FAQ: Coronavírus – Fucked Asked Questions

Um querido leitor me chamou a atenção para algo que eu não havia pensado: em tempos de pandemia surgem muitas dúvidas e todas merecem alguma resposta, mesmo que as perguntas sejam… digamos… atípicas.

Normalmente nós apenas debochamos dessas perguntas bizarras através da coluna “Ei Você”, afinal, são coisas públicas e notórias, ridículas de serem perguntadas. Quando alguém quer saber se pode se enforcar com papel higiênico, não merece uma resposta séria. Mas agora? Nessa incerteza que estamos vivendo, essas pessoas merecem uma resposta.

Semana passada fizemos um FAQ (Frequently Asked Questions) tradicional sobre Coronavírus. Esta semana vamos fazer uma nova modalidade de FAQ: Fucked Asked Questions, com dúvidas bizarras. Responderemos a menos perguntas, pois, a julgar pelo público, cada uma delas demandará uma longa explicação detalhada.

Lembrando sempre que, como fizemos questão de frisar DESDE O PRIMEIRO TEXTO sobre o assunto, no começo do ano, é um vírus desconhecido, onde tudo é novo, dinâmico e mutável, portanto, o que falamos hoje pode não valer mais para amanhã.

Por mais que a gente sempre diga isso no corpo do texto, vai ter analfabeto funcional que não compreenda e venha ameaçar nos deixar morrer em uma maca de hospital. Então, vamos deixar o recadinho em um parágrafo próprio, em caixa alta:

O QUE FOI ESCRITO HOJE PODE MUDAR, FIQUE SEMPRE COM A INFORMAÇÃO MAIS RECENTE.

Vamos às perguntas.


“Meu irmão peidou na minha cara e ele está com suspeita de coronavírus, ele pode ter me contaminado?”

Informo que já estou arrependida desta coluna. Após me dar ao trabalho de pesquisar bastante, não encontrei nenhum artigo científico publicado sobre a transmissão via “peido”. Então, para não deixar você sem resposta a esta nobre indagação, vamos tentar entender qual é o risco com base no que se sabe.

Vamos fazer um grande esforço e tentar analisar a indagação à luz da ciência. O peido consiste em ar que no interior do nosso sistema digestivo. Ele pode chegar lá de diversas formas: ar que engolimos durante o dia quando falamos ou comemos e até por compostos gasosos produzidos no nosso intestino, por bactérias que fermentam alguns alimentos. Para quem quiser saber mais detalhes sobre flatulências, infelizmente temos um texto só sobre isso.

Independentemente da forma como entrou, a porta de saída é uma só: o ânus (cu, para os informais). E para sair, ele passa pelo intestino, que costuma estar cheio de matéria fecal (merda, para os informais). Portanto, existe uma grande possibilidade que ao soltar um pum, também se liberem pequenas partículas de fezes no ar. Há um fascinante estudo onde foram encontrados coliformes fecais nas narinas de voluntários se prestaram a cheirar o pum saído diretamente do ânus de outras pessoas. Logo, peido pode carregar pequenas partículas de merda. Guarde esta informação.

Até onde se sabe, o Covid-19 pode ser encontrado nas fezes das pessoas doentes. Não é que obrigatoriamente estará lá, ele apenas pode estar. Um estudo publicado pelo periódico Lancet encontrou contaminação nas fezes de mais da metade dos infectados. Logo, estamos falando de pouco mais de 50% de chances de encontrar o vírus nas fezes de um infectado.

Agora que estamos de posse destas informações fascinantes, vamos tentar chegar a uma conclusão. Fezes podem estar contaminadas + peidos soltam no ar pequenas partículas de fezes. Bem, me parece que há um risco. Porém, para mensurar esse risco precisamos de uma informação extra: quando seu irmão peidou na sua cara, ele estava usando calças? Ou peidou com a bunda desnuda? A vida é cheia dessas questões relevantes.

Se ele estava usando calças, é como se o cu estivesse de máscara, então, as chances de contágio são menores. Se for calça e cueca, que maravilha, dupla proteção! Nesse caso, a tendência é que a quantidade de coliformes que saiu ou que você inalou não seja suficiente para te contaminar.

Mas, se peidou sem proteção, no esquema cu – nariz, sem qualquer barreira protetora, os riscos aumentam bastante. Ainda não se sabe se esse aerossol de merda que é o peido contém coliformes suficientes para contaminar uma pessoa, mas, na dúvida, seria de bom tom adotar algumas medidas, diante do risco de um contágio.

E não digo isso apenas pelo evento do peido, levando em conta o grau de proximidade entre vocês (não se peida na cara de qualquer um, não é mesmo?) você pode ter sido contaminado de outras formas, como por exemplo, por gotículas de saliva.

Por mais que não seja uma certeza e sim uma possibilidade, a sugestão é que você faça uma quarentena de 14 dias para não colocar em risco outras pessoas e monitore sua temperatura e sua oxigenação com um oxímetro se puder. E, é claro, que não fique mais cheirando o peido dos outros por aí.


“Quais animais podem transmitir coronavirus e como matar todos eles”

Pela capacidade mutação e adaptação, não dá para descartar que o coronavírus migre para outros animais. Inclusive pode acontecer (seria muito azar, mas pode acontecer) de que ele migre para animais que são fundamentais na alimentação humana, como vacas, galinhas e porcos, o que seria trágico. Mas, isso é apenas especulação. Certezas ainda não temos.

Para você ter uma ideia sobre o quão pouco se sabe a esse respeito, até hoje há controvérsias sobre o animal que teria levado o vírus até os humanos. O famoso morcego não é unanimidade, há quem diga que o vírus veio de um pangolim (um bicho parecido com um tatu). Vimos casos isolados pelo mundo de animais contaminados, como cães, gatos e até mesmo um tigre de um zoológico americano. Mas não foi o bastante para responder sua pergunta.

O que se sabe é o mecanismo de ação do vírus, e, a partir daí, talvez seja possível entender para quais animais o vírus possa migrar com mais facilidade: para que o vírus consiga entrar em uma célula de qualquer organismo, ele precisa conseguir encaixar uma “chave” na “fechadura da célula”. Se a chave que o vírus tem (papo técnico: proteína em espícula) encaixar na fechadura da célula (papo técnico: receptor de enzima ECA2), a “porta” abre e ele entra.

Após entender esse esquema de porta e fechadura, ficou mais fácil tentar entender para quais animais o vírus pode migrar. Usando modelos em 3D, cientistas estão recriando a “chave” que o vírus usa e as possíveis “fechaduras” de cada animal, assim conseguem antever quais “portas” o vírus conseguirá abrir com mais facilidade.

Um estudo realizado em março deste ano concluiu que a chave do coronavírus conseguiria abrir a porta das células dos seguintes animais: pangolins, gatos, vacas, búfalos, cabras, ovelhas, pombos, civetas e porcos.

Depois, cientistas tentaram infectar células destes animais, para ver se fato o vírus consegue entrar. Mas, ainda assim, os resultados não podem ser considerados conclusivos. Uma coisa é a teoria, outra é a prática. Por isso, depois de analisar chaves e fechaduras e depois de tentar contaminar uma célula isolada dos animais, partiram para mais uma etapa da pesquisa.

Agora estão sendo realizados experimentos com os animais em questão, em laboratório, para ter a certeza de que podem ser efetivamente infectados e tomar as medidas preventivas para controlar uma eventual infecção se acontecer.

Entre os muitos estudos conduzidos na área, o mais adiantado é o de um instituto alemão, que expôs porcos, galinhas, morcegos e furões ao vírus. As conclusões preliminares indicaram que morcegos e furões podem ser contaminados, enquanto porcos e galinhas não. Mas, são apenas resultados preliminares e estamos falando de um vírus que pode sofrer mutações para se adaptar a outros organismos, então, amanhã isso pode mudar.

Cientistas cogitam que entre todos os animais que sejam propensos a contrair o vírus, o mais provável é que ele passe para aqueles que tem mais contato com humanos, o que pode nos colocar em uma situação difícil se o vírus passar para animais da produção agropecuária.

Mas, matar todos os animais que podem ser contaminados, como sugere a pergunta, não é a resposta. Como aprendemos (ou deveríamos ter aprendido) na escola, existe um ecossistema, se você elimina por completo alguns animais, desequilibra esse ecossistema e gera consequências trágicas, talvez piores do que a morte de alguns seres humanos por coronavírus.

A forma adequada de controle é testar as principais espécies que podem ser contaminadas para investigar se elas possuem anticorpos contra o vírus. É um teste relativamente barato e simples.

Essa não é uma realidade nova. Para quem não sabe, de tempos em tempos vemos animais como galinhas e porcos serem sacrificados em massa por testarem positivo para algum tipo de doença que pode ser transmissível para humanos, como por exemplo, a gripe aviária. Então, esse controle dos animais criados para consumo já é realizado de forma regular.

Se você quer matar o principal animais transmissor do coronavírus, sugiro que extermine o ser humano. O planeta agradece.


“A verdade que a indústria do álcool gel não quer que você saiba: alcool comum e vinagre matam o coronavirus”

Suponho que estejamos falando de pessoas comuns, e não de profissionais da saúde, então, vou tratar a questão como alguém que não precisa desinfectar as mãos e ambientes a um nível hospitalar.

Vamos deixar uma coisa bem clara aqui: o que melhor funciona é água e sabão, naquele esquema em que já explicamos em outros textos: lavar as mãos esfregando bem, por pelo menos 20 segundos. É o método mais barato e mais eficaz. Se você tiver acesso a água e sabão, esqueça todo o resto. É imbecilidade ficar passando álcool gel dentro de casa. Álcool gel (70%) é para situações onde não é possível lavar as mãos com água e sabão.

Vamos entender o motivo pelo qual água e sabão funcionam melhor: para que o coronavírus consiga entrar nas nossas células e nos infectar, ele se “disfarça”, pois, se o organismo perceber que ele é um corpo estranho, o ataca. O disfarce utilizado pelo corona é uma capa de gordura que o reveste, similar à que recobre as nossas células e ele depende dela para se manter vivo. Sem essa capa de gordura ele morre.

Portanto, o objetivo ao lavar as mãos não é fazer com que o vírus escorregue das mãos e caia pela pia, é arrancara sua camada protetora. Então, tem que esfregar de verdade por um bom tempo, para ter a certeza de que sua capa protetora foi rompida.

Imagine que você mergulha sua mão em uma bacia de óleo (frio, por favor). Como e por quanto tempo você deveria lavar a sua mão para que ela fique desengordurada? Não bastaria colocar a mão debaixo da torneira, jogar um sabãozinho e pronto. Você teria que esfregar bastante, com muito sabão, até tirar todo o óleo. Se quiser, faça essa experiência, isso vai te dar uma noção de como você tem que lavar as mãos para matar o coronavírus.

O álcool comum ou qualquer álcool acima de 70% podem sim matar o coronavírus, mas seria necessário usar uma grande quantidade dele. Como ele evapora de forma muito rápida, são grandes as chances de que ele não fique nas suas mãos tempo suficiente para acabar com o vírus após uma primeira passada. Por isso, apesar de ter o potencial para matar, ele não é indicado. Ninguém vai mergulhar as mãos em uma bacia de álcool e ficar esfregando.

Em compensação, quando ele vem como álcool gel, ele fica o tempo suficiente para matar o corona, pois o gel impede que evapore com tanta facilidade. Para higienizar as mãos com álcool comum, você gastaria uma quantidade tão grande que certamente tornaria o processo mais caro do que se feito com algumas gotas de álcool gel. Fora que andar com álcool na bolsa (ainda mais em grandes quantidades) é um perigo, pois é uma substância altamente inflamável.

Sobre o vinagre, teve uma linha cruzada aí. De fato, foram realizados testes com vinagre que sugeriram eficácia contra o coronavírus, mas não esse vinagre de cozinha que nós conhecemos, e sim o vinagre de limpeza, que tem uma composição bem diferente.

Então, sim, você pode usar vinagre de limpeza (10%), que não é o vinagre de cozinha, para desinfectar as mãos, mas não é nada prático. Nem sempre é fácil de encontrar, resseca as mãos, não costuma vir em uma embalagem pequena, pode manchar algumas roupas e o cheiro é desagradável.

Não consegue encontrar álcool gel para usar em situações onde não pode lavar as mãos com água e sabão e está procurando por outra opção? Você pode mandar fazer seu próprio álcool gel em uma farmácia de manipulação.

A verdade é que a “indústria do álcool gel” nasceu falida, pois seu principal concorrente é mais eficiente e mais barato: água e sabão. Álcool gel é um quebra-galho para quando não é possível lavar as mãos com água e sabão, nada mais. E, cá entre nós, se eu estivesse morando no Brasil, na atual situação, eu só sairia na rua usando luvas de látex, que pode ser ainda mais barato do que álcool gel.


Para dizer que esse tipo de pergunta merecia apenas uma frase com deboche, para dizer que quem aspira o peido alheio merece ser contaminado por uma doença letal ou ainda para dizer que quem realmente precisa nunca vai ler este texto: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (6)

  • Post maravilhoso: A luz da ciência pra esmiuçar questões tão escabrosas. Palmas pra Sally pelo esforço hercúleo.

    Tem que acabar esse mito do Vinagre. O negócio é horroroso de fedido. Pode ser que afaste o Coronga só pelo mal cheiro.

  • Eu vi um vídeo no YT sobre isso Peido e Coronavirus do Dayan Siebra, os comentários são muito engraçados, que além de máscara vão ter que usar rolha no cu, outro disse que fralda vai ser o obrigatório e que quem peida faz o verdadeiro distanciamento social hahaha
    https://youtu.be/wlnDXlyA3_0

  • Que inveja da Sally por ter tanta paciência e por ser tão dedicada ao ponto de se dar ao trabalho de responder essas perguntas bizarras de forma tão detalhada! No lugar dela, eu já teria mandado pastar quem me aparece com esse tipo de questionamento. De mais a mais, foi bom aprender e/ou relembrar informações importantes sobre essa praga dessa pandemia de Coronavírus que estamos atravessando. Ah! E, de agora em diante, eu só vou me referir a peidos como “aerossol de merda”…

    • Conhecimento científico tem que ser compartilhado sempre, da forma mais simples possível, para que seja acessível a todos. Hora de inclusão, para que as pessoas não se sintam excluídas e formem seus guetos terraplanistas que prejudicam a todos nós.

Deixe uma resposta para Sam Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: