Joga pra cima!

Um projeto aprovado pelo Congresso Nacional pode anular dívidas tributárias de igrejas acumuladas após fiscalizações e multas aplicadas pela Receita Federal. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o valor do “perdão” seria de quase R$ 1 bilhão. LINK


Mas a crise é culpa de quem tentou se proteger da pandemia, tá ok? Desfavor da Semana.

SALLY

Já era previsível que o atual governo não assumiria responsabilidade por nenhuma escolha errada, como de fato nunca assumiu, mas a forma como a atual crise vem se desdobrando ultrapassa todos os limites de bom-senso.

Após uma condução desastrosa da pandemia, que matou vidas e economia, o governo ensaia colocar a culpa da crise econômica que começa a dar as caras em uma quarentena que nunca aconteceu. Nas redes sociais, o discurso da milícia virtual já está organizado e é repetido pelos poucos anecefálicos que ainda não pularam fora desse barco: todo desgraçamento econômico que aconteça é culpa da quarentena/lockdown, pois o brasileiro ficou “seis meses em casa”. Pausa para rir.

Não houve quarentena nem lockdown no Brasil. Aí sempre vem um ignóbil e fala “Ain, mas na minha empresa fechou”. Isso não quer dizer que houve quarentena ou lockdown. As medições feitas por empresas de telefonia, com base nos celulares, mostram que mesmo no auge do isolamento social, o país não conseguiu superar os 50% de isolamento. O brasileiro não ficou em casa seis meses, discordar disso é de uma desconexão com a realidade assustadora.

Então, sinto muito, não teve quarentena. Teve um fechamento desorganizado de empresas e comércio que de fato foi venenoso para a economia e inútil para conter a pandemia, vide os mais de cem mil mortos. O brasileiro, com ou sem fechamento de comércio, continuou circulando e espalhando o vírus. O Brasil fez tanta merda que conseguiu matar pessoas e a economia.

Colocar a culpa, ou toda a culpa, de qualquer crise que esteja por vir em uma quarentena que o Brasil NÃO FEZ é extremamente desonesto. É óbvio que uma pandemia afeta a economia do mundo todo, mas querer empurrar goela abaixo de que essa crise, como vai se apresentar, era inevitável por causa da quarentena? Não cola.

Desde o ano passado a economia já ia mal, mesmo antes do coronavírus. Além disso, este ano, o governo parece ter se esforçado para fazer as piores escolhas possíveis, focando em interesses pessoais e devaneios. Escolhas melhores, uma administração melhor da receita e das despesas mitigariam em muito a crise. O que está por vir não é culpa nem da pandemia nem da quarentena, é culpa das péssimas escolhas do atual governo. Mas, é óbvio, jamais vão admitir isso.

Quando você topa perdoar uma dívida de um bilhão de reais de igrejas, ou tem muito dinheiro sobrando ou é um baita filho da puta. Quando você promete que até o meio do ano vai fazer algumas grandes privatizações e não faz nada, ou você é um incompetente ou é um baita filho da puta. Quando você faz uma reforma judicial onde mantém salários astronômicos e privilégios, ou é um débil mental ou é um baita filho da puta.

Muitas empresas e comércios quebraram? Sim. A culpa é da quarentena? Não. Em países onde o governo usou recursos para socorrer estas empresas e comércios, eles se recuperaram. O governo brasileiro prefere perdoar dívida na casa do bilhão de evangélicos, gastar fortuna para dar lagosta para juiz comer e pegar inúmeras regalias aos mais diversos setores para que os filhos do Presidente não sejam nem investigados nem punidos. E a culpa é da quarentena? Haja ignorância.

Mas, a militância virtual repete mentiras até virarem verdades: “Quem pediu para ficar em casa não pode reclamar do preço do arroz”. Oi? Imagina o grau de deficiência mental de uma pessoa que chega a esse tipo de conclusão. Chega a dar desespero conversar com o brasileiro médio sobre pandemia, quarentena e economia. Ignoram que o governo joga fortunas no lixo com suborno, interesses próprios e regalias, em vez de socorrer empresas e comércios.

Inclusive subornando o próprio povo. Conversando com pessoas que trabalham na Caixa Econômica Federal, fiquei sabendo de detalhes escabrosos sobre o pagamento do auxílio emergencial. Eles têm ordem de não fiscalizar quem recebe, estão proibidos de exercer qualquer fiscalização ou negar pagamento. Isso rende histórias tenebrosas como a de pessoas na fila para receber o auxílio berrando que querem ser atendidas logo pois tem que ir trabalhar.

Eu entendo que em um primeiro momento não dá para fazer uma fiscalização cautelosa sobre quem tem direito a receber e quem não. Mas, passados vários meses, já seria possível detectar que funcionários públicos, políticos, pessoas mortas e até animais de estimação estão recebendo. Mas não, preferem jogar dinheiro no lixo e pagar, segundo o TCU, cerca de 42 bilhões de reais a quem não tem direito. Certamente esse dinheiro poderia ser melhor investido.

Se o Brasil não fosse um grande chiqueiro que politiza tudo, o argumento de que tudo que está por vir é culpa da quarentena não colaria nunca, pois as pessoas, apesar de terem votado em X ou em Y, teriam senso crítico de ver as centenas de cagadas que o governo sua equipe econômica vem fazendo e perceberiam que estas cagadas, no mínimo, agravam em muito uma crise que poderia ser muito mais leve.

Mas, o Brasil é um grande chiqueiro que politiza tudo, desde uma medida sanitária até uma crise econômica. O discurso vai ser claro: a culpa de tudo é dos “esquerdistas” que ficaram pedindo por uma quarentena. Não importa o que aconteça, mesmo que caia um meteoro e exploda metade do país, a culpa, invariavelmente vai ser da quarentena. Isso vai ser repetido, marretado e massificado até que vire uma verdade na cabeça das pessoas, ofuscando todas as cagadas que esse governo cometeu.

Se de fato conseguirem isso, Bolsonaro terá feito uma condução desastrosa de uma pandemia e, na hora de pagar o preço, vai colocar toda a culpa na oposição e capitalizar a seu favor. Se o brasileiro for burro a ponto de engolir isso, merece toda a danação que está por vir.

Entra governos, sai governos, independente de partido, e o mecanismo é o mesmo: filho feio não tem pai. Em vez de fazer uma autocrítica, aprender com os erros e melhorar, o caminho é sempre negar, negar e negar qualquer erro e empurrar a responsabilidade para os outros.

E o mais triste é que isso não é apenas um modo de funcionar do governo, é o modus operandi do brasileiro médio no geral. Continuem assim e continuarão estagnados. Ninguém melhora jogando a culpa dos seus erros nos outros ou em fatores externos.

Para dizer que a culpa é sua e você bota em quem você quiser, para dizer que a culpa é toda da quarentena ou ainda para dizer que admitir erro é sinal de fraqueza: sally@desfavor.com

SOMIR

A primeira coisa que me espantou na notícia: como é que as igrejas tinham dívidas com a Receita Federal se são isentas de pagar impostos? Em tese, igrejas só recebem esse benefício pela presunção de que não existem para gerar lucro. O dinheiro que recebem dos fiéis teria que ir para a manutenção da sua estrutura e a prestação de serviços para a população. Se por um acaso a igreja não conseguir gastar todo o dinheiro e resolver distribuir isso como lucro para os pastores, aí sim incidem algumas contribuições baseadas nesse lucro.

Contribuições como a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). E é essa que o projeto aprovado pelo Congresso anulou. Antigamente as igrejas só pagavam alguma coisa com base nos lucros distribuídos para os pastores, mas até isso parece demais para a ganância dos servos de Deus. A CSLL costuma girar ao redor de 9% do lucro. E só é ativada a partir de um certo valor, a pessoa precisa receber um bom dinheiro para isso começar a valer. Então, vamos pensar assim: o quase 1 bilhão de reais que as igrejas devem são baseados nos casos que a Receita Federal pegou, e são baseados em 9% do lucro dessas igrejas. Claro que devem ter muitas multas no meio, mas é fácil presumir que estamos falando de uns 10 bilhões de reais de lucro que as igrejas distribuíram para seus pastores e a Receita Federal conseguiu provar!

Então, mesmo que você seja do tipo que realmente acredita que igrejas mereçam isenção total de impostos, vai ser obrigado a concordar que esse caso não é a mesma coisa que a isenção tradicional que igrejas recebem. Não é sobre dinheiro que a igreja investe na prestação de serviços à comunidade, não só sobre dinheiro que a igreja usa para fazer uma reforma ou construir um novo templo, não é nem sobre o salário de seus funcionários… o Congresso autorizou que os pastores não paguem contribuição sobre os lucros em dinheiro vivo que recebem diretamente em suas contas. Lucro líquido. Lucro lucro. Lucro depois de pagar todas as contas da igreja, lucro que não vira reinvestimento na função social da igreja, lucro que serve para os pastores comprar relógios de ouro, carrões e casas em condomínios fechados bem longe de suas ovelhas… nem isso os políticos brasileiros acham que os pastores devem pagar.

Bolsonaro vai aproveitar bastante o capital político com os evangélicos depois disso. Os deputados e senadores também. Pra vocês terem uma noção de quão longe vai o lobby das igrejas evangélicas, até mesmo o Partido Comunista do Brasil votou 100% a favor de perdoar as dívidas. E mesmo com esse exemplo claro de utilização de dinheiro público para beneficiar os amigos e a perda de recursos sem nenhuma razão aparente, o mesmo governo vai continuar sua tática de apontar o dedo para a Dona Maria, 52, moradora de comunidade carente – cardíaca por décadas de falta de acesso à saúde básica – por ter ficado com medo do coronavírus em casa e destruído a economia.

Não, não foi a sequência bizarra de erros de governos federal, estadual e municipal que nos fizeram ficar com o pior da doença e o pior da crise econômica, foi você que se preocupou com o coronavírus e tentou agir de forma civilizada ficando em casa para salvar vidas que fez isso! O presidente que foi chamar uma doença que matou mais de 120.000 brasileiros em meses de gripezinha na TV agora vai encher a boca para dizer que deveríamos ter feito as coisas de forma diferente, com a certeza de que todo mundo é tão burro ao ponto de acreditar nele.

Que político brasileiro é cara-de-pau e avesso às responsabilidades de seu cargo não é novidade, mas não é possível que o povo seja tão burro ao ponto de acreditar que esse governo queimando um bilhão de reais para agradar pastores é inocente nessa história, né? Né? O perigo é que estamos na era da pós-verdade, onde o fato pode ser revisto de todas as formas desde que você tenha um volume suficiente de malucos postando sua versão nas redes sociais. É possível que essa narrativa insana de que quem destruiu a economia foi uma quarentena que nem aconteceu passe como verdade.

E pior: que os políticos (situação e oposição) que não tiveram coragem de tomar uma decisão enquanto o povo morria ao ponto de lotar necrotérios e cemitérios saiam como vítimas de uma situação incontrolável. Conseguiram até os comunistas para aprovar o perdão de dívidas baseadas em lucro das igrejas, mas não conseguiram decidir se faríamos quarentena de verdade ou não? E a culpa pelo preço do arroz estar nas alturas é de quem tentou se proteger de uma doença porque o governo federal disse na cara dura que não estava nem aí?

Estamos vendo níveis de cara-de-pau que nunca imaginávamos possíveis. O país que mal passou duas semanas em semi-quarentena e começou a reabrir tudo enquanto a curva de infecções e mortes estava subindo exponencialmente errou por excesso de zelo? É isso que vão tentar empurrar para cima da gente agora? Que um governo que demitiu dois ministros da saúde para poder empurrar um remédio que não funciona foi sabotado pelo povo? Que um país que entregou 46 bilhões de reais de auxílio emergencial para quem não precisava só está com problemas financeiros porque governadores e prefeitos proibiriam a abertura dos bares para evitar que os hospitais entrassem em colapso?

O tema do perdão das dívidas sobre lucros líquidos de igrejas mereceria uma menção a qualquer momento, é o típico fisiologismo que enfraquece o Estado e passa a sensação de que não há leis para quem tem muito dinheiro nesse país, mas vir ao mesmo tempo que o governo começa a tentar empurrar a versão que a crise econômica que vem aí é culpa do povo e não de suas decisões desastradas e ajudas descaradas aos amigos é uma ofensa elevada ao cubo.

Para dizer que tontos somos nós que continuamos morando aqui, para dizer que quem controla exército e igreja nunca perde o poder, ou mesmo para dizer que não se fazem mais comunistas como antigamente: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , , ,

Comentários (10)

  • Avatar

    Wellington Alves

    Deixa ver se entendi… Proibiram Bolsonaro de implementar o isolamento vertical; foram contra o tratamento precoce como queria o presidente; anularam os decretos em que ele tornava certos Serviços como atividade essencial; quando ele falava que o efeito colateral do remédio podia ser pior lá na frente com desemprego, inflação, depressão e suicídio, fizeram ucampanha dizendo que a economia se recuperava depois mais vidas não; debochavam do presidente por ninguém estar respeitando suas ordens… Agora estão achando um absurdo que ele possa sair dessa crise sendo visto como inocente? Agradeçam a imprensa e a esquerda!
    ”Mas não teve isolamento horizontal pra valer”. Óbvio que não! Até parece que iam conseguir segurar o povo que não vive a realidade das quarentenas gourmet em suas vidas. Mas acontece que a economia foi obrigada a parar. O povo não estava trabalhando, mas Em compensação suas empresas pararam. Então teria sido muito melhor que continuassem trabalhando dentro de um protocolo de segurança.
    pra ajudar… Forçaram com que o governo pagasse o auxílio emergencial o mais rápido possível, e com o maior valor possível, achando que isso aceleraria a quebra do governo. Acabaram se deparando com uma explosão de popularidade do presidente no Nordeste.
    Nunca, jamais, subestimem o efeito Mr. Magoo de Bolsonaro!

    • Isolamento vertical na favela? Tratamento precoce com cloroquina? Manicure como serviço essencial? Realmente, deveríamos ter ouvido mais o Bolsonaro: talvez com o triplo de mortos o mercado das funerárias poderia absorver esse monte de desempregados. O que não parece ter ficado claro aqui é que Bolsonaro não foi a voz que defendeu a economia, foi a voz que ficou dando ideias progressivamente mais absurdas até que todo mundo desistiu de tentar. Bolsonaro não foi impedido de salvar a economia, foi impedido de matar um número imenso de brasileiros na sua arrogância ignorante tipicamente brasileira.

      O ponto do texto é que ele ficou de braços cruzados fazendo manha porque não estavam escutando as sugestões absolutamente retardadas dele, virou o Lula quando descobriu o poder do assistencialismo e agora está apontando o dedo para quem tentou fazer alguma coisa de verdade durante esse período, no qual ele se concentrou em evitar o impeachment e derrubar os desafetos. É muita cara de pau dele. Que o isolamento ideal era impossível no Brasil todos sabíamos, mas ele mandou tantas mensagens erradas para a população nesse meio tempo que o povão simplesmente desistiu de tudo. Está na conta dele sim.

      E muito triste que uma pessoa capaz de escrever de forma coerente como você cair nesse truque barato dele…

      • Você só me deu razão. não vem ao caso se as ideias dele seriam mais catastróficas ou não, a questão é que, exatamente por terem feito diferente, ele não poderá ser cupado pela situação atual. ao mesmo tempo que será reconhecido por ter dado todo apoio financeiro necessário.

  • Povo burro, e o mesmo povo que tem 245 filhos sem ter condicoes pra um!! O unico pastor que eu confio e o Alemao!

  • Mas a população brasileira é extremamente religiosa e, infelizmente, apoia tal manobra.

    Igrejas no Brasil estão acima do bem e do mal. É algo enraizado aqui. Veja o fato dos comunistas cristãos apontados pelo Somir.

    • Na verdade, quem passa os mais bocados são os peões. Os bem relacionados quando muito passam algum desconforto.
      Se serve de consolo, esse valor é um passivo que ficaria judicializado caso não se tivesse a aprovação de tal projeto e jamais que o governo iria ver a cor do dinheiro.
      Um bilhão de reais é um miquinho por pessoa que recebe o auxílio emergencial. Nem é tão relevante em termos de rombo. O que é um peido pra quem tá todo cagado.

  • O Brasil é mesmo muito rico, porque com tanta putaria não vai a falência, tem teta sobrando aí pra mais uns séculos!

  • Fiquei assustado e enojado com o que li. A coisa toda tão absurda que eu nem sei direito como comentar. Está cada dia mais difícil agüentar este país… É como já dizia o bom e velho Alborghetti: “Tudo o que pinta de novo, pinta no rabo do povo!”

  • A mansão do pastor segue intacta… Aliás, tem alguns que instalam a igreja na própria casa exatamente pra burlar impostos. Só botar umas cadeiras de plástico na garagem e pronto, virou igreja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: