Apocalipse.

Bom dia, crianças. Hoje, conforme prometido, nós vamos estudar um dos momentos mais curiosos da história da humanidade na Terra: o Apocalipse. Como estudamos na aula passada, religiões eram parte integrante da sociedade durante milênios, mas de uma forma bem diferente da qual lidamos com elas atualmente.

Sobre o Apocalipse: hoje em dia chamamos de ano zero da Era Livre, mas naquele tempo, a contagem estava em 2687. Mais precisamente, o aniversário de mil anos do lançamento da primeira edição dos Princípios Matemáticos da Filosofia Natural de Isaac Newton. E essa data é importante: segundo a mitologia do cristianismo, o fim dos tempos ocorreria após mil anos de domínio de uma figura chamada anticristo. Para eles, o anticristo era uma entidade poderosa que seduziria a humanidade e a levaria para o caminho das trevas.

Segundo as análises de historiadores e alguns depoimentos de personagens da época, o anticristo era a ciência moderna. Muitos definem que o lançamento das Obras de Galileo Galilei inicia a era da ciência como a conhecemos, mas no final das contas, as entidades envolvidas no Apocalipse tratam a obra de Newton como a definidora desse momento.

E como aconteceu o Apocalipse? Era um dia aparentemente comum, 18 de agosto. Mas não continuaria comum por muito tempo. Nos céus de várias grandes cidades da Terra, sete figuras estranhas podem ser avistadas flutuando nos céus: jovens de gênero indefinido com grandes asas brancas portando enormes trombetas douradas. O que voava sobre Moscou é abatido por um drone de segurança em questão de minutos, mas outro surge para ocupar seu lugar pouco tempo depois. Autoridades ao redor do mundo decidem não os atacar, esperando por alguma forma de contato. Eles continuam inativos por algumas horas, o que causa uma catarse nos ainda numerosos cristãos do planeta naquela época, que os identificam como anjos.

Às 09:18, o primeiro desses “anjos” toca sua trombeta. Ele está sobre Sidney, na Austrália. O sistema de alerta contra objetos espaciais acusa imediatamente o movimento de um grande asteroide em direção ao planeta. O objeto, conhecido como MFB-2201-9B1, orbitava o planeta inofensivamente até então, e já tinha uma base de drones de mineração estabelecida há quase 30 anos. O sistema de defesa contra corpos celestes do governo chinês está na melhor posição para pulverizar o objeto, o que o faz rapidamente, criando uma chuva de estrelas cadentes em quase todo o hemisfério oriental.

Segundo a mitologia cristã, esse asteroide deveria se partir em diversos pedaços e lançar uma chuva de pedras e fogo sobre o mundo.

Menos de duas horas depois, o “anjo” que flutuava sobre o Rio de Janeiro, no Brasil, toca sua trombeta também. Um míssil atômico abate o ser logo após. O governo relata depois que não deu essa ordem. Poucos minutos depois, quase todo o Oceano Atlântico ganha uma coloração avermelhada e a água se torna espessa como sangue. Amostras do material coletadas sugerem que a maioria das algas presentes na água foram transformadas em glóbulos vermelhos de DNA humano. Os sistemas de proteção de biodiversidade da ONU demoram quase 16 horas para produzir e lançar de volta ao oceano a quantidade mínima de plâncton para o retorno das condições originais das águas. Algo em torno de 4% da vida marinha no Atlântico é perdida durante esse tempo. Pelo lado positivo, aprendemos o processo de fabricação de células vermelhas e hoje em dia não há mais qualquer escassez de sangue para cirurgias e tratamentos.

Meio-dia. O ser que flutua sobre Paris toca sua trombeta. Mais um asteroide muda de direção, apontando para a Terra. O objeto RDP-2455-87J estava próximo de um cargueiro lunar, o que tornou a mudança de sua trajetória rumo ao Sol trivial. Duas horas depois, mais um “anjo” faz sua ação, dessa vez sobre Addis Ababa na Etiópia. Uma imensa nuvem de poeira começa a envolver o planeta, colocando o mundo sob um véu de escuridão que tira um terço do brilho do Sol durante o dia. São necessárias duas semanas para coletar o material, período no qual dias e noites ficam bem mais escuras. Mas, a imensa quantidade de matéria com certeza é útil para a produção de combustível para boa parte da frota orbital.

O sol já começa a se por quando o quinto “anjo” toca sua trombeta nos céus de Nova Iorque. Outro asteroide. Mas esse é muito menor, pequeno o suficiente para não conseguir ser bloqueado a tempo. O objeto, sem nome, cai numa área pouco povoada no centro dos Estados Unidos, criando uma grande cratera e quebrando algumas janelas há quase seis quilômetros de distância. Nenhuma casualidade é reportada. Da cratera, drones de vigilância observam uma imensa massa de gafanhotos dotados de ferrões de escorpião começando a voar. Como a área era rural, havia um enxame de abelhas mecânicas há menos de 20 quilômetros de distância. As abelhas abatem os gafanhotos com veneno antes que consigam se espalhar por mais que oito quilômetros de distância do local da cratera.

O sexto ecoa o som das trombeta sobre Istambul. Do rio Eufrates, saem quatro humanoides montados em cavalos controlando um imenso exército de soldados, todos utilizando equipamentos de exércitos muito antigos. Na mitologia cristã, são chamados de Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Uma força tarefa do exército iraquiano é a mais próxima do ponto onde surgem esses seres. Com uma equipe formada essencialmente por drones, a batalha é ridiculamente fácil. Imunes à fome, doenças e qualquer forma de influência psicológica, os robôs massacram o exército dos Cavaleiros em menos de uma hora.

O sétimo, e final, toca sua trombeta sobre Mumbai, na Índia. Sistemas de detecção de catástrofes naturais notam um movimento incomum em placas tectônicas ao redor do globo, e o Protocolo Equilíbrio é iniciado: ao redor do mundo, 16.591 pontos de pressão cuidadosamente calculados por uma inteligência artificial são ativados, liberando a quantidade exata de magma para reequilibrar o movimento das placas tectônicas e evitar os problemas. Infelizmente, duas casualidades são recordadas, dois pesquisadores holandeses no Havaí que não haviam informado sua presença num dos vulcões ativados.

Após essa sétima trombeta, os seres que ainda estavam flutuando parecem perder força e caem imediatamente. Todos mortos. Uma grande luz dourada surge sobre a antiga Jerusalém, e dela desce um homem que se intitula Jesus. Ele parece realmente surpreso com o estado basicamente inalterado do mundo, e depois de alguns minutos de visível confusão, começa a flutuar de volta para os céus, desaparecendo logo em seguida.

Hoje em dia a Terra é uma área de preservação ambiental, não só para as espécies nativas de lá, mas também para os poucos humanos que ainda seguem alguma religião. O Apocalipse foi curioso pois demonstrou que havia sim mérito na crença de muitos deles, mas que no final das contas, só seres muito primitivos precisavam temer. Estudo é fundamental, crianças. Ele te dá o poder, o verdadeiro poder.

Um aluno levanta a mão.

– Professor, é por isso que existe a meme do Jesus confuso?

O professor suspira…

– Sim, é por isso que existe a meme do Jesus confuso…

As crianças riem. O sinal toca, e todos saem da sala de aula virtual.

Para desejar uma Feliz Semana Anta, para dizer que se Jesus voltar, volta armado, ou mesmo para dizer que não entendeu nenhuma das referências por ser uma pessoa inteligente: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (6)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: