Banco Imobiliário – Covid-19 Edition

Desfavor Convidado é a coluna onde os impopulares ganham voz aqui na República Impopular. Se você quiser também ter seu texto publicado por aqui, basta enviar para desfavor@desfavor.com.

Banco Imobiliário – Covid-19 Edition

Durante a pandemia, uns arrumaram tempo para retirar os livros dos armários, assistir maratonas de seriados, webinars, inscrevem-se em diversos cursos, tocar um (novo) instrumento, exercitar-se.

Isso nem (sempre) é possível para quem está com (muitos) familiares em casa, sendo obrigado a buscar meios de entretê-los para ter paz de espírito por meio de jogos e brincadeiras.

Pensando nisso, inspirado pelo Bando Imobiliário Carioca, que adaptou o Banco Imobiliário completamente à realidade carioca, incluímos o coronavírus nas regras do jogo.

Quando ocorre a pandemia no jogo?

A pandemia começa quando alguém tira os dados com números iguais e dura a soma dos números dos dados. Assim, se alguém tirar 6 nos dois dados, serão doze rodadas de pandemia.

Se durante o estado de pandemia, alguém tirar novamente dados com números iguais, é considerado como sendo uma segunda onda de contágio, e o número tirado é somado ao número de rodadas.

Para se livrarem dos efeitos da pandemia, os jogadores têm duas opções:

  • Pagar e/ou dar terrenos (com imóveis) no valor total de $ 4000 pela vacina. O valor pode ser pago por vaquinha. Só beneficia quem topar pagar, e a vacina poderá ser vendida para os outros pelo preço que quiser.
  • Pagar $ 3000 pela cloroquina: o jogador ou jogadores que toparem pagar jogam com um dado só até acabar a pandemia. A cloroquina pode ser negociada livremente com os outros.
  • Pagar $ 2000 pela ivermectina: até o fim da pandemia quem comprar o remédio não sai do lugar se tirar número ímpar ao jogar com um só dado, por conta da diarreia que o remédio causa.
  • Os valores podem ser obtidos por meio de hipoteca. Mas o resgate dos imóveis será com um acréscimo de 20% do valor hipotecado e de 50% para o jogador que causou a pandemia (o primeiro que jogou os dados com números iguais).
  • Por fim, a eficácia da vacina só dura até a próxima vez em que alguém tirar dados com números iguais.

Quem não quiser ou não puder pagar a vacina nem os remédios, sofrerá os efeitos da pandemia até acabarem as rodadas previstas. Vamos a eles.

Cartas SORTE-REVÉS.

Sorte numa pandemia? HAHAHAHAHA…Durante o estado de pandemia, paga-se o valor das cartas SORTE e o dobro do valor das cartas REVÉS.

No caso, as cartas “vá para a prisão” e “habeas corpus” se transformam em “Vá para a hospital” e “Assintomático”, na qual o jogador evita a internação.

Títulos de posse

Para quem tem o jogo normal (há a versão Junior só com empresas), a pandemia afeta o valor das propriedades (e de seus imóveis) da seguinte forma:

  • A cor dos terrenos segue as cores das faixas do Plano São Paulo (Vermelho, Laranja, Amarelo, Verde e Azul). Como no jogo há terrenos de cor roxa, essa é a pior situação de todas, pois roxo me faz lembrar de cadáveres em decomposição.
  • Dessa forma, durante a pandemia, os pagamentos de aluguéis e imóveis ocorrem da seguinte forma:
    • Terrenos da cor Roxa: o dono desses terrenos (com ou sem imóveis) não recebe nada.
    • Terrenos da cor Vermelho: 20% do valor
    • Terrenos da cor Laranja: 40% do valor
    • Terrenos da cor Amarela: 60% do valor
    • Terrenos da cor Verde: 80% do valor
    • Terrenos da cor Azul: 100% do valor

Em relação a companhias, as seis existentes no jogo serão afetadas da seguinte forma:

  • Força e Luz: o valor triplica
  • Água e Saneamento: o valor dobra
  • Petrolífera: valor pela metade
  • Mineração: valor pela metade
  • Créditos de Carbono: valor dobra (isso é tão…geração Z)
  • Ponto.com: valor triplica

Construção nos terrenos:

  • Durante a pandemia, só poderão construir casas e hotéis quem tiver terrenos da zona verde e azul.
  • Quem tiver terrenos na zona roxa, vermelho e amarelo não poderão construir nada durante a pandemia.
  • Somente quem pagou pela vacina ou pelos remédios poderá construir nas zonas proibidas. Mas o preço de cada casa e hotel será 50% mais caro para quem comprou um dos remédios.

Empréstimos:

  • Durante a pandemia, na primeira vez que o peão cair em qualquer terreno ou companhia de sua propriedade, receberá o valor correspondente ao aluguel do banco como empréstimo para ver se sobrevive durante a pandemia.
  • Porém, nas vezes seguintes em que cair em qualquer outro terreno ou companhia de sua propriedade, terá que pagar o aluguel correspondente ao banco como parcela do empréstimo contraído na primeira vez, independentemente de ser muito maior do que o valor do empréstimo original. Para ficar mais parecido com as taxas de juros que os bancos praticam.

Casa Início

  • Em condições normais, sempre que o peão passar pela casa início, recebe-se o pró-labore de $ 200.
  • Durante a pandemia, o pró-labore vira ajuda do governo, e o peão recebe $ 6 a cada passagem.

Casas Receita Federal e Restituição do Imposto de Renda

  • Na casa Receita Federal, paga-se o dobro do valor indicado no tabuleiro.
  • O campo Restituição…precisa falar o que acontece? Ok, sem restituição.

Detenção

Durante a pandemia, a detenção vira internação.

A casa no tabuleiro “entre no camburão e vá para a detenção” passa a equivaler a “entre na ambulância e vá para o hospital”.

Quem pagou pelos remédios para se livrar da pandemia, também vai para o hospital. Quem mandou não seguir a quarentena e continuar jogando?

Livra-se da internação:

  • Quem pagou pela vacina nem vai para o hospital, enquanto durar sua eficácia.
  • Quem tiver a carta “habeas corpus” será considerado doente assintomático. Porém, ficará 14 rodadas sem jogar, em observação no hospital.

Formas de ter alta:

  • Na primeira tentativa de sair do hospital, o peão sai do hospital se tirar mais do que seis (contando os dois dados). Caso tire menos que seis (contando os dois dados), vai para o respirador.
  • Para sair do respirador, o peão terá que tirar mais do que nove. Caso não consiga sair nas próximas duas tentativas, restam duas possibilidades:
    • Pagar $ 1000 por nova dose de cloroquina (independente de ter pagado da primeira vez) e jogar durante o resto da pandemia com um dado apenas. No caso, o pagamento tem que ser em dinheiro e/ou em companhias, pois o hospital não aceita terrenos.
    • Se não tiver dinheiro nem companhias, resta tentar a sorte na UTI. Se não conseguir tirar mais do que dez nos dados em três tentativas, o jogador morre, $ 1000 do seu espólio vão para o banco (custos com ITBI, inventariante, etc), e o restante poderá ser dividido entre os demais jogadores.

Quem sabe colocar essas regras no jogo ensinem um pouco de resiliência divertindo? Tem espaço para colocar muito mais regras sem descaracterizar o jogo.

Nesse sentido, um outro jogo interessante para aplicar essas regras seria o jogo da Vida.

Por: Suellen

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (4)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: