Sofrimento condicionado.

A notícia que me chamou a atenção é daquelas que só viram notícia nos dias de hoje: cidadão filma cidadã fazendo ioga numa praia carioca fazendo comentários de baixo calão sobre ela. Cidadão publica o vídeo na sua rede social. O vídeo viraliza, cidadão é demonizado, cidadã fica sabendo e logo temos uma notícia sobre como ela é mais uma sobrevivente de abuso sexual. Nas notícias relacionadas, mais várias matérias sobre mulheres que sofreram com assédio… 2020 é assim. Só eu que estou vendo a armadilha sendo colocada no caminho das mulheres?

Claro, num mundo ideal as pessoas têm um mínimo de bom senso. É escroto falar de uma mulher assim, mais ainda ter orgulho disso ao ponto de tornar um vídeo desses público. Não sou contra a ideia genérica de reprimir esse tipo de comportamento, até porque durante boa parte da nossa história exigia-se algum decoro da parte dos homens ao falar sobre mulheres desconhecidas, e você provavelmente apanharia ou até morreria se “mexesse com a mulher errada”. Ninguém estaria inventando nada de novo.

Mas ambientes culturais mudam. E o atual traz de volta um tipo parecido de controle sobre o comportamento masculino que em tese remete a eras mais socialmente polidas da nossa história, mas que na prática é fruto de ideologias de gênero muito mais recentes. Antigamente, mulheres também não podiam ser pegas falando coisas do tipo sobre o sexo oposto: acabava com o “valor de mercado” dela ser vista como alguém vulgar. Não era necessariamente uma política sobre vilões e vítimas, mas um comportamento esperado de uma pessoa que se valorizava. Hoje em dia, uma mulher fazendo os mesmos comentários sobre um homem na rua talvez fosse retratado como algo positivo e inspirador.

De uma certa forma, esse decoro do passado era uma forma de sempre manter vulgaridade e intimidade relacionadas. Sem intimidade, trate a outra pessoa com o máximo de respeito. Com intimidade, valem as regras combinadas entre as pessoas. Mas a onda de acusações de assédio recentes não tem nenhum componente de volta às raízes: faz parte daquela ideia de relações de poder entre grupos que contaminou quase todo o cenário sociocultural humano nas últimas décadas. Um mundo de opressores e oprimidos.

E embora não se possa negar que exploração e abuso seja parte integrante da forma como construímos a humanidade até hoje, e especialmente que um mundo melhor passa por desmontar boa parte dessas estruturas; há algo muito sério a se considerar aqui: se você reduz a humanidade a opressores e oprimidos em tempo integral, as pessoas começam a se adaptar a esses papéis. Sem a nuance de que por vezes estamos num desses papéis e por vezes em outro, muita gente vai precisar vestir a casaca de um deles para ter qualquer chance de se entender nesse mundo.

Voltando ao caso dos assédios de homens contra mulheres, tem algo que me parece muito errado na forma como se espera que as mulheres reajam: como apenas vítimas. Algumas frases como “não culpe a vítima” parecem universalmente positivas até que você presta atenção em como elas podem ser utilizadas para fins ideológicos escusos. Embora a pessoa vitimada por uma exposição de baixíssimo nível como a mulher da notícia não possa ser culpada de forma alguma pelas palavras escolhidas pelo homem que filmava, nem tudo nessa vida é uma relação de abuso. A própria mulher escolheu usar palavras como “estupro” para definir seus sentimentos, e isso sugere que de alguma forma, o ambiente cultural baseado nessas relações doentias de opressores e oprimidas vazou para dentro da cabeça dela. Seja por ideologia própria, seja pelo papel que se sentiu obrigada a interpretar diante da situação.

Não podemos mais garantir que o sentimento verdadeiro da mulher seria apenas um “você é nojento, tira o vídeo do ar” e tudo acabaria com uma desculpa esfarrapada do homem. Eu não sei mais dizer se todo o turbilhão emocional que essas mulheres vítimas de abusos não violentos parecem demonstrar é escolha delas ou uma espécie de nova “obrigação social”. Historicamente é uma péssima ideia não seguir os padrões sociais vigentes: se eu fosse ela e na verdade só tivesse achado de péssimo gosto e nada mais, talvez me sentisse obrigado a criar todo esse clima análogo ao estupro para não colocar um alvo na minha cabeça. Afinal, outros imbecis poderiam achar que tinham sinal verde para fazer coisas parecidas. Ou talvez até pior: virar inimigo da causa feminina e motivo de longos artigos analisando meu estado mental.

Eu não estou afirmando nada sobre a mulher do vídeo, porque nem é especificamente sobre ela. Já disse o que sente e ninguém tem que questionar o sentimento alheio: ele é o que é. O ponto aqui é que talvez ela e tantas outras estejam começando a se sentir obrigadas a reagir de forma cada vez mais dramática para corresponder às expectativas de um momento cultural que transforma opressão em fetiche coletivo. E isso pode ser muito cruel com a pessoa.

Pulando para um assunto relacionado, mas mais pesado: psicólogos que lidam com crianças abusadas sexualmente tem que ser muito cuidadosos para não alimentar os traumas delas, mesmo que isso não seja diretamente compatível com a empatia que se sente por elas. Não se pode deixar alguém crescer definido por um momento horrível e fazer disso sua identidade. Às vezes, na sanha de acalentar o sofrimento alheio, podemos deixá-lo vivo por muito mais tempo do que o necessário. A pessoa precisa conquistar o poder de seguir em frente mesmo com as cicatrizes que vai levar para a vida.

É humano querer proteger e consolar quem acreditamos que foi injustiçado, mas como de costume, a dose diferencia o remédio do veneno. Assim como não se cria uma criança para ser apenas a vítima de um adulto doente, não se deixa uma mulher adulta tocar a vida sendo apenas uma vítima indefesa de abusos masculinos. Empoderamento não é postagem de mulher obesa na rede social, é combater uma mentalidade de inferioridade inevitável. Agora, adianta empoderar e ao mesmo tempo criar uma cultura baseada em cumprir o papel de vítima?

Se você fingir algo pelo tempo suficiente, é bem capaz de começar a acreditar. A mente se acostuma com essa posição, o mundo de opressores e oprimidos fica tão inescapável que qualquer ideia de equilíbrio vai desaparecendo. Ou você é uma coisa, ou é a outra. Reprime-se comportamentos masculinos do tipo que vemos no vídeo, mas reprime-se também uma reação feminina que não seja “literalmente estupro”. Qualquer chance de poder está diretamente relacionada com o papel de opressor. Agora o opressor é o homem, e se quiserem sair da posição de oprimidas, tem que tomar o lugar deles.

Culturas radicalizadas só servem para gerar conflito e disputa de poder. Não há paz possível. Você é uma vítima até tomar o poder. E se o mundo só funciona assim, o objetivo final é ser opressor, não ser igualitário. Agora, quando é que se faz essa transição? As táticas de um grupo e de outro são completamente diferentes: não dá para ser opressor reclamando mais que o outro. A posição de poder almejada custa caro, e precisa pisar em muita cabeça para chegar até lá. Só que como fazer isso com um grupo de pessoas que internalizou a posição de oprimidos? Eles vão se comer vivos antes de fazer qualquer mudança significativa na sociedade.

Ah… verdade. Eles vão se comer vivos antes de fazer qualquer mudança significativa na sociedade. O papel de vítima tem suas vantagens, mas assim que você se define a partir dele, pisa numa armadilha terrível que tira seu poder real de mudar o mundo de forma realista. Não fique falando baixarias de mulheres desconhecidas e publicando na rede social, mas também não deixe que esse tipo de comportamento defina quem você vai ser na vida. Não vale o preço, não chega a lugar algum.

Custa ser moderado?

Para me chamar de macho opressor, para me chamar de isentão covarde, ou mesmo para me chamar de comunista corno: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comentários (34)

  • Quanto à parte de opressores e oprimidos, os que se dizem oprimidos já são opressores ou estão a serviço deles. Eu abordei isso em “O sistema de castas moral (As concubinas de Lúcifer 2)”, http://avezdasmulheres.blogspot.com/2018/12/as-concubinas-de-lucifer-2.html
    Quanto à questão dos tempos antigos e dos tempos novos, o que no passado fez este presente possível? Na esquerda, qualquer secundarista sabe que a História não dá saltos.
    E o caso em si foi muito estranho, no relato e na popularidade. E descobriram por acaso que o cara tem uma tatuagem do Jair Bolsonaro. Pode ser até “false flag”. Mas com certeza tem a vilanização do homem heterossexual.

  • Hahahahaha, quem me dera poder “viver como homem” e só conciliar estudo e trabalho! Quero ver conciliar estudo e/ou trabalho mais todo o serviço escravo doméstico que invariavelmente cai nas costas da mulher.

    Me poupe das suas male tears!!!

    • “serviço escravo doméstico”
      ué, não eram empoderadas que podiam fazer tudo e não precisam de homem pra nada? façam tudo sozinhas então.

    • Não sei se você está respondendo para a turma mgtow que invadiu os comentários ou o texto.

      Se foi o texto, eu não consigo ver conexão entre o que foi escrito e o comentário…

      • Era pra ser em resposta ao anônimo, Somir, mas caiu no lugar errado… enfim, nem me darei ao trabalho de replicar pro cidadão, que obviamente não faz a menor ideia do que é/quer uma mulher, mesmo!

  • Homem brasileiro e primitivo, frustrado, arcaico e sente inveja de mulher porque na cabeca deles somos privilegiadas so pelo fato de termos nascido do sexo feminino.

  • Avatar

    Wellington Alves

    Quem deveria escrever sobre o assunto era a Sally pois você não está no seu lugar de fala. Aliás, seu opressor, está roubando o lugar de fala dela!

  • Complicado … acho q o problema é lidar com essa exposição. No “mundo antigo” essa conversa ficaria entre os babacas sem problemas. Só mais um comentário inútil entre muitos feitos durante a vida. Sei q é exagero, mas eu ficaria mais puta com a audácia de filmar e publicar do q com a fala em si e provavelmente perderia a razão pq chamaria de velho decrépito pra baixo. No final das contas se fosse um novinho sarado acharia aceitável rs.
    Tá ! Desculpa pelo comentário desnecessário. Fui …

    • Ou seja, só é assédio se a mulher não vai com a sua cara. Foda-se se o homem não é vidente pra saber se vai conseguir uma paquera ou uma denúncia pra polícia.
      Se é pra viver nessa roleta-russa, melhor ficar solteiro mesmo.

  • “psicólogos que lidam com crianças abusadas sexualmente tem que ser muito cuidadosos para não alimentar os traumas delas…”

    Falou TUDO! As pessoas entram um espiral de vitimismo tão grande, e às vezes é por culpa de quem as trata. O trauma vira o único assunto da vida.

  • Mês passado eu vi um vídeo de uma mulher reclamando que homem nenhum olhou pra bunda dela enquanto ela andava na rua. Se tá difícil até pra mim entender o que elas querem, imagina pra homem…

    • não tenho o link aqui, mas eu vi isso. a moça colocou uma câmera escondida na roupa pra flagrar homens olhando pra bunda dela enquanto ela andava na rua, quando viu as filmagens nenhum homem tinha olhado pra ela. deve ter sido um baque no ego dela…

      • Bunda virou commodity de baixo valor no mercado atual. O velho truque de vestir uma roupa sensual e andar pelas ruas em busca de olhares sensuais não funciona mais.
        Vamos lembrar que quem olhava também era taxado de abusador.

  • Se essa “vítima” não se vitimizar publicamente, como ela vai alcançar a publicidade de ser uma mulher em plena pandemia fazendo yoga na praia? Algumas mulheres dão tudo e mais um pouco para sair do anonimato.
    Semana passada ela era ninguém, hoje eh uma vítima famosa.
    Ah, eu sou mulher, poderosa por natureza porque eu mesma pago as minhas contas, e sem vitimismo.

  • Permita-me focar em outro ponto: sou o único que fica incomodado com essa cultura de smartphone? Poder ser fotografado ou filmado por qualquer um a qualquer momento. Uns tempos atrás, na minha bolha virtual viralizou uma filmagem de um casal de idosos se abraçando numa estação de metrô. Tem páginas na internet só pra publicar esse tipo de filmagem/fotografia de gente aleatória na rua e no transporte público, especialmente se a pessoa é muito bonita.

    Nos últimos anos já estamos tendo uma amostra de um mundo sem privacidade, e os resultados não estão sendo tão bons…

    • Também acho. Um dia desses eu vi no Twitter a foto de um senhor sozinho num bar e a legenda era “liberdade ou solidão?” e a tal foto tinha milhares de curtidas. O cara tirou a foto do velho e nem perguntou o nome, o que ele tava fazendo ali, se ele tava esperando alguém… Tudo isso pra postar na internet e “lacrá” pra cima de jovem.

    • Calma que a conversa não chegou lá ainda.
      E esse é literalmente um flertando com o desastre, não pelo desenvolvimento da narrativa, mas pelo ponto de enfoque utilizado.

  • E isso que ainda nem chegamos na Agenda 2030 e o Planeta 5050. Vai ser um inferno ser homem nas próximas décadas, vão expremer a gente feito laranjas pra sustentar o empoderamento delas, e elas só vão querer mais.
    “Ah mas tem a ameaça do conservadorismo islâmico”
    Risos.
    https://penntoday.upenn.edu/news/how-islamic-feminism-could-shape-gender-equity
    https://english.alaraby.co.uk/english/comment/2020/3/26/the-loneliness-of-being-queer-and-muslim
    https://www.bbc.co.uk/news/newsbeat-49796967

  • Não diria que é “fetiche em opressão”, só fetiche em reclamar mesmo. Mulher já é maioria nas faculdades, no entretenimento, nos games, tem cotas, tem proteção, tem prioridade, tem condenações menores no sistema penal. Alguma vez vocês já viram elas satisfeitas? Sempre tem um “mas” e quando esse “mas” é resolvido, vem outros “mas”, e agora está dando uma volta completa. Exemplo: disseram que gentileza masculina e casamento tradicional eram opressão, e podiam fazer tudo sozinhas. Isso acabou. Agora falam que os homens estão distantes, que só querem saber de meter sem compromisso, não ajudam mulheres na rua. Ah, vão à merda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: