Infecção oportunista.

O Brasil continua dando um show de horrores ao lidar com a pandemia de Covid-19. Números cada vez maiores enquanto o país reabre depois de nunca ter fechado de verdade… Sally e Somir discutem o fator mais relevante nesse desastre. Os impopulares são contagiados.

Tema de hoje: Qual é o pior problema que corre em paralelo à pandemia no Brasil?

SOMIR

Arrogância. Como eu já disse em textos anteriores, muito se engana quem acha que o Brasil é um país extremamente atrasado: em praticamente todos os índices de desenvolvimento, o país está no meio da tabela. Não somos um país seguro e próspero, mas também não somos uma república africana devastada por décadas de guerra civil. Fomos explorados como nação sim, mas a desculpa do roubo europeu não se aplica há quase dois séculos. Já deu tempo do Brasil estar na conta do brasileiro.

Começo assim porque é importante estabelecer que o Brasil já passou do ponto onde fatores diretamente relacionados à pobreza e a exploração explicam totalmente a situação. O país tem pouco mais de 11 milhões de analfabetos com 15 anos ou mais, o que não é pouco, claro; mas num universo de 209 milhões de pessoas, não é como se estivéssemos parando a cada momento por causa de total incapacidade de absorver e processar informações.

O país entra numa área complicada do crescimento rumo a uma nação desenvolvida: o meio termo entre a bagunça de um povo totalmente abandonado e a solidez de uma população educada. Um dos maiores riscos dos meios-termos é agir de acordo com os defeitos de ambas as posições ao mesmo tempo. No Brasil, isso acontece com a incrível arrogância ignorante do brasileiro médio. Não tem conhecimento suficiente para entender o mundo ao seu redor, mas começa a entrar em contato com ideias mais complexas por ter uma certa estabilidade na vida.

Explico: se o mundo ao seu redor é extremamente pobre e/ou violento, você se preocupa quase que exclusivamente com sua sobrevivência. Tecnicamente, não é nem incapacidade de almejar coisas maiores, é uma estratégia forçada para continuar vivo por mais um dia. Gente nessas situações se adapta rápido e não pensa muito sobre o mundo ao seu redor. Mas, quando as coisas lá fora melhoram um pouco, a disponibilidade para temas mais complexos e uma até saudável dose de rebeldia aumenta consideravelmente. Em nações ricas, tem gente fazendo protesto nas ruas para diminuir a emissão de carbono! Meu sonho de um mundo melhor passa pela população da República Democrática do Congo tendo plenas oportunidades de ser ecochata nas ruas, por exemplo.

Mas entre os extremos, existe o Brasil. Temos milhões de miseráveis, mas também temos uma classe média aqui que sozinha é maior que a população da maioria dos outros países do mundo. Mais de 115 milhões de pessoas. Tem o truque do Lula de reduzir os parâmetros para considerar classe média? Tem sim. Mas se formos olhar para o mundo em geral, nossos pobres são menos pobres que em vários outros lugares do mundo. Isso nos coloca na posição de lidar com uma grande parcela da população que ainda não teve todos os benefícios de uma nação desenvolvida, mas já venceu os perrengues de uma vida miserável. É aí que começa a sobrar tempo e disponibilidade para lidar com temas mais complexos.

E isso pode ser um desastre. Incompetência e ignorância, apesar de mais prevalentes em sociedades com pouco desenvolvimento social, não são exclusividade de pessoas muito pobres. O rico pode ser um inepto do mesmo jeito. Porém, em sociedades muito pobres, a pena para incompetência é altíssima: você provavelmente morre. É mais vantajoso ter uma certa dose de humildade, porque se você errar a rede de proteção simplesmente não está lá.

Agora, quando as coisas melhoram um pouco, o incompetente não sofre todas as consequências de sua preguiça ou despreparo. Existem sistemas preparados para amparar necessitados e um número razoável de pessoas dedicadas a ajudar quem mais precisa. Como os Estados Unidos estão aí para provar, o incompetente com uma estrutura por trás começa a ficar arrogante. No Brasil falta dinheiro para alcançar o nível de arrogância ignorante dos ianques, mas com certeza já passamos do ponto crítico para essa mudança.

Um tanto de arrogância é interessante quando você não está lutando pela sobrevivência o tempo todo: garante que vozes dissidentes falem mais alto e resistam ao pensamento de manada. Ainda bem que muitos cientistas e pensadores foram arrogantes. Mas eles se prepararam para isso. Não é à toa que até pouquíssimo tempo atrás, as mentes mais brilhantes da humanidade vinham em sua imensa maioria de berços privilegiados. A combinação de muito conhecimento com uma pitada de arrogância dependia de um mínimo de estabilidade na vida. O que em séculos passados era coisa só de ricos.

Arrogância é quase que uma propriedade emergente de uma qualidade de vida maior. Saiba domá-la e ela pode te ajudar. Mas se não conseguir, começamos a ver problemas como os que assolam o país nesta epidemia: é natural não entender direito como o vírus funciona ou saber as melhores estratégias de contenção, até mesmo os especialistas estão aprendendo enquanto a coisa se desenrola. Ser um incompetente em relação ao coronavírus é totalmente compreensível. Outros países também erraram.

Mas, talvez por terem mais costume com arrogância e seus perigos, colocaram o pé no freio e deram um jeito de se acertar. Não é à toa que Brasil e Estados Unidos são os países que mais sofreram com a doença até aqui: é uma soma nefasta de ignorância com certezas absolutas que passa informações desencontradas, gera milhões de “rebeldes” que preferem qualquer conspiração do que a verdade, nega o que está diante dos olhos…

Então, por mais que eu concorde que a incompetência tem seu papel na resposta terrível do Brasil contra o Covid-19, isso sempre esteve no pacote tupiniquim. O que estamos vendo agora são os efeitos da arrogância compostos sobre essa incompetência. Ninguém sabia como reagir no começo, mas alguns aprenderam enquanto outros teimaram. E aí, temos o que temos de resultado.

Para dizer que ainda não consegue lidar com o fato do Brasil ser médio, para dizer que o pior problema é internet lenta, ou mesmo para dizer que sabia que sua arrogância podia ser positiva: somir@desfavor.com

SALLY

Qual é o pior problema que corre em paralelo à pandemia no Brasil?

São muitos, mas o pior me parece a incompetência. A incompetência bloqueia todo o resto e piora qualquer situação onde sejam necessárias quaisquer medidas para se evitar uma tragédia.

Muita gente bate na corrupção como principal problema. Tem corrupção? Tem, mas mesmo um corrupto competente sabe que se deixar a população adoecer e morrer como moscas a economia retrai e o país se emburaca, prejudicando a todos, inclusive ao seu esquema de corrupção. O corrupto é um parasita e parasitas, se forem competentes, não matam o hospedeiro, pois são sua fonte de sobrevivência.

A incompetência no Brasil começa com um ensino deficiente. Mesmo nos melhores colégios particulares, as pessoas não recebem as ferramentas necessárias para avaliar, questionar e inovar. A massa brasileira faz a mesma coisa todo dia, sem nem ao menos se perguntar como poderia fazer melhor.

Parecem robozinhos automatizados que querem poupar energia, usando uma velha fórmula que já deu certo um dia, sem perceber que o mundo está mudando muito rápido e essa fórmula rapidamente precisa ser descartada e novas formas de agir precisam ser pensadas.

Pessoas sem competência acabam compensando na esperteza, no carisma, no marketing e de muitas outras formas que vocês provavelmente já viram em ação no mercado de trabalho. Vai levando com base nas aparências, criando uma falsa imagem de pessoa competente. Seres humanos são fáceis de enganar. Porém, a realidade não se curva aos desejos de ninguém e quando acontece algo grande, como uma pandemia, simplesmente atropela qualquer artifício e escancara a incompetência.

Disfarçar, ocultar, maquiar ou esconder não resolve problemas realmente sérios, mas é tudo que um incompetente sabe fazer. E isso gera uma espiral de mentiras vergonhosas que só pioram a situação. “É uma gripezinha”, “O vírus já está indo embora”, “todo mundo vai morrer um dia”. O incompetente tenta manipular para ocultar sua incompetência o tempo todo. Bobo de quem acredita.

Incompetentes podem ficar realmente desesperados e desnorteados quando sua incompetência vem à tona. É um susto, pois chegaram onde chegaram sendo incompetentes, isso nunca foi um problema. E de uma hora para a outra, passa a ser. E aí vemos reações se exacerbarem.

A pessoa incompetente, quando toma uma calça arriada dessas, fica perdida, confusa e até agressiva. Sua máscara está caindo. Cria factóides, se faz de vítima ou ataca os outros. Isso gera uma espiral de merda que piora ainda mais a situação. Se você não olha para o problema, não resolve o problema.

Quando se tenta esconder, camuflar ou negar o problema, ele só aumenta. Como incompetentes não tem a capacidade de solucionar o problema, pois lhes faltam ferramentas básicas para isso, desde cognição até organização no agir e proatividade, tudo que lhes resta é ocultar o problema. E isso faz com que ele cresça. Efeito bola de neve. Não é bonito de se ver.

A incompetência é uma prisão sem grandes, que te cega e, na melhor das hipóteses te mantém na inércia, na pior das hipóteses te leva a fazer merda, pela falta de ferramentas e discernimento em avaliar a situação. E, vamos ser sinceros aqui, não estamos falando apenas do Presidente da República. Quantas pessoas tiveram o discernimento de perceber que a situação era grave quando, em fevereiro, estávamos berrando para cancelar o carnaval?

O povo é incompetente. O povo não consegue avaliar uma situação e entender sua gravidade. Quando finalmente a coisa se mostra grave, ou negam, ou não sabem o que fazer. A incompetência é muito triste, ela paralisa, a pessoa não sabe nem por onde começar a agir. Nem mesmo para se capacitar e passar a ser competente ou para pedir ajuda a uma pessoa competente em meio ao problema.

Quando você não tem nem ferramentas nem discernimento, os tempos atuais são um verdadeiro inferno. Nunca vi incompetentes tão perdidos como estão agora. O excesso de informação, para quem não sabe filtrar, é uma armadilha desesperadora. A mente rudimentar do incompetente absorve trechos de diversas fontes que lhe convém e com isso ele constrói uma narrativa totalmente destoante da realidade e tenta agir com base nela. Obviamente, falha miseravelmente e precisa de mais mentiras e factoides para esconder ou justificar a cagada que fez.

Aliás, esse é outro sintoma: a culpa nunca é do incompetente, é sempre de outro. O “vírus chinês” foi jogado no mundo pela China, seu país é uma vítima. Foda-se que na primeira semana de janeiro a China deu o alerta do que estava acontecendo e incompetente fez carnaval dizendo que não chegaria aqui pois com o calor o vírus morreria, a culpa é da China.

Dá pena. Deve ser muito cansativa a vida do incompetente, tentando a todo momento esconder que é incompetente, encobrindo cada cagada, cada falha previsível, cada erro grotesco. Viver sabendo que a qualquer momento uma incompetência que a pessoa fez pode explodir e que será necessário maquiar a situação deve ser um verdadeiro inferno.

O incompetente não serve nem mesmo para contratar pessoas competentes que orientem suas ações, pois muitas vezes nem sequer entende que precisa delas e, mesmo quando entende, não sabe reconhecer pessoas competentes. Muito pelo contrário, se sentem ameaçados por pessoas competentes, pois, estando lado a lado, pode ser que a competência da pessoa evidencie sua incompetência. Se sentem inseguros e ficam reativos. Isso leva a catástrofes, como perder dois Ministros da Saúde em meio a uma pandemia.

Existe arrogância? Sim, certamente, provavelmente como mecanismo de defesa. Não é legal, prejudica, porém se a pessoa for arrogante e competente, a coisa anda. Existem pessoas extremamente arrogantes mas que são muito boas no que fazem e que apresentam ótimos resultados. A arrogância não é um problema tão grande se vier acompanhada de competência.

Incompetência é a mãe de todos os problemas do Brasil, até mesmo da corrupção. Falta perceber isso, para poder começar a combatê-la.

Para dizer que o problema do Brasil é falta de porrada, para dizer que o problema do Brasil é falta de bomba atômica ou ainda para dizer que está torcendo para o vírus: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (12)

  • Concordo com a Sally aqui que a incompetência é o pior problema, a despeito da arrogância, do radicalismo político e da completa falta de planejamento terem pesado muito para que o resultado local fosse dos piores possíveis.
    Cancelar o carnaval resolveria? NÃO! Talvez retardasse um pouco o avanço dos casos que cedo ou tarde ocorreria em forte progressão. Na melhor condição possível, que seria o isolamento para não receber estrangeiros em viagem para o país, nós muito provavelmente teríamos de lidar com o problema entrando pela fronteira norte (onde temos a convulsionada Venezuela e o território da Guiana Francesa, que teve seu primeiro caso confirmado antes do Brasil). Com isso, poderia se demorar um pouco mais pro contágio se alastrar, mas não muito.
    Nessa situação em específico talvez demorasse um pouco mais pro problema chegar ao centro-sul do país, mas a forma como chegaria seria a pior possível… Com um corpo médico despreparado pra lidar com o pessoal vindo do nortão.

  • ”Fomos explorados como nação sim, mas a desculpa do roubo europeu não se aplica há quase dois séculos. Já deu tempo do Brasil estar na conta do brasileiro.”

    Logo de cara um erro crasso de interpretação do contexto histórico e corrente do país. Como poderia continuar lendo?? Pra ler mais besteira??

    Somir,
    A “elite” de merda deste país é, em sua grande maioria, caucasiana, egoísta/idiocrática/capitalista, classista, racista…

    Junte a isso um povo bunda e pronto.

    Suas tentativas de lacrarem pelo lado de uma suposta direita racional e limpinha é tão ruim quanto da turma burra do outro lado. Errado do mesmo jeito.

    • Talvez tenha soado diferente na sua cabeça, mas o que você escreveu não fez muito sentido para quem está fora dela. Qual a relação entre sua análise sobre a elite brasileira e o que eu escrevi? Você acha que a elite brasileira vive na Europa? Ou que o governo brasileiro ainda é controlado por monarquias europeias?

      Espero que não seja maluquice conspiratória, se a sua resposta exigir falar dos Rothschild ou algo do tipo, não faço questão, viu? Sim, é feio esperar o pior de quem nem conhece, mas você achar que a gente é direita não passa uma boa primeira impressão…

  • Enquanto isso, eu tô desde março sem ver a minha avó, pros fulanos irem pra shopping, calçadão e etc.
    O pior do brasileiro é a empatia. É um povo que ja demonstrou inúmeras vezes que é egoísta e que gosta de tirar vantagem. Num cenário de pandemia, não seria diferente. Ah, o brasileiro tbm gosta de ganhar like na internet com mercadinho solidário ao mesmo tempo que vai pra pagode. Mas como disse a infeliz na fez #SegueAQuarentena

      • Sally, eu tô num ranço que vc não tem ideia. Uma vez eu li um texto seu, não me lembro bem o conteúdo, mas era sobre a pessoa agir com caráter etc. Eu tô aproveitando a pandemia para fazer uma limpa no meu instagram e facebook. Postou fotinho em aglomeração, festinha, bar, o que for, eu nem falo nada, só dou block. Não preciso desse tipo de “amizade”.
        Sally, eu sinto muita saudade da minha avó, eu tô ilhada no litoral, não têm como nem eu ver a minha avó de longe. Meus amigos da área da saúde foram todos infectados, uma morreu com menos de 30 anos. Sally, eu não aguento mais o descaso desses arrombados. O que eles estão fazendo é um crime contra a humanidade. O prefeito de Niteroi achou razoável reabrir o plaza. A gente não precisa nem comentar nada, pq já sabe o que vai acontecer. Acho que enquanto não morrer 5 mil por dia, o povo vai continuar ignorando a doença. Sei lá. Enquanto não colapsar. Não sei mais o que pensar ou esperar dessa gente e dos governantes.

        • Te entendo, eu estou fazendo o mesmo: tá brincando com a vida alheia? Não quero perto de mim. É block e distância.
          Porra, que pena, Niterói parecia estar conduzindo bem a situação… o cara abriu as pernas?
          O que eu recomendo a todo mundo agora: se puder, vá morar com as pessoas que você ama, pois quem é responsável e faz quarentena vai ter que ficar afastado dessas pessoas por muito tempo, graças aos irresponsáveis que só pioram a situação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: