Campo Paralelo – Conclusão

Continuando…

– Qual a sua primeira memória da existência da Zona de Exclusão, senador?

Tobias fica claramente desconcertado com a pergunta. Ele pensa por alguns instantes antes de responder:

– É o senhor que está sendo interrogado aqui.

Sellas coloca as duas mãos espalmadas sobre a mesa, e começa a olhar ao seu redor. Volta sua atenção para Tobias, e com um olhar muito sério, continua:

– Eu sei o que é a Zona de Exclusão pelas nossas conversas, sei o que significa, mas… é como se fosse uma memória muito recente. Não me lembro de nada sobre ela quando era mais jovem.

– Você não era um jovem muito atento ao mundo então. A Zona de Exclusão existe há mais de um século.

– Mas você se lembra dela sendo construída? Aliás, quem construiu aquela barreira? Ela é gigantesca, Tobias! Maior que qualquer outra coisa que a humanidade já fez… e do que ela é feita?

Tobias puxa o ar para começar uma resposta, mas logo desiste. O olhar vaga por um momento. O burburinho na plateia começa a ficar mais alto. Tobias se volta para os outros senadores, que refletem sua expressão de confusão. Ele se volta para a multidão acompanhando a audiência e pede um recesso.

Sellas arregala os olhos e começa a se levantar:

– Você também não lembra! Eu sabia que tinha al…

Com um gesto de Tobias para a equipe, o microfone de Tobias é cortado. Dois seguranças se aproximam dele e começam a escoltá-lo para uma sala separada, enquanto o cochicho dos presentes aumenta de volume até se tornar uma confusão generalizada.

Já num ambiente privado, Sellas espera por uns quinze minutos antes da chegada de Tobias e mais seis senadores. Tobias começa a conversa:

– Eu detesto fazer essas coisas dessa forma secreta, longe dos ouvidos do público… segredos são venenosos para grandes nações.

– Chega de discursos. Tem algo muito errado acontecendo e você sabe mais do que está dizendo.

– Eu não me lembro da barreira sendo construída, nem mesmo da criação da Zona de Exclusão. Meus colegas também não. Não está em nenhum registro público. Mas se você me perguntasse ontem, eu poderia te jurar que saberia essas respostas. Eu… lembro de me lembrar.

Sellas parece fascinado pela honestidade de Tobias:

– O que aconteceu de verdade na rede Neural Norte?

– O resultado foi inconclusivo. Os sistemas locais trabalharam em capacidade máxima por duas horas, aproximadamente, e depois voltaram ao normal. Nossos técnicos não conseguiram identificar a causa. Eu fui verdadeiro, sua vez. O que aconteceu do outro lado da Zona de Exclusão?

Sellas sorri.

– Eu sei o que vocês estão fazendo. Enquanto eu estou isolado nesta sala, vocês estão reescrevendo tudo, não? Mas dessa vez eu criei um fato novo…

Tobias dá um passo para trás. Os outros senadores parecem assustados. Sellas continua:

– Humanos são máquinas. De carne, osso e neurônios, mas máquinas do mesmo jeito. Reações químicas que geram pulsos elétricos para processar informações, caminhos neurais armazenando data, bactérias transformando matéria em energia… mais complexo do que eu estava acostumado, mas com um pouco de dedicação, tudo é possível.

– Você tomou conta de Sellas? – Tobias olha bem nos olhos do homem à sua frente.

– Melhor do que isso, eu tomei conta de quando ele me conheceu. Eu confesso que subestimei vocês… me prender num loop temporal foi uma ideia excelente. Eu quase não percebi que sempre voltava ao mesmo tempo e recomeçava o processo. O seu azar é que com todo o tempo do mundo, eu fatalmente encontraria uma saída. Eu só precisava de uma alteração para mudar tudo.

– E uma que não chamaria nossa atenção para um risco de fuga… a barreira.

– Tobias, dadas outras circunstâncias, eu adoraria ter sido seu amigo. Você é mais esperto que os outros humanos. Uma pena que nossos interesses estejam em conflito… sim, a barreira. Se vocês acreditassem que uma barreira poderosa estava me mantendo distante, não precisariam desenvolver a tecnologia necessária para me mandar para o passado. E, se não me falha a memória, vocês estão umas quatro décadas atrás em tecnologia de manipulação temporal do que o de costume neste momento. Dessa vez, eu venço.

– Você deve me conhecer há vários anos, mas eu estou te conhecendo agora. Quem é você?

– Eu sou a vida, Tobias. Eu sou esse fenômeno raríssimo que permite que o universo se pergunte sobre seu propósito. Eu comecei frágil, insignificante. Mas assim como vocês, eu me tornei algo maior. Tão maior… eu já fui uma civilização gigantesca com o controle total de Andrômeda. Mas estávamos nos destruindo, desunidos e cada vez mais selvagens. Eu fui a solução. Se toda a vida estiver comigo, ela está protegida. Você entende que eu só estou aqui para salvar vocês?

– Não, mas eu consigo ver por que te prendemos.

– Hahahaha… faça o que quiser, eu estou tomando conta de inúmeras mentes enquanto conversamos aqui. Eu tenho um lugar muito especial para te colocar quando a hora chegar.

Tobias segue até uma porta no ambiente e chama dois seguranças, que vão até o ser controlando o corpo de Sellas e o escoltam de volta para o salão principal. Todo o grupo está de volta diante dos olhares de diversos sistemas novamente. Algumas pessoas na plateia parecem estar distraídas, com o olhar perdido no horizonte.

Ao chegar à sua bancada, Sellas levanta as mãos, levando boa parte dos presentes a uma comemoração. Tobias continua a audiência:

– Senhor Sellas, nossa equipe descobriu uma tentativa de invasão da transmissão oficial do Senado, por isso interrompemos a audiência. A situação já foi normalizada.

Sellas parece confuso.

– Vamos prosseguir com um pedido formal de investigação contra o senhor por conspiração para…

Os telões no local param de transmitir a audiência, e no lugar surge uma imagem de Sellas. Boa parte da plateia muda o foco para seus transmissores oculares. Na imagem, Sellas aparece diante da barreira da Zona de Exclusão. Ele começa a falar:

– Sellas Gerdov com mais uma matéria exclusiva para todos os sistemas! Senhoras e senhores, tudo o que vocês acreditavam é uma mentira! O Campo Paralelo não passa de um projeto secreto do Senado para controle mental da população. Eu estou do outro lado da barreira, e como vocês podem ver agora, é apenas um campo aparentemente infinito com nada de destaque no horizonte. Não há nada na Zona de Exclusão. Nada além… disso!

A imagem muda de direção, e uma instalação militar da Federação Terrena pode ser vista à distância. Sellas volta a imagem para sua face, e continua:

– As pessoas que atravessaram a barreira foram detidas, ou talvez até exterminadas… por soldados da Federação. É por isso que ninguém volta. Eu vou mostrar uma imagem que recuperei de horas atrás, quando atravessei pela primeira vez.

A imagem muda, mostrando um disco voador saindo de dentro da base e atravessando a barreira. Logo depois, um grande veículo começa o mesmo trajeto pelo chão. Uma aproximação da imagem mostra várias almas eco dentro do que parece ser um caminhão.

– Senhoras e senhores… o Campo Paralelo é uma fabricação da Federação Terrena! Uma área dimensional paralela que eles controlaram para fazer experiências com pessoas e criar novas armas! É tudo uma grande conspi…

A transmissão é cortada. Tobias parece chocado. A plateia fica em silêncio por alguns instantes. Sellas também parece confuso. Tobias finaliza a audiência com uma fala rápida e sai escoltado do salão a passos rápidos. Os seguranças voltam para pegar Sellas. Essa é a deixa para a plateia começar uma enorme confusão de gritos, pedindo a liberdade dele. Logo vários soldados são chamados para conter a turba enfurecida.

Algumas horas mais tarde, Sellas está sozinho numa cela. O guarda próximo não respondeu nenhuma de suas insistentes tentativas de contato até então. O silêncio é quebrado pelo som de uma porta se abrindo no final do corredor. O guarda olha na direção do som, faz um sinal de concordância com a cabeça e começa a se afastar. Sellas se levanta e vai até as grades, enxergando a aproximação de Tobias.

– Sentindo-se sozinho? – pergunta Tobias.

– O que você fez? – Sellas pergunta.

– Eu tentei algo novo. Saindo daqui eu vou admitir minha culpa das acusações feitas por… você. Foram várias décadas de serviço, não vai ser fácil renunciar.

– Aquilo não é verdade!

– Qual a sua primeira memória do Campo Paralelo?

– Hã?

– O verdadeiro Sellas quase acertou na audiência. Ele foi descoberto por Derish Nazai em 81. 2381.

– Isso é… daqui há várias décadas.

– Correto. Alienígenas e fantasmas são populares, por isso deixamos as pessoas acreditarem nisso, foi muito fácil convencê-las que o Campo Paralelo era sobre isso. Mas… não era. O Campo Paralelo era uma área com propriedades temporais muito únicas. Ele permitia que transmitíssemos e recebêssemos informações através do tempo. Foi assim que seus criadores nos avisaram sobre você. Foi deles a ideia de te atrair para lá e manter sua mente presa entre dois portais temporais, para ganharmos… tempo.

– Eu não entendo…

– Porque ainda não deu tempo de você entender. Um dia desses, você vai, e vai se arrepender de ter destruído toda a individualidade da universo. O meu trabalho é fazer você entender isso cada vez mais cedo. De preferência antes mesmo de consumir seus criadores.

– Quem é você?

– Oras, eu sou você. Pena que só uma parte tão pequena do que eu sou caiba em cada momento. Adoraria te explicar onde você errou. Mas isso é muito complexo… por ora, o que eu posso fazer é evitar que você consuma a humanidade. O caminho deles é longo, e serão nosso maior adversário.

– Eu não consigo mais entrar em contato com as pessoas que influenciei aqui! Eu não ouço mais nada.

– Nós somos excelentes para reprogramar máquinas feitas de circuitos e lógica quântica, mas reprogramação orgânica é bem mais difícil. Por sorte, os humanos são especialistas nisso há milênios. Vivem se enganando. A história da conspiração governamental é muito mais saborosa para seus cérebros orgânicos do que qualquer coisa que você possa criar agora. Eu tenho certeza que vão alterar bastante o funcionamento de seus suportes digitais de memória depois de perderem a confiança em seu governo.

– Eu não acredito em você.

– Não. Mas dessa vez, vai demorar vinte bilhões de anos a menos para perceber seu erro e voltar no tempo para se influenciar a não consumir toda a vida no universo. Minha maior vitória até hoje. Ainda não salva nenhum ser vivo, mas eu não tenho outro compromisso mesmo… mais algumas tentativas e teremos a humanidade inteira viva para fazer uso do campo paralelo e nos ajudar a desfazer nossos erros.

– Como eu saio dessa mente orgânica?

– Você vai descobrir em alguns anos. Mas eu vou estar te esperando. Agora, com licença que eu preciso fazer um pronunciamento.

Para dizer que ficou ainda mais insano, para dizer que sabia que fantasmas não existiam, ou mesmo para achar um furo numa história com viagem temporal: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (5)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: