Sim Senhora: Troca de Esposas com Rafael Pilha

Em cumprimento à decisão da Corte Impopular do Desfavor, Somir utiliza, neste momento, espaço dentro da programação habitual do blog para veicular sua postagem de punição.

É com grande pesar que informo que apesar do título, não estamos falando de um filme pornográfico sobre praticantes de swing. Mas também é um alívio, considerando que o nome de Pilha faz parte dele. Se tem algum vídeo pornô com ele, aposto que está em VHS em alguma parte do espólio do Gugu. Mas tudo bem, aposto que mesmo se esse vídeo existisse, Pilha não teria tido um papel muito ativo… sobre o que eu estava falando mesmo? Ah sim, o programa Troca de Esposas estrelado pelo nosso trágico herói.

Já não faz sentido de cara, é Troca de Esposas e quem muda de casa é o homem. Tudo bem que é mais culpa da tradução incompetente da Record, traduziram “Trading Spouses” como Troca de Esposas, quando obviamente era a versão unissex da palavra, cônjuges. Mas tudo bem, vamos fingir que somos um de seus inúmeros companheiros de cela nessas últimas décadas e aceitar “esposa” e Pilha na mesma frase. Minha equipe legal está me avisando que eu posso tomar outra punição se continuar fazendo esse tipo de comentário, então é melhor parar de enrolar e partir para a análise do episódio.

Começamos com uma introdução ao astro solitário do episódio, chegando em cena com um carrão na sua casa no Morumbi. De onde ele tira o dinheiro para isso? Tem tanta gente assim ouvindo “Dá pra Mim” no Spotify para justificar esse padrão de vida? Seja como for, Pilha mente descaradamente para a câmera dizendo seu nome completo sem utilizar Pilha nenhuma vez. Rafael Ilha Alves Pereira. 46 anos com uma carinha de 66. O que, considerando a quantidade de substâncias letais que passaram pelo seu organismo, até que não é um visual ruim. Sim, ele parece um chiclete mastigado, a cara dele toda se parece com a orelha de um lutador de MMA e seus dois olhos parecem de vidro, mas quem aguentou 46 anos de Pilha (cada ano de Pilha equivale a 7 anos normais) ainda mantendo qualquer semelhança com um ser humano merece crédito.

Logo depois, somos apresentados ao resto da realeza, a esposa Aline. Que eu acho que foi a que comprou a escopeta para ele; pelo menos deveria ser, porque não se acha mulher melhor do que uma que tenta contrabandear uma arma do Paraguai para o Brasil debaixo do nariz da polícia para te presentear. Além disso, conhecemos a filha Laura, surpreendentemente graciosa considerando a quantidade de DNA radioativo que recebeu do pai. Eu realmente esperava que fosse uma criança normal e acima da média…

Ao falar da esposa, Pilha usa a palavra mulherão. Tudo bem que ele é um anão, mas perto dele, é a mais pura verdade. Ela aparece malhando, e seus braços são o dobro dos dele. A mulher claramente é o macho dominante, o que começa a facilitar o processo de entender por que o programa se chama Troca de Esposas mesmo. Descobrimos também que a mulher é um gambá que só se alimenta de ovos, o que me faz acreditar que a criança vai crescer com uma resistência desumana a qualquer tipo de guerra química.

Importante, a apresentadora (loira genérica nº 4.591) pergunta várias coisas para o casal sobre quem faz as tarefas de casa. Eu fique com a nítida noção que a mulher do Pilha estava mentindo e que é ele que faz tudo na casa. Se minha mulher pudesse me quebrar no meio feito um graveto (menos mérito dela e mais demérito dele) a hora que quisesse, eu também faria tudo e mentiria na TV para dizer que ela “ajuda”.

Então, conhecemos a outra família, sobre a qual eu não tenho obrigação contratual de me importar neste texto. Mas eu vou fazer uma ressalva, é um homem que dança. Homem que dança é o terceiro pior de tipo de homem do mundo, atrás de assassinos e estupradores. Homem que dança torna tudo mais difícil para os outros homens, gerando expectativas irreais nas mulheres de que dança não é só um pedágio para o sexo. Traidores! Espero que ele seja punido com muitos peidos de albumina.

Mas, voltando ao foco: como alguém aguenta ver esses programas? Mal começou e eu estou morrendo de tédio com dois Zé Ruelas olhando para coisas e descrevendo elas. “Olha só, um sofá!”, “Nossa, que impressionante, uma janela!”. Chato pra caralho. A coisa começa a engrenar quando as esposas reaparecem em cena. Pode-se notar claramente no olhar da mulher que ganhou o Pilha uma alegria incomum, o que me fez começar a fazer gestos para a tela e cantarolar “Chifra o homem que dança! Chifra o homem que dança! Chifra o homem que dança!”. Pilha, você é todos os homens nessa Libertadores. Ela tá fácil, não me decepciona!

Já no sentido oposto, a mulher do Pilha deu aquele sorriso “durmo de calça jeans” para o homem que dança e já estava desconfortável no primeiro abraço. Eu já estou ficando feliz. A mulher do homem que dança já está paparicando o Pilha, e a mulher do Pilha já está mandando o homem que dança ir limpar bosta de cachorro! Aline, você já está no meu coração. Começamos a ver como faz diferença uma mulher com capacidade de enfiar porrada numa relação saudável, Pilha já parece anos luz na frente do homem que dança em termos de responsabilidades domésticas.

Não, para e pensa: você é colocado num programa para o Brasil inteiro ver que o homem que enfiou um garfo no pescoço, tirou sarro do policial o estava prendendo, saiu falando tupi-guarani da cadeia e usou todas as drogas existentes no universo é um homem mais adulto? A coisa está muito feia para o homem que dança. Eu ia ficar tirando sarro do Pilha, mas eu claramente já escolhi meu lado, e meu lado é Pilha! E não, eu não acho homem que cozinha e ajuda em casa traidor, só homem que dança, então o Pilha está livre dessa. E não é que o desgraçado tem carisma?

Bom, seguimos o baile, de volta à casa de Pilha, o homem que dança é levado para a clínica estética onde aparentemente nosso herói faz diversos procedimentos para manter sua beleza. Caso eu não estivesse torcendo contra o homem que dança, estaria muito preocupado por alguém achar uma boa ideia chegar perto de qualquer profissional responsável pela cara da Pilha. É meio como descobrir que seu assessore de imprensa trabalha para o Bolsonaro.

Mas alegria de Somir dura pouco: está claro porque a Sally escolheu esse programa, 90% do tempo é tudo tão sem graça que você começa a ficar desesperado para a próxima cena do Pilha. Que logo chega com a primeira aula de dança, onde ele mostra toda a desenvoltura de quem perdeu a maior parte das funções motoras por abuso de substâncias. O que o homem que dança está fazendo? Macarrão. Juro que dormiria vendo esse programa até mesmo no meio de um terremoto…

A próxima missão de Pilha é fazer com que as oitenta crianças da outra casa comecem a participar mais das tarefas de casa, o que faz dando facas na mão de crianças pequenas para ajudar a cortar vegetais. O que pode dar errado? Do outro lado da história, o homem que dança vai cumprir as funções de Pilha na clínica de drogados, e todo seu carisma magnético consegue fazer com todos os presentes fiquem com os braços cruzados o tempo todo. Bacana que a história que ele resolve contar para os viciados é sobre um amigo que ele tentou ajudar, mas acabou roubando um carro. Todo mundo estava esperando um final animador, mas era só isso mesmo. Aposto que alguns voltaram a se drogar depois dessa palestra.

Pilha continua colocando as crianças em risco fazendo elas subirem em cadeiras para pegar pratos antes de servir para elas um mexidão que claramente foi inspirado nas refeições que experimentou na cadeia. Finalmente começa a parte onde os dois homens podem começar a dar pitacos na rotina das outras famílias. Pilha vai na veia e começa a criticar o fato de que as crianças dormem junto com o casal. Aparentemente o homem que dança não está fazendo a única coisa positiva decorrente de dançar que é conseguir sexo. Muito embora eu acredite que Pilha foi nessa linha para não ter testemunhas quando fatalmente consumasse seu casamento temporário.

O homem que dança faz sugestões merda de traidores do gênero, como dizer para a mulher do Pilha não viver em função dele (que homem entra na casa de outro homem para dizer uma merda dessas? Homem que dança!) Pilhão lá na luta para ajudar o cara a comer a mulher e o traíra tentando atrapalhar a relação dele? Sacanagem. Diz outra merda também: que devem abrir a casa para trazer mais amigos. Sério que você quer os amigos do Pilha dentro da mesma casa que uma criança? E falando em Pilha, já percebemos a revolta das crianças com a nova regra de ajudar nos afazeres domésticos, especialmente na criança empata-foda.

Enquanto isso, o homem que dança vai causar mais problema na vida do Pilha levando a mulher dele para dançar. Acho que a sorte do Pilha é que sua esposa está prestes a perder a capacidade de se mover por causa dos músculos cada vez maiores e provavelmente não vai querer manter o hábito. Marombeiro só gasta caloria na academia. A machidão-alfa de Pilha dá conta do recado na outra casa, com as crianças obedecendo suas novas regras.

Francamente, não acontece muito mais coisa. O final é aquela bobagem ensaiada de todo mundo dizendo como aprendeu muito e adorou a experiência, mas quem viu o episódio sabe que:

1) Pilha comeu a mulher do homem que dança, zero dúvidas;
2) Agora existem duas famílias que preferiam ter o Pilha em casa.

Para dizer que só de saber que eu tive que ver isso já se sente feliz, para dizer que é homem que dança e se sentiu ofendido (opinião de traidor não conta), ou mesmo para dizer todo mundo se rende ao Pilha eventualmente: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (6)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: