A Semana CUmemorativa começa hoje, com visual especial e Sally e Somir derrotados. Todos os temas serão relacionados com o final do sistema excretor humano. E para começar, uma discussão extremamente profunda: a etiqueta sobre preferências de coloração anal e suas menções em público.

Tema de hoje: se te for perguntado, você deve responder honestamente se tem preferência estética por cu rosa ou marrom?

SOMIR

Não. Saia pela tangente, ou se for meio ruim de enrolação, simplesmente diga que não tem preferência e cale-se sobre o assunto para sempre. Esse tema já é sinal de que as coisas vão mal em qualquer conversa, e estender o assunto só aumenta sua probabilidade de arranjar problema para a cabeça. Pode parecer uma merda de um assunto, com trocadilho, por favor, mas ele se embrenha em territórios pra lá de arenosos sobre preconceito racial e chiliques feminazis em geral.

Eu digo isso pois salvo uma surpresa considerável, a maioria das pessoas vai tender para o cu rosa. Até uma década atrás, a gente podia falar abertamente sobre essa preferência, mas o cenário cultural mudou. Muita gente fica prestando atenção no que você fala para tentar te acusar de vilão, machista, racista e opressor. O que antes era uma conversa de bêbado sem noção agora é fonte de problematização para quem só quer demonizar um otário que fala sem pensar.

O cu rosa é herança genética europeia, não sendo encontrado com consistência em outros povos ao redor do mundo. O cu médio humano é marrom, e é uma daquelas características genéticas que não aceitam mistura: se não tiver cus rosas dos dois lados da família, o cagador vem na versão marrom. Essa tonalidade anal rosada foi desenvolvida por gerações e gerações de isolamento de alguns povos, que, francamente, não deveriam dar a mínima para isso. Mas, com séculos e séculos de controle europeu sobre o mundo, o combo de pele branca com mamilos, genitálias e ânus rosa acabou se tornando mais desejável.

Não sem seus méritos naturais, contanto. E é aqui que a coisa fica complicada: é impossível escapar de alguém que quer te chamar de racista se você falar sobre cus rosas. A pessoa quer te pegar, e não aceita nenhuma ideia diferente de que essa preferência é uma construção social baseada em uma ideia de superioridade racial. O que é uma bobagem: estamos falando de cus. Assunto baixaria e quase sempre desnecessário. E então surge o principal problema… não só você vai ter que lidar com alguém te acusando de algo grave como racismo, mas também vai ter que saber que foi por um tema cretino desses.

Imagina só a derrota na vida que é ficar marcado como racista de cu? Ninguém merece ser arrastado para essa lama. Eu me recuso a ser humilhado assim. Faço pouco do tema e digo que mais vale um cu na mão do que dois cagando, ou qualquer outra baboseira que me permita escapar dessa conversa. De preferência faça a pessoa que começou esse assunto se sentir uma imbecil para evitar qualquer retorno dele. Uma hora ou outra o tema surge na frente de alguém mal-intencionado e aí não tem mais volta.

E além disso, nunca se sabe que cu está te ouvindo… imagina falar que cu rosa é muito mais bonito que marrom e uma mulher bonita que estava pensando em mostrá-lo para você desiste? Estatisticamente, é muito mais provável no Brasil que quase todos os cus ao seu redor tenham no máximo a mesma cor da pele. Não se sai fazendo pouco de cus que poderiam estar ao seu dispor assim. Porque cá entre nós, rosa é mais bonito, mas é no máximo um bônus. Antes uma gostosa marrom do que uma baranga rosinha. Se você conseguir evitar uma resposta, fica com todos os cus disponíveis, faltando só ganhar as donas…

E vamos falar da situação mais dramática aqui: a pessoa com quem você faz sexo ou pretende fazer sexo te pergunta. A única resposta inteligente para alguém cujo cu você já viu é defender sua coloração. Já adianto que sai pela culatra (há) dizer que acha marrom mais bonito, porque a mulher vai desconfiar seriamente que você está forçando a barra e mentindo para agradá-la. Via de regra, não deixe uma mulher com essa sensação. Se você viu e é rosa, pode falar maravilhas sobre essa cor. Se você viu e é marrom, basta dizer que isso é uma bobagem e na vida real ninguém se importa com cor de cu. Mate o assunto e mude o foco rapidamente.

Agora, se você não viu, fica ainda mais óbvio o caminho de não responder, não? Quem vê cara não vê cu. Não vá se indispor com ela, senão nada dela apontar o cu na sua direção mais tarde… a não ser que ela seja branquela, não vale a pena entrar no tema de coloração anal. Sim, eu sei que nos dois casos são pessoas malucas que perguntaram diretamente sua preferência, mas eu acredito que o ser humano tem o sagrado direito de errar. Não precisa punir cada vacilada da pessoa! Ela abriu o assunto, mas provavelmente não pensou bem nas ramificações disso. Por sorte, você pensou. Pensou e decidiu que não ia se foder por causa da cor de um cu.

E sim, eu estou falando sobre mulheres, porque sinceramente não consigo imaginar um homem preocupado com a cor do cu. Salvo alguma posição acrobática, é raro que a mulher dê de cara com o cu do homem sem estar procurando por ele no sexo. Cada casal que se divirta como quiser, mas francamente, homem que coloca o cu no sexo foge da minha alçada de compreensão. Talvez tenham neuras parecidas sobre a aparência do cu. Imagino que gays também, afinal, homem é um bicho bem visual. Mas não se preocupe, essa ideia também funciona para eles: não despreze o cu, porque tem uma pessoa inteira presa a ele que você pode querer.

A verdade nem sempre é a melhor resposta. Infelizmente, pessoas se colocam em armadilhas o tempo todo, seja perguntando algo que sabe que vai doer ou mesmo caindo num truque de alguém que quer te demonizar por calhar de achar mais bonita uma característica oriunda de povos europeus. Quem é esperto não se deixa pegar. Você tem o direito de não se posicionar publicamente sobre cor de cu, use-o!

Para dizer que a semana já começou mal, para dizer que nem viu diferença, ou mesmo para dizer que são quase 11 anos de baixaria: somir@desfavor.com

SALLY

Antes de mais nada, gostaria de recomendar que não leiam o Desfavor está semana. Será uma semana desagradável, escatológica e que em nada reflete meu desejo de pauta para este blog.

Vamos começar hoje uma série de postagens desnecessárias e de péssimo gosto, às quais estamos sendo obrigados, mas você não precisa se sujeitar a isso. Tem onze anos de conteúdo diário te esperando, é só procurar por um tema do seu interesse na nossa barra de buscas.

Entrando no lamentável tema de hoje: se você for expressamente perguntado se tem preferência ou acha mais bonito um cu rosa (claro) ou um cu marrom (escuro), deve responder a verdade?

Sim, quando a pessoa pergunta, o que quer que seja, tem que estar preparada para escutar a verdade. Sim, eu vou ter que escrever duas páginas sobre cor de cu. Sim, esta é a postagem mais leve desta semana.

Eu sinceramente vejo zero relevância da cor do cu de uma pessoa para qualquer coisa na vida, mas, considerando o aumento exponencial de clínicas que promovem clareamento anal (sim, isso existe e tem um mercado enorme), suponho que a cor do cu seja algo relevante na atual sociedade.

Como tudo que vira moda e ganha relevância é também motivo para insegurança, não duvido que existam pessoas fazendo essa pergunta. Deve ser uma versão pós-moderna do “você acha que eu estou gorda?”. Grandes chances de que a pessoa que pergunta isso seja bem neurótica e que a resposta, qualquer que seja, gere algum aborrecimento.

Em qualquer caso, se a pessoa está perguntando, ela tem que estar pronta para escutar a verdade. Se a pessoa pergunta e depois fica puta com a resposta, bom, nesse caso é melhor saber logo, pois se trata de um ser humano maluco, desequilibrado, problemático e, o quanto antes se sair de perto de uma pessoa assim, melhor. Sim, existem pessoas mentalmente equilibradas. Procura bem que você acha.

Então, essa de mentir ou omitir para “evitar problemas” não existe. É apenas adiar a danação. Quanto antes você descobre que a pessoa é uma lunática desequilibrada, melhor, mais fácil de cair fora. Sai fora desse pensamento igualmente neurótico (complementar) de achar que tem que aturar esse tipo de coisa pois “todo mundo é assim”. Não é não.

Eu não quero evitar problemas, eu quero é ver logo que tipo de pessoa é aquela, de preferência antes de criar laços mais fortes, para, se for o caso, pular fora. Tô fora de gente neurótica, histérica, chata e com baixa autoestima. Aprendam uma coisa: em matéria de relacionamento nunca se “evita” problema, sempre se adia. Resolve logo, assim ninguém perde tempo.

Como estou sendo obrigada a refletir sobre o assunto, algo que, diga-se de passagem, muito me violenta, me ocorreu aqui se é possível imputar algum tipo de conotação criminosa a uma eventual preferência por cus rosas, que são a preferência da maior parte das pessoas.

Até onde eu sei, ainda não há nenhum caso registrado de racismo anal, mas eu não duvido de mais nada mas… É com muita dor que problematizo a questão: mesmo que se alegue algum tipo de racismo anal e se faça disso uma questão social e de militância, não faz o menor sentido.

Assim como pessoas podem ter preferências por ruivos(as), morenos (as) ou loiros(as) sem que isso configure racismo, suponho que também é socialmente permitido ter preferência pela cor do cu. Até por uma questão de auto respeito, acredito que ninguém se preste a ir a uma delegacia tentar incriminar alguém expondo para o delegado que seu próprio cu é preto e uma pessoa disse que isso não é bonito. Eu duvido que aconteça? Não, pois não duvido de nada. Mas me parece improvável.

Sendo bem sincera aqui, eu já descartaria uma pessoa que sequer faz essa pergunta. Primeiro que se o outro não se sentisse atraído por você, ele não estaria com você. Segundo que, para que a pessoa tenha a pachorra de se preocupar com estética anal, rosto e corpo tem que estar muito 100%. Mas, coerência nunca foi o forte desse povo, provavelmente deve ter gente com cara de cavalo e corpinho de bolovo preocupada com beleza anal.

Por mais grotesca que seja a preocupação e a pergunta, não vejo motivos para não responder. Se a pessoa supostamente tem uma predileção por alguma tonalidade ou nuance anal, que fale. É relevante? Não. Mas se a outra pessoa quer saber, talvez de alguma forma seja relevante para ela. A cor do cu não faz ninguém inferior ou superior a ninguém, uma pessoa é muito mais do que seu cu.

A regra é clara: se perguntou, tem que estar pronto(a) para escutar a opinião do outro. E todos tem o sagrado direito a opinião, a ter um padrão estético que considera mais atraente. Além disso, o fato de considerar uma coisa mais bonita do que a outra não quer dizer que se considere a outra feia. Uma coisa não se presume da outra e é preciso ter uma autoestima muito cagada para presumir isso.

Mentir dá trabalho. Mentir desgasta. Pode parecer fácil e simples mas não é. Fica eternamente aquela preocupação de fundo de não dizer nada em um contexto acidental que desminta a mentira que você inventou tempos atrás. Mentira escraviza. Um absurdo se colocar nessa situação, ainda mais por uma questão tão idiota.

Vamos combinar que tem coisa grave demais acontecendo na vida de todo mundo e no mundo para criar problema por causa de cor de cu. Eu tenho mais o que fazer e com que me preocupar para ficar inventando mentira anala para não aborrecer um ego frágil. Desculpa, eu só acredito em relacionamento pautado na verdade.

Para dizer que esta semana promete, para dizer que este texto é um cu ou ainda para dizer que o C.U. deveria escolher a pauta do Desfavor o ano todo: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (13)

  • Avatar

    Geraldo Renato da Silva

    Ah meus queridos, agora entendi o motivo da mudança no site. CUmgratulações!
    Em minha singela opinião ( que sinceramente, não importa muito), não faz muita diferença o cu ser marrom, rosa, branco ou arco-íris: estando limpo é o que importa!

  • Avatar

    Schandelly Thompsom

    Se a pergunta for tipo um enquadro e nao tiver como escapar, tem sempre o truque dos labios. A cor dos labios da pessoa e a mesma cor do fiofo da pessoa e das partes pudentas (cabeca do *** e das carninhas do interior do capo de fusca). Olhe para os labios da pessoa, decifre a cor da pessoa que esta perguntando e diga que prefere um da mesma cor que o indagador para ficar bem na fita.
    Salvo engano, parece que os Brasileiros que cercaram a menina loira na russia e ficaram cantando felizes da vida que ela tinha vulva rosa perderam o emprego. Acho que ficar feliz ou mostrar fixacao por furico na cor rosa choque cor Batom Snob da MAC parece que da processo e pega mal sim….
    Sally e Somir, qual a cor dos seus labios?
    Sally, nao vale passar batom Snob da MAC pra responder. Tem que ser sem maquiagem

  • Todos tem preferências, mas todos (in)conscientemente sabem que seus próprios padrões de beleza são (praticamente) impossíveis de serem encontrados em uma pessoa só, e mesmo que encontre nada garante que suas personalidades sejam compatíveis. Assim, a maioria desencana e acabam conhecendo pessoas interessantes e compatíveis com diferentes belezas. Na minha experiência, eu sempre tive uma queda por loiros, mas estou com um moreno que é um cara incrível e não penso em me separar <3

    Se os padrões de beleza malvadões impostos pela mídia fossem levados a sério, 99% da população mundial estaria solteira e a humanidade estaria à beira do colapso por falta de novos bebês. Além disso, vai tudo cair e enrugar um dia. Daqui a 10 anos você não vai estar mais deitado/a com a mesma pessoa jovem que você conheceu, relacionar-se com alguém puramente por aparência é um erro.

  • A cor do cu não faz ninguém inferior ou superior a ninguém, uma pessoa é muito mais do que seu cu. Nem todas, Sally…

  • Tem um ensinamento interessante nesse texto.

    Sobre cor de cus? Absolutamente não.

    O ensinamento é sobre não se colocar em uma posição em que um maníaco tenha controle sobre suas decisões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: