Culpando e andando.

Uma nova narrativa nasce no horizonte: “A culpa é de quem votou no Bolsonaro”. A premissa é velha: alguém tem que levar a culpa, e vamos jogá-la logo para outros, antes que nos responsabilizem. Há um movimento querendo imputar a culpa por todo o estrago que o coronavírus fez e vai fazer em quem votou no atual presidente, e isso, meus queridos, é puro suco de Brasil.

Querer dizer que as coisas chegaram onde chegaram por culpa exclusiva do Bolsonaro é admitir que as pessoas não sabem se regular sozinhas e precisam de um líder que lhes diga o que fazer e, quando esse líder falha, a população toda vai junto. Tenham vergonha nessa cara! Aqui não é Coreia do Norte, onde há censura a qualquer coisa que contrarie o governo. Todo santo dia a imprensa, cientistas, médicos, infectologistas, epidemiologistas e muitos outros alertam em peso sobre os riscos do covid-19.

As pessoas sempre tiveram os subsídios para tomar suas decisões. Informação nunca faltou. Até fontes básicas como o Jornal Nacional está marretando exaustivamente na necessidade de isolamento social, nas medidas de prevenção. E, mesmo assim, muita gente que poderia ficar em casa, optou por sair, por passear, por ir à praia, por se deslocar sem qualquer necessidade imperiosa de fazê-lo. A culpa disso é do Bolsonaro? A culpa disso é de quem votou no Bolsonaro?

Todo mundo sabia o que fazer. Todo mundo tinha acesso a informação, seja ela mastigada, resumida, seja ela na forma de pesquisas científicas. Bastava ter o interesse de procurar, ou, ao menos, de permitir que a informação chegue, pois foram feitas campanhas massivas divulgando tudo sobre coronavírus, monotematicamente. Existiam informações conflitantes? Sim, mas existia a possibilidade de optar por seguir a ciência, gritava em uníssono sobre a importância de medidas preventivas. Cada um tinha a liberdade de usar seu discernimento para fazer o que entendesse melhor.

Bolsonaro não colocou uma arma na cabeça das pessoas e as mandou ir para a rua. E podem parar com esse discurso triste de que as pessoas precisam trabalhar para comer, pois boa parte dos que furaram a quarentena o fizeram por motivos fúteis: ir a festa, ir a baile funk, ir a rave, ir a chá de bebê, ir a shopping, ir à praia e a muitos outros lugares de onde certamente não sai o seu sustento. Quem precisou sair para ter o que comer, obviamente, não teve escolha, mas muitos tiveram, optaram por sair e agora dizem que a culpa é de quem votou em Bolsonaro.

Não. A culpa é de cada pessoa que optou por não tomar as medidas necessárias para a disseminação do vírus. A culpa é de cada pessoa que não acreditou na ciência. Entre uma pessoa que votou no Bolsonaro mas respeitou uma quarentena (e existem muitas) e uma pessoa que votou no Haddad e foi para um baile funk (também existem muitas), quem tem mais responsabilidade pelas coisas estarem indo ladeira abaixo?

Todo mundo tinha livre arbítrio para fazer o que seu discernimento e sua consciência determinasse. Ninguém foi obrigado a nada, salvo, é claro, as pessoas que precisavam trabalhar para sobreviver. E isso não mudaria, se qualquer outro candidato tivesse sido eleito no lugar do Bolsonaro, essas pessoas teriam que continuar saindo para trabalhar. É muita ilusão achar que o Haddad pagaria uma quantia suficiente para sustentar uma família a todos os brasileiros durante meses. Ninguém pagaria.

“Mas Sally, se fosse outro decretava quarentena e salvava todo mundo”. Meu anjo, os Governadores se encarregaram disso. Como cansamos de alertar: Presidente da República não manda nada no Brasil. Os Governadores estão de cabelo em pé, há mais de um mês, pedindo que todos façam isolamento social. Infelizmente, a maioria não respeitou. Decretar não resolve. É como se matricular na academia e achar que vai emagrecer. Tem que colocar em prática. E isso, ninguém é capaz de fazer no Brasil, por falta de efetivo e muitos outros impedimentos que independem de quem está na presidência.

No começo, o isolamento social chegou a funcionar, tanto é que as previsões para o Brasil eram otimistas. Mas, o brasileiro médio é aquele tipo de criatura que para de tomar antibiótico no terceiro dia pois já se sente melhor, é aquele tipo de pessoa que se não sentir a danação concreta, visível e palpável, acha que não tem problema. Como o inimigo é invisível, o brasileiro médio acabou decidindo que já tava bom de quarentena e voltou para as ruas por conta própria. Mas não estava, ela ainda era necessária.

Vamos fazer um exercício imaginativo. Se em vez de um vírus, fosse um Kaiju, que abocanha as pessoas e as destroça com suas mandíbulas, que estivesse visível aos olhos da população, alguém sairia de casa para bundear na rua? Óbvio que não. O problema não é o eleitor do Bolsonaro, é a mentalidade inconsequente e negadora do brasileiro médio. Se ele não puder ver, sentir, tocar no perigo, o perigo não existe. Se a dor de garganta parou, ele suspende o antibiótico que deveria ser tomado por sete dias no terceiro dia, criando superbactérias. O brasileiro, meus amigos, é o maior inimigo do Brasil.

Digo mais: apesar do Bolsonaro, o Brasil teve um bom Ministro da Saúde. O Mandetta, dentro das possibilidades, fez bonito. Mas, como eu disse, ninguém, nem um super-herói, consegue confinar tanta gente em um país de dimensões continentais se essas pessoas não colaborarem. Não vai dar merda no país por culpa do Bolsonaro, vai dar merda no país por culpa do brasileiro, que sempre virou as costas para a ciência, para a realidade e para o bom-senso.

Bolsonaro também o fez, mas vocês não são ovelhas, não são obrigados a seguir um líder. Dizer que ninguém fez quarentena pelas falas e atos do Bolsonaro é dizer que o problema está no povo, que é um macaco de imitação retardado sem pensamento próprio, não no débil mental que dá um mau exemplo. Quem precisa de líder para seguir tem mais que aprender uma lição mesmo.

Passou da hora de assumir a responsabilidade pelos seus atos, a culpa não é de quem votou no Bolsonaro, é de quem descumpriu isolamento social. Fosse Haddad, fosse Dilma, fosse Papa Francisco, o brasileirinho com fogo no cu teria cansado da quarentena e descumprido da mesma forma depois de um tempo. E não haveria polícia suficiente para vigiar a todos, não haveria a menor infraestrutura para segurar em casa quem quer sair. É questão de consciência, não de condução política.

Mas culpar os outros é mais fácil, não é mesmo? Em vez de tentar reverter o estrago, se canalizar energia para encontrar soluções, dar sugestões ou fazer algo positivo, melhor sentar no sofá e começar a apontar dedos. Bora continuar dividindo ainda mais uma sociedade que está passando um perrengue, não há razões para se unir e tentar ficar mais fortes.

Achar que com qualquer outra pessoa no poder teria sido diferente é se iludir. Nem o melhor estadista do mundo consegue conter um povo ignorante que se recusa a fazer isolamento social. Nem o melhor estadista do mundo consegue comprar EPI e insumos quando o mundo inteiro está procurando e comprando. Eu sei que deve ser doloroso de admitir, mas a culpa da merda na qual o Brasil vai entrar, é dos brasileiros.

“Mas Sally, aí na Argentina o Presidente decretou uma quarentena precoce e os resultados foram muito melhores”. Mas não por mérito exclusivo do Presidente. Aqui tem muita fiscalização e punição, pois há um Estado aparelhado para isso. Aqui tem um povo unido que comprou essa briga como “os argentinos unidos contra o coronavírus”, onde 99% da população apoia incondicionalmente a quarentena. Aqui se prestigia a ciência. O povo está consciente e aderiu à causa. Joga o Presidente Argentino no comando do Brasil e você vai ver que não adianta absolutamente nada. Não é sobre o líder, é sobre o povo. Um líder não pode mudar a mentalidade de um povo, sobretudo quando é uma merda tão enraizada como no Brasil.

No que diz respeito à responsabilidade do Poder Público, foram anos sem investimento em ciência, anos sem investimento na saúde pública, anos sem investimento em educação pública de qualidade e tantos outros descasos jogaram o Brasil nesse atoleiro. E estamos falando de décadas, o que abarca diferentes partidos no poder. Isso que está acontecendo agora não é fruto de dois anos de Bolsonaro. É fruto de uma forma de funcionar cagada.

Bolsonaro é um idiota? Sim, de magnitude poucas vezes vista na humanidade. Mas mais idiota que o idiota, são os que seguem o idiota. Com um povo desse, não adiantaria nada decretar uma quarentena rígida se o povo não cumpre e o Estado não tem condições de fiscalizar. E se, para cumprir uma quarentena rígida, o povo depende do chamado de um líder, a culpa continua sendo do brasileiro, por se um povo idiota e pau mandando.

Não dá para culpar um político, não dá para culpar um grupo de eleitores, não dá para culpar fora. A culpa é do povo brasileiro que, podendo ficar em casa, optou por sair e colocar a todos em risco. A culpa é do povo brasileiro por ter a arrogância de achar que sabe mais do que a ciência. A culpa é do povo brasileiro nunca levar nada a sério.

Plantaram merda, vão colher bosta. Todo mundo que riu publicamente e debochou da previsão de infectados do Imperial College of London tem culpa. Todo mundo que não dispensou a empregada achando que era ok se ela trabalhasse de máscara tem culpa. Todo mundo que pede delivery tem culpa. Todo mundo que acha que dar só uma passadinha na casa de um parente não faz mal tem culpa.

Mas nunca vão admitir. A culpa é sempre dos outros. A culpa é sempre daquele que se nutre alguma antipatia. O grande problema dessa delegação de culpa é que impede uma autorreflexão e, portanto, uma evolução ou melhora. Continuarão merdando e depois jogando a culpa em quem está mais perto ou naqueles que antipatizam, em um infinito ciclo de danação. É a receita para a estagnação.

Só que dessa vez o mundo está vendo fotos de praias cheias, fotos de parques, shoppings e outras áreas de lazer abarrotadas. Por mais que o mundo critique e repudie as atitudes de Bolsonaro, todo mundo sabe que o povo tem escolha. Em países civilizados que não impuseram isolamento, como a Suécia, houve uma taxa de 70%, voluntário, feitos apenas pelo desejo do povo. Enquanto que no Brasil, que decretou lockdown, está abaixo dos 50%. É óbvio que a culpa não é toda do Presidente, muito menos de quem votou nele dois anos atrás.

Então, não seja imbecil de querer culpar o eleitor. Cada brasileiro teve autonomia para agir de acordo com sua consciência e a maioria foi para a praia e para o shopping. A maioria solicitou serviços para não ter que lavar as próprias calcinhas ou cozinhar. A maioria se portou de forma tão débil mental quando o Bolsonaro. O Presidente não é o responsável por esse comportamento idiota, os brasileiros sim. O brasileiro, não se enganem, é idiota com ou sem o Bolsonaro.

Hora se assumir a culpa, para, quem sabe, saírem um pouco mais conscientes desta pandemia. Chega de culpar fora, de culpar terceiros, de culpar quem está no poder. Podem culpar o Bolsonaro por muita coisa, ligada à gestão e administração, mas dizer que é culpa dele o povo estar nas ruas? Não, não. Nem dele nem do seu eleitor. Eu sei que dói, mas é hora de admitir que o brasileiro é um idiota, não apenas seu líder.

Para dizer que estou passando pano pro Bolsonaro (ignorando meus textos dos últimos dois meses), para dizer que a culpa é sempre de quem você desgosta ou para dizer que a culpa é sua e você bota em quem você quiser: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comentários (12)

  • Eu sei que a idéia não é essa, mas o fato de 99% do povo ser retardado não tira 0.1% da responsabilidade do Jegue Mor e seus Bananinhas. Apenas um desabafo.

    • Ele tem responsabilidade sim. Mas a culpa não é toda dele, não é apenas dele.

      Em países conscientes as pessoas fizeram isolamento social sem precisar que seu “líder” peça, pois entenderam o risco que estavam correndo.

  • Sally, não menosprezando o poder desse vírus, mas o Imperial College errou as previsões pra gripe aviária, gripe suína, vaca louca… O epidemiologista que assinou o relatório do Imperial College alertando sobre a importância do isolamento para reduzir mortes por coronavírus, pediu demissão do comitê que auxiliava o governo britânico após um jornal noticiar que ele furava o isolamento social para encontrar sua amante.

    • Errou? Eles deram várias projeções em vários cenários. Acontece que há muita desonestidade intelectual por parte dos que atacam a ciência. Mais ou menos o que fizeram com o Atila Iamarino no Brasil: pegaram o pior cenário previsto e, por ele “não ter acontecido” cairam matando.

      Esse é o grande paradoxo: você avisa que se nada for feito, morrerão X pessoas. As pessoas fazem quarentena, morre pouca gente e ainda xingam dizendo “tá vendo? isso não era nada, não precisava ter feito quarentena”

      Felizmente a condução merda do Brasil permitiu mostrar que o pior cenário do Imperial College, aquele que todo mundo riu e debochou, é verdadeiro: hoje, levando em conta a subnotificação, sendo otimista, há mais de um milhão de infectados e eu não vou me assustar se morrer mais de um milhão de pessoas.

      Sobre a vida pessoal do cientista, não me interessa, é fofoca.

  • “Se em vez de um vírus, fosse um Kaiju (…)”. Certeza que isso é contribuição do Somir: kaijuu (怪獣 – monstro) e, por extensão, kaijuu eiga (怪獣映画 – filme de monstro) é muito cultura J-trash anos 60/70 pra ser a Sally! ;-)

    Mas, falando sério agora, isso foi, coincidentemente, tema de debate hoje aqui em casa: este “país”, com o tamanho paquidérmico que tem, com a multiplicidade de culturas disjuntas que o assola (diversidade de cu é rola, mermão!), com o povo bunda oriundo dessa multiplicidade e seus defeitos psicossociais inerentes (já amplamente expostos aqui mesmo no Desfavor) e com a sucessão de desgovernos desastrosos desde que essa pobre terra virou república (não que a monarquia fosse boa; não foi e nunca seria aqui, eterna colônia de exploração), estava fatalmente rumando para uma situação crítica com relação à gestão da crise causada pelo coronga. Eram favas contadas! Enquanto em grande parte do planeta o ano de 2020 será parcialmente perdido, creio que ele será totalmente perdido na bananalândia, pois duvido que essa quarentena adquira aqui um aspecto uniforme, focado e bem administrado (na óbvia medida do possível e guardadas as devidas proporções em comparação ao Primeiro Mundo ou a lugares mais sérios). Basta ver que, no ensino (minha área de atuação), não há nenhum consenso sobre prazo de retorno às aulas presenciais e sequer existe entendimento comum na aplicação das tecnologias atuais para minimizar os efeitos da pandemia no calendário acadêmico/escolar, mesmo nas Unixixicas bem equipadas da vida (pra eles, esses empresários de merda, basta ter uma conexão T1 que tá tudo resolvido!).

    Então, independente de ser mulla, boçalnaro, cocôllor ou sarnento o mandatário do puteirão, é esse povo brasileiro a causa dele mesmo estar se fodendo. Brazucóide é que nem lupus: se auto-agride! O problema é que nos leva junto!

    • Kaiju = filme Círculo de fogo. Adoro ver Kaiju brigando com Jaeger

      Olha, metade das pessoas das regiões Norte e Nordeste não tem água encanada. Fica difícil pensar que com o Presidente X ou Y teria sido diferente quando as pessoas não podem adotar a medida mais básica que é lavar as mãos. O Brasil vem de um descaso e cagação de séculos, e a conta vai chegar agora.

  • O brasileiro é tão limitado que, se compartilhar esse texto, muita gente vai achar que é em defesa do Bolsonaro…

    E como já dito em outro texto, o brasileiro não consegue sequer estabelecer uma relação de causa e efeito. Nunca que esse povo vai entender que aquela ida ao shopping pode ter potencializado a disseminação da doença

    • Mas óbvio que vão achar que é defendendo o Bolsonaro. A culpa TEM QUE SER totalmente do Bolsonaro, pois se não for, é deles, brasileiro, também. E Deus os livre de assumir responsabilidade por qualquer coisa! A responsabilidade é sempre do Presidente ou de qualquer outra figura que eles escolheram como “papai” e delegaram a função de cuidar deles.

      Quando cair essa ficha, que não tem um papai cuidando, tanta gente vai surtar…

  • Bla-blá-blá para escamotear a influência que o Bolsobosta e a corja de empresários vagabundos que continuam financiando seus dislates (ou cobrando a retribuição, dependendo da ocasião) te sobre os indivíduos, especialmente aqueles que são forçados a trabalhar sob pena de perderem o emprego. Sem falar nas fraudes do sistema de manutenção de vínculo empregatício por meio do custeio da folha pela União.
    Todos os que desrespeitaram os preceitos de quarentena são responsáveis? Sem dúvida, mas a partir do momento em que uma figura de destaque como o Presidente decide confrontar as evidências há um nítido efeito negacionista no conjunto.
    No mais, a insistência na falácia da “união”. Na verdade, falta enfrentamento contra os Bolsominions, isso sim.

    • Se formos moldar as circunstâncias para a culpa ser do Bolsonaro, então ainda assim a culpa recai sobre o povo: quem manda ser essa massa estúpida e inerte que depende que um governante dite tudo que precisamos fazer?

      Bolsonaro é anti-científico? Sim, ele é anti-científico. Ele te obriga a ser anti-ciência só porque ele é anti-ciência? Se o povo não toma as atitudes certas porque decide ficar de bracinhos cruzados esperando o papai presida tirar a bunda da cadeira, tem mais é que tomar no olho do cu mesmo. Espero que sirva de lição sobre depender exclusivamente de líderes e do papai Estado pra salvar a própria vida

  • Sempre foi assim e temo que sempre será. A culpa por todos os males de que sofre o brasileiro tem que ser de todo mundo… Menos do próprio brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: