O governo Bolsonaro segue, apesar da grande pressão enfrentada nesses últimos meses de pandemia. Sally e Somir discutem as possibilidades dele continuar sobrevivendo às inúmeras crises que enfrenta, muitas deles criadas por ele mesmo. Os impopulares votam antecipadamente.

Tema de hoje: Bolsonaro vai conseguir se reeleger?

SOMIR

É muito provável que sim. Não sei dizer se vai ser exatamente mérito dele ou demérito da oposição, mas acho difícil que uma força política surja até 2022 com capacidade de enfrentar um governo que já está se preparando para a reeleição com tanta antecedência. Parece que aos poucos Bolsonaro foi percebendo onde está o equilíbrio certo entre os discursos conservadores e as atitudes populistas necessárias para agradar os brasileiros médios.

No fundo, o que o brasileiro queria era um Lula que fiscalizasse a genitália alheia. Que mantivesse todas as boquinhas do serviço público, que desse “dinheiro grátis” custasse o que custasse para o país no longo prazo, mas que repetisse à risca o discurso sobre sexualidade que escuta na sua igreja. Talvez a grande jogada da direita brasileira tenha sido perceber que o brasileiro estava sentido falta de uma culpa cristã em relação ao sexo, para manter o prazer do proibido quando inevitavelmente agisse feito um depravado no próximo carnaval…

Não está claro o grau de lucidez de Bolsonaro sobre isso, mas seja como for, ele está se transformando nessa figura: uma santa na cama, mas uma prostituta com o dinheiro público. O discurso moralista intacto, mas uma guinada considerável para longe do liberalismo econômico, que pode até ser popular na hora de prometer arrumar o país durante a eleição, mas cai por terra quando chega o tempo de cortar os gastos de um Estado inchado do qual tantos se beneficiam.

Dizem que é na hora do aperto que conhecemos as pessoas, e foi o aperto da pandemia que nos deu Bolsonaro no seu grau mais honesto de discurso, falando um absurdo por dia durante os primeiros meses do coronavírus no país, mas que depois exibiu o talento incrível de se segurar no poder de uma carreira de quase três décadas de exploração dos cofres públicos. Brigar com imprensa e causar polêmicas parece seu passatempo preferido, mas quando Queiroz foi preso e ele viu uma chance verdadeira de perder seu cargo, o instinto de sobrevivência bateu e ele foi lá se vender para o Centrão.

O maior perigo para o Bolsonaro sempre vai ser intransigência, a teimosia de mula empacada que deve enlouquecer seus assessores poderia o colocar em uma situação inescapável nos últimos meses, mas a vontade de proteger os filhos e o seu cargo parece mais forte que tudo. Era o teste de fogo de Bolsonaro sobre que tipo de político seria enquanto presidente, e tendo em vista onde estamos nesse momento, parece que ele passou. Agora é fazer como virtualmente todos os outros políticos brasileiros e ir resistindo enquanto puder as investigações contra ele e seus aliados.

Bolsonaro conseguiu se reinventar como um político tradicional sem deixar isso muito explícito para o povão brasileiro. Negocia com tudo e com todos, alguns à luz do dia, outros de forma mais discreta. Desistiu do discurso de combate à corrupção enquanto o sistema engole a Lava-Jato, deixou para lá a agenda liberal focando em manter privilégios de funcionários públicos e dobrando a aposta no assistencialismo petista, mas manteve a ilusão de conservadorismo mantendo a animosidade contra artistas e ativistas de causas progressistas. Acalmou até na sanha ditatorial, abandonando seus soldados à própria sorte contra o até então inimigo mortal na figura do STF.

“Tio Bolsonaro vai te dar dinheiro e impedir que seu filho vire gay!”

O que já parece ser bom o suficiente. Mesmo depois de fazer o pior gerenciamento de crise de saúde pública da história recente da humanidade com o coronavírus, a popularidade começou a se recuperar. Era simples assim. É por isso que eu acredito que nos próximos dois anos, Bolsonaro vai conseguir costurar acordos o suficiente para evitar que as investigações contra ele e seus filhos avancem até um ponto sem volta. E com essa nova capacidade de transigir para agradar aqueles que podem tirar seu poder, basta ser resistente o suficiente para chegar até 2022 com popularidade o suficiente para uma reeleição.

E pode usar a mesma tática da Dilma: colocar o país no rumo de um desastre financeiro assistencialista para se reeleger e ver o que consegue salvar depois. Gasta o que tem e o que não tem. O importante é vencer a eleição e estar no poder o máximo de tempo possível para proteger a si e a família da Justiça.

Não vejo ninguém crescendo o suficiente para disputar em popularidade com o presidente ideal dos evangélicos no fascinante público-alvo de pobre de direita brasileiro. Quem vai fazer o papel de Bolsonaro melhor que Bolsonaro? Considerando a mentalidade do brasileiro médio, é muito complicado montar um discurso anti-Bolsonaro ao mesmo tempo que cativa a parcela da população que votou nele. No máximo podem dizer que ele não é evangélico de verdade, porque de resto, é o mesmo discurso no ponto do moralismo e no máximo uma crítica contra seu abandono das políticas econômicas liberais.

O que francamente é muito complicado para o grosso da população. Em 2018 não foi sobre a economia de verdade: foi sobre a degeneração dos valores da família e sobre o controle da violência urbana. Cidadão votou em Bolsonaro para matar bandido e evitar ver mulher com cabelo colorido no sovaco… ou você diz que ele não fez o suficiente nesse sentido, ou vai ser pintado de comunista. E aí, com dois ou mais candidatos falando as mesmas coisas, o brasileiro vai escolher aquele que já está lá. A esquerda está em frangalhos, muito por culpa das prioridades cada vez mais bizarras que esposa na guerra cultural moderna. Toda vez que você acena para o público que acha importantíssimo usar os pronomes certos, torna-se um pária para um muito maior de gente que abomina essa mentalidade.

Eu tenho quase certeza que a oposição vai atirar no próprio pé sem parar até 2022 com esse tipo de discurso, inviabilizando uma eleição no Brasil. Vai sobrar Bolsonaro contra alguém tentando ser Bolsonaro… e é muito difícil vencer ele no próprio jogo.

Para dizer que pode tirar o Brasil do PT, mas não se tira o PT do Brasil, para dizer que a gente vai achar alguém pior, ou mesmo para dizer que se o Trump for reeleito o Bolsonaro já ganhou: somir@desfavor.com

SALLY

Bolsonaro vai se reeleger novamente? É cedo para dar certeza, mas eu acho que não.

Longe de mim pensar que o brasileiro vai aprender a votar, é possível inclusive que vote em coisa pior. Bolsonaro não deve se eleger novamente por mera incompetência.

A receita da reeleição no Brasil é bem simples: subornar o povo com um dinheirinho na conta todo mês travestido de medida social. Ele não me parece disposto a isso, tanto que já cortou pela metade o auxílio de R$ 600,00 e em toda oportunidade que tem, fala que isso é temporário, provisório e que continuar pagando não está nos planos.

Pois é, esse é meu argumento. Nenhuma das cagadas que disse ou fez é relevante para reeleição. Nem os crimes cometidos pelos filhos. Nada disso importa, nada disso é sequer compreendido pela maioria dos eleitores, nada disso será levado em conta e muito menos lembrado na hora de votar. É o suborninho pro povo o que define eleição no Brasil, e não é de hoje.

A única coisa real, palpável, tangível e compreensível por esse povo prostituído é o dinheiro que pinga na conta. Se pingar, reelege, se não pingar, não reelege. Se pingar, acreditam nas fake news a favor dele, se não pingar, ficam com raiva e acreditam nas fake news contrárias a ele.

Considerando que Bolsonaro e sua equipe não parecem compreender absolutamente nada com nada, são dados a rompantes e que o motivador de quase tudo ali é teimosia de idoso ou interesse pessoal, é provável que ele acabe com o auxílio e que não dê outros benefícios. Ao que tudo indica, suas prioridades são outras.

O fato de ter acontecido uma pandemia que danificou a economia ajuda. Difícil ficar pagando esmolinha pro povo quando a coisa chegou em um ponto onde é preciso fiscalizar e controlar os preços, não creio que exista muita margem para pagar um auxílio desenfreado que quase todo brasileiro, precisando ou não, pediu.

Sem o suborninho, por opção ou por falta de recursos, nada feito. Acaba o amor rapidamente. Sim, brasileiro é um vendido, justamente por isso vota em pessoas igualmente vendidas, corruptas e sem ideologia. Ganha quem pagar mais. E olha que nem precisa pagar muito, se vendem baratinho.

Aposto também na renovação política dos candidatos da oposição. Com isso talvez entre alguém com condições reais de disputar. A oposição finalmente percebeu que pessoas com o carisma de um pão mofado não se elegem? Claro que não! As figurinhas insossas estão todas doentes, mortas ou morrendo. Acredito que a renovação será por motivos de força maior mesmo.

Se surgir uma nova figura carismática e cara de pau, que entenda que o povo só quer benefício sem trabalhar, faz uma bela proposta (que obviamente não será cumprida, mas brasileiro acredita no que gosta de acreditar) leva. Promete qualquer benefício que faça a pessoa se sentir esperta que ela simpatiza com você.

Além disso, faz tempo que vemos algumas figuras midiáticas ameaçando se candidatar. Após inúmeras experiências bem sucedidas em cargos menores, acho que chegou a hora do Brasil ter uma subcelebridade Presidente da República. É quase que um chamado. É a cara do Brasil. Se juntar esse combo de subcelebridade que (ainda) não é vista como “tudo ladrão” com o oferecimento de um suborninho mensal, grandes chances de levar.

Bolsonaro fez muitos inimigos pelo caminho. Não que o povo se importe, mas esses inimigos podem plantar uma rede de intrigas que faça crer que Bolsonaro não vai pagar o suborninho esperado. Ou podem articular para impedir que ele tramite ou até tenha verba para isso. São inúmeras possibilidades de sabotar os auxílios e, por consequência, a reeleição.

Fora as pressões externas. Bolsonaro está com o pescoço de alguns filhos na guilhotina. Não tenho a menor ideia como estão as negociações para salvar suas crianças, mas certamente um preço será cobrado. Também pode ser que um preço para salvar seu próprio pescoço, uma vez que ele não é santo, seja cobrado. Qualquer pessoa prefere não ser presa em troca de não ser reeleita, acredito eu.

Quem deixa muitas pontas soltas das merdas que faz, depois tem que se render a exigências daqueles que as usam para chantagear. Já percebemos que Bolsonaro não é um bom estrategista e que a pessoa supostamente encarregada disso, Paulo Guedes, consegue ser ainda mais boçal do que ele. Imagina quantas pontas soltas não tem aí. Imagina se não vão cobrar um preço alto para não usá-las contra Bolsonaro.

Por fim, eu não descarto que depois de três anos e meio, o próprio Bolsonaro não queira mais isso para a sua vida. Não que ele se importe com o que o pensam dele, provavelmente ele não tem nem compreensão para alcançar o quanto é ridicularizado nacional e internacionalmente ou entender que vai entrar para a história como um pária. Acho que ele tem meio neurônio mesmo, e esse meio neurônio está ficando de saco cheio de reunião, compromisso, formalidade.

E, sempre tem a questão de saúde. A saúde de Bolsonaro não parece boa. Por mais de uma vez ele aparece em fotos inchado, esverdeado e abatido. A cirurgia que ele fez depois da facada não é brincadeira, demora muito para que alguém se recupere (ainda mais depois de uma certa idade) e pode comprometer seriamente a absorção de nutrientes pelo corpo. Não sei se o organismo dele aguenta mais quatro anos nesse ritmo de compromissos e estresse. Talvez ele pife antes, impossibilitando este senhor de concorrer.

Me parecem muitas possibilidades para que ao menos uma delas não se concretize. Tem muita coisa jogando contra. Se ele der sorte em vários aspectos, pode ser que chegue lá. Mas, não sou partidária de contar com a exceção. Na maior parte das vezes, o que acontece é a regra geral.

Óbvio que meu percentual de acerto agora é outro, uma vez que não moro mais no Brasil, logo, não vivencio mais a realidade do país (glória a deux). Então, pode ser que quem vivencia essa realidade tenha uma visão melhor. Seria uma pena se o Somir estivesse correto, mas pode acontecer. Não ouso mais dar certezas como fazia quando vivia no país. É apenas um achismo.

Para dizer que é bem feito se Bolsonaro se reeleger, para perguntar o que poderia ser pior do que Bolsonaro ou ainda para dizer que com sorte o Brasil acaba antes das próximas eleições: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (30)

  • Eu (e imagino que muita gente) não quero acreditar que ele se reeleja, mas infelizmente tudo aponta pra isso. Aliás, e irritante o fato de que, nesse governo, tudo é tão turbulento que a cada hora a gente pensa uma coisa diferente, e não dá bem pra prever o que vai acontecer.

    • (…) e irritante o fato de que, nesse governo, tudo é tão turbulento que a cada hora a gente pensa uma coisa diferente, e não dá bem pra prever o que vai acontecer.

      Faço minhas as suas palavras, Ge.

  • Acho que ele se reelege.

    Primeiro, pela oposição a ele. O desempenho do Alckmin mostrou que no pós-polarização, não há espaço para moderados. O Bolso ofusca qualquer um aspirante a candidato de direita, então sobra a esquerda histérica da beautiful people e das pautas identitárias que tem reverberação nula fora do ambiente acadêmico e artístico, SPCiro e o próximo ungido do PT (estão tentando forçar o Boulos, que fora do ambiente acadêmico e artístico é simplesmente o cara que invade casas).

    Se ele implementar o Renda Brasil, ele recupera três vezes o apoio que perdeu ao abdicar a pauta anti-corrupção em nome do Flávio.

    Jornalistas como sempre não sabem lidar com ele. Vão falar de economia, ele vai falar que a culpa foi do Corona. Vão falar do gerenciamento capenga, ele vai falar que nada disso teria acontecido se não fosse a China. Fora isso, sobra o quê? Pauta moral. Já consigo até ver a Renata Vasconcellos com o olho pulsando de raiva falando de racismo, machismo e transfobia e o Bolsonaro, como sempre, sambando na cara deles.

  • Se o PT não lançar candidato, Bolsonaro perde. O antiPTismo chega a ser tão forte que faz as pessoas votarem em Bolsonaro. Acredito que Ciro vs Bolsonaro num segundo turno, Ciro ganhará.

  • Eu acho q ele se elege pela fama da facada ainda . Mesmo vindo Mouro e Padilha ele leva pq é o verdadeiro representante do povo brasileiro . Rs

    • Moro? Se duvidar aquele desgraçado, que abusou demais da autoridade que tinha, sendo um verdadeiro Delegado Fleury de Toga, acaba inelegível tipo o Lula em 2018 e acho BEM FEITO!
      Padilha? HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA! Aquilo lá não conseguiu nem forçar um segundo turno pro governo de SP… E olha que naquela quem ganhou foi o Alckmin, que como vimos, definhou feio em 2018.

  • Avatar

    Emputecida do SUS

    Sim. Os motivos que levaram Biruleibe ao poder ainda estão por aí, assim como o seu rebanho. Pode vir o Lula, o Papa, quem for. Bolsonaro ganha, e o brasileiro tem mais é que se foder. Quanto pior melhor. Serão oito anos de crise, de catástrofe, de lama. Mas acredito que o sofrimento é pedagógico, apesar de também acreditar que ninguém precisa de maus exemplos.

  • Avatar

    Wellington Alves

    Bolsonaro vai se reeleger, mas não por causa do que foi abordado no texto. O grande erro dos analistas críticos ao governo é achar que tudo se limita a declarações polêmicas na imprensa.
    Acabam ignorando o melhor Ministério que já tivemos nos últimos tempos. A agropecuária avança com a ministra Tereza Cristina, os direitos humanos realmente estão atendendo Quem precisa, o Ministério da infraestrutura entregou uma média de uma obra por semana durante a pandemia e vai entregar mais 30 até o final do ano… Tudo isso será sentido no Brasil real. Enquanto perguntam do Queiroz, o povo está recebendo Água fresca e se libertando dos coronéis donos de carros-pipa, os caminhoneiros estão rodando em estradas de verdade, as ferrovias estão cruzando o país, O marco do gás vai derrubar o preço do botijão pela metade, o marco do saneamento básico trará dignidade a milhões de brasileiros e etc.
    É fácil dizer que o povo vai reeleger só por causa de um auxílio emergencial. Mas essa é uma análise muito rasa.
    A única coisa que pode impedir uma reeleição de Bolsonaro é um golpe do sistema. Hoje já tivemos o STF decidindo que o voto impresso é inconstitucional. caso Bolsonaro não chegue em 22 com uma vantagem gritante nas pesquisas, como foi em 18, ficaremos novamente com dúvida da manipulação de votos pairando no ar para uma possível derrota de 49 a 51.
    Vocês votaram nele pela Zueira, só pra ver o circo pegar fogo. Eu votei por convicção e por isso procuro acompanhar de perto o que o governo está fazendo. Apesar de todas as cascas de banana, até agora tem se saído muito bem. O único momento crítico para os eleitores foi a saída do Moro. Ali eu realmente pensei que fosse acabar. Mas logo depois vimos que tudo não passou de estrelismo do ministro, que meteu os pés pelas mãos, e Bolsonaro saiu ainda mais fortalecido. Minha preocupação com uma candidatura de Sérgio Moro é zero.
    só pra finalizar. Tudo o que vocês disseram também acontece. Mas representa uma pequena parte do todo. Faz barulho nas redes, no meio político, mas não passa de espuma. Só teria um impacto se o governo não estivesse trabalhando no mundo real.
    P.S.: enquanto eu escrevia, o ministro Tarcísio entregou mais duas obras.

    • Se tivesse opção de colocar GIF nas respostas do Desfavor, eu colocaria aquele do Chaves se benzendo compulsivamente

    • Parabéns, finalmente alguém lúcido, que mata a cobra e mostra o pau.
      Há muita gente teimosa, mas contra fatos não há argumentos.

      • Mas sempre pode ser minion aqui. Pode até ser comunista. Sabendo respeitar, tem jogo.

        O que não aceitamos e cortamos aqui por questões puramente ideológicas (e não por macaquice de quem escreveu) é negação científica.

    • Descolamento ridículo da realidade e inacreditável submissão à propaganda deste governo vergonhoso e incompetente. Não podia faltar, evidentemente, a paranoia contra o “sistema”, que sempre deseja prejudicar o irresponsável que o senhor pateticamente adora.

  • Eu acho que, por pior que seja seu governo, Bolsonaro vai acabar se reelegendo. Por dois motivos: 1 – 0 povão só vota em quem diz o que mais lhe agrada e o atual presidente sabe falar aquilo que soa bem aos ouvidos dos “pobres de direita” e 2 – a oposição lacradora dá muito chilique mas não tem de fato uma figura capaz de enfrentar o “Mito”.

    • Pode ser, mas lembre-se que partido não é mais tão importante. Bolsonaro se elegeu sozinho em um partideco que, até então, não era oposição a porra nenhuma de tão insignificante. Então, pode surgir uma subcelebridade em um partideco que roube a cena.

      • Claro que ainda é cedo para se fazer previsões e que o Brasil sempre nos surpreende com absurdos dos mais variados acontecendo praticamente todo dia, mas eu ainda acho difícil que até 2022 surja um fenômeno capaz de desbancar o Bolsonaro.

  • Avatar

    Capitão Impressionante

    Bolsonaro faz muita cagada, mas deve se reeleger por falta de uma liderança de esquerda capaz de lhe fazer frente.

  • “A cirurgia que ele fez depois da facada não é brincadeira, demora muito para que alguém se recupere” Olha, a vida às vezes te sacaneia mesmo depois de se “recuperar”. Fiz uma cirurgia de apendicite aos dez anos, e, agora na casa dos vinte, fiz outra cirurgia, dessa vez por obstrução intestinal, consequência dessa apendicite de catorze anos atrás. Pelo que conversei com meu médico, a pessoa que fez qualquer espécie de procedimento cirúrgico no intestino tem chances aleatórias no futuro de ser desfavorecido repentinamente com obstrução intestinal.
    Se eu fosse o Bolsonaro, me cuidaria bastante…

  • “culpa cristã em relação ao sexo”
    Aconselhamento sobre a vida sexual não é exclusividade de religiões abraâmicas.

    Buda: “A má conduta sexual aumentou e, em consequência, o tempo de vida das pessoas diminuiu, sua beleza diminuiu, todos serão promíscuos no mundo como cabras e ovelhas, aves e porcos, cães e chacais.” – DN26 Cakkavatti-Sῑhanāda Sutta: O rugido do leão ao girar a roda

  • Olha, ao observar os últimos meses da administração dele, eu também não apostaria nada na reeleição dele. A saída do Moro do governo custou o apoio de quem apoia a Lava Jato. E neste momento, ele está rasgando a cartilha do liberalismo para conduzir o Brasil sob a pandemia, o que afasta os que votaram nele apostando que ele enxugaria a máquina pública. Eu observava esses fatos e pensava “esse cara não se reelege nem por milagre, só vão sobrar os fanáticos mais alucinados apoiando ele, quem tem um mínimo de racionalidade vai correr pra longe”. Mas recentemente vi que até no exterior está repercutindo a guinada de popularidade dele no Norte e Nordeste. Ele perdeu o apoio constituído com diversos grupos em 2018, mas já repôs essas perdas, convertendo pro lado dele justamente o que era a força motriz da máquina eleitoreira petista.

    Ele já fez uma porrada de merda. Vai fazer muitas outras nos próximos 2 anos. Mas não fará diferença, ele já tem a receita pra se reeleger.

  • Eu tenho quase certeza que a oposição vai atirar no próprio pé sem parar até 2022 com esse tipo de discurso, inviabilizando uma eleição no Brasil. [2]

    A “sorte” do Bolsonaro é que a oposição consegue ser bem mais tapada do que ele. É só ele falar qualquer merda (por mais ridícula e insignificante que seja) envolvendo qualquer “grupo oprimido” e pronto, lá vai jornalista, intelectual, artista e jovem lacreiro emocionado falar disso a semana inteira enquanto o povão mal tá podendo pagar as próprias contas e com outros problemas pra se preocupar. É fato, Bonoro só se elegeu por conta da turminha do pronome neutro.

  • Me parece que as razões do Somir estão mais próximas do que está acontecendo.

    Sally, o Bolsonaro fala que o auxílio/benefício é temporário, que não pode pagar mais, mas continua pagando. E ele percebeu que, com isso, conquistou uma nova parcela de eleitores. Em seguida, o Bolsa Família virou Renda Brasil; o Minha Casa, Minha Vida virou Casa Verde e Amarela; e o Guedes perdeu o pouco espaço que ainda tinha. Tão importante quanto o valor do auxílio/benefício é a forma que o governo o vende. E isso o Bolsonarismo faz bem.

    Sobre uma nova figura para bater de frente com Bolsonaro, acredito que dificilmente surgirá. Ele fala exatamente o que o brasileiro médio quer ouvir. As pautas e bandeiras que ele levanta são aquelas que refletem a “tacanhez” do brasileiro. E a oposição ainda não se tocou disso, por mais óbvio que pareça. A oposição (leia-se aqui todos aqueles contra o Bolsonarismo, seja quem for) não consegue alcançar o brasileiro médio, chamar a sua atenção. Já temos alguns anos da presença tosca de Bolsonaro no cenário político e aqueles que o querem derrubar continuam sem saber como, inclusive as celebridades/pseudocelebridades.

    A reeleição de Bolsonaro só não acontecerá se ele estiver morto. Mas aí algum dos filhos vai bradar que continuará o legado do seu pai e se elegerá.

  • Seja quem ganhar a presidência, a única certeza é que todos os caminhos levam à China. O que tem de político, ativista, elite e o caralho a 4 querendo implantar um sistema de controle social por aqui não tá no gibi. Quem tiver condições e oportunidade de ir embora, tem até 2022 pra isso porque depois vai ser impossível.

  • Por incrível que pareça, acho que é reeleito sim. Muita gente o vê como uma resistência ao vírus globalista, ou algo assim, e a confusão de informações imprecisas e contraditórias lançadas ao público todo dia até por entidades sérias, durante a pandemia, vai acabar ajudando essa narrativa. Mas existem
    outras apostas sobre o futuro do Brasil que fazem mais sentido do que deveriam.
    O Brasil atual é uma cópia mal feita dos americanos, praticamente tudo que acontece lá depois de um tempo acontece aqui também. Então, sim é aplicável tanto na política quanto na cultura e demografia.
    No Norte e Sul do Brasil está acontecendo essa migração asssim como nos Estados Unidos e Europa, no nosso caso imigração de hermanos, principalmente venezuelanos e argentinos. Creio que eles irão dominar esses regiões do Brasil, podendo até substituir o português pelo espanhol caso se tornarem a maioria. Pra se ter uma ideia, quase um quarto da população de Roraima é de venezuelanos. E poderão se tornar a maior força separatista da história do Brasil, inclusive com apoio de seus países natal querendo tirar proveito dessa desestabilização do Brasil, vai ser tipo uma nova tríplice aliança, só que dessa vez contra o Brasil. A história não acabou e o mundo daqui a algumas décadas certamente não será igual ao mundo atual, nada garante que o que temos hoje vai ficar assim pra sempre.

  • Óbvio que Bolsonaro ganha de novo. Não porque é bom, mas porque os outros são piores. Igual no Rio que o Paes se não for impedido vai voltar, não porque carioca seja masoquista, mas porque ninguém mais aguenta o Crivella. A gente vota no menos mal

  • Avatar

    #SomosTodosPalhaços

    O mais irônico é que o que acabou com a família não foi exatamente ideologias feministas ou LGBT, apesar de estes não serem totalmente santos. O real culpado é o próprio sistema capitalista neoliberal que os cornoservadores adoram defender. Puseram o pai e a mãe pra trabalhar como escravos pra pagar impostos pra sustentar uma classe política plutocratica na democracia liberal.

  • Vai ser reeleito mas vai ser impedido em poucos meses. O sistema vai continuar a mesma merda, é tudo um teatro ridículo onde fingimos que temos escolha e eles fingem que se importam com a gente. A terceira guerra mundial já começou há décadas. Só que o campo de batalha não é um território geográfico, mas a mente de cada um de nós. Aliás, começou e já acabou. Eles venceram. Viram que não adiantava matar pessoas, matar boas ideias e dominar mentes é mais eficiente e lucrativo no longo prazo. Hoje não é necessário escravizar ninguém, basta dar a falsa ilusão de liberdade.

    Apenas foque em fazer seu próprio dinheiro, se preparar pra sua aposentadoria e pro inevitável colapso da previdência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: