrelevantes para a oposição como as árvores amazônicas, não vai ter drama dessa vez. Faltou o elemento principal de fazer uma declaração política junto.

E não é tão conspiratório quanto você possa imaginar: parece que não faz sentido que a grande mídia e a máquina de influência das redes sociais vá deixar de lacrar para defender o ditador venezuelano, mas as coisas não precisam ser tão diretas. A polarização política é tão acentuada que a maioria dos que se posicionam absolutamente contra o Bolsonaro são obrigados a colocar Maduro numa espécie de área cinza de moralidade: “se odeio Bolsonaro e Bolsonaro é de direita, se criticar alguém que é de esquerda posso estar ajudando Bolsonaro.” O lacrador médio não aprendeu a lidar com a vida de uma forma equilibrada, ele precisa de certezas para agir, de uma linha clara entre bem e mal, mocinhos e bandidos.

Não é que os lacradores estão defendendo os venezuelanos pelo regime deles ser de esquerda, é que não sabem mesmo o que fazer nessa situação. Se encher a rede social de hashtags e pintar girafas no corpo é divertido e ajuda na venda do próximo single, ao mesmo tempo dá medo de repetir a mesma crítica dos vilões de direita e perder sua identidade. Se criticar o Maduro será que isso vai respingar no Lula? Muito confuso, melhor esperar a próxima crise. Se o óleo viesse de um navio americano, seria tudo tão mais simples…

O brasileiro continua dando de ombros para a natureza, parece tatuado nos nossos genes a noção de que sempre vai ter mais. O governo demorou milênios para reagir, e quando o fez, fez de forma confusa e muitas vezes pouco eficiente. O povão se enfiou no meio do óleo para acreditar que estava fazendo alguma coisa, mas não ajudam o suficiente, além de passarem por um perigo enorme que fatalmente vai colocar pressão na rede pública de saúde. Parece contraditório falar dos voluntários no mesmo parágrafo de “continua dando de ombros para a natureza”, mas não é: quem se importa tem um plano para esses casos, tem equipes para gerenciar o trabalho e conhecimento para fazer o serviço sem colocar a saúde em risco. O Severino que foi na melhor das intenções se pintar todo de preto na praia não tem sequer a cultura necessária para cuidar do meio ambiente. Se achasse que é algo terrível mesmo, teria algum reflexo de autoproteção para não se enfiar no meio do óleo. Ninguém ensinou isso, ninguém fez com que ele entendesse a gravidade da coisa. Ele só acha que tem uma sujeira na praia e que se limpar com as mãos os turistas vão continuar vindo.

A gente é chato de criticar todo mundo? É sim. Mas temos que ser chatos se quisermos algum padrão de excelência nesse país, isso é, algum padrão além de desvio de verbas públicas. Nenhum governo se importou com um plano de contenção de manchas de óleo, e elegemos alguém que deve estar fazendo piada com os nordestinos manchados de preto nos corredores do Palácio do Planalto. Não temos cultura de proteção ambiental, porque gente que não tem a menor ideia do que está fazendo foi a maioria da nossa força de trabalho contra o problema na maior parte do tempo até aqui. E o tema ainda fica mais nebuloso pela recusa da parcela mais barulhenta do país resolver ficar mansinha por não saber como politizar o assunto. Todo mundo cagando e andando para a natureza.

Não adianta dizer que ama seu filho e deixar ele brincar num terreno baldio usado por viciados. O brasileiro não ama sua natureza, só diz que. Uma hora a criança pisa numa seringa contaminada… não existe amor sem dedicação. Não existe cuidado sem atenção e conhecimento. Se não vai dar atenção para essa criança, talvez seja melhor vendê-la para o mercado negro, porque pelo menos assim ela vai ter mais chances.

Para nos chamar de bolsominions, para dizer que não existe civilização perto de praias, ou mesmo para dizer que se sair uma guerra com a Venezuela vai compensar: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (13)

  • Avatar

    Osmar Weber Júnior

    Hahahaha não vimos? Ta tendo muito mais repercussão da parte da esquerda o derramamento de óleo do que as queimadas, e sobre ser de origem venezuelana ainda não temos certeza, quer dizer que agora vocês resolveram lacrar igual a esquerda né? Que original

    • Ah com certeza, só se fala disso. Virou um evento internacional e uma campanha gigante maior que a das queimadas. A Greta está no Nordeste agora mesmo!

      Quais são as outras notícias bombando no seu mundo fantástico?

  • Esse desastre só serviu pra mostrar que, como já foi dito no texto, no fundo ninguém tá nem aí pra “meio ambiente”. Galera gosta mesmo é de chorar muito na internet pra parecer engajado(a) e garantir o like de cada dia. A patricinha empoderada vegana, se brincar, nem deve separar o lixo ou regar as plantas na casa da avó quando a velha pede (mas acha que o “bozonaruuu tá acabando com as floresta no braziuuu unhééé…”).

  • “elegemos alguém que deve estar fazendo piada com os nordestinos manchados de preto nos corredores do Palácio do Planalto.” Foi a primeira coisa q pensei . Estou meio por fora desses assuntos, mas agora não seria a hora dos mitos levantarem essa bandeira e evidenciar a hipocrisia da oposicao ? Enfim, vou procurar notícias sobre as piadas do presidente rs.

  • Se perceber bem, quase tudo converge para o medo de trabalhar.

    Não tem ideologia nenhuma, é um bando de zé ruela que querem fazer tudo pra viverem de ativismo raso e conseguirem boquinha no governo, em crowdfunding, em ONG ou em agência porque sentem alergia só de pensar em acordar às 6 da manhã e pegar o busão rumo a um emprego de verdade. Versão moderna do amigo do rei.

    SEMPRE PRESUMA MEDO DE TRABALHAR

    • Avatar

      Pedófilo Nazifascista Satanista

      É pior ainda. Amigo do rei ao menos não fica querendo enfiar ideologia de merda goela abaixo do povo.

  • Venezuela: concluído
    Peru: carregando…
    Equador: carregando…
    Argentina: carregando…
    Chile: carregando…
    Brasil: carregando…
    Colômbia: em espera
    Paraguai: em espera
    Uruguai: em espera

  • “ou mesmo para dizer que se sair uma guerra com a Venezuela vai compensar”
    Posso mandar a real aqui? Não tem gente mais insana do que aceleracionista. “Ain eu quero que a sociedade colapse porque ela tá uma merda”. como se esse colapso fosse simples, rápido e sem afetar os imbecis que dizem isso. Tem um exemplo de sociedade em colapso pertinho da gente, a Venezuela. País arruinado, o povo há quase uma década sofrendo com pobreza, violência e instabilidades, e vendo sua família e seus amigos sofrendo junto, e talvez passem o resto da vida assim, difícil conseguirem viver o bastante pra ver a sociedade se recuperar e melhorar. É isso que aceleracionistas querem?

    • Eu quero um meteoro…. bem em cima do Brasil…. imenso… pra explodir a bagaça toda instantaneamente… Mas todos terremotos que passaram são covardes, e fugiram quando viram esta joça…

      Serve?

    • Avatar

      Osmar Weber Júnior

      O blog desfavor é aceleracionista, ou simplesmente é bolsonarista mesmo e usa o aceleracionismo como fachada

      • Enquanto a marcha for rumo ao autoritarismo, somos contra direita e esquerda. Não sei quanto você leu do desfavor antes de fazer sua afirmaçãp, mas nosso argumento pró-Bolsonaro nas eleições foi explicitamente aceleracionista.

        Mas, se te ajudar a ganhar pontos de bom menino em guerra de rede social, pode chamar a gente de minion. Dá muito menos trabalho mesmo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: